Ataque no metrô de São Petersburgo em 2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ataque no metrô de São Petersburgo em 2017
Estação Tekhnologitcheskii Institut do Metrô de São Petersburgo.
Local Metrô de São Petersburgo, entre as estações de Sennaia Ploshchad e Tekhnologitcheskii Institut
RússiaSão Petersburgo, Rússia
Coordenadas 59° 54' 59" N 30° 19' 7" E
Data 3 de abril de 2017
14:40[1] EEST (UTC +3)
Arma(s) bombas com estilhaços[2]
Mortes 14 (12:27 04.04.2017)[3][4][5][6]
Feridos 51[7][8]
Alvo(s) Civis
Suspeito(s) Akbarzhon Jalilov

Em 3 de abril de 2017, um ataque com um objeto explosivo ocorreu no metrô de São Petersburgo, na Rússia, entre as estações de Sennaia Ploshchad e Tekhnologitcheskii Institut. Inicialmente, nove pessoas morreram e outras duas pessoas morreram devido aos ferimentos.[4][9][10] Pelo menos 50 outras ficaram feridas no incidente.[11][12][13][14][15] O dispositivo explosivo estava dentro de uma pasta. Um segundo dispositivo explosivo foi encontrado e desativado em um trem em outra estação de metro.[10]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Localização das duas estações e do túnel onde ocorreu a explosão.

Em 3 de abril de 2017, uma bomba explodiu em um trem que atravessava o túnel entre duas estações do Metro de São Petersburgo: Sennaya Ploshchad e Tekhnologichesky Institut.[11][16] Após os relatos sobre a explosão, todas as estações de metro de São Petersburgo foram rapidamente fechadas.[11][13]

A segunda bomba foi descoberta na estação Ploshchad Vosstania, tendo sido depois desarmada.[17][18] O dispositivo supostamente possuiria estilhaços dentro.[2]

Um possível suspeito foi visto através das câmeras de videomonitoramento do Metro, de acordo com informações ainda não confirmadas.[10]

A Comissão de Investigação afirmou que a decisão do condutor de não parar o comboio quando a explosão ocorreu ajudou a evitar um número maior de vítimas.[10]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

O Ministério da Saúde da Rússia informou que cerca de 50 pessoas ficaram feridas, das quais 11 morreram (7 morreram no ataque, 3 no hospital e 1 a caminho do hospital)[4][19][20] 39 pessoas foram hospitalizadas e 6 tiveram lesões críticas.[20]

Responsável[editar | editar código-fonte]

O suspeito de ser o autor dos atentados foi identificado pelo Quirguistão e pelos serviços de inteligência russos como Akbarzhon Jalilov (às vezes, Akbarjon Djalilov), um cidadão russo de origem ucraniana de etnia uzbeque[21][22][23] de 22 anos. Ele foi uma das 14 pessoas que morreram durante o ataque.[24][25]

Jalilov nasceu em 1995 em Osh, Quirguistão, e chegou a Moscou em torno de 2011.[24] De acordo com o jornal russo Moskovskij Komsomolets relatou que ele tinha trabalhado como cozinheiro em um sushi bar em 2015,[26] enquanto outras fontes alegaram Jalilov tinha trabalhado em uma garagem antes de desaparecer semanas antes do ataque. A mídia russa informou que viajou para a Síria em 2014 e treinou com militantes do grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante.[27][28] Em 26 de abril, um grupo chamado Batalhão Imam Shamil reivindicou o ataque e disse que o atentado estava agindo sob ordens da Al Qaeda. A declaração, publicada pelo SITE Intelligence Group, dizia que o atacante, Akbarzhon Jalilov, havia agido sob instruções do líder da Al-Qaeda Ayman al-Zawahiri.[29][30] Ao considerar o incidente, os pesquisadores já haviam ilustrado que "a análise não deve se concentrar exclusivamente em desenvolvimentos recentes e do Daesh", mas sim olhar para o "contexto mais amplo", incluindo a "gama de grupos com os quais os radicais da Ásia Central estão envolvidos".[31]

Reações[editar | editar código-fonte]

Presidente russo Vladimir Putin em memorial às vítimas.

O presidente russo Vladimir Putin estava na cidade quando ocorreu o ataque e prometeu uma investigação completa. Durante uma reunião com o presidente da Bielorrússia Aleksandr Lukashenko, Putin afirmou que "está sendo consideradas todas as causas possíveis, incluindo terrorismo".[13][11] Em seguida, Lukashenko expressou sua tristeza pelo ataque.[13]

O prefeito de Moscou Sergey Sobyanin expressou suas condolências aos familiares das vítimas do ataque e ordenou o reforço da segurança na infra-estrutura de transporte da cidade, de acordo com Gulnara Penkova, secretária de Imprensa do Prefeito.[10]

Condolências foram prestadas por várias personalidades internacionais, incluindo o presidente dos Estados Unidos Donald Trump,[10] primeiro-ministro Dmitri Medvedev,[10] representantes de Dinamarca,[32] Polônia,[33][34] Irão,[10] Geórgia,[35] Reino Unido, a OTAN e a Comissão Europeia.[18]

O presidente da Chechênia Ramzan Kadyrov chamou a explosão de "um ato monstruoso de terrorismo" e pediu a identificação e a punição dos responsáveis.[10]

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) ameaçou cometer ataques contra a Rússia. Foi confirmado que seguidores do ISIL estavam celebrando este acontecimento, compartilhando fotos de cadáveres das vítimas da explosão.[36]

Investigação[editar | editar código-fonte]

A Comissão de Investigação da Rússia reconheceu oficialmente o ataque como um ato terrorista.[37]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «"Мы начали ехать, я увидел взорванный вагон": что писали очевидцы о взрыве в Петербурге» (em russo). