Arthur Omar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Arthur Omar
Nascimento 1948 (71 anos)
Poços de Caldas
Cidadania Brasil
Ocupação fotógrafo, pintor

Arthur Omar de Noronha Squeff (Poços de Caldas, 1948), é um artista brasileiro contemporâneo. Trabalha com fotografia, cinema, instalações e artes plásticas.[1] Foi considerado, nos anos 80, um dos primeiros artistas no Brasil a lidar com novas mídias, como o vídeo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

“Nada pode parar o fluxo de imagens, palavras, sons e ideias contidos numa obra de Arthur Omar.[2]

Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de destaque em várias áreas da produção artística contemporânea. Realizou o longa-metragem Triste Trópico em 1974 e mais de 30 filmes e vídeos.[3]

Trabalha com cinema, vídeo, fotografia, instalações, música, poesia, desenho, além de ensaios e reflexões teóricas sobre o processo de criação e a natureza da imagem. Em todos os campos, Arthur Omar introduziu novas maneiras de pensar, e contribuições radicais a uma renovação das linguagens e das técnicas.

Temas como o êxtase estético, a violência sensorial e social e a construção de metáforas visuais marcam toda sua obra, voltada para busca de uma nova iconografia da realidade brasileira. Documentário experimental, fotografia, vídeo-arte, moda, filme de ficção e vídeo-instalações, suas imagens migram e se transformam através dos meios, suportes, linguagens.

Em 1999, teve retrospetiva completa de sua obra em filme e vídeo no MOMA, Museu de Arte Moderna de Nova York[3], e em 2001 no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio e de São Paulo.

Na Bienal de São Paulo de 1997, apresentou a instalação fotográfica Antropologia da Face Gloriosa, painel com 99 fotografias preto e branco em grande formato, parte da um estudo do rosto e do êxtase fotográfico como dimensão transcendental, série hoje reconhecida como um clássico da fotografia brasileira. Algumas dessas imagens vão dar origem a atual série colorida A Pele Mecânica.

Foi destaque na Bienal de São Paulo de 2002 com a série Viagem ao Afeganistão, conjunto de 30 fotografias em grandes dimensões compondo paisagens paradoxais e perspetivas impossíveis, onde as imagens realizadas na zona de catástrofe, entre Cabul e Bamyan, desconstroem o olhar jornalístico, apontando para um realismo pós-contemporâneo.

Em 2001 foi premiado por duas exposições individuais pela Associação Paulista de Críticos de Arte: O Esplendor dos Contrários (Centro Cultural Banco do Brasil-SP), série de fotografias de paisagens amazônicas, em que reinventa o espaço e a luz e trabalha com efeitos em 3D e a exposição Frações da Luz (Galeria Nara Roesler), série de caixas de luz em que explora a serialidade e a luminosidade "interna" de imagens vindas de diferentes suportes.

Sua produção contemporânea em vídeo traz uma linguagem extremamente sofisticada, com a criação de metáforas visuais e relações inusitadas entre imagens e sons (Atos do Diamante, Pânico Sutil, A Lógica do Êxtase e o longa-metragem em vídeo Sonhos e Histórias de Fantasmas, com desdobramentos no campo das vídeo-instalações, suporte para o qual desenvolveu uma linguagem própria de forte impacto sensorial e marcada pela imersão do espetador (Inferno, Fluxos).

Publicou os livros de fotografias Antropologia da Face Gloriosa, O Zen e a Arte Gloriosa da Fotografia, e O Esplendor dos Contrários . A Lógica do Êxtase é o livro de referência sobre sua obra em filme e vídeo. Participa de mostras de Arte dentro e fora do Brasil: Bienal de Valência 2000, Bienal do Mercosul 1999, Bienal de Havana em 2000, Babel-Museu de Arte Contemporânea da Coreia 2002, ARCO 2000 e 2003, Foto Arte Brasília 2003, e LisboaPhoto 2003, onde ocupou a totalidade do Pavilhão de Portugal da Expo com uma grande retrospetiva de suas fotografias em preto e branco.

