Assassinato de Tammy Alexander

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Tammy Jo Alexander (anteriormente conhecida como Desconhecida de Caledonia ou Desconhecida de Cali) era uma vítimas de homicídio encontrada na cidade de Caledonia, no Condado de Livingston de Nova Iorque, a 19 de Novembro de 1979.[1][2][3] Tinha levado dois tiros algures durante a noite anterior e deixada num campo após a saída da U. S. Route 20 perto do rio Genesee na zona oriental da cidade. O seu corpo foi descoberto no dia seguinte, mas apenas foi identificada em 2015, mais de 35 anos depois.[4]

Pelas linhas de bronze no cimo do seu corpo, os investigadores acreditavam que ela tinha vindo para a Caledonia de uma zona distante, quente. Enquanto que a maior parte das provas no local foram eliminadas pela chuva nessa noite, o palinólogo forense[6], na análise ao pólen da sua roupa, sugeria que ela tinha passado tempo na Flórida, a sul da Califórnia, Arizona ou a norte do México antes da sua morte.[5][6][7] As análises dos isótopos mais tarde nos seus ossos concederam mais suporte a esta pista geográfica.

Durante os anos em que permaneceu por identificar, o seu caso foi bem publicitado pelo Departamento do Xerife do Condado de Livingston, que continuou a investigar o caso, processando centenas de pistas e dicas do público.[5] John York, uma dos primeiros polícias a responder ao local do crime original, fez do caso uma prioridade durante o seu quarto de século enquanto xerife.[4] O assassino em série Henry Lee Lucas confessou a certo ponto o crime, mas como muitos outros crimes do qual ele disse que era responsável, a confissão nunca foi considerada credível.[4] Alexander foi enterrada num cemitério em Dansville, uma vila a sul do condado.

Alexander foi finalmente identificada como resultado de esforços de uma amiga de escola de Brooksville, Flórida, em localizá-la em 2010. Sem conseguir encontrá-la nas redes sociais ou pelos meios convencionais, virou-se para a família de Alexander, que lhe disse que Tammy, que fugia com frequência de casa, nunca mais foi vista ou ouvida desde os anos 70. Em 2014 preencheram um relatório de pessoas desaparecidas com o Departamento do Xerife do Condado de Hernando, Flórida; pouco depois um CPA e artista, que tinha pintado uma das reconstruções da cara da rapariga por identificar viu o relatório online e, notando as semelhanças, contactou o xerife do Condado de Livingston. Uma coincidência no ADN mitocondrial com um dos parentes vivos de Alexander foi feito em 2015.[8]

Morte e descoberta[editar | editar código-fonte]

Na manhã de 10 de Novembro de 1979, um agricultor em Caledonia, a 37 quilómetros a sul da cidade de Rochester, Condado de Monroe, Nova Iorque, viu uma roupa vermelha num dos seus campos de milho perto do rio Genesee, a cerca de 6 metros do lado sul da U. S. Route 20, a 800 metros a oeste da separação entre a Route 20 e a State Route 5 de Nova Iorque. Ele foi investigar, acreditanto ter encontrado um caçador a trespassar a propriedade. Em vez disso, no campo encontrou o corpo de uma jovem rapariga.[5][9]

O corpo, mais tarde chamado de "Desconhecida de Caledonia" ou "Desconhecida de Cali" pelos investigadores, estava totalmente vestido. Não mostrava sinais de abuso sexual. Tinha morrido de severas hemorragias causadas por dois tiros, um na cabeça por cima do olhos direito e outro nas costas. O ferimento na cabeça indicava que aparentemente ela não se virou nem hesitou, como é comum de um tiro na cabeça. Em vez disso, a entrada do tiro sugere completa, se horrorizada, surpresa[10]. Os seus bolsos tinham sido colocados do avesso, sugerindo que qualquer identificação que ela tinha consigo tinha sido retirada.[5][6]

A autópsia indicava que ela tinha levado o tiro primeiro na cabeça enquanto estava ao lado da estrada andando pelo campo de milho, em ou perto de uma poça de sangue encontrada no chão. O seu corpo foi depois arrastado para o campo de milho, onde levou um novo tiro nas costas e deixada para morrer. Chuvas intensas durante a noite da sua morte lavaram todas as provas forenses.[5][6][9]

Características[editar | editar código-fonte]

