Asclepiodoto de Alexandria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Asclepiodoto (em grego: Άσκληπιόδοτος) de Alexandria foi um filósofo neoplatônico que viveu na segunda metade do século V. Ele era natural de Alexandria, estudou sob Proclo em Atenas. Ele mudou-se para Afrodísias, onde manteve uma escola de filosofia em conjunto com outro homem também chamado Asclepiodoto, com cuja filha, Damiane, casou-se.[1] Ele escreveu um comentário sobre o Timeu de Platão, que está desaparecido, estudou ciência, medicina, matemática e música, mas evitou a metafísica altamente especulativa.[2]

Damáscio seu pupilo, descreve Asclepiodoto que era politeísta[3] em termos depreciativos, em parte por desprezar as práticas de oráculos:

A mente de Asclepiodoto não era perfeita, como a maioria das pessoas pensam. Ele era extremamente ágil em levantar questões, mas não tão hábil em seu entendimento. Tinha uma inteligência desigual, especialmente quando se tratava de assuntos divinos - o conceito invisível e inteligível de pensamento elevado de Platão. Ainda mais no campo da sabedoria superior - o conhecimento órfico e caldeu que transcende o senso comum.[4]

Um dia ele e sua esposa Damiane visitaram o templo de Ísis em Menouthis no Egito, para tentar curar a infertilidade de Damiane, ela conseguiu ter um bebê mas os cristãos da Alexandria alegaram que ela o tinha comprado de uma sacerdotisa e usaram o caso como pretexto para então atacar e destruir o templo.[1][3]

Referências

  1. a b Averil Cameron; Bryan Ward-Perkins; Michael Whitby (29 de março de 2001). The Cambridge Ancient History. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 853. ISBN 978-0-521-32591-2 
  2. Frederick Copleston (1 de junho de 2003). History of Philosophy Volume 1: Greece and Rome. [S.l.]: Continuum International Publishing Group. p. 482. ISBN 978-0-8264-6895-6 
  3. a b Peter Brown (1992). Power and Persuasion in Late Antiquity: Towards a Christian Empire. [S.l.]: Univ of Wisconsin Press. pp. 131–. ISBN 978-0-299-13344-3. Consultado em 14 de maio de 2013. 
  4. Polymnia Athanassiadi; Michael Frede (8 de julho de 1999). Pagan Monotheism in Late Antiquity. [S.l.]: OUP Oxford. p. 181. ISBN 978-0-19-154145-2