Assassinato de Jovenel Moïse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Assassinato de Jovenel Moïse
Local
Data 7 de julho de 2021
Tipo de ataque Assassinato, invasão domiciliar
Mortes 1 (Jovenel Moïse)
Feridos 1 (Martine Moïse)
Vítimas Jovenel Moïse
Responsável(is) 28 homens fortemente armados[1]

O assassinato de Jovenel Moïse, o 46.° Presidente do Haiti, ocorreu na quarta-feira, dia 7 de julho de 2021, em Pétion-Ville.[2] Moïse foi assassinado em sua casa, na madrugada de 7 de julho de 2021, por criminosos desconhecidos.[3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Eleição[editar | editar código-fonte]

Moïse foi o sucessor escolhido do presidente Michel Martelly,[4] que foi constitucionalmente impedido de se candidatar às eleições presidenciais de 2015. De acordo com os resultados oficiais, Moïse recebeu 33% dos votos no primeiro turno — mais do que qualquer outro candidato —, porém aquém da maioria necessária para evitar um segundo turno eleitoral. Esses resultados foram contestados pelo segundo colocado Jude Célestin e outros cujos apoiadores protestaram.[5] O segundo turno obrigatório foi repetidamente adiado, gerando mais protestos violentos, e os resultados foram eventualmente anulados.[6][4] Com o mandato de Michel Martelly expirado, a legislatura nomeou Jocelerme Privert como presidente interino antes de novas eleições em novembro.[7] Nessas eleições, Moïse recebeu 56% da contagem oficial, o suficiente para evitar um segundo turno. Moïse assumiu o cargo em 7 de fevereiro de 2017.[8]

Turbulência política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Protestos no Haiti em 2019

Durante o tempo de Moïse no cargo, agitação política e violência não eram incomuns, junto com vários protestos violentos contra o governo. Foi alegado que seu mandato terminou em 7 de fevereiro de 2021, embora Moïse afirmasse que seu mandato terminaria em 2022, pois ele não iniciou seu mandato até 2017. Protestos generalizados ocorreram na capital, onde as pessoas exigiram sua renúncia no início de 2021.[9][10][11] Acredita-se que a razão de alguns dos protestos esteja ligada a outros partidos políticos.[8][12]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Em 7 de julho de 2021, Moïse foi morto quando homens armados não identificados atacaram sua residência em Pèlerin 5, um distrito de Pétion-Ville.[13][14] O político foi assassinado com 12 tiros, um deles na cabeça, além de haver indícios de tortura.[15] Martine Moïse, a primeira-dama do Haiti, foi hospitalizada devido aos ferimentos sofridos durante o ataque, sendo transportada para Miami, nos Estados Unidos, para tratamento.[16][17] Um comunicado de imprensa emitido mais tarde naquele dia pelo gabinete do Presidente em exercício Claude Joseph atribuiu o ataque a "um grupo de indivíduos não identificados, alguns dos quais falaram em espanhol".[18] Mais tarde, em vídeos divulgados, foi relatado que pelo menos um dos agressores falava inglês com um sotaque americano. O governo haitiano descreveu os criminosos como "mercenários estrangeiros" e altamente treinados.[19]

Investigações e caçada aos suspeitos[editar | editar código-fonte]

Imediatamente após o assassinato do presidente, a polícia haitiana começou a caçar os suspeitos pelo ataque. A maioria das operações se concentraram em dois prédios em Port-au-Prince.[20] No dia 9 de julho, quase dois dias após o ataque, três suspeitos foram mortos em tiroteio com as forças de segurança haitianas.[21][22] Nos três dias seguintes ao atentado, pelo menos vinte e uma pessoas foram presas, sendo dezoito colombianos e dois americanos (de ascendência haitiana).[23] Uma caçada humana prosseguiu nos dias seguintes, com militares, policiais e até civis tentando prender ou matar os responsáveis, com muitos temendo que o país poderia cair num estado de anarquia ainda mais profundo do que já estava.[24]

Repercussões[editar | editar código-fonte]

O governo haitiano prosseguiu com o fechamento do aeroporto internacional de Porto Príncipe e a mobilização de forças policiais e militares para a investigação do caso.[25] O primeiro-ministro Claude Joseph, na posição de líder interino da nação, decretou estado de emergência e pediu calma para a população.

