Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional
Hino nacional: Não tem

Localização da Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional

Membros • Observadores
Capital Kathmandu, Nepal
Língua oficial várias
Governo n.a.
 - multilateral: (presidência rotativa pro tempore) Maldivas Fathimath Dhiyana Saeed (pro tempore)
Formação  
 - Declaração sobre a Cooperação Regional do Sul da Ásia 8 de Dezembro de 1985 
Área  
 - Total 5,130,746 km² (7.º)
População  
 - Estimativa para 2004 1,467,255,669 hab. (1.º)
 - Densidade 285.9 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2006
 - Total US$ 4,074,031 
 - Per capita US$ 2.777 (3.º)
Moeda várias (-)
Fuso horário +4½ a +6
Cód. Internet vários
Cód. telef. +vários
Website governamental www.saarc-sec.org/

A Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional (ASACR),[1][2][nota 1] (em inglês: South Asian Association for Regional Cooperation, SAARC) é uma organização política e económica de oito países na Ásia Meridional. Em termos de população, a sua esfera de influência é a maior de que qualquer organização regional: quase 1500 milhões de pessoas, a população combinada dos seus Estados membros. Foi criada em 8 de Dezembro de 1985 pela Índia, Paquistão, Bangladesh, Sri Lanka, Nepal, Butão e Maldivas. Em Abril de 2007, por ocasião da 14.º Cimeira da Associação, o Afeganistão tornou-se no seu oitavo membro.

História[editar | editar código-fonte]

Em finais dos anos 70, o presidente do Bangladesh, Ziaur Rahman, propôs a criação de um bloco comercial constituído por países do Sul da Ásia. A prosposta do Bangladesh foi aceita pela Índia, Paquistão e Sri Lanka durante uma reunião realizada em Colombo, em 1981. Em Agosto de 1983, os líderes aprovaram a Declaração sobre a Cooperação Regional do Sul da Ásia durante uma reunião que teve lugar em Nova Deli. Os sete países do Sul da Ásia, que também inclui o Nepal, as Maldivas e o Butão, acordaram em cinco domínios de cooperação:

  • Agricultura e Desenvolvimento Rural
  • Telecomunicações, Ciência, Tecnologia e Meteorologia
  • Saúde e actividades da população
  • Transportes
  • Desenvolvimento dos recursos humanos

O Afeganistão foi adicionado ao grupo regional em 13 de Novembro de 2005, e tornou-se membro em 3 de Abril de 2007. Com a adição do Afeganistão, o número total de Estados membros foi elevado para oito (8). Em Abril de 2006, os Estados Unidos da América e a Coreia do Sul fizeram pedidos formais para lhes ser concedido o estatuto de observador. A União Europeia também tem manifestado interesse em ser dado o estatuto de observador, e fez um pedido formal para o mesmo com o Conselho de Ministros da SAARC, reunido em Julho de 2006. Em 2 de Agosto de 2006, os Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da SAARC concordaram, em princípio, em conceder o estatuto de observador aos os EUA, à Coreia do Sul e à União Europeia. Em 4 de Março de 2007, o Irão pediu estatuto de observador.

Incapacidades[editar | editar código-fonte]

A incapacidade da SAARC em desempenhar um papel crucial na integração do Sul da Ásia é frequentemente creditada devido às rivalidades políticas e militares entre a Índia e o Paquistão. É devido a essas disputas económicas, políticas e territoriais que as nações do Sul da Ásia não têm sido capazes de aproveitar as vantagens de uma economia unificada. Ao longo dos anos, o papel da SAARC no Sul da Ásia tem sido muito reduzida e é agora utilizada como uma simples plataforma para palestras e reuniões anuais entre os seus membros.

Questões políticas[editar | editar código-fonte]

Na SAARC foi intencionalmente estabelecido mais stress sobre as "questões fundamentais" mencionadas acimas, em vez das questões políticas mais decisivas, como a Caxemira e a Guerra Civil do Sri Lanka. No entanto, o diálogo político é frequentemente realizado à margem das reuniões da SAARC. A SAARC tem também de abster-se em interferir nos assuntos internos de seus Estados membros. Durante a 12.ª e 13.ª Cimeira da SAARC, de extrema importância, foi estabelecido uma maior cooperação entre os membros da SAARC para lutar contra o terrorismo.

Acordo de livre comércio[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos, os membros da SAARC manifestaram a sua relutância em assinar um acordo de comércio livre. Embora a Índia tenha vários pactos comerciais com as Maldivas, o Nepal, o Butão e a Sri Lanka, semelhante aos acordos comerciais com o Paquistão e o Bangladesh, foram bloqueadas devido a preocupações políticas e econômicas de ambos os lados. A Índia tem construído uma barreira em toda a sua fronteira com o Bangladesh e o Paquistão. Em 1993, os membros da SAARC assinaram um acordo para, gradualmente, baixar as tarifas na região, em Dhaka. Onze anos mais tarde, a 12.ª Cimeira da SAARC em Islamabad, os membros da SAARC elaboraram o Acordo de Livre Comércio da Ásia do Sul, que criou um quadro para o estabelecimento de uma zona de comércio livre abrangendo 1,4 milhões de pessoas. Este acordo entrou em vigor em 1 de Janeiro de 2006. Nos termos deste acordo, os membros da SAARC terão as suas funções até 20 por cento, até 2007.

