Associacionismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A teoria associacionista, antecessora do comportamentalismo ou behaviorismo, inspirada na filosofia empirista e positivista, atribuiu exclusivamente ao ambiente a constituição das características humanas e privilegia a experiência como fonte do conhecimento e de formação de hábitos de comportamento. Assim as características individuais são determinadas por fatores externos ao indivíduo. Nesta abordagem, desenvolvimento e aprendizagem se confundem e ocorrem simultaneamente.

O Associacionismo ou Conexionismo se interessa pela investigação de animais em condições controladas de laboratório. Acredita que o estudo do comportamento animal permite acesso ao modo humano de solucionar problemas. O termo Associacionismo origina-se da concepção de que a aprendizagem se dá por um processo de associação de idéias - Das mais simples às mais complexas. Assim, para aprender um conteúdo complexo, a pessoa precisaria primeiro aprender as idéias mais simples, que estariam associadas àquele conteúdo.

"Aprendizagem se produz por mero acidente, sem participação inteligente e compreensiva de quem a realiza, pelo fortalecimento da resposta correta dentre muitas esboçadas, pela influência do exercício e do efeito."

Edward Lee Thorndike formulou a Lei do Efeito, que seria de grande utilidade para a Psicologia Comportamentalista. De acordo com essa lei, todo comportamento de um organismo vivo, tende a se repetir, se for recompensado(efeito) assim que este emitir o comportamento. Por outro lado, o comportamento tenderá a não acontecer, se o organismo for castigado(efeito) apos sua ocorrência.

Pela Lei do Efeito o organismo vai associar essas situações com outras semelhantes. O associacionismo também atribui a idéia-imagem a figura de fundo, isso quer dizer que o conjunto engloba outra fatores que por si só representam outro sentido para o todo.

História[editar | editar código-fonte]

A idéia é primeiramente registrada por Platão e Aristóteles, especialmente no que se refere à sucessão de memórias. Membros da "Escola de Associação" principalmente britânica, incluindo John Locke, David Hume, David Hartley, Joseph Priestley, James Mill, John Stuart Mill, Alexander Bain e Ivan Pavlov, afirmaram que o princípio é aplicado a todos ou a muitos processos mentais.[1] Os membros posteriores ​​da escola desenvolveram princípios muito específicos, elaborando como as associações funcionaram e até mesmo um mecanismo fisiológico sem semelhança com a neurofisiologia moderna.[2] Para uma explicação mais completa da história intelectual do associaçãotismo e da "Escola Associativa", veja Associação de Idéias .

Algumas das idéias da Escola Associação antecipavam os princípios do condicionamento clássico e seu uso em psicologia comportamental.[1]

Referências

  1. a b Boring, E. G. (1950) "A History of Experimental Psychology" New York, Appleton-Century-Crofts
  2. Pavlov, I.P. (1927, 1960) "Conditioned Reflexes" New York, Oxford (1927) Dover (1960)
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.