É casado com a curadora, professora, ensaísta e apresentadora de TV Ivana Bentes.

Textos de Arthur Omar[editar | editar código-fonte]

  • OMAR, Arthur. "Um filme-chave em discussão". Correio da Manhã, 1972.
  • "O problema fundamental do cinema". Correio da Manhã, 1972.
  • "Uma mexida na linguagem" [a propósito de Triste Trópico]. Jornal do Brasil, 05/10/1974.
  • "O antidocumentário, provisoriamente". Revista de Cultura Vozes, volume LXXII, n.6, agosto 1978, p.5-18.
  • "A preparação de um curta-metragem". Filme Cultura, n.35/36, julho/setembro 1980, p. 41-44.
  • "resposta a uma enquete sobre quais os filmes mais importantes do cinema brasileiro". Revista de Cultura Vozes, volume LXXIV, no 6, agosto 1980, p. 472.
  • "Depoimento num dossiê sobre o som no cinema brasileiro". Filme Cultura, n.37, janeiro/março 1981, p.19-21.
  • "Ampliar a ampliação". Filme Cultura, no 38/39, agosto/novembro 1981, p. 32-34.
  • "Viajando no Gol Ocular". In: Tony Cragg por Arthur Omar [Material de divulgação do vídeo Tony Cragg no/in Rio, 1985, 18']. Rio de Janeiro: IMAC/RIOARTE, 1985.
  • "Kodak-Gnose". Folha de S. Paulo, 29/04/1988, Folhetim no 586, p. 2-5.
  • "Vídeo de cabeceira: Vale Tudo". O Globo, 28/04/1989.
  • "Auto-retrato ao longo da noite", "Dentro do Castelo", "A faca de carne", "A caneta e o teclado" e "Máscara de dormir". Letras & Artes, Rio de Janeiro, ano IV, no 10, Setembro de 1990, p. 8, 10, 11, 12 e 13, respetivamente ["Dossiê Arthur Omar"].
  • "Leitura Básica: Vídeo". Folha de S. Paulo, 16/11/1991, Letras, p. 6-6.
  • "Foto, cine, vídeo, info: novas conexões". Revista Fórum BHZ Vídeo, Belo Horizonte, n.1, 1992, p.90-98.
  • "Cinema, vídeo e tecnologias digitais: as questões do artista". Revista USP, n.19 ("Dossiê Cinema Brasileiro"), setembro/novembro 1993, p.137-145.
  • "Réquiem para o olhar: fotografias de Ostia, Itália, próximo ao local onde morreu Pasolini". Imagens, n.2, agosto 1994, p.34-39.
  • "Tigressões" e "Ícones". Suplemento, Belo Horizonte, n.6, Outubro 1995, Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, p.8-10 e 11, respectivamente.
  • "A fuga atrás da orelha". Item - revista de arte, n.2, Rio de Janeiro, outubro 1995, p.17-21.
  • "Projeto ‘Rio 360 graus’ inventa a ioga digital". O Estado de S. Paulo, 05/11/1995, Caderno 2, p.D7.
  • "Cinema e Música". In: XAVIER, Ismail (org.). O Cinema no Século. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.269-288.
  • "Olhos redondos" [sobre o filme A Chinesa, de Godard]. Folha de S. Paulo, 23/02/1997, mais!, p.5-5.
  • "Antropologia da Face Gloriosa". São Paulo: Cosac & Naify Edições, 1997, 240 p.
  • "Triste Trópico" [texto datilografado de divulgação do filme]. Ciclo brasileiro em qualquer tempo, 15/10/1974 a 15/11/1974. Ciclo de filmes brasileiros(entre os quais a pré-estreia de Triste Trópico), no auditório da GV (Fundação Getúlio Vargas).

