Arsina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Arsina
Alerta sobre risco à saúde
Arsine.png
Arsine-3D-balls.png Arsine-3D-vdW.png
Nome IUPAC Tri-hidreto de arsênio
Arsane
Trihydridoarsenic
Outros nomes Arseniuretted hydrogen,
Arsenous hydride,
hydrogen arsenide
Identificadores
Número CAS 7784-42-1
Número EINECS 232-066-3
Propriedades
Fórmula molecular AsH3
Massa molar 77.95 g/mol
Aparência gás incolor
Densidade 4.93 g/l, gas; 1.640 g/mL (−64 °C)
Ponto de fusão

−117 °C (157 K)

Ponto de ebulição

−62.5 °C (210 K)

Solubilidade em água 0.07 g/100 ml (25 °C)
Estrutura
Forma molecular trigonal pyramidal
Momento dipolar 0.20 D
Termoquímica
Entalpia padrão
de formação
ΔfHo298
+66.4 kJ/mol (gás) [1]
+64 kJ/mol (líquido)
Entropia molar
padrão
So298
223 kJ.K−1.mol−1
Riscos associados
Classificação UE Very flammable (F+)
Highly toxic (T+)
Harmful (Xn)
Dangerous for the environment (N)
NFPA 704
NFPA 704.svg
4
4
2
 
Frases R R12, R26, R48/20, R35
Frases S S1/2, S9, S16, S28, S33, S36/37, S45, S60, S61
Ponto de fulgor flammable gas
Compostos relacionados
compostos XH3, sendo X do Grupo 15 (VA) relacionados Amônia (NH3)
Fosfina (PH3)
Estibina (SbH3)
Bismutina (BiH3)
Compostos relacionados Germano (gás) (GeH4)
Seleneto de hidrogênio (H2Se)
Metilarsina
Trimetilarsina
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.


A arsina ou hidreto de arsênio ( AsH3 ) é um composto inorgânico gasoso na temperatura ambiente, é inflamável e altamente tóxico[2] constituído de hidrogênio e arsênio.

A arsina é mais pesada que o ar , solúvel em água , incolor, e com um odor suave de alho que só é percebido quando em altas concentrações.[3]

Alguns minérios apresentam na sua composição arsênio. O arsênio ou o minério que contém este elemento quando em contato com a água ou algum ácido ocorre uma reação , liberando uma quantidade pequena de gás arsina.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Alguns compostos orgânicos derivados da arsina, como lewisita (2-clorovinildicloroarsina), adamsita (difenilaminocloroarsina), e outros como "Clark I" (difenilcloroarsina) e "Clark II" (difenilcianoarsina), tem sido desenvolvidos para a guerra química , porém nunca foram usados.

O principal uso da arsina é na indústria eletrônica, como gás dopante para a formação dos materiais semicondutores.

Também é usada em sínteses orgânicas.

Precauções[editar | editar código-fonte]

A exposição à arsina provoca hemólise e falhas renais. Apresenta alta taxa de mortalidade. A maioria dos casos de intoxicação por arsina tem sido relatados em ambientes de trabalho que manuseiam este material. A principal forma de absorção é por inalação. Não existe nenhum antídoto para neutralizar a arsina, em casos de intoxicação grave os médicos indicam a transfusão de sangue.

Em 12 de julho de 2001 , na cidade de Tulsa em Oklahoma (Estados Unidos) , uma válvula de um tanque químico com arsina fundiu hospitalizando quase 100 pessoas com problemas de respiração e náuseas.

Descoberta e síntese[editar | editar código-fonte]

AsH3 pode ser obtido pela seguinte reação:

4 AsCl3 + 3 NaBH4 → 4 AsH3 + 3 NaCl + 3 BCl3

Esse tipo de reação foi empregada na descoberta da arsina, como relatado em 1775 por Carl Wilhelm Scheele, que reduziu trióxido de arsênio com zinco na presença de ácido. Essa reação é um prelúdio do teste de Marsh (teste forense).

Referências