Arthur Morgan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Arthur Morgan
Personagem ficcional de Red Dead
Arthur Morgan - Red Dead Redemption 2.png
Aparência de Arthur Morgan em Red Dead Redemption 2 (2018)
Criado(a) por Rockstar Games
Interpretado(a) por Roger Clark
Descrição ficcional
Outro(s) nome(s) Arthur Callahan
Afiliações Gangue Van der Linde
Família Lyle Morgan (pai)
Beatrice Morgan (mãe)
Isaac (filho)
Aparições
Série(s) Red Dead
Primeira aparição Red Dead Redemption 2 (2018)

Arthur Morgan é um personagem fictício e o protagonista de Red Dead Redemption 2. Um membro da gangue Van der Linde, Arthur deve lidar com o declínio do Velho Oeste enquanto tenta sobreviver contra as forças do governo. Ele é interpretado por Roger Clark.

A Rockstar Games decidiu focar Red Dead Redemption 2 em apenas um personagem, a fim de segui-lo mais pessoalmente. Eles achavam que isso era mais apropriado para a estrutura narrativa de um faroeste. Clark queria interpretar Arthur de uma maneira complexa o suficiente para que o jogador escolhesse seu caminho e ainda fizesse sentido. Ele se inspirou em atores como Toshiro Mifune, John Wayne e Rob Wiethoff, que interpretou John Marston no jogo e seu antecessor.

Arthur foi aclamado pela crítica, sendo sua complexidade e caminho para a redenção frequentemente alvo de elogios. Os críticos também o elogiaram por trazer o mundo e outros personagens à vida. Por seu trabalho, Clark recebeu várias indicações e foi premiado como Melhor Performance no The Game Awards 2018.

Criação[editar | editar código-fonte]

A equipe de desenvolvimento da Rockstar Games determinou que haveria um personagem para controlar em Red Dead Redemption 2, em oposição aos três protagonistas do título anterior da Rockstar, Grand Theft Auto V (2013), para entender melhor como os eventos o afetam.[1] Eles também viram que a estrutura narrativa de um faroeste precisava de uma perspectiva única.[2]

O ator Roger Clark interpretou Arthur Morgan em Red Dead Redemption 2. O processo da captura de movimento envolveu a gravação simultânea de movimento e fala, enquanto uma pequena parte foi feita em uma cabine de locução.[3] Pesquisando o papel, a principal inspiração de Clark veio de Toshiro Mifune,[4] cujos personagens o comportamento estóico, mas bem-humorado, continha as complexidades que ele queria em Arthur.[5] Clark ganhou uma visão de The Proposition (2005), pois continha um arco de personagem semelhante ao de Arthur. Ele assistiu filmes como High Noon (1952), bem como o trabalho de John Wayne;[6] apesar de ver a Trilogia dos dólares (1964-1966), ele não derivou muito da representação de Clint Eastwood do Pistoleiro sem nome porque sentiu que Arthur era mais falador.[4] Clark ouvia regularmente a versão de Don Edwards de 1993 da música "Coyotes" durante a produção.[7]

Clark queria que sua interpretação fosse complexo o suficiente para o jogador tomar decisões sem que eles se sentissem atípicos. Ele inicialmente teve dificuldades com esse conceito, pois a execução de alta honra era diferente da baixa hora, mas percebeu que Arthur era alguém que poderia facilmente se contradizer.[6] Com o objetivo de mostrar a vulnerabilidade do ego de Arthur, Clark observou que o ressentimento de John Marston por ter uma família se desfez quando ele finalmente procurou ajudá-los.[5] O desempenho de Rob Wiethoff como John no primeiro jogo influenciou a sua própria.[3] Um segundo interesse amoroso foi cortado por causa de um efeito desejado.[8]

O escritor Dan Houser estava interessado em subverter o tropo do protagonista começando fraco e se tornado mais forte à medida que a história avança; em vez disso, Arthur já é durão no início do jogo e é "levado a uma montanha-russa mais intelectual quando sua visão do mundo é desmontada".[9] Ele sentiu que o declínio do Velho Oeste teve um efeito profundo em Arthur, observando que o personagem está "preso entre a maldade da natureza e a brutalidade da industrialização invasora na civilização".[8] Houser evitou encontrar Clark no set para ouvir sua voz real.[9]

Biografia fictícia[editar | editar código-fonte]

Arthur se juntou a gangue Van der Linde aos catorze anos, tendo perdido seu pais ainda jovem, e logo se tornou o primeiro protegido de Dutch. Arthur teve um filho, Isaac, com uma garçonete chamada Eliza; ele demonstrou apoio regular a eles até que foram mortos por ladrões. Com o tempo, Arthur se transformou no executor mais dedicado de Dutch.

