Assassin's Creed (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o jogo eletrônico de 2007. Para a série de jogos eletrônicos, veja Assassin's Creed. Para a adaptação cinematográfica de 2016, veja Assassin's Creed (filme).
Assassin's Creed
Assassins Creed 1 capa.png
Desenvolvedora(s) Ubisoft Montreal
Publicadora(s) Ubisoft
Diretor(es) Patrice Désilets
Produtor(es) Jade Raymond
Designer(s) Maxime Béland
Escritor(es) Corey May
Programador(es) Mathieu Mazerolle
Artista(s) Raphaël Lacoste
Compositor(es) Jesper Kyd
Motor Scimitar
Série Assassin's Creed
Plataforma(s)
Lançamento 13 de novembro de 2007
Gênero(s) Ação-aventura
Furtivo
Modos de jogo Um jogador

Assassin's Creed é um jogo eletrônico de ação-aventura desenvolvido pela Ubisoft Montreal e publicado pela Ubisoft. É o primeiro título da série Assassin's Creed. O jogo foi lançado para PlayStation 3 e Xbox 360 em novembro de 2007 e foi disponibilizado no Microsoft Windows em abril de 2008.

O enredo se passa em uma história fictícia de eventos do mundo real, ocorrendo principalmente durante a Terceira Cruzada na Terra Santa em 1191. O personagem do jogador é um homem moderno chamado Desmond Miles que, por meio de uma máquina chamada "Animus", revive as memórias genéticas de seu ancestral, Altaïr Ibn-La'Ahad. Por meio desse dispositivo de trama, detalhes emergem sobre uma luta milenar entre duas facções: a Irmandade dos Assassinos (inspirada na Ordem dos Assassinos da vida real), que luta para preservar a paz e o livre arbítrio, e a Ordem dos Templários (inspirada na ordem militar dos Cavaleiros Templários), que acreditam que o controle é necessário para manter a paz. Ambas as facções lutam por artefatos poderosos de origens misteriosas conhecidos como "Peças do Éden" para ganhar vantagem uma sobre a outra. A parte do século XII da história segue Altaïr, um Assassino, que embarca em uma busca para recuperar sua honra após não conseguir recuperar um desses artefatos dos Templários; ele o faz encontrando e assassinando nove alvos em toda a Terra Santa. O jogo inclui um mundo aberto que contém quatro cidades - Massiafe, Jerusalém, Acre e Damasco - e se concentra no uso das habilidades de combate, furtividade e parkour de Altaïr para derrotar inimigos e explorar o ambiente.

O jogo recebeu críticas geralmente positivas, com os críticos elogiando sua narrativa, visual, arte, design e originalidade, embora o jogo também tenha sido criticado pela natureza repetitiva de sua jogabilidade. Assassin's Creed ganhou vários prêmios na E3 em 2006, bem como vários prêmios de fim de ano após seu lançamento. O jogo gerou dois spin-offs: Assassin's Creed: Altaïr's Chronicles (2008) e Assassin's Creed: Bloodlines (2009), que excluem o aspecto moderno e se concentram inteiramente em Altaïr. Uma sequência direta, Assassin's Creed II, foi lançada em novembro de 2009. A sequência continua a narrativa moderna seguindo Desmond, mas apresenta um novo enredo ambientado durante a Renascença italiana no final do século XV, e um novo protagonista, Ezio Auditore da Firenze. Desde o lançamento e sucesso de Assassin's Creed II, jogos subsequentes foram lançados, com vários outros Assassinos e períodos de tempo.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Assassin's Creed é um jogo de ação-aventura[5] ambientado em um ambiente de mundo aberto[6] e jogado a partir de uma perspectiva em terceira pessoa em que o jogador assume principalmente o papel de Altaïr, vivido pelo protagonista Desmond Miles. O objetivo principal do jogo é realizar uma série de assassinatos ordenados por Al Mualim, o líder dos Assassinos. Para atingir esse objetivo, o jogador deve viajar da sede da Irmandade em Massiafe, através do terreno da Terra Santa conhecida como Reino para uma das três cidades - Jerusalém, Acre ou Damasco - para encontrar o agente da Irmandade naquela cidade. Lá, o agente, além de fornecer um esconderijo, dá ao jogador um conhecimento mínimo sobre o alvo e exige que ele execute missões de reconhecimento adicionais antes de tentar o assassinato. Essas missões incluem espionagem, interrogatório, furto de carteiras e conclusão de tarefas para informantes e companheiros Assassinos. Além disso, o jogador pode participar de vários objetivos colaterais, incluindo escalar torres altas para mapear a cidade e salvar cidadãos que estão sendo ameaçados ou assediados pelos guardas da cidade. Existem também várias "memórias adicionais" que não avançam na trama, como caçar e matar Templários e coletar bandeiras. Após completar cada assassinato, o jogador é devolvido à Irmandade e recompensado com uma arma melhor e/ou atualização antes de ir atrás do próximo alvo ou receber outro conjunto de alvos, com o jogador livre para selecionar a ordem de certos alvos.