Textos sobre Arthur Omar[editar | editar código-fonte]

  • AHMED, Flávio. "Dois Curtas de Arthur Omar". Cine Imaginário, ano 3, n.35, outubro 1988, p. 7 [sobre O Inspetor e Ressurreição].
  • "Partitura literária sobre O Som ou o Tratado de Harmonia - Um filme de Arthur Omar". Letras & Artes, Rio de Janeiro, ano IV, no 10, setembro de 1990, p.15 ["Dossiê Arthur Omar"]
  • AVELLAR, José Carlos. "Cinemaníaco" [sobre Triste Trópico. Texto republicado, com ligeiras modificações e com o título "O garçom no bolso do lápis". Ver o item seguinte nesta bibliografia]. Jornal do Brasil, 09/12/1974.
  • "O garçom no bolso do lápis" [sobre Triste Trópico; republicação do artigo "Cinemaníaco" com título novo e ligeiras modificações]. In: Imagem e som, imagem e ação, imaginação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982, p. 158-160.
  • BENTES, Ivana. "Acid Movie ou o cinema feito em pedaços". Letras & Artes, Rio de Janeiro, ano IV, no 10, setembro de 1990, p. 14-15 ["Dossiê Arthur Omar"].
  • "Vídeo nos anos 90 (o meio é a massagem)", p.148, 149-150 [sobre o vídeo A Coroação de uma Rainha, de 1993]. Revista USP, n.19 ("Dossiê Cinema Brasileiro"), setembro/novembro 1993, p.147-151.
  • "Do paleocibernético ao biotecnológico". In: Catálogo da exposição Arte Tecnologia: Precursor e Pioneiros Contemporâneos. São Paulo: Paço das Artes–USP, 1997. [O texto traz considerações sobre a vídeo-instalação "Muybridge-Beethoven" (1997) de Arthur Omar, comentada mais adiante em separado no mesmo catálogo, que não traz numeração de páginas].
  • "Arthur Omar: o êxtase da imagem". In: OMAR, Arthur. Antropologia da Face Gloriosa. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 1997, p.9-18.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Trajetória Crítica. São Paulo: Polis, 1978, p. 241, 243, 245, 263.
  • Jean-Claude "A voz do outro" e "Operário, personagem emergente". In: Bernardet, Jean-Claude; Avellar, José Carlos e Monteiro, Ronald F. Anos 70 - Cinema. Rio de Janeiro: Europa Empresa Gráfica e Editora, 1979-1980, p. 7-10 [sobre Congo] e 38 [sobre Triste Trópico].
  • Piranha no mar de rosas. São Paulo: Nobel, 1982, p. 134 [sobre O Anno de 1798].
  • Cineastas e Imagens do povo. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 94-102 e 195 [sobre Congo].
  • Bibliografia Brasileira do Cinema Brasileiro. Caderno de Pesquisa 3. Rio de Janeiro: Embrafilme/Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro, 1987, p. 43, 47, 48, 55, 85, 90, 92.
  • "Esboço de Interpretação Psicanalítica" [sobre Triste Trópico]. Caderno de Crítica, n.4. Rio de Janeiro: Embrafilme, 1987, p. 39-41.
  • "Le documentaire" In: PARANAGUÁ, Paulo Antônio (org). Le cinema brésilien. Paris: Centre Georges Pompidou, 1987, p. 165-178 [considerações sobre Congo e Triste Trópico nas p. 171-172].
  • "BERNARDET, Jean-Claude e RAMOS, Alcides Freire. Cinema e História do Brasil. São Paulo: Contexto, 1988, p. 76 [sobre O Anno de 1798].
  • BUTCHER, Pedro. "Obras de um ex-polêmico cineasta". Jornal do Brasil, 10/5/98, Caderno B.