Quando um assalto de balsa malsucedido os deixa sem escolha a não ser fugir pelas montanhas, Arthur ajuda a encontrar suprimentos e depois rastreia o colega de gangue John Marston. Ele ajuda a roubar um trem de propriedade do magnata, Leviticus Cornwall. Arthur se envolve em um conflito entre duas famílias em guerra, os Braithwaites e os Grays, levando à captura do filho de John, Jack. Arthur recupera Jack da supervisão do senhor do crime Angelo Bronte e ajuda a retaliar contra Bronte depois que ele os conduziu a uma armadilha. Depois que Bronte é capturado, Dutch o afoga; Arthur percebe a explosão violenta de Dutch como algo atípico dele. Em Saint Denis, um assalto a banco fracassado força alguns membros do grupo a sair da cidade; Arthur náufraga com os outros em Guarma, uma ilha próxima de Cuba, e batalha ao lado de um revolucionário em troca de um navio de volta ao continente. Reunindo-se com o resto, Arthur resolve salvar John, agora capturado, para a desaprovação de Dutch. Pouco depois, Arthur adormece e desmaia, caindo do cavalo. Depois de visitar um médico, ele é diagnosticado com tuberculose. Chocado com a sombria realidade da morte eminente, ele começa a refletir sobre decisões e moral. Isso impulsiona seu desejo de proteger os remanescentes da gangue, principalmente John e sua família. Ao salvar John da prisão, Arthur revela suas dúvidas sobre Dutch, incapaz de aceitar as crescentes obsessões de seu líder.

Dutch aparentemente abandona Arthur durante um ataque a uma refinaria de petróleo e deixa John para morrer quando ele é baleado durante um assalto a um trem. Quando Dutch ignora o pedido de Arthur para resgatar a esposa de John, Abigail, Arthur repuldia a gangue. Ao confrontá-los, Arthur descobre que Micah Bell está traindo a gangue ao agir como informante dos Pinkertons. Ele retorna a Dutch para informá-lo sobre isso, mas Dutch se volta contra Arthur e o recém-retornado John. Enquanto os Pinkertons invadem o acampamento, Arthur e John fogem. Arthur implora a John para voltar para sua família. Ele logo é emboscado pelo vingativo Micah, e Dutch intervém. Arthur convence Dutch a abandonar Micah e ir embora. Se o jogador tiver grande honra, Arthur sucumbe aos seus ferimentos e doença, morrendo pacificamente enquanto observa o nascer do sol; com pouca honra, Micah o executa.

Recepção[editar | editar código-fonte]

A interpretação de Roger Clark como Arthur Morgan recebeu aclamação crítica.

Arthur Morgan recebeu aclamação crítica. Alex Navarro, da Giant Bomb, escreveu que o retrato cuidadoso dos conflitos internos de Arthur possuía humanidade, muitas vezes ausente em outros jogos da Rockstar.[10] Kyle Atwood da LevelSkip o chamou de "personagem de tragédia e, mais importante, humano".[11] Kirk Hamilton da Kotaku opinou que Arthur inicialmente parecia normal, porém se tornou mais intrigante por causa do desempenho de Clark.[12] Escrevendo para Ars Technica, Daniel Starkey sentiu que, embora a história de Arthur possa ser considerada "comovente e memorável", alguns podem ver como um conto típico sobre "um homem mau que não está necessariamente no controle".[13]

Tom Power do GamesRadar+, acredita que o relato da vida de Arthur em Red Dead Redemption 2 refletia uma tragédia shakesperiana, com vários capítulos do jogo representando os cinco estágios do luto.[14] Nick Plasses, da Electronic Gaming Monthly, achou sua jornada muito "muito mais redentora" do que a de John Marston em Red Dead Redemption, observando que as deficiências de Arthur evocavam um sentimento de simpatia.[15] A análise de Javy Gwaltney para o Game Informer ecoou esse sentimento, descrevendo o arco como uma "fantástica visão de memento mori e como a redenção implacavelmente confusa e complexa pode ser".[16] por outro lado, Martin Robinson da Eurogamer, considerou Arthur menos convincente do que John, confundindo assim sua experiência da narrativa.[17]