Acreditava-se que Cali tinha entre 13 e 19 anos de idade (nascida em algum momento entre 1958 e 1967).[11] Estimava-se que tivesse cerca de 1,60 metros de altura e 54 quilos.[11][12] Tinha olhos castanhos, cabelo castanho claro ondulado pelos ombros que tinham sido aclarados à frente cerca de 2 meses antes da sua morte e estava a crescer. O seu cabelo parecia ter sido pintado recentemente de loiro para castanho.[10] As suas unhas dos pés estavam pintadas com verniz coral claro.[2]

Tinha marcas de bronzeado visíveis de um top de alças ou biquini, sugerindo que ela poderia vir de uma região com sol abundante em Outubro-Novembro, uma vez que solários não eram comuns nos anos 70, e o estado de Nova Iorque não é geralmente quente ou solarengo o suficiente para usar tops de alças por períodos suficientes a desenvolver tais marcas durante esse período.[6][9] Existiam sardas na parte de trás dos seus ombros e acne na sua cara e peito.[2]

Os dentes estavam em estado natural, sem restaurações ou preenchimentos. Não pareciam ter recebidos cuidado dentário. Alguns dos seus primeiro e segundo molares permanentes tinham cáries dentárias severas (cavidades e decadência). Consistente com a sua aparência jovem, nenhum dos seus terceiros molares permanentes (dentes do siso) tinham surgido.[2] O seu tipo de sangue era A-.[2] Algumas horas antes da sua morte, tinha comido milho doce; batatas; e presunto enlatado e fervido. Esta era uma possibilidade de jantar perto de Lima, onde uma empregada a tinha visto comendo com um homem.[6][13]

Roupa e bijuteria[editar | editar código-fonte]

A rapariga tinha um casaco corta-vento de homem vermelho com riscas pretas por baixo dos braços, marcadas com a etiqueta por dentro de "Auto Sports Products, Inc.", uma camisola de rapaz com um botão no pescoço com colarinho multicor, calças de veludo castanhas (tamanho 36), meias pelos tornozelos azuis, soutien branco (tamanho 32C),[2] e cuecas azuis.[12] Tinha uns sapatos castanhos com sola ondulada. O casaco vermelho da Auto Sports Products foi produzido como um item promocional e não pôde ser localizado depois da distribuição.[6]

Também usava um colar cinzento com três pequenas pedras turquesa. O colar tinha uma aparência caseira e parecia uma réplica da bijuteria nativa americana feita no sudoeste dos Estados Unidos.[9][14] Preso às calças da rapariga na fivela estavam duas correntes de chaves, uma com a forma de um coração com uma chave com a forma cortada e com as palavras "Ele que tem a Chave pode abrir o meu coração", e a outra com a forma como se fosse para caber na incisão do coração.[9][12] Os porta-chaves eram vendidos em máquinas automáticas pela estado de Nova Iorque, levando os investigadores a concluir que ela e o seu assassino tinham viajado nessa estrada.[10]

Provas de pólen[editar | editar código-fonte]

Em 2006, depois da exumação do corpo em 2005, Paul Chambers, um investigador contratado recentemente no Condado de Monroe, do departamento do examinador de Nova Iorque, que lidou com esse aspecto do caso desde o condado de Livingston, onde Caledonia está alocado, com poucos recursos, pediu e recebeu permissão para enviar as suas roupas para o Laboratório de Palinologia na Universidade A&M do Texas, onde foram encontrados traços de pólen de plantas.[5] Entre estes tipos de pólen encontrados na roupa pelos investigadores da Universidade A&M do Texas havia grãos de Casuarina (pinho australiano), Quercus (carvalho), Picea (abeto) e Betula (bétula). Os grãos de pólen da roupa foram comparados com uma amostra de controlo de grãos de pólen directamente do local rural de Nova Iorque onde o corpo foi encontrado em 1979.[5][7][15]

O carvalho cresce de forma selvagem por todos os Estados Unidos, e o abeto e bétula cresce em Nova Iorque, e também em vários sítios dos Estados Unidos. Contudo, não foram encontrados grãos de pólen de carvalho, abeto ou bétula na amostra controlada, nem bétulas ou abetos foram encontrados a crescer perto do local do crime.[7] O pólen do abeto e da bétula no corpo não identificado vinha de espécies em comum com as áreas da Califórnia.[16]

O pinho australiano é uma espécie de árvore invasora que cresce num número limitado de localização na América do Norte: Sul da Flórida; Sul do Texas; partes do México; os campos da Universidade do Arizona e Universidade Estadual do Arizona; e três regiões na Califórnia: a Baía Norte de São Francisco, a área de San Luis Obispo, e a área de San Diego'"`UNIQ--nowiki-00000089-QINU`"'7'"`UNIQ--nowiki-0000008A-QINU`"'[9]. A árvore não consegue sobreviver ao Outono e Inverno no clima temperado de Nova Iorque ocidental, onde o corpo foi encontrado.[16][17] Alexander e a sua roupa não podiam ter apanhado os grãos de pólen da Casuarina no local do crime.