Cimeira de Daca em 2005[editar | editar código-fonte]

A cimeira concedeu o estatuto de observador à República Popular da China, ao Japão, à Coreia do Sul e aos Estados Unidos da América. Os países também concordaram em organizar o desenvolvimento de fundos ao abrigo de uma única instituição financeira, com um secretariado permanente, que abrange todos os programas que vão do campo social, às infra-estruturas e à económica.

Membros[editar | editar código-fonte]

Membros actuais

Observadores

Secretários-gerais[editar | editar código-fonte]

Bangladesh Abul Ahsan 16 de Janeiro de 1987 a 15 de Outubro de 1989
Índia Kant Kishore Bhargava 17 de Outubro de 1989 a 31 de Dezembro de 1991
Maldivas Ibrahim Hussain Zaki 1 de Janeiro de 1992 a 31 de Dezembro de 1993
Nepal Yadav Kant Silwal 1 de Janeiro de 1994 a 31 de Dezembro de 1995
Paquistão Naeem U. Hasan 1 de Janeiro de 1996 a 31 de Dezembro de 1998
Sri Lanka Nihal Rodrigo 1 de Janeiro de 1999 a 10 de Janeiro de 2002
Bangladesh Q.A.M.A. Rahim 11 de Janeiro de 2002 a 28 de Fevereiro de 2005
Butão Lyonpo Chenkyab Dorji 1 de Março de 2005 a 29 de Fevereiro de 2008
Índia Sheel Kant Sharma 1 de Março de 2008 a 28 de Fevereiro de 2011
Maldivas Fathimath Dhiyana Saeed 1 de Março de 2011 a Março de 2012

Cimeiras[editar | editar código-fonte]

1.ª Bangladesh Dhaka 7-8 de Dezembro de 1985
2.ª Índia Bangalore 16-17 de Novembro de 1986
3.ª Nepal   Kathmandu 2-4 de Novembro de 1987
4.ª Paquistão Islamabad 29-31 de Dezembro de 1988
5.ª Maldivas Malé 21-23 de Novembro de 1990
6.ª Sri Lanka Colombo 21 de Dezembro de 1991
7.ª Bangladesh Dhaka 10-11 de Abril de 1993
8.ª Índia Nova Deli 2-4 de Maio de 1995
9.ª Maldivas Malé 12-14 de Maio de 1997
10.ª Sri Lanka Colombo 29-31 de Julho de 1998
11.ª Nepal   Kathmandu 4-6 de Janeiro de 2002
12.ª Paquistão Islamabad 2-6 de Janeiro de 2004
13.ª Bangladesh Dhaka 12-13 de Novembro de 2005
14.ª Índia Nova Deli 3-4 de Abril de 2007
15.ª Sri Lanka Kandy 30-31 de Julho de 2008
16.ª Butão Thimbu 28-29 de Abril de 2010
17.ª Maldivas Addu 10-11 de Novembro de 2011
18.ª Nepal   Kathmandu ?-? de 2013

Notas

  1. Também é referida como Área de Cooperação Regional da Ásia Meridional,[3] Associação para Cooperação Regional da Ásia Meridional (ACRAM),[4] Associação da Ásia Meridional para a Cooperação Regional[5] e Associação da Ásia do Sul para a Cooperação Regional[6]

Referências

  1. «EUR-Lex - 32000R2849 - EN - EUR-Lex». eur-lex.europa.eu (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2018. 
  2. «Premiê recém-eleito da Índia convida líder paquistanês para posse». Mundo. 21 de maio de 2014 
  3. Vizentini, Paulo Fagundes (10 de junho de 2003). «O encontro do G-7/G-8 e a criação do G-3». educaterra.terra.com.br. A nova ordem global. Consultado em 13 de agosto de 2018. 
  4. «China faz cinco propostas de cooperação com ACRAM». portuguese.cri.cn. Consultado em 13 de agosto de 2018. 
  5. «O "novo regionalismo asiático": maior integração ou mais um spaghetti bowl? | International Centre for Trade and Sustainable Development». www.ictsd.org (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2018. 
  6. Fayos, Jorge Soutullo / Anna Saarela / Fernando Garcés de los. «Ásia Meridional» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 13 de agosto de 2018. 
  7. a b «The Himlayan Times: Breaking News, Views, Reviews, Sports, Business, Entertainment from Nepal». 3 de dezembro de 2007. Consultado em 3 de janeiro de 2017. 
  8. «Tehran Times». Tehran Times. Consultado em 3 de janeiro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]