O jogador fica ciente de quão perceptível Altaïr é para os guardas inimigos, bem como do estado atual de alerta na área local através do "Ícone de Status Social". Para realizar muitos dos assassinatos e outras tarefas, o jogador deve considerar o uso de ações diferenciadas por seu tipo de perfil. Ações discretas permitem que Altaïr se misture às multidões próximas, passe por outros cidadãos ou execute outras tarefas não ameaçadoras que podem ser usadas para ocultar e reduzir o nível de alerta; o jogador também pode usar a lâmina oculta retrátil de Altaïr para tentar assassinatos discretos. Ações de alto perfil são mais perceptíveis e incluem correr, escalar as laterais dos edifícios para subir a pontos de vantagem mais altos e atacar inimigos; realizar essas ações em determinados momentos pode aumentar o nível de conscientização da área local. Quando a área está em alerta máximo, as multidões correm e se espalham enquanto os guardas tentam perseguir e derrubar Altaïr; para reduzir o nível de alerta, o jogador deve controlar Altaïr para quebrar a linha de visão dos guardas e então encontrar um esconderijo, como um monte de feno ou jardim no telhado, ou misturar-se com os cidadãos sentados em bancos ou estudiosos errantes. Se o jogador não conseguir escapar dos guardas, eles podem revidar usando manobras de esgrima.

A saúde do jogador é descrita como o nível de "Sincronização" entre as memórias de Desmond e Altaïr; caso Altaïr sofra algum dano, isso é representado como um desvio dos eventos reais da memória, ao invés de dano físico. Se toda a sincronização for perdida, a memória atual que Desmond está experimentando será reiniciada no último ponto de verificação. Quando a barra de sincronização está cheia, o jogador tem a opção adicional de usar a "Visão de Águia", que permite que a memória renderizada por computador destaque todos os personagens visíveis em cores correspondentes a se eles são aliados (azul), inimigos (vermelho), neutros (branco), ou mesmo o alvo de seu assassinato (ouro). Devido às memórias de Altaïr serem reproduzidas pelo computador do projeto Animus, o jogador pode experimentar "falhas" na renderização do mundo histórico, o que pode ajudar o jogador a identificar alvos, ou pode ser usado para alterar o ponto de vista durante as cenas do roteiro do jogo, caso o jogador reaja rápido o suficiente quando elas aparecem.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o barman Desmond Miles (Nolan North) é sequestrado por agentes da Abstergo Industries, o maior conglomerado farmacêutico do mundo, e é levado para sua sede em Roma. Sob a orientação do Dr. Warren Vidic (Philip Proctor) e sua assistente Lucy Stillman (Kristen Bell), Desmond é forçado a participar de uma série de testes em torno do "Animus", uma máquina capaz de traduzir as memórias genéticas de seus ancestrais em uma realidade simulada. Vidic o instrui a reviver os primeiros anos de Altaïr Ibn-La'Ahad (Philip Shahbaz), um membro sênior da Irmandade dos Assassinos durante o tempo da Terceira Cruzada. Sua investigação revela que Altaïr, cego pela arrogância, fracassou em uma tentativa dos Assassinos de recuperar um artefato de seus inimigos jurados, os Cavaleiros Templários, levando à morte de um Assassino e ferindo gravemente outro no processo. Embora Altaïr consiga se redimir parcialmente lutando contra um ataque dos Cruzados liderados pelo grão-mestre Templário Robert de Sablé (Jean-Philippe Dandenaud) na casa base dos Assassinos de Massiafe, seu mentor e superior, Al Mualim (Peter Renaday), rebaixou e ordenou ele a assassinar nove indivíduos a fim de recuperar sua posição e honra anteriores:

  • Tamir (Ammar Daraiseh), um comerciante de armas em Damasco que vende armas para os dois lados.
  • Garnier de Nablus (Hubert Fielden), o grão-mestre dos Cavaleiros Hospitalários, que conduz experimentos que alteram a mente dos pacientes de seu hospital no Acre.
  • Talal (Jake Eberle), o líder de uma gangue de escravistas em Jerusalém.
  • Abu'l Nuqoud (Fred Tatasciore), um comerciante pomposo e regente de Damasco que roubava dinheiro para financiar a guerra.
  • Guilherme V, Marquês de Monferrato (Harry Standjofski), o cruel e abusivo regente do Acre.
  • Majd Addin (Richard Cansino; baseado em Baha ad-Din ibn Shaddad), um tirano que governa Jerusalém por meio do medo.
  • Mestre Sibrand (Arthur Holden), o grão-mestre paranóico dos Cavaleiros Teutônicos, que planeja trair os Cruzados.
  • Jubair al Hakim (também Tatasciore), um estudioso que usa sua posição para apreender e destruir todo o conhecimento escrito em Damasco.
  • Robert de Sablé, que tem aproveitado a Cruzada para promover os próprios objetivos ideológicos dos Templários.

Conforme Altaïr elimina cada alvo, ele descobre que todos os nove são secretamente membros da Ordem dos Templários e que eles estavam conspirando para localizar a "Maçã do Éden", uma relíquia de uma civilização há muito esquecida que dizem possuir poderes divinos. Durante sua tentativa inicial de assassinar Robert em um funeral em Jerusalém, Altaïr é enganado por um engodo, uma jovem agente templária chamada Maria Thorpe (Eleanor Noble), que revela que Robert antecipou que os Assassinos viriam atrás dele e foi negociar uma aliança entre os Cruzados e Sarracenos contra eles. Poupando a vida de Maria, Altaïr alcança Robert no acampamento do Rei Ricardo I (Marcel Jeannin) e expõe seus crimes. Sem saber em quem acreditar, Ricardo sugere um duelo cara-a-cara para decidir a verdade, observando que Deus decidirá o vencedor. Depois que Altaïr o fere mortalmente, Robert confessa que não agiu sozinho, revelando que Al Mualim traiu os Assassinos e, eventualmente, os Templários, procurando a Maçã para si. Voltando a Massiafe, Altaïr encontra Al Mualim usando a Maçã para controlar os habitantes e os outros Assassinos. Com a ajuda de vários Assassinos trazidos como apoio, Altaïr invade a cidadela e confronta seu mentor nos jardins. Usando a Maçã, Al Mualim batalha seu aprendiz com ilusões antes de recorrer ao combate individual. Altaïr o esfaqueia com sua lâmina oculta e tenta destruir a Maçã, mas em vez disso, desbloqueia um mapa secreto que revela a localização de inúmeras outras Peças do Éden ao redor do mundo.

No presente, os Assassinos lançam um ataque malsucedido às instalações da Abstergo para resgatar Desmond, resultando na maioria deles sendo mortos. Depois de completar as memórias de Altaïr, Vidic revela a Desmond que a Abstergo é a encarnação moderna dos Templários, buscando encontrar as Peças do Éden restantes. Com Desmond tendo sobrevivido a sua utilidade, os superiores de Vidic se preparam para matá-lo, mas Lucy, que está implícita em ser uma toupeira para os Assassinos, os convence a mantê-lo vivo para mais testes. Desmond é deixado sozinho em seu quarto, onde descobre estranhos desenhos na parede que predizem um evento catastrófico que exterminará a humanidade.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em 28 de setembro de 2006, em uma entrevista com ignição, a produtora Jade Raymond confirmou que Altaïr é "um hitman medieval com um passado misterioso" e que não é um viajante do tempo. Em 13 de dezembro de 2006, em uma entrevista com ignição, Kristen Bell (quem emprestou sua voz e características físicas ao jogo) falou sobre a historia. De acordo com a entrevista, a historia centra-se na memória genética e em um corporação que procura descendentes de um assassino. Em 2 de janeiro de 2008, a versão do PC foi adiada para final de 2008 para empurrar vendas do console durante as compras de natal.

Altaïr foi dublado pelo ator Philip Shahbaz e seu rosto foi modelado com base no rosto do modelo espanhol Francisco Randez.

Mencionou-se na entrevista de UbiDays que Altaïr não é religioso, mas é espiritualizado e é o filho de uma mãe cristã e um pai muçulmano.

É considerado pela produtora o jogo mais longo da franquia tendo mais de 50% de tempo no modo historia do que seus sucessores.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
Eurogamer 7/10
Famitsu 37/40
Game Informer 9.5/10
GamePro 5/5
GameSpot 9.0/10
GamesRadar 10/10
GameTrailers 9.1/10
Hyper 95/100
IGN 7.7/10
Official Xbox Magazine 8.5/10
Play Magazine 10/10
X-Play 5/5
Pontuação global
Agregador Nota média
Game Rankings 82/100[7]
Metacritic 81/100[8]

A Ubisoft afirmou que o jogo vendeu mais de 2,5 milhões de cópias até 13 de dezembro de 2007, excedendo às suas expectativas iniciais.

Assassin's Creed: The Invisible Imam[editar | editar código-fonte]

Assassin's Creed: The Invisible Imam foi um livro baseado no jogo que estava sendo escrito por Steve Barnes para a Pocket Books. Sendo originalmente planejado a ser o primeiro livro de uma trilogia, The Invisible Imam teve o seu cancelamento anunciado em 27 de outubro de 2007. A razão foram os protestos dos descendentes reais dos personagens históricos — os assassinos interpretados em ambos o jogo e o livro — que foram à Ubisoft exigindo respeito para com seus ancestrais. Com isto, a Ubisoft retirou todas as referências religiosas do livro e, eventualmente, o projeto de trilogia foi cancelado.[9]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

A Ordem dos Assassinos realmente existiu nos tempos das Cruzadas (século XI). Tratava-se de uma seita islâmica (na qual se mesclavam também alguns elementos do cristianismo, hinduísmo e zoroatrismo) cujo nome em árabe ("Hashashym") era em honra ao seu fundador, Hassan ibn Sabbah. Após as Cruzadas, tal nome foi ocidentalizado e corrompido para "Assassinos".

Alguns pontos dos jogos são realmente inspirados neles. Por exemplo, no interior de suas fortalezas eles usavam túnicas brancas amarradas na cintura por um tecido vermelho (o que inspirou as roupas usadas no jogo, embora, quanto em missão, os Assassino não utilizavam estes trajes, preferindo usar roupas comuns para melhor se misturar com a população) e há indícios de que realmente utilizavam uma lâmina oculta na manga de suas túnicas.

Geralmente, matavam somente alvos políticos estratégicos, que iam contra os conceitos de sua ordem, que incluíam manter a paz, porém, algumas vezes também aceitavam trabalhos particulares como mercenários. Geralmente seus ataques também eram suicidas.

A ordem não era centralizada e possuía várias fortalezas espalhadas pelo Oriente Médio; das quais as mais importantes seriam as de Alamut, na Pérsia (onde a Ordem fora fundada) e a de Massiafe, na Síria, que é retratada no jogo. A Ordem foi extinta na metade do século XIII, quando o Império Mongol dominou suas terras e os considerou criminosos. Os ataques cessaram, porém não há indícios de mortes entre todos os Assassinos.

Referências

  1. «Assassin's Creed (Director's Cut Edition)». IGN (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2011 
  2. «Assassin's Creed» (em inglês). EB Games Australia. Consultado em 4 de abril de 2008. Cópia arquivada em 8 de abril de 2008 
  3. «Assassin's Creed» (em inglês). EB Games New Zealand. Consultado em 4 de abril de 2008. Arquivado do original em 11 de abril de 2008 
  4. «Assassin's Creed» (em inglês). GAME. Consultado em 4 de abril de 2008. Arquivado do original em 12 de março de 2008 
  5. Luis, Vanessa (29 de agosto de 2016). «Why Assassin's Creed is One of the Best Action-Adventure Games of All Time». Tata CLiQ (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2021. Arquivado do original em 28 de setembro de 2020 
  6. GamesRadar Staff (3 de janeiro de 2018). «The 10 best open-world games of all time». GamesRadar (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2018 
  7. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome gr-1
  8. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome meta-1
  9. Steven Barnes. «Comentários de Steven Barnes sobre o cancelamento do livro» (em inglês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Assassin's Creed (jogo eletrônico)