Assexualidade cinza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira da cinza-assexualidade.

Assexualidade cinza, cinza-assexualidade ou, por vezes, semissexualidade é o espectro entre a assexualidade estrita e as alossexualidades.[1][2][3] Entre as pessoas que se identificam como cinza-assexuais[4] podem incluir, mas não se limitam àquelas que:

  • experimentam a atração sexual em períodos: às vezes a sentem e às vezes não;
  • sentem atração sexual, mas de forma fraca;
  • pessoas que sentem atração sexual, mas apenas sob circunstâncias e/ou condições muito limitadas e específicas.

Algumas também se identificam como pertecentes à área cinza por experienciarem atração regularmente, mas sem que haja uma vontade real de fazer sexo.[5][6][7]

Comunidades e termos[editar | editar código-fonte]

O triângulo da AVEN (Asexual Visibility and Education Network) retrata a área cinza como um espectro entre branco e preto.[8]

Embora sejam relativamente pequenas, existem muitas comunidades online de assexuais, tais como a Asexual Visibility and Education Network (AVEN), maior e mais conhecida comunidade assexual do mundo, ou as brasileiras Comunidade Assexual e Assexualidade Brasil; que dão aos assexuais e cinza-assexuais locais para debater e compreender suas sexualidades e espectros.[9]

É também na internet que nascem os termos adotados por pessoas que se identificam como assexuais da área cinza, são alguns deles:

  • cinz’assexuais, cinza-assexuais;[5]
  • grayssexuais, gray-assexuais, gray-a, gray-ace ou grace;[10][11]
  • greyssexuais, grey-assexuais ou grey-a;[12][13][14]

Espectros[editar | editar código-fonte]

Entre a homossexualidade estrita (topo à esquerda), heterossexualidade estrita (topo à direita), bissexualidade (topo central) e assexualidade estrita (canto inferior) existe uma grande diversidade sexual.

A área cinza engloba vários espectros de sexualidade, ou microidentidades (micro no sentido comunitário ou demográfico), que são subclassificações ou ramificações difundidas dentro da comunidade cinza-assexual.[17][18]

Alguns dos espectros cinza-assexuais:

  • Demissexualidade: pessoas que apresentam como condição ao surgimento de atração, seja sexual ou romântica, a formação de uma conexão emocional profunda com alguém;[19][20]
  • Fraissexualidade: pessoas que apresentam como condição ao surgimento de atração, seja sexual ou romântica, o não desenvolvimento de uma conexão emocional profunda, isto é, o oposto de demi.[21][22][23]
  • Noetissexualidade: pessoas que apresentam como condição ao surgimento de atração, seja sexual ou romântica, a mentalidade e/ou personalidade;[24][25]
  • Sapiossexualidade: pessoas que apresentam como condição ao surgimento de atração, seja sexual ou romântica, puramente a inteligência;[26]
  • Abrossexualidade ou assexualidade fluida: pessoas que apresentam fluidez entre sentir, não sentir e sentir parcialmente a atração, seja sexual ou romântica, ou fluir identitariamente entre espectros;[27][28][29][30][31]
  • Litossexualidade ou akoissexualidade: pessoas que tem como condição para desenvolver atração, seja sexual ou romântica, o fato de não serem correspondidas ou somente por pessoas desconhecidas;[32][33]
  • Reciprossexualidade: pessoas que tem como condição para desenvolver atração, seja sexual ou romântica, o fato de saber que são correspondidas, isto é, o oposto de lito;[34][35]
  • Aegossexualidade: pessoas que não sentem atração sexual, mas gosta de atividades relacionadas à atração sem que ela esteja participando/envolvida. Alguém desse aspecto prefere ver, seja em situação de voyerismo ou em pornografia, ou fantasiar o ato sexual;[36][37]
    Os espectros da sexualidade humana: a assexualidade estrita na ponta esquerda, a área cinza entre os dois extremos e, na ponta direita, o espectro alossexual, que também é representado pelo arco-íris.
  • Caligossexualidade: pessoas que sentem a atração sexual de forma muito vaga ou fraca e podem ignorá-la ou não;[38][39]
  • Âmicussexualidade: pessoas que sentem atração, seja sexual ou romântica, somente se houver um grau amizade;[40][41]
  • Placiossexualidade: referida como sendo um espectro onde um indivíduo sente pouco ou nenhum desejo de receber atos sexuais, isto é, estar como passivo em uma relação, mas expressa interesse em performar eles em alguém, ou seja, estar na posição de ativo;[42]
  • Iamvanossexualidade ou lamvanossexualidade: referida como sendo um espectro onde um indivíduo sente pouco ou nenhum desejo de performar atividades sexuais, isto é, estar como ativo em uma relação, mas expressa interesse em receber elas de alguém, ou seja, estar na posição de passivo;[43][44]
  • Ensenissexualidade: pessoas que experimentam atração sexual apenas quando estão sob emoções, que podem incluir tédio, tristeza, ansiedade, medo, raiva, ciúme, humilhação, compaixão, alegria etc.[45]
  • Quoissexualidade: pessoas que não sabem precisamente o que é atração sexual, acham o conceito de atração sexual ser inaplicável ou inacessível a si próprios, apresentam uma incredulidade ou uma questionância persistente perante ao espectro assexual;[46][47][48]
  • Requissexualidade ou requiessexualidade: pessoas que sentem pouca, limitada ou nenhuma atração sexual por causa de uma exaustão emocional.[49][50]

