Ataque a mesquita em Pexauar em 2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ataque a mesquita em Pexauar em 2022
Hora 00:45
Data 4 de março de 2022
Local Mesquita de Pexauar, Paquistão
Tipo Ataque terrorista com tiroteio e homem-bomba
Mortes 63
Lesões não-fatais 196
Suspeito(s) Muhammad Ali Saif
Status do suspeito Morto (suicidou-se)
Autoria do ataque Estado Islâmico de Coraçone

Em 4 de março de 2022, o Estado Islâmico de Coraçone atacou uma mesquita xiita em Pexauar, Khyber Pakhtunkhwa, Paquistão. O ataque matou pelo menos 63 pessoas[1] e feriu outras 196.[2]

Precedentes[editar | editar código-fonte]

Durante o final do século XX e início do século XXI no Paquistão, ataques islâmicos e sectários foram muito comuns, matando milhares de pessoas.[3][4] Em 2004, seus ataques se intensificaram em uma insurgência no noroeste do país. Muitos e significantes ataques ocorreram em Pexauar, Khyber Pakhtunkhwa, incluindo um bombardeio de mercado em 2009 que matou pelo menos 117.[5] Em 2013, um ataque a uma mesquita xiita matou pelo menos 14 pessoas[6] e outro ataque a uma igreja matou pelo menos 75.[7] Os ataques seguintes incluíram um massacre escolar em 2014 e outro ataque a uma mesquita xiita em 2015.[8][9] Pexauar experimentou "uma relativa calmaria" nos anos anteriores ao ataque de 2022,[10] mas houve "um aumento significativo da violência" ao longo dos postos militares na fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão nos meses anteriores ao ataque, um dos motivos relatados é o domínio do Talibã sob o país.[11]

Kucha Risaldar (alternativamente romanizado Kocha Risaldar) é um bairro predominantemente xiita na cidade velha de Pexauar. A principal mesquita ali presente, alvo do ataque, está localizada no Bazar Qissa Khwani.[12] Está entre as mesquitas mais antigas da região e antecede o estabelecimento do Paquistão como um estado separado da União Indiana em 1947.[11]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Em 4 de março de 2022 às 00:55 (Horário Local UTC+5),[12] durante a oração de sexta-feira, um homem vestido com roupas pretas e armado com uma pistola[13] chegou próximo da mesquita em Kucha Risaldar em um riquixá motorizado com outros dois indivíduos.[14] Ele então prosseguiu sozinho a pé.[11][12] e atirou em policiais do lado de fora do prédio, matando um e ferindo outro.[15][11] Cinco ou seis tiros foram disparados.[12][15]

Ele entrou no salão principal da mesquita e abriu fogo contra os fiéis, que enchiam os dois andares da mesquita. Segundos depois, detonou um colete explosivo com cerca de 150 rolamentos e 5 kg (11 lb) de explosivos, causando uma poderosa explosão.[12][3][16] O explosivo estava escondido por seu grande xale e pela cor escura de suas roupas.[11][12] Uma testemunha disse que o agressor detonou os explosivos quando chegou ao minbar, e o inspetor-geral da polícia disse que ocorreu na terceira fila da mesquita.[12]

Pelo menos 57 pessoas foram inicialmente mortas e outras 196 feridas.[12] Um policial acreditava que os rolamentos de esferas causavam a maioria das mortes, e muitas vítimas tiveram membros amputados por estilhaços.[11] Entre os mortos estava o líder de oração Allama Irshad Hussein Khalil, descrito pela AP News como "um proeminente jovem líder xiita em ascensão".[11] O oficial ferido quando o agressor se aproximou da mesquita morreu momentos depois.[10]

Foi o ataque mais mortal no Paquistão desde o atentado à bomba em um comício eleitoral do Estado Islâmico em 2018 em Mastung, Baluchistão.[4]

Consequências[editar | editar código-fonte]

As vítimas foram levadas para o Hospital Lady Reading com 10 chegando "em estado muito crítico" e 57 chegando mortos.[11][10] Um porta-voz do hospital disse no dia seguinte que pelo menos 37 pessoas permaneceram hospitalizadas com pelo menos 4 em estado crítico e 6 morreram durante a noite, elevando o número de mortos para 63.[10][14][17]

Em 5 de março de 2022, o Estado Islâmico de Coraçone reivindicou a responsabilidade pelo ataque através da Agência de Notícias Amaq e identificou o homem-bomba como Julaybib al-Kabli.[4][18] Em uma entrevista coletiva no dia seguinte, autoridades de segurança disseram que se tratava de um pseudônimo e o identificaram como Muhammad Ali Saif, assistente especial do ministro-chefe da província. Autoridades disseram que ele foi dado como desaparecido anteriormente por seus pais, que suspeitavam que ele havia se juntado ao Estado Islâmico.[14]