  • CANONGIA, Ligia. Quase Cinema: cinema de artista no brasil, 1970/80. Rio de Janeiro: Funarte, 1981, p. 37-40.
  • CARVALHO, Bernardo. "Arthur Omar defende o cinema extático". Folha de S. Paulo, 11/04/1994, Ilustrada, p. 5-6 [excelente entrevista de Arthur Omar a Bernardo Carvalho].
  • "Vídeo de Arthur Omar transforma realidade cotidiano em mistério" [sobre o vídeo As férias do Investigador]. Folha de S. Paulo, 09/08/1994, Ilustrada, p.5-3.
  • Catálogo da Mostra Bienal Internacional de Vídeo de Belo Horizonte FORUMBHZVIDEO 95. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, 1995, p. 103-106 e 129-130.
  • CESAR, Ana Cristina. Literatura não é documento. Rio de Janeiro: Funarte, 1980, p. 110 [ficha de Serafim Ponte Grande, 1971].
  • COELHO, Teixeira. O fotógrafo contra a máquina. Folha de S. Paulo, 23/5/1999, Caderno Mais!, p. 5.
  • COUTINHO, Wilson. "O filme como um coro de imagens" [sobre os filmes e vídeos de Arthur Omar, a propósito do lançamento do vídeo O Nervo de Prata]. Jornal do Brasil, 28/09/1987, Caderno B, p. 6.
  • DA-RIN, Silvio Pirôpo. Espelho Partido: Tradição e Transformação do Documentário Cinematográfico. (Dissertação de estrado em Comunicação). Rio de Janeiro: Escola de Comunicação da UFRJ, 1995, 212p. [sobre a obra de Arthur Omar, p. 168-180].
  • DA-RIN, Silvio. Espelho Partido: Tradição e Transformação do Documentário Cinematográfico. Editora Azougue. Rio de Janeiro. 2004
  • "FERREIRA", Jairo. Cinema de Invenção. São Paulo: Max Limonad, 1986, p. 158-159 [referência rápida e elogiosa a Arthur Omar] e 298 [ficha de Triste Trópico].
  • "GUIMARÃES", José Cláudio Dias. "As pernas cabeludas do polícia" [sobre O Inspetor, de 1988]. Caderno de Crítica, n.6, maio 1989, p. 74-75.
  • "Itaú mostra vídeo de Tunga" [artigo não assinado, sobre O Nervo de Prata]. Estado de Minas, 31/07/1991.
  • "KERMABON", Jacques. "Arthur Omar, artiste polymorphe". Bref, n.20, p. 8-16. "Rencontre". entrevista de Arthur Omar a J. Kermabon em agosto de 1993[inclui um proveitoso levantamento dos trabalhos de Omar em cinema, vídeo, fotografia, artes plásticas, música e poesia], 1994.
  • "LABAK"I, Amir. "Arthur Omar apresenta sua obra no MIS". Folha de S. Paulo, 19/07/1992, Ilustrada, p. 4-5
  • "Arthur Omar faz vídeo sobre rainha conga" [entrevista de Omar a Amir Labaki]. Folha de S. Paulo, 02/10/1992, Ilustrada, p.4-3.
  • "MACHADO", Arlindo. "A reinvenção do cinema". Suplemento, Belo Horizonte, n.6, Outubro 1995, Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, p. 3-5 [referência a Arthur Omar na p. 4].
  • "MAGALHÃES", Eduardo. "Canadenses descobrem a arte de Omar". O Globo, 01/06/1989.
  • "'Inspetor' de sucesso". O Globo, 09/09/1989.
  • "MARTINHO", Maria Ester. "Festival de Nova York privilegia independentes" [box "Arthur Omar é o único brasileiro"]. Folha de S. Paulo, 22/09/1989.
  • "MATTOS", Carlos Alberto. "Arthur Omar mostra sua coleção de rostos" e "Arthur Omar persegue as formas do sublime". O Estado de S. Paulo, 06/11/1997, Caderno 2, p.D1 e D6-7, respectivamente.
  • Mattos, Carlos Alberto. Arthur Omar revela segunda instância da fotografia. O Estado de S. Paulo, 18/1/1999, Caderno 2.