Muito embora os espectros da área cinza não levem em conta as orientações sexual e/ou romântica como condicionantes à atração experimentada pelos mesmos, é comum que pessoas grace (isto é, pessoas que se identificam em espectros da área cinza) se identifiquem com alguma.[51]

Embora possa se assemelhar aos espectros da área cinza, a síndrome do desejo sexual hipoativo, ou hipossexualidade, é um termo médico que descreve a perda progressiva da vontade sexual, e que pode surgir tanto em pessoas alo[52] quanto graces, e para qual existe tratamento hormonal e/ou psicológico.[53][54][55][56][57]

As partes da sexualidade[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Diversidade sexual
As três partes mais conhecidas da sexualidade.

Aqui, precisamos definir que a sexualidade humana se divide, a princípio, em 5 partes:

Sexualidade: representa o conjunto de comportamentos que concernem à satisfação da necessidade e do desejo sexual e/ou romântico.

Sexo biológico: este é o conjunto de características estruturais e funcionais segundo os quais um ser vivo é classificado como macho ou fêmea, com alguns indivíduos sendo classificados como intersexo;[58][59]

Identidade de gênero: se refere ao gênero com que alguém se identifica, isto é, se ela se identifica como um homem, uma mulher ou pessoa não-binaria;[60][61]

Orientação sexual: indica por qual, ou quais, sexo e/ou gênero alguém se sente atraído física/sexualmente (hétero, homo, pan etc.);[62][63][64]

Orientação romântica: esta é uma partição consideravelmente recente da sexualidade, ela indica por qual, ou quais, sexo e/ou gênero alguém se sente atraído romanticamente (hétero, homo, pan etc.), este termo é utilizado lado-a-lado, embora independente, com o orientação sexual, e baseia-se na perspectiva de que a atração sexual é apenas um dentre os componentes da sexualidade humana.[65][66][67][68]

Em vista dessa diferenciação, se estabelece que alguém pode se identificar com um espectro da área cinza, e como hétero, homo, bi etc. ao mesmo tempo. Tal rotulação é relevante para reconhecer e/ou complementar uma identidade, identificando as relações que venham a desejar seguir. A combinação de rótulos também ajudam na comunicação de uma identidade a outros, assim:

  • alguém que se identifique como hétero demissexual está expressando sua sexualidade como demi com orientação sexual e romântica exclusiva ao sexo oposto; ou
  • alguém que se identifique como homo noetissexual está expressando sua sexualidade como noeti com orientação sexual e romântica exclusiva ao mesmo sexo.
  • alguém que se identifique como macho não-binário hétero fraissexual e homo demissexual está expressando

E assim por diante com outros rótulos (bi, pan etc.) e espectros. Demonstrando deste modo a complexidade e variedade da sexualidade humana.