Os investigadores acreditavam que o Sul da Califórnia e a região de San Diego era a coincidência melhor geograficamente para os grãos na sua roupa.[7] Baseado nas provas de pólen e nas marcas de bronzeado da jovem, os investigadores forenses sugeriram que ela podia viver no sudoeste dos Estados Unidos perto de San Diego, Califórnia, e depois viajou (possivelmente à boleia) pelas montanhas da Serra Nevada onde cresce o abeto e a bétula, passando por Reno, Nevada, e depois viajado pelo país até Nova Iorque.[5][7][18]

Uma nova análise em 2012 dos grãos concluíram, novamente, que apenas podem ter tido origem na Califórnia, Arizona ou Flórida.[15]

Outros detalhes[editar | editar código-fonte]

Rascunho forense do homem visto com Alexander que pode ter estado envolvido na sua morte.

A polícia acreditava que a arma do crime era uma pistola de calibre .38. Os investigadores localizaram um cartucho na terra por baixo do corpo da rapariga por identificar, que compararam com centenas de outras balas disparadas de armas confiscadas. Apesar dos esforços dos investigadores para localizar armas dos Estados Unidos, Canadá, Europa e México, o cartucho nunca foi compatível com uma arma específica.[5]

O sujeito visto com Tammy era um homem branco entre os 1,72 e 1,75 metros de altura. Foi visto a conduzir uma carrinha e usava uns óculos de massa preta[19]. O homem foi dado como "pessoa de interesse" no caso e procura-se a sua identidade.[20]

Na esperança que ela pudesse ser identificada com uma amostra de ADN com algum parente vivo, o corpo foi exumado em Setembro de 2005 para extrair ADN.[21] A Universidade do Norte do Texas para a Identificação Humana conseguiu produzir perfis de STR nuclear (nucADN) e mitocondrial (mtADN) do ADN da jovem através dos perfis de ADN forenses. O perfil de ADN dela foi guardado no Sistema de Indexação de ADN Combinado (CODIS), uma base de dados que permite os laboratórios criminais dos Estados Unidos comparar e trocar perfis de ADN para identificar suspeitos de crimes e vítimas.[2]

Quando o corpo foi exumado, vários dos seus dentes foram enviados para análise forense de isótopos minerais, para ligar a composição dos seus dentes com a composição e conteúdo mineral dos fornecimentos de água regionais na América do Norte, permitindo aos investigadores determinar onde ela foi criada.[21][22] Resultados no isótopo dental de taxa de oxigénio 18O/16O indicavam que ela pode ter passados os seus anos iniciais na região a sul/sudoeste dos Estados Unidos.[21]

Em 1984, Henry Lee Lucas confessou o homicídio da rapariga não identificada,, sem a identificar. Os investigadores não encontraram provas suficientes que suportassem a sua confissão.[6] O caso recebeu atenção nacional, aparecendo em programas televisivos como America's Most Wanted.[2][9][18][23]

Mais tarde nos anos 80, John York, que tinha sido um dos primeiros agentes no Condado de Livingston na cena em 1979, foi eleito xerife. Serviu no trabalho até 2013, sempre assegurando que a investigação permanecia activa.[4]

Identificação[editar | editar código-fonte]

Os restos mortais foram finalmente identificados como Alexander em 2015, 35 anos, 2 meses e 15 dias depois de ter sido encontrada. Uma colega de escola que a tinha conhecido em Brooksville, Flórida, estava a tentar encontrá-la. Foi eventualmente levada à meia-irmã de Alexander, Pamela Dyson, na Cidade do Panamá. Alexander fugia algumas vezes de casa, mas Dyson descobriu que ninguém na sua família sabia do paradeiro de Alexander desde a sua partida algures entre 1977 e 1979.[4]

Imagem de Koppelman da Desconhecida de Cali, que ele criou antes da lista de Alexander na NamUs.

Como não conseguiam encontrar rasto dela de qualquer forma, Dyson e a sua colega começaram a ficar preocupados que Alexander poderia ter sido vítima de um crime algures no tempo. Em Agosto de 2014, o departamento do xerife do Condado de Hernando disse-lhes que não tinha sido preenchido relatório de pessoas desaparecidas[4] (Dyson era uma criança na altura[24], argumenta que os seus pais na altura fizeram um relatório, mas especula-se que dado ao histórico de fuga e regresso da Tammy, a polícia pode não ter levado a sério)[25][26]. Elas preencheram um novo relatório.[4]

Pouco depois de ter sido colocada no Sistema Nacional de Pessoas Desaparecidas e Por Identificar (NamUs), Carl Koppelman, um artista da Califórnia que cria reconstruções de corpos não identificados, cruzou-se com o relatório de Alexander quando reviu novos relatórios da WebSleuths.com, um website que ele modera onde os voluntários tentam resolver casos arquivados, incluindo os com corpos por identificar. Em 2010 ele tinha desenhado a Desconhecida da Caledonia, e em Setembro de 2014, quando viu a nova descrição de Alexander, imediatamente reconheceu que a Alexander e a vítima eram a mesma pessoa. Ele enviou um email ao departamento do xerife do Condado de Livingston (com cópias enviadas ao administrador regional do NamUs, ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas (NCMEC), e ao departamento do xerife do Condado de Hernando) para falar-lhes da semelhança. Em Janeiro de 2015 o Condado de Monroe viu que o ADN mitocondrial do corpo coincidia com a de Dyson. Uma semana depois o xerife do Condado de Lvivingston, Thomas Dougherty, anunciou numa conferência de imprensa que o corpo tinha sido identificado depois de 35 anos.[4][27]

Dyson disse que a família ia manter a Alexander enterrada no cemitério de Dansville onde estava enterrada há muitos anos, e faziam os serviços para ela lá. "Eu estou verdadeiramente contente pelo fecho", disse ela. "Mas dói saber que ela morreu desta forma. É terrível, ninguém deveria levar um tiro e ser arrastada para o bosque."[26]

A Casa Funerária de Dougherty, em Livonia, assumiu o pagamento da substituição da campa da Desconhecida, por uma nova onde se lesse "Tammy Jo Alexander" com um serviço público na Primavera de 2015[28]. Tal cerimónia teve lugar a 10 de Junho de 2015, onde a nova campa, com o nome da vítima e tempo de vida, foi revelada. Aproximadamente 100 familiares e membros da comunidade estiveram presentes.[29][30]

Recordações da irmã[editar | editar código-fonte]

A meia irmã de Tammy, Pamela Dyson, acredita que Tammy vivia num ambiente turbulento em casa, um onde uma mãe dependente de medicamentos podia ter picos e explosões de raiva. "Ela tinha prescrições de drogas", disse Dyson da sua mãe, Barbara. "Ela tinha tendências suicidas. Eu acho que ela tinha problemas e eles não a diagnosticaram".[31] A mãe de Tammy, Barbara Jenkins, morreu a 17 de Janeiro de 1998. O seu obituário diz que Tammy Alexander morreu.[32]

Tammy, que era empregada de mesa numa área de serviço, tinha histórico de fugas. Uma mulher que era amiga de Tammy quando ambas eram adolescentes disse que as duas tinham viajado uma vez por toda a Califórnia juntas, à boleia de camionistas. Os amigos dos pais pagaram depois pelos bilhetes de avião de regresso, disse Dyson.[31]

Até à descoberta de "Cali" era Tammy Jo Alexander, Dyson viveu a acreditar que a sua irmã tinha fugido de casa e tinha feito uma nova vida algures com um marido e filhos. Ela imaginava Tammy Jo numa casa serena e com amor, um oposto doméstico da sua vida de jovem. "Eu pensava que ela apenas se queria ir embora e começar de novo", disse Dyson.[30] Dyson também apressou membros da família de pessoas desaparecidas a inserirem os familiares no Sistema Nacional de Pessoas Desaparecidas e Não Identificadas, porque tal acção ajudou à identificação de Alexander.[31][33]

Desenvolvimento posteriores[editar | editar código-fonte]

Falando da identificação de Alexander, o polícia York, que se retirou 2 anos antes, disse, "Nós sabíamos que este dia havia de chegar". Ele refere-se ao evento como "agri-doce". Dougherty, o seu sucessor, disse que a investigação ia agora focar-se em encontrar quem matou Alexander. "Nós sempre dissemos que uma das maiores partes de resolver um caso é conhecer a vítima", disse Dougherty à imprensa. "Este caso é quente... Vamos trabalhar mais nele do que nunca". York disse mais tarde que mais de 10,000 pistas foram entretanto investigadas no caso.[20][34]