O ataque foi condenado por diversas nações do mundo, como França, Estados Unidos, Colômbia e Chile, com esses países expressando preocupação com a futura estabilidade do Haiti. Organizações supranacionais, como a ONU e a OEA, também condenaram o ocorrido.[26]

Referências

  1. Phillips, Tom; Beaumont, Peter; Delone, Jean Daniel (8 de julho de 2021). «Haiti security forces arrest six alleged gunmen after president's assassination». The Guardian. Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 9 de julho de 2021 
  2. «Jovenel Moise toma posse como novo presidente do Haiti». G1 
  3. observador.pt. «residência privada». 7 de julho de 2021. Consultado em 7 de julho de 2021 
  4. a b «Haiti presidential election 'won by Jovenel Moise'». BBC News. 29 de novembro de 2016. Consultado em 7 de julho de 2021 
  5. «Célestin disputes Haiti election results; supporters protest». Miami Herald. Consultado em 7 de julho de 2021 
  6. «Haiti election: Thousands protest over missed deadline». BBC. Consultado em 7 de julho de 2021 
  7. «Haiti scraps election; interim president says could stay for months». Reuters. Consultado em 7 de julho de 2021 
  8. a b «Haiti presidential election 'won by Jovenel Moise'». BBC. Consultado em 7 de julho de 2021 
  9. «Haiti's Protests: Images Reflect Latest Power Struggle». CFR. Consultado em 7 de julho de 2021 
  10. «Dispute over Haiti presidential term triggers unrest». BBC. Consultado em 7 de julho de 2021 
  11. «Haiti protests continue despite police crackdown». Africa News. Consultado em 7 de julho de 2021 
  12. «Haiti president Jovenel Moïse assassinated». The Guardian. Consultado em 7 de julho de 2021 
  13. «Le président Jovenel Moïse assassiné chez lui par un commando armé». Le Nouvelliste. Consultado em 7 de julho de 2021 
  14. «Haïti : le président Jovenel Moïse assassiné par un commando». Libération. Consultado em 7 de julho de 2021 
  15. «A indústria de mercenários colombianos que pode estar por trás do assassinato do presidente do Haiti». BBC News Brasil. Consultado em 10 de julho de 2021 
  16. «Haiti President Jovenel Moïse assassinated in middle-of-the-night attack at his home». Miami Herald. 7 de julho de 2021. Consultado em 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 7 de julho de 2021 
  17. «First Lady of Haiti Flown to Miami for Treatment After Getting Shot». NBC 6 South Florida. 7 de julho de 2021. Consultado em 8 de julho de 2021 
  18. «Haiti - FLASH : President Jovenel Moïse Assassinated by mercenaries (official) Updated 7am + video». Haiti Libre. Consultado em 7 de julho de 2021 
  19. «Four suspects killed, two held after Haiti's President assassinated». CNN News. 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 8 de julho de 2021 
  20. Paultre, Andre; Abiu Lopez, Ezequiel; Zargham, Mohammad; Heavey, Susan; Hosenball, Mark; Chiacu, Doina; Pamuk, Humeyra; Psaledakis, Daphne; Zengerle, Patricia; Singh, Kanishka; Eschenbacher, Stefanie (8 de julho de 2021). «Haiti police battle gunmen who killed president, amid fears of chaos». Reuters. Cópia arquivada em 7 de julho de 2021 
  21. «Polícia do Haiti anuncia morte e prisão de suspeitos pelo assassinato do presidente». G1. Consultado em 8 de julho de 2021 
  22. «Haiti's president assassination suspects arrested inside Taiwanese embassy». South China Morning Post. 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 10 de julho de 2021 
  23. Merancourt, Wildmore; Faiola, Anthony; Boburg, Shawn (9 de julho de 2021). «Assassination of Haitian president becomes complex international web». The Washington Post. Cópia arquivada em 9 de julho de 2021 
  24. «2 Americans Are Among Those Arrested in the Assassination Of Haiti's President» (em inglês). NPR. Associated Press. 8 de julho de 2021. Cópia arquivada em 8 de julho de 2021 
  25. «Presidente do Haiti, Jovenel Moïse, é assassinado a tiros em sua casa em Porto Príncipe». El País. 7 de julho de 2021. Consultado em 7 de julho de 2021 
  26. «Reactions to assassination of Haitian president - 'abhorrent', 'vile'». Reuters.com. Consultado em 8 de julho de 2021