Assunção Cristas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Assunção Cristas
Assunção Cristas
Ministro(a) de Agricultura e do Mar de Portugal Portugal
Período XIX e XX Governos Constitucionais
Antecessor(a) [ Dois Ministros ]
Sucessor(a) José Vieira da Silva
Dados pessoais
Nascimento 28 de setembro de 1974 (43 anos)
Luanda, Portugal Angola Portuguesa
Partido CDS-PP
Religião Católica Romana
Profissão Jurista
Website Portal do Governo

Maria de Assunção Oliveira Cristas Machado da Graça (Luanda, 28 de setembro de 1974[1]), apenas conhecida como Assunção Cristas, é uma jurista, professora e política portuguesa. Foi Ministra da Agricultura e do Mar de Portugal entre 2011 e 2015. É a atual Presidente do CDS-PP, cargo que desempenha desde 13 de março de 2016.[2]

No dia 21 de junho de 2011, tomou posse como Ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território no XIX Governo Constitucional de Portugal. A 2 de Julho de 2013, o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas entregou uma carta de demissão, e no mesmo dia, foi anunciado que Cristas e Pedro Mota Soares entregariam as suas respectivas cartas na quarta-feira seguinte[3], coisa que não veio a acontecer. No entanto, a 24 de julho de 2013, toma posse como Ministra da Agricultura e Mar, perdendo as pastas do Ambiente e do Ordenamento do Território para Jorge Moreira da Silva[4]. Foi novamente empossada como ministra da Agricultura e do Mar do XX Governo Constitucional a 30 de outubro de 2015, que durou até ao mês de novembro seguinte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Assunção Cristas nasceu em Angola, na cidade de Luanda, a 28 de setembro de 1974. Foi com a família para Portugal em 1975.

Licenciou-se em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1997, onde foi aluna de Marcelo Rebelo de Sousa.

É casada com Tiago Pereira dos Reis Machado da Graça e mãe de quatro filhos, e afirma ser católica praticante.[5][6]

Em Janeiro de 2013, ao saber-se da sua gravidez, tornou-se a primeira mulher em Portugal a estar grávida enquanto ministra.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Profissional[editar | editar código-fonte]

Terminada a licenciatura em Direito, Assunção Cristas realizou o estágio de advocacia e foi admitida em 1999 na Ordem dos Advogados[7].

Paralelamente, foi assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, entre 1997 e 1999, onde já era monitora, desde 1995[8].

Foi assessora da Ministra da Justiça do XV Governo Constitucional, Celeste Cardona, em 2002, assumindo nesse mesmo ano a direção do Gabinete de Política Legislativa e Planeamento, até 2005.

Em 2004 tornou-se professora convidada na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, onde apresentou a dissertação de doutoramento em Direito Privado, Transmissão contratual do direito de crédito. Do carácter real do direito de crédito. Prosseguiu a sua carreira como professora auxiliar, em 2005, e professora associada, em 2009.

Como assistente convidada, também lecionou no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI)[9][10].

É consultora jurídica na sociedade de advogados Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados, desde 2010.

Político[editar | editar código-fonte]

Assunção Cristas aderiu ao CDS - Partido Popular em 2007, depois de uma participação no programa da RTP1 Prós e Contras, sobre o aborto. A sua representação em defesa do não, no referendo que se iria realizar, chamou a atenção dos centristas e levou Paulo Portas a convidá-la a ingressar no partido.

Dois anos depois, em 2009, encabeçou a lista desse partido no Círculo de Leiria, às legislativas desse ano e, dois anos depois, na sequência da demissão de José Sócrates, voltou a encabeçar a lista do CDS-PP em Leiria nas legislativas de 2011. Das duas vezes foi eleita deputada à Assembleia da República. Não chegaria a exercer o mandato na legislatura iniciada em 2011 em virtude do seu ingresso no governo de Pedro Passos Coelho, formado por coligação entre o PSD e o CDS-PP[11].

Em Junho de 2011 integrou a equipa do CDS-PP nas negociações com o PSD com vista à formação de uma coligação de incidência parlamentar que permitiu a formação do XIX Governo Constitucional. Cristas viria a integrar este governo como Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território em 21 de junho de 2011, passando a tutelar dois ministérios que estavam separados no anterior governo.

Criou alguma polémica no seu mandato ao divulgar um despacho que dispensava os funcionários do Ministério de usar gravatas [12]. Protagonizou outras decisões polémicas, como a extinção da empresa Parque Expo, gestora do Parque das Nações. [13]

Na sequência do anúncio de não recandidatura de Paulo Portas, a 28 de dezembro de 2015, assumiu-se como candidata à Presidência do CDS-PP a 14 de janeiro de 2016, depois da desistência dos possíveis candidatos João Pinho de Almeida e Pedro Mota Soares e, especialmente, depois de ter feito um pacto com Nuno Melo, em que este abdicaria de concorrer à liderança do partido no congresso marcado para 12 e 13 de março, tendo sido eleita com 95% dos votos.[14]

Assunção Cristas anunciou, a 10 de setembro de 2016, que era candidata à Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas de 2017, sendo que conseguiu o melhor resultado de sempre do CDS-PP (em coligação com o MPT e o PPM), nas eleições à Câmara Municipal de Lisboa, com 20,57% dos votos. Na sequência desses resultados, foram eleitos quatro vereadores das listas da coligação "Nossa Lisboa".

Foi reeleita presidente do CDS-PP no congresso de 10 e 11 de março, em Lamego, com 89,2% dos votos.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedida por:
António Serrano
(como ministro da Agricultura, do Desenvolvimento
Rural e das Pescas
)

Dulce Pássaro
(como ministra do Ambiente e do
Ordenamento do Território
)
Ministra da Agricultura, do Mar,
do Ambiente e do Ordenamento do Território

XIX Governo Constitucional de Portugal
2011 – 2013
Sucedida por:
a própria
(como ministra da Agricultura e do Mar)
Jorge Moreira da Silva
(como ministro do Ambiente, Ordenamento
do Território e Energia
)
Precedida por:
a própria
(como ministra da Agricultura, Mar,
Ambiente e Ordenamento do Território
)
Ministra da Agricultura e do Mar
XIX e XX Governos Constitucionais
2013 – 2015
Sucedida por:
Luís Capoulas Santos
(como ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural)
Ana Paula Vitorino
(como ministra do Mar)
Precedido por
Paulo Portas
Presidente do CDS – Partido Popular
2016 – presente
Sucedido por
Incumbente


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.