Arquivos Psíquicos do Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Arquivos psíquicos do Egito)
Ir para: navegação, pesquisa

Arquivos psíquicos do Egito é uma obra literária, escrita por Hermínio Correa de Miranda em 1994, que relata e estuda uma experiência mediúnica psicográfica, começada em 1928 na Inglaterra, em que a Lady Ivy Beaumont, de pseudônimo Rosemary, e o Dr. Frederic H. Wood comunicavam-se com Lady Nona (senhora ninguém, em egípcio antigo), espírito de uma mulher que declarou ter vivido durante a XVIII dinastia egípcia[1], experiência esta publicada no livro de Frederic H. Wood Ancient Egypt Speaks.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Neste livro, Hermínio miranda estuda sobre o que ele acredita que seja uma experiêncial incrível ocorrida unicamente, até hoje, na Inglaterra, a comunicação mediúnica com um espírito que revelou algo de como era a língua falada no Antigo Egito. Com os estudos iniciados por Champollion e continuados por diversos egiptólogos conseguimos hoje estudar e descobrir o que diz os hieróglifos egípcios, mas a língua egípcia permanece ainda como um grande segredo. Hermínio Miranda descorre e tenta não deixar cair no esquecimento esta incrível experíência. No livro ele conta desde como as personagens se depararam com a experiência mediunica até a importância das revelações de Lady Nona. Miranda chega a relatar até que por psicofonia Lady Nona,utilizando-se da médium Ivy Beaumont, falou em egípcio antigo a estudiosos da International Institute of Psychical Research, em 4 de maio de 1936[2], que gravaram a palestra. Durante o livro Hermínio Miranda relata o seu aborrecimento de não ter recursos para ir à Inglaterra estudar os arquivos e gravações da experiência pessoalmente.

Informações[editar | editar código-fonte]

  • Editora:Lachâtre
  • 192 páginas
  • Catalogações:1.Egito. 2.Espiritismo.
  • ISBN 85-88877-25-2

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  • Uma história paralela
  • Introdução
  1. O perfil de um projeto
  2. A Senhora Ninguém
  3. Uma história 'indigesta'
  4. A princesa babilônica
  5. O contexto histórico
  6. Aquenáton, o faraó, poeta e teólogo (herético)
  7. Tiy, a Grande Esposa Real
  8. Como se falava em egípcio?
  9. A mediunidade como instrumento de pesquisa histórica
  10. A rainha 'morta' e os egiptólogos vivos
  11. Lady Nona grava, em egípcio, "naquele objeto de metal"
  12. A 'ousada' proposição
  13. Vola/Rosemary/Ivy Beaumont
  14. Rosemary vai ao Egito e o 'onde' se transforma em 'quando'
  15. Nona fala sobre Cristo
  16. A revelação lingüística e a realidade espiritual - 1
  17. A revelação lingüística e a realidade espiritual - 2
  • Notas bibliográficas
  • Bibliografia

Referências

  1. Arquivos psíquicos do Egito, pg.33
  2. pg. 124, 2º parágrafo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.