Paul Walker-Emig, do The Guardian, disse que o caderno de Arthur o fazia parecer "uma pessoa real com sua própria vida interior, em vez de um fantoche que faz nossas ordens".[18] Peter Suderman escrevendo para o The New York Times, disse que o jogador se conectou com Arthur "porque suas escolhas são, de fato, suas".[19] Laurence Mozafari, do Digital Spy, afirmou que Arthur havia encapsulado perfeitamente o sentimento do Velho Oeste.[20] Dean Takahashi, da VentureBeat, elogiou a contribuição de Clark por adicionar imersão ao jogo e profundidade ao seu personagem.[21] Luke Reilly no IGN saudou a voz de Arthur como tendo "autenticidade contagiante".[22]

Por seu papel, Roger Clark ganhou como Melhor Performance no The Game Awards 2018,[23] e foi vice-campeão da mesma categoria no PlayStation Blog;[24] ele também recebeu indicações no 15° British Academy Games Awards[25] e New York Game Awards.[26]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Crecente, Brian (24 de outubro de 2018). «The Story Behind the Story of Red Dead Redemption 2». Variety (em inglês) 
  2. Stanley, Patrick (7 de setembro de 2018). «Rockstar Games Reveals New Plot Details for 'Red Dead Redemption 2' (Exclusive)». Hollywood Reporter (em inglês) 
  3. a b «Exclusive Interview: Campfire chat with the stars of Red Dead Redemption 2». Shacknews (em inglês) 
  4. a b Stanley, Patrick (8 de novembro de 2018). «How Red Dead Redemption 2's Stars Brought a New Western Classic to Life». The Hollywood Reporter (em inglês) 
  5. a b McKeand, Kirk (6 de fevereiro de 2019). «"It's importart show that there's a vulnerability to the male ago" - Enterview with Roger Clark's Red Dead Redemption 2». VG247 (em inglês) 
  6. a b Madsen, Hayes (19 de fevereiro de 2019). «Red Dead Redemption 2 Interview: The Actor Behind Arthur Morgan Talks About Becoming the Main Character, Lenny Scene & More». Twinfinite (em inglês) 
  7. Red Dead Redemption II Cast at SacAnime Summer 2019. SacAnime (em inglês). 8 de junho de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  8. a b Goldberg, Harold (14 de outubro de 2018). «How the West Was Digitized The making of Rockstar Games' Red Dead Redemption 2». Vulture (em inglês) 
  9. a b White, Sam (24 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2: The inside story of the most lifelike video game ever». QG (em inglês) 
  10. Navarro, Alex (26 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2 Review». Giant Bomb (em inglês) 
  11. Atwood, Kyle (19 de fevereiro de 2019). «Arthur Morgan: A "Red Dead Redemption 2" Character Analysis». LevelSkip (em inglês) 
  12. Hamilton, Kirk (26 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2: The Kotaku Review». Kotaku (em inglês) 
  13. Starkey, Daniel (25 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption II review: Getting muddy in the wide-open frontier». Ars Technica (em inglês) 
  14. Power, Tom (4 de março de 2019). «At the heart of Arthur Morgan's struggle in Red Dead Redemption 2 is a Shakespearean tragedy worth reflecting on». GamesRadar+ (em inglês) 
  15. Plasses, Nick (25 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2 review». EGM (em inglês) 
  16. Gwaltney, Javy (7 de novembro de 2018). «Arthur Morgan Is A Better Protagonist Than John Marston». Game Informer (em inglês) 
  17. Robinson, Martin (25 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2 review - a peerless open world, and a story in the shadow of it's predecessor». Eurogamer (em inglês) 
  18. Walker-Emig, Paul (29 de abril de 2019). «Why I love notebooks in video games». The Guardian (em inglês) 
  19. Suderman, Peter (23 de novembro de 2018). «Red Dead Redemption 2 Is True Art». The New York Times (em inglês) 
  20. Mozafari, Laurence (25 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2 review PS4: Rockstar creates it's realest world yet and you won't want to leave». Digital Spy (em inglês) 
  21. Takahashi, Dean (6 de novembro de 2018). «Red Dead Redemption 2 Review - Goodbye to the American West». VentureBeat (em inglês) 
  22. Reilly, Luke (25 de outubro de 2018). «Red Dead Redemption 2 Review». IGN (em inglês) 
  23. Grant, Christopher (6 de dezembro de 2018). «The Game Awards 2018: Here are all the winners». Polygon (em inglês) 
  24. Massongill, Justin (17 de janeiro de 2019). «Game of the Year 2018: The Winners». PlayStation Blog (em inglês) 
  25. Fogel, Stefanie (14 de março de 2019). «'God of War,' 'Red Dead 2' Lead BAFTA Game Awards Nominations». Variety (em inglês) 
  26. Keyes, Rob (3 de janeiro de 2019). «2018 New York Game Awards Nominees Revealed». Screen Rant (em inglês)