Ataque com gás sarin ao Metrô de Tóquio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ataque com gás sarin ao Metrô de Tóquio
Estação Kasumigaseki do Metrô de Tóquio, um dos principais locais do ataque.
Local Tóquio
 Japão
Data 20 de março de 1995 (26 anos)
Arma(s) Sarin
Mortes 12 diretos[1]
1 indireto (após 14 anos hospitalizado)[2]
Feridos Cerca de 6 252 (incluindo um atacante)
Responsável(is) Aum Shinrikyo
Participante(s) 10

O Ataque do gás sarin no Metrô de Tóquio é o nome dado pela imprensa japonesa e internacional ao ataque ao Metrô de Tóquio (地下鉄サリン事件 Chikatetsu Sarina Jiken?), foi um ato de terrorismo perpetrado por membros do culto apocalíptico chamado Aum Shinrikyo em 20 de março de 1995.[3]

Em cinco atentados coordenados, os autores liberaram o gás sarin em várias linhas de metrô de Tóquio, matando 13 pessoas, ferindo 5 500 pessoas em vários graus e causando problemas temporários de visão para quase 1 000 outros.[4][5]

O ataque era direcionado contra comboios/trens passando por Kasumigaseki e Nagatachō, o edifício onde se situa o Governo Japonês.

O grupo, liderado por Shoko Asahara, já havia cometido vários assassinatos e ataques terroristas usando sarin, incluindo o ataque Sarin a Matsumoto, nove meses antes. Eles também produziram vários outros agentes nervosos, incluindo VX, e tentaram produzir toxina botulínica e perpetraram vários atos fracassados ​​de bioterrorismo. Asahara foi informado de uma operação policial marcada para 22 de março e planejou o ataque ao metrô de Tóquio para impedir as investigações policiais sobre o culto e talvez desencadear o apocalipse em que acreditavam. O líder também queria iniciar uma Terceira Guerra Mundial.

Na operação após o ataque, a polícia prendeu muitos membros importantes da seita. A atividade policial continuou durante todo o verão e mais de 200 membros foram presos, incluindo Asahara. Treze membros da alta gerência da Aum, incluindo o próprio Asahara, foram condenados à morte e mais tarde executados; muitos outros foram condenados à prisão perpétua. O ataque continua sendo o incidente terrorista mais mortal no Japão, conforme definido pelos padrões modernos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Amy E. Smithson and Leslie-Anne Levy (Outubro de 2000). «Chapter 3 – Rethinking the Lessons of Tokyo». Ataxia: The Chemical and Biological Terrorism Threat and the US Response (Relatório). Henry L. Stimson Centre. pp. 91–95, 100. Report No. 35. Consultado em 15 de dezembro de 2014 
  2. Ramesh C. Gupta (2015). Handbook of Toxicology of Chemical Warfare Agents. [S.l.]: Academic Press. p. 27. ISBN 9780128004944. Consultado em 28 de julho de 2018 
  3. G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Japão condena à forca mentor de ataque com gás no metrô Obtido em 25 de outubro de 2009 (em português)
  4. G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Supremo confirma pena de morte de um membro da seita da Verdade Suprema Obtido em 25 de outubro de 2009 (em português)
  5. «Tokyo subway attack of 1995 | Facts, Background, & AUM Shinrikyo». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Japão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.