O FBI também colocou vários cartazes pelo país numa tentativa de ganhar informação do público. O Departamento do Xerife do Condado de Livingston também disse que foram dadas mais pistas desde a identificação da vítima e disse também que desenvolveram conhecimentos dos eventos que levaram à chegada de Alexander a Caledonia[35]. Uma pista "significativa" foi dada por um camionista do Tennessee depois de ter ouvido uma transmissão na rádio sobre o caso.[36] O departamento também lançou informação que Alexander tinha ligações a um antigo "ministro da prisão" em Young Harris, Georgia que se especializa em trabalhar com indivíduos em liberdade condicional."[37][38]

Três pessoas de interesse foram identificadas por ADN obtido da roupa de Alexander. Os oficiais planearam "aprender mais" sobre os homens que tiveram contacto prévio com a vítima antes da sua morte.[36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Press release» (PDF). Livingston County, New York: Livingston County Sheriff's Office. Novembro de 2007. Consultado em 27 de maio de 2012.. Arquivado do original (PDF) em 7 de fevereiro de 2012 
  2. a b c d e f g h "NamUs UP # 6583". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "namus" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "namus" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. «Unidentified: Town of Caledonia, Livingston County, NY». Wanted/Missing: Unidentified Persons. New York State Police. 20 de junho de 1997. Consultado em 27 de maio de 2012. 
  4. a b c d e f g h "Police ID 'Jane Doe' found in Livingston Co. cornfield in 1979". 26 January 2015.
  5. a b c d e f g h i Dobbin, Ben (4 October 2006). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "ap-20061004" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "ap-20061004" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  6. a b c d e f g "Case File 1UFNY". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "doe-1ufny" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "doe-1ufny" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  7. a b c d e f Bryant, Vaughn (3 August 2009). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "bryant-20090803" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "bryant-20090803" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  8. Baker, Conrad (January 26, 2015).
  9. a b c d e f Poole, Andrew (10 November 2011). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "et-20111110" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "et-20111110" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  10. a b c Craig, Gary (January 31, 2015).
  11. a b «Case NCMU1102079: JANE DOE1979». Unidentified Children. National Center for Missing and Exploited Children. Consultado em 27 de maio de 2012. 
  12. a b c «Unidentified Homicide Victim (Caledonia)». Livingston County, New York: Livingston County Sheriff's Office. 2012. Consultado em 27 de maio de 2012. 
  13. "Murdered Girl's Identity a Mystery" (PDF). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "opt-19800119" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "opt-19800119" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  14. Gruba, Mark (1 de maio de 2012). «Jane Doe cold case gets new life». WROC-TV. Rochester, New York. Consultado em 27 de maio de 2012.. Cópia arquivada em 4 de maio de 2012 
  15. a b Leader, Matt (14 November 2014).
  16. a b Bryant, Vaughn M. (2009). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wefs" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wefs" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  17. Masterson, J. (4 de outubro de 2007). «Casuarina equisetifolia». Indian River Lagoon Species Inventory. Smithsonian Marine Station at Fort Pierce. Consultado em 2 de outubro de 2013. 
  18. a b Postmortem photo at link Contreras, Russell (1 May 2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "ap-20120430" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "ap-20120430" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  19. Postmortem photo at link "Unidentified Female Found on 11/10/1979 Near Caledonia, New York". fbi.gov.
  20. a b Postmortem photo at linkIngles, Jacqueline (26 January 2015).
  21. a b c "Authorities use technology to solve Jane Doe murder, more tips sought". Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "lvc-20061116" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "lvc-20061116" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  22. Voorhees, Seth (23 de agosto de 2006). «Unsolved Case Gets New Help». R News. Rochester, New York. Consultado em 1 de outubro de 2013.. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2008 
  23. Santora, Sally (30 January 2015).
  24. Domingues, Cristina (January 26, 2015).
  25. Ingles, Jackquilene (27 January 2015).
  26. a b Adams, Lynette (January 26, 2015).
  27. Ingles, Jacqueline (26 January 2015).
  28. "1979 murder victim's family speaks out".
  29. Ingles, Jacqueline (10 June 2015).
  30. a b Leader, Matt (10 June 2015).
  31. a b c Craig, Gary (January 30, 2015).
  32. ""Barbara Jenkins, 56" Homemaker".
  33. "Tammy Jo Alexander's family thanks community 30 years later".
  34. Rudd, Nicki (10 June 2015).
  35. Leader, Matt (27 February 2015).
  36. a b Flasch, Jane (27 January 2016).
  37. Craig, Gary (18 March 2015).
  38. "Did N.Y. cold case murder victim have ties to Ga.?"

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "findagrave" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "bryantjones-2006" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Links externos[editar | editar código-fonte]