Astronomia de onda gravitacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Representação bidimensional de ondas gravitacionais geradas por duas estrelas de nêutrons orbitando entre si

Astronomia de onda gravitacional é um ramo emergente de astronomia observacional que visa o uso de ondas gravitacionais (pequenas distorções do espaço-tempo preditas pela teoria da relatividade geral de Albert Einstein) para coletar dados observacionais sobre objetos como estrelas de nêutrons e buracos negros, eventos como supernovas e processos como os do Universo inicial logo após o Big Bang.

As ondas gravitacionais têm uma base teórica sólida, baseada na teoria da relatividade. Primeiro, elas foram previstas por Einstein em 1916; embora uma consequência específica da relatividade geral, elas são uma característica comum de todas as teorias da gravidade que obedecem à relatividade especial.[1] A evidência observacional indireta de sua existência veio em 1974 a partir das medidas do pulsar binário Hulse-Taylor, cuja órbita evolui exatamente como seria esperado para a emissão de ondas gravitacionais.[2]

Em 11 de fevereiro de 2016, anunciou-se que o LIGO observou diretamente as ondas gravitacionais pela primeira vez em setembro de 2015. A segunda observação das ondas gravitacionais foi feita em 26 de dezembro de 2015 e anunciada em 15 de junho de 2016.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Schutz, Bernard F. (1984). «Gravitational waves on the back of an envelope». American Journal of Physics. 52 (5). 412 páginas. Bibcode:1984AmJPh..52..412S. doi:10.1119/1.13627 
  2. Hulse, R. A.; Taylor, J. H. (1975). «Discovery of a pulsar in a binary system». The Astrophysical Journal. 195: L51. Bibcode:1975ApJ...195L..51H. doi:10.1086/181708 
  3. LIGO Scientific Collaboration and Virgo Collaboration; Abbott, B. P.; Abbott, R.; Abbott, T. D.; Abernathy, M. R.; Acernese, F.; Ackley, K.; Adams, C.; Adams, T. (15 de junho de 2016). «GW151226: Observation of Gravitational Waves from a 22-Solar-Mass Binary Black Hole Coalescence». Physical Review Letters. 116 (24). 241103 páginas. Bibcode:2016PhRvL.116x1103A. PMID 27367379. arXiv:1606.04855Acessível livremente. doi:10.1103/PhysRevLett.116.241103