  • "MENDES", David França. "Documentário Nunca Mais". Caderno de Crítica, n.6. Rio de Janeiro: Fundação do Cinema Brasileiro, maio de 1989, p. 71-73 [sobre o curta O Inspetor].
  • "MERTEN", Luiz Carlos. "Arthur Omar sobe morro em busca do sublime" [entrevista de Arthur a Merten]. O Estado de S. Paulo,
  • "MIRANDA", Luiz F.A. Dicionário de Cineastas Brasileiros. São Paulo: Art Editora/Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1990, p. 34-35 (verbete "Arthur Omar").
  • "MORETZSOHN", Claudia. "A Política de curta-metragem no Brasil". Cinemin, vol.5, n.21, janeiro/fevereiro 1986, p. 11-12 [referências a O Som ou Tratado de Harmonia].
  • "Experimentação audiovisual". Cine Imaginário, vol.1, n.10, Setembro 1986, p.8.
  • "MORISAWA", Mariane. "Arthur Omar mostra programa na Europa". Folha de S. Paulo, 05/08/1996, Ilustrada, p. 6.
  • "Museu exibe vídeo inédito de Arthur Omar a partir de amanhã" [artigo não assinado, sobre As férias do investigador]. Folha de S. Paulo, 08/08/1994, Ilustrada, p. 5-3.
  • "NAGIB", Lúcia. "Curtas 'fervem' em festival no MIS" [box "Experimentais são destaque", com um parágrafo sobre Arthur Omar]. Folha de S. Paulo, 19/08/1993, Ilustrada, p. 4-1.
  • "PARANAGUÁ', Paulo Antonio. "Ruptures et continuité: années soixante-dix - quatre-vingt". In: PARANAGUÁ, Paulo Antônio (org). Le cinema brésilien. Paris: Centre Georges Pompidou, 1987, p. 105-133. [referências a Triste Trópico na p. 121].
  • "RAMOS", Guiomar. "O Espaço Fílmico-Sonoro em Arthur Omar." Tese de Mestrado apresentada na ECA(Escola de Comunicações e Artes) da USP, outubro de 1995
  • Guiomar. "A montagem musical". [sobre O som ou tratado de harmonia, de 1984]. Cinemais, n.4, março-abril de 1997, p.91-111.
  • "ROSEMBERG FILHO", Luís. "Minimíssima introdução a um nervo de prata". Cine Imaginário, vol.2, n.24, novembro 1987, p. 15.
  • "SANTOS", Joaquim Ferreira dos. "As xifópagas capilares" [sobre O Nervo de Prata]. Jornal do Brasil, 28/09/1987.
  • "SILVA", Mateus Araújo. "Júlio Bressane e Arthur Omar: elementos para uma aproximação". Texto apresentado na Mesa-Redonda: Cinema Experimental – Espaço e Tempo" no I Festival Internacional de Curtas-metragens de Belo Horizonte, setembro de 1994.
  • "STAM", Robert & XAVIER, Ismail. "Brazilian Avant Garde: Metacinema in the Tristes Tropiques". Millenium Film Journal, New York, n.6, Spring 1980, p. 82-89. [sobre Triste Trópico, p. 87-89]
  • "STAM", Robert. "On the Margins: Brazilian Avant-Garde Cinema", p.325-327 [sobre Triste Trópico]. In: JOHNSON, Randal & STAM, Robert (Ed.). Brazilian Cinema. East Brunswick, N.J.: Associated University Presses, 1982, p.306-327.
  • "STAM", Robert & XAVIER, Ismail. "Recent Brazilian Cinema: Allegory/Metacinema/Carnival". Film Quarterly, vol.41, n.3, Spring 1988, p.15-30. [sobre Triste Trópico e Congo, p.17-18].
  • "STAM", Robert & XAVIER, Ismail. "Transformations of National Allegory: Brazilian Cinema from Dictatorship to Redemocratization". In: SKLAR, Robert & MUSSER, Charles (eds.). Resisting Images: Essays on Cinema and History. Philadelphia: Temple University, 1990, p.279-307. [referências a Arthur Omar nas p.287 e 294].
  • "VELLOSO", Beatriz. "Arthur Omar quer sua obra vista por inteiro". [entrevista de Arthur a Beatriz Velloso]. O Estado de S. Paulo, 09/01/1997, Caderno 2, p.D8.
  • "VIEIRA", João Luiz. "Toronto/Nova York". Letras & Artes, Rio de Janeiro, ano IV, no 10, setembro de 1990, p. 9 ["Dossiê Arthur Omar"].
  • "XAVIER", Ismail. Allegories of underdevelopment: from the aesthetics of hunger to the aesthetics of garbage. New York: New York University, 1982 [tese de doutoramento, publicada depois em edição fac-similar pelo UMI - University Micrifilms International. Ann Arbor, Michigan, EUA, 1987, 257p.]. [sobre Triste Trópico, p. 219-222].
  • "Fenomenologia em ritmo de vídeo-clip" [sobre os curtas Música Barroca Mineira e O Som ou tratado de harmonia]. Folha de S. Paulo, 24/03/85, Folhetim, n.427, p.10-11.
  • "Do golpe militar à abertura: a resposta do cinema de autor". In: Ismail Xavier, Jean-Claude Bernardet e Miguel Pereira. O desafio do cinema - A política do Estado e a política dos Autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985, p.12, 31, 32, 34 e 36.
  • "Cinema e tropicalismo", p.68 [referência a Arthur Omar]. In: Vários. Tropicália 20 anos. São Paulo: SESC-SP, 1987, p.66-69.
  • "Critique, idéologies, manifestes", p.229, nota 20 [referência à participação de Arthur Omar na discussão teórica em torno do documentário]. In: PARANAGUÁ, Paulo (org.). Le cinéma brésilien. Paris: Centre Georges Pompidou, 1987, p. 221-229.
  • Alegorias do desengano: a resposta do Cinema Novo à modernização conservadora [tese de livre-docência]. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes da USP, 1989, p.10 [referência a Congo e Triste Trópico].
  • Memorial da formação científica e das atividades docentes e de pesquisa apresentado para o Concurso de Livre-Docência à Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes da USP, 1989, 67p. [referência, nas p.56-57, a uma comunicação proferida por Ismail em dezembro de 1984 em Curitiba sobre "o filme histórico de Arthur Omar"].
  • "Eldorado as Hell: Cinema Novo and Post Cinema Novo - Appropriations of the Imaginary of the Discovery". In: KING, John; LOPEZ, Ana & ALVANADO, Manuel (Eds.). Mediating two worlds: cinematic encounters in the Americas. London: BFI Publishing, 1993, p.192.203 [sobre Triste Trópico, p.201-203].
  • "O avesso do Brasil: Cópia recuperada de ‘Triste Trópico’, filme de Arthur Omar, é exibida em SP". Folha de S. Paulo, 19/01/1997, Mais!, p.5.9.
  • "O cinema moderno brasileiro". Cinemais, Rio de Janeiro, n.4, março/abril de 1997, p.39-64 [referências a Arthur Omar e/ou seus filmes nas p.55 e 57].

Referências

  1. «Itaú Cultural - Arthur Omar». Consultado em 19 de abril de 2009 
  2. «Universidade Estacio de Sá - Athur Omar». Consultado em 19 de abril de 2009. Arquivado do original em 26 de junho de 2008 
  3. a b «Museu virtual de Arte Brasileira - Arthur Omar». Consultado em 19 de abril de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]