Estudos[editar | editar código-fonte]

A assexualidade, como um todo, é, no geral, nova dentro do meio acadêmico e do debate público.[69][70][71][72][73]

Não obstante, a cinza-assexualidade (assexualidade cinza, gray-assexualidade) é tida como uma identidade sexual indefinível, por não especificar necessariamente para qual gênero alguém grace direciona sua atração, assim como também ocorre com a assexualidade estrita.[74]

Segundo alguns estudos, a área cinza também implica a existência da alossexualidade (ou zedsexualidade), o que traz ao debate acadêmico o questionamento sobre qual seria uma sexualidade “padrão” e quais os níveis de atração seriam “regulares”.[75][76] Por vezes, há até certas ideias generalizantes como a de que todos (alos, aces e graces) estariam dentro da área cinza; ou como a da inexistência da monossexualidade.[77][78][79]

Independente disso, muitas pesquisas apontam que a sexualidade é fluida, complexa e diversa, e, portanto, a não restrição identitária aos cantos restritos das orientações sexuais e/ou afetivas é tão saudável e natural quanto qualquer outra vivência cuja autoidentificação é estável.[80][81][82][83][84]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bogaert, Anthony F. (4 de janeiro de 2015). Understanding Asexuality (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9781442201002 
  2. White, Rachel (22 de novembro de 2011). «What It Means To Be "Gray-Sexual"». The Frisky. Consultado em 4 de março de 2015 
  3. «Mas afinal, o que significa Gray-A?». ConversaCult. Consultado em 7 de março de 2020 
  4. «A Àrea Cinza». Issuu (em inglês). Consultado em 7 de março de 2020 
  5. a b «» Gray». orientando.org. Consultado em 29 de junho de 2018 
  6. «Gray-A/Grey-A - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  7. «12 coisas que você não sabia sobre pessoas assexuais». BuzzFeed BRASIL. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  8. «Assexuais também amam: espectro da assexualidade não é "preto e branco"». Jornal Opção. 9 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 
  9. Labate, Fernanda (23 de maio de 2018). «Como é ser assexual? Leia relatos e entenda melhor a orientação - Amor e Sexo - iG». Delas 
  10. «Você sabe o que é gray-assexual?». Estado de Minas. 8 de setembro de 2015. Consultado em 7 de março de 2020 
  11. «Mas afinal, o que significa Gray-A?». ConversaCult. Consultado em 7 de março de 2020 
  12. «O que você precisa saber sobre a assexualidade». Psiquiatra em São Paulo | Dra. Aline Rangel. 15 de abril de 2019. Consultado em 7 de março de 2020 
  13. «What Does grey-a Mean? | Gender & Sexuality by Dictionary.com». Everything After Z by Dictionary.com (em inglês). Consultado em 7 de março de 2020 
  14. «Gray-A/Grey-A - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 7 de março de 2020 
  15. «Los grisexuales: ¿Quiénes son y qué les atrae?». Los Replicantes (em espanhol). Consultado em 7 de março de 2020 
  16. Franz, Ariel (29 de outubro de 2016). «Assexualidade Brasil: Conheça Algumas Identidades e Orientações do Espectro Assexual». Assexualidade Brasil. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  17. «Explore the spectrum: Guide to finding your ace community». GLAAD (em inglês). 25 de junho de 2018. Consultado em 15 de abril de 2021 
  18. Villarreal, Daniel (29 de dezembro de 2019). «What is asexual? Here's the asexual spectrum, an asexual quiz & everything else you're curious about». LGBTQ Nation. Consultado em 15 de abril de 2021 
  19. «If You've Never Experienced Lust At First Sight, You Could Be Demisexual». InStyle (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  20. Plato, Republished by (9 de agosto de 2020). «Semissexual: tudo que você precisa saber sobre isso. |». Consultado em 15 de abril de 2021 
  21. «What is fraysexuality and could this describe you?». bodyandsoulau (em inglês). 19 de fevereiro de 2021. Consultado em 15 de abril de 2021 
  22. «Fraisexualidad: sentirte atraído por alguien por quien pierdes interés tras conocerle». La Vanguardia (em espanhol). 18 de novembro de 2018. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  23. «Fraisexual - AsexualpediA». es.asexuality.org. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  24. «» Noéti». Consultado em 27 de agosto de 2021 
  25. «Noetisexual». LGBTA Wiki (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2021 
  26. «Sapiosexuais: quando você só se excita com a inteligência». EL PAÍS. 22 de agosto de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  27. «» A-flux». Consultado em 15 de abril de 2021 
  28. «4 People With Ace Identities On What People Get Wrong About Asexuality». HelloGiggles (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  29. Mardell, Ashley (8 de novembro de 2016). The ABC's of LGBT+ (em inglês). [S.l.]: Mango Media Inc. 
  30. Redacción (21 de fevereiro de 2020). «Androsexual, cupiosexual, monosexual, pansexual, reciprosexual, avrosexual....el cacao de las nuevas identidades de sexo». Crónica de Canarias (em espanhol). Consultado em 8 de setembro de 2021 
  31. Glatzer, Jenna. «What does it mean to be aceflux? This micro-label is gaining traction in the asexual community». Mic (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2021 
  32. «Lithsexual | Pride Flags, Lapel Pins, Magnets & Buttons». www.rainbowdepot.com. Consultado em 15 de abril de 2021 
  33. «Dicionário». Comunidade Assexual. Consultado em 15 de abril de 2021 
  34. «What Are Reciprosexuality and Reciproromanticism?». Poly Land (em inglês). 17 de janeiro de 2019. Consultado em 15 de abril de 2021 
  35. «reciprosexuality – the most common sexual preference? – Teel McClanahan» (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  36. «Aegosexuality - Iowa City Aces». sites.google.com. Consultado em 15 de abril de 2021 
  37. «Dicionário». Comunidade Assexual. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  38. Hergesel, João Paulo (19 de dezembro de 2018). «ADOLESCENTES ASSEXUAIS: QUEM SÃO? O QUE SENTEM? COMO VIVEM?». Revista de Humanidades, Tecnologia e Cultura (1). ISSN 2238-3948. Consultado em 15 de abril de 2021 
  39. «Ace Glossary - Iowa City Aces». sites.google.com. Consultado em 15 de abril de 2021 
  40. Hergesel, João Paulo (19 de dezembro de 2018). «ADOLESCENTES ASSEXUAIS: QUEM SÃO? O QUE SENTEM? COMO VIVEM?». Revista de Humanidades, Tecnologia e Cultura (1). ISSN 2238-3948. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  41. «Dicionário». Comunidade Assexual. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  42. «Placiosexual - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 15 de abril de 2021 
  43. «Urban Dictionary: iamvanosexuality». Urban Dictionary (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  44. «[OPINION] Do I have to label myself to have an identity?». Rappler (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  45. «Ace Glossary - Iowa City Aces». sites.google.com. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  46. «New words added to dictionary.com in 2020». The Times of India (em inglês). 4 de setembro de 2020. Consultado em 15 de abril de 2021 
  47. «AUREA - Quoi is what?». AUREA (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  48. «Quoiromanticism, a romantic orientation». venngage.net (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  49. Behance. «Requiessexual and Requiessromantic». Behance (em english). Consultado em 15 de abril de 2021 
  50. «Identidades Assexuais #1 – aroaceiros». aroaceiros.com. 15 de abril de 2021. Consultado em 26 de julho de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2021 
  51. «Greysexual». LGBTA Wiki (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2021 
  52. «O que significa ser alossexual?». Bacana (em inglês). 26 de dezembro de 2019. Consultado em 15 de abril de 2021 
  53. Escreveu, 2015-07-17 16:50:00xiusass 2015-07-17 16:50:00. «terms plus concepts used in the aromantic/sexual/gender communities etc.». xiusass.livejournal.com. Consultado em 15 de abril de 2021 
  54. «What is hyposexuality and how is it different to asexuality?». The Independent (em inglês). 17 de maio de 2018. Consultado em 15 de abril de 2021 
  55. «Hyposexuality and asexuality: what's the difference?». Concrete (em inglês). 18 de fevereiro de 2019. Consultado em 15 de abril de 2021 
  56. Panea, Por Amalia (24 de setembro de 2018). «¿Eres alosexual?». ELLE (em espanhol). Consultado em 15 de abril de 2021 
  57. «What Does It Mean To Be Allosexual?». Healthline (em inglês). 21 de novembro de 2019. Consultado em 15 de abril de 2021 
  58. «'Agora sei por que não menstruo': jovem conta como se descobriu (e se aceitou) intersexual». BBC News Brasil. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  59. «Mitos LGBTIA+: pessoas intersexo». SBMFC. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  60. «gender identity | Definition, Theories, & Facts». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2021 
  61. «O que é identidade de gênero? Como isso impacta na vida das pessoas?». www.uol.com.br. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  62. «Orientação Sexual». www.adolescencia.org.br. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  63. «Por que orientação sexual é o termo correto a se usar, e não a expressão opção sexual». GZH. 2 de julho de 2021. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  64. «Orientação sexual. Orientação sexual e outros aspectos da sexualidade». Brasil Escola. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  65. «» O que é orientação romântica?». Consultado em 27 de agosto de 2021 
  66. «"Sou lésbica, mas me apaixonei por um homem"; o que é orientação romântica?». www.uol.com.br. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  67. «Romantic orientation - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  68. «Identidade romântica, orientação romântica, romanticidade». Wiki Identidades. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  69. Buyantueva, Radzhana; Shevtsova, Maryna (25 de setembro de 2019). LGBTQ+ Activism in Central and Eastern Europe: Resistance, Representation and Identity (em inglês). [S.l.]: Springer Nature 
  70. «Deslocando sobre o arco-íris com tonalidades cinza e preto: assexualidades em trânsito - ProQuest». www.proquest.com. Consultado em 17 de setembro de 2021 
  71. Pereira, Lucas Gonçalves; Fernandes, Célia Bassuma (2 de dezembro de 2019). «A assexualidade no discurso jornalístico: uma análise discursiva». Entrepalavras (3): 193–207. ISSN 2237-6321. doi:10.22168/2237-6321-31538. Consultado em 17 de setembro de 2021 
  72. Hergesel, João Paulo. «(PDF) Adolescentes assexuais: quem são? O que sentem? Como vivem?» (PDF). academia.edu. Consultado em 17 de setembro de 2021 
  73. Winter-Gray, Thom; Hayfield, Nikki (3 de julho de 2021). «'Can I be a kinky ace?': How asexual people negotiate their experiences of kinks and fetishes». Psychology & Sexuality (3): 163–179. ISSN 1941-9899. doi:10.1080/19419899.2019.1679866. Consultado em 17 de setembro de 2021 
  74. Gurevitch, Jason (1 de janeiro de 2019). «A Rethinking of Gray Asexuality: What do we Learn from an Undefinable Identity?». Honors Theses 
  75. Wong, Alan (29 de julho de 2013). «"Between Rage and Love": Disidentifications Among Racialized, Ethnicized, and Colonized Allosexual Activists in Montreal» (em inglês) 
  76. «O que significa ser alossexual?». Bacana (em inglês). 26 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de junho de 2020 
  77. «Where are all the bisexuals? Understanding the gray areas of LGBTQ representation». HowlRound Theatre Commons (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  78. «Você sabe o que é gray-assexual?». Estado de Minas. Revista Encontro. 8 de setembro de 2015. Consultado em 18 de junho de 2020 
  79. Goldhaber, Emma (25 de setembro de 2018). «The gray area of bisexuality and pansexuality». The Temple News (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  80. Flanders, Corey E. (29 de março de 2020). Under the Bisexual Umbrella: Diversity of Identity and Experience (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  81. Mock, Steven E.; Eibach, Richard P. (junho de 2012). «Stability and change in sexual orientation identity over a 10-year period in adulthood». Archives of Sexual Behavior. 41 (3): 641–648. ISSN 1573-2800. PMID 21584828. doi:10.1007/s10508-011-9761-1 
  82. Ventriglio, Antonio; Kalra, Gurvinder; Bhugra, Dinesh (fevereiro de 2018). «Human rights and sexuality: sexual fluidity». The Lancet Psychiatry. 5 (2): 109–110. ISSN 2215-0366. doi:10.1016/s2215-0366(18)30016-6 
  83. Ng, Nicole Denise. Intersectionality and attitudes toward mental health service utilization in ethnically and sexually diverse middle-aged and older adults. [S.l.: s.n.] OCLC 881327495 
  84. Mereish, Ethan H.; Katz-Wise, Sabra L.; Woulfe, Julie (29 de outubro de 2018). «We're Here and We're Queer: Sexual Orientation and Sexual Fluidity Differences Between Bisexual and Queer Women». Routledge: 125–139. ISBN 978-0-429-44754-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]