O Ministro Federal da Informação e Radiodifusão, Fawad Chaudhry, disse que três equipes de investigação foram estabelecidas para investigar o ataque, e o porta-voz do governo provincial disse a repórteres em 5 de março que o motorista do riquixá havia sido preso.[10]

Os funerais foram realizados no Kohati Gate para 24 vítimas na noite de 4 de março de 2022 e na manhã seguinte. Os enterros, assistidos por centenas, foram sob estrita segurança, incluindo cães farejadores e revistas corporais realizadas pela polícia e pela própria segurança da comunidade xiita.[10] A comunidade xiita, sentindo que a segurança do governo estava muito frouxa antes do ataque, exigiu melhor proteção e organizou protestos em todo o país durante a noite de 4 de março para condenar o ataque.[10]

Reações[editar | editar código-fonte]

Governo[editar | editar código-fonte]

Imran Ahmed Khan Niazi - UNGA (48784380531) (cropped).jpg
Imran Khan Twitter
@ImranKhanPTI

Minhas mais profundas condolências vão para as famílias das vítimas e orações pela recuperação dos feridos. Pedi a CM KP para visitar pessoalmente as famílias e cuidar de suas necessidades.

4 de março de 2022[19]

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, condenou o ataque à mesquita e disse que estava supervisionando pessoalmente a situação e coordenando as agências relevantes.[20]

O ministro do Interior, Sheikh Rasheed Ahmad, condenou o ataque e o descreveu como parte de uma conspiração para criar instabilidade durante a primeira visita da equipe nacional de críquete australiana ao país em vinte e quatro anos.[21][22] Devido a preocupações históricas de segurança, incluindo o ataque de 2009 à equipe nacional de críquete do Sri Lanka, eventos internacionais foram realizados principalmente nos Emirados Árabes Unidos. O Paquistão começou a sediar novamente pouco antes do ataque, que ocorreu horas após a partida de teste de abertura da turnê.[22][16]

O ministro das Relações Exteriores, Shah Mehmood Qureshi, afirmou que sabia quem era o responsável pelo ataque e quem estava fornecendo armas e recursos aos atacantes com a intenção de desestabilizar o Paquistão.[23] Chaudhry descreveu o ataque como parte de "uma grande conspiração" contra o país em um comunicado no Twitter.[24]

Outras[editar | editar código-fonte]

O Conselho de Advogados de Khyber Pakhtunkhwa declarou uma greve em todos os tribunais da província em 5 de março em solidariedade às vítimas.[25]

Azad Marshall, da Igreja do Paquistão, condenou o ataque e instou o governo a garantir e proteger melhor a liberdade religiosa, que ele descreveu como sua "responsabilidade ética e legal fundamental".[26]

Internacional[editar | editar código-fonte]

O Coordenador Residente das Nações Unidas e o Coordenador Humanitário no Paquistão e o Conselho de Segurança condenaram o ataque.[27][28] Também foi condenado pelos governos da China,[29] Egito,[30] Irã,[31] Arábia Saudita,[32] Emirados Árabes Unidos,[33] e Estados Unidos.[34] O governo talibã no Afeganistão também condenou o ataque através do porta-voz Zabihullah Mujahid.[35][10]

As condenações individuais incluíram o Arcebispo de Canterbury Justin Welby[26] e Ammar al-Hakim.[36]

Referências

  1. «Death toll climbs to 63 in deadly Pakistan IS mosque attack». AP NEWS (em inglês). 5 de março de 2022. Consultado em 8 de março de 2022 
  2. CNN, Sophia Saifi and Saleem Mehsud. «ISIS claims responsibility for blast killing dozens at Shia mosque in Pakistan's Peshawar». CNN. Consultado em 8 de março de 2022 
  3. a b «Pakistan bombing kills dozens in Shia mosque in Peshawar». BBC News (em inglês). 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  4. a b c CNN, Sophia Saifi and Saleem Mehsud. «ISIS claims responsibility for blast killing dozens at Shia mosque in Pakistan's Peshawar». CNN. Consultado em 5 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  5. Hazrat Bacha, Ali (30 de outubro de 2009). «Death toll from Peshawar blast rises to 117». Dawn. Pakistan. Consultado em 6 de março de 2022. Arquivado do original em 1 de novembro de 2009 
  6. «Suicide bomb attack on Pakistan Shia mosque 'kills 14'». BBC News. 21 de junho de 2013. Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 7 de março de 2022 
  7. «Pakistan church blast kills dozens». BBC News. 22 de setembro de 2013. Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2021 
  8. «Pakistan raises death toll in Peshawar school attack to 148». Los Angeles Times. 17 de dezembro de 2014. Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 11 de maio de 2021 
  9. «Worshippers killed in Peshawar mosque attack». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 9 de março de 2021 
  10. a b c d e f g h Gannon, Kathy; Khan, Riaz (5 de março de 2022). «Death toll climbs to 63 in deadly Pakistan IS mosque attack». AP News (em inglês). Consultado em 6 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  11. a b c d e f g h «Suicide bombing kills 56 at Shiite mosque in Pakistan». AP News. 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  12. a b c d e f g h «Suicide attack on Peshawar mosque during Friday prayers kills 57 worshippers, injures close to 200». www.geo.tv. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  13. «Suicide blast in Peshawar mosque claims 56 lives, injures more than 190». Dawn (em inglês). 4 de março de 2022. Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 6 de março de 2022 
  14. a b c Khan, Ismail; Masood, Salman (5 de março de 2022). «Pakistan Identifies Peshawar Suicide Bomber and Network, Police Say». The New York Times. Consultado em 6 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  15. a b «At least 56 killed as mosque bombed in northwest Pakistan». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  16. a b Ahmad, Jibran (4 de março de 2022). «Suicide bombing at Shi'ite mosque in Pakistan's Peshawar kills at least 30». Reuters (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  17. «Suspects involved in Peshawar mosque blast identified: Sheikh Rashid». www.geo.tv (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 6 de março de 2022 
  18. «ISLAMIC STATE CLAIMS RESPONSIBILITY FOR DEADLY SUICIDE BOMBING AT PAKISTANI MOSQUE». Tag24. 5 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  19. Imran Khan [@ImranKhanPTI] (4 de março de 2022). «Minhas mais profundas condolências vão para as famílias das vítimas e orações pela recuperação dos feridos. Pedi a CM KP para visitar pessoalmente as famílias e cuidar de suas necessidades.» (Tweet) – via Twitter 
  20. Imran Khan [@ImranKhanPTI] (4 de março de 2022). «Have personally been monitoring operations & coordinating with CTD & Agencies in the wake of the cowardly terrorist attack on Peshawar Imambargah. We now have all info regarding origins of where the terrorists came from & are going after them with full force.» (Tweet) – via Twitter 
  21. «Peshawar blast is conspiracy to destabilize country: Sheikh Rashid». Latest News - The Nation (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  22. a b «Cricket-Australia will be guided by security experts, coach says after Peshawar blast». Reuters (em inglês). 4 de março de 2022. Consultado em 6 de março de 2022. Arquivado do original em 6 de março de 2022 
  23. Ali, Z (4 de março de 2022). «Qureshi condemns Peshawar blast». The Express Tribune (em inglês). Consultado em 6 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  24. Sumreen, Siddra (4 de março de 2022). «Peshawar blast part of 'big conspiracy' against country: Fawad Chaudhry». GNN - Pakistan's Largest News Portal (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  25. Ashfaq, Mohammad (5 de março de 2022). «Peshawar mosque bombing brings back scenes of gloom». DAWN.COM (em inglês). Consultado em 5 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  26. a b «Church leaders slam Peshawar attack, urge nation to unite against terrorism». Daily Times (em inglês). 5 de março de 2022. Consultado em 5 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  27. «UN Resident Coordinator Condemns Deplorable Attack at Peshawar Mosque | United Nations in Pakistan». pakistan.un.org (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  28. «UNSC condemns 'heinous and cowardly' terrorist attack in Peshawar». Daily Times (em inglês). 7 de março de 2022. Consultado em 7 de março de 2022. Arquivado do original em 7 de março de 2022 
  29. «Xi Jinping Sends Message of Condolences to Pakistani President over the Serious Terrorist Attack in Pakistan». www.mfa.gov.cn. Consultado em 7 de março de 2022 
  30. «Egypt condemns terror blast against Peshawar mosque». sis.gov.eg (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022 
  31. «Iran strongly condemns attack on Pakistani mosque». Mehr News Agency (em inglês). 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  32. «Saudi Arabia condemns terrorist attack targeting mosque in Peshawar». Saudigazette (em English). 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  33. Peshawar attack. «UAE condemn peshawar attack». Wam.ae. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  34. «US condemns mosque blast in Pakistan's Peshawar». ThePrint (em inglês). 4 de março de 2022. Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  35. «Taliban spokesperson condemns Peshawar mosque attack». www.geo.tv (em inglês). Consultado em 4 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de março de 2022 
  36. Ali, Kalbe (5 de março de 2022). «Iraqi parliamentary party urges Pakistan to eliminate terrorist cells». DAWN.COM (em inglês). Consultado em 5 de março de 2022. Arquivado do original em 5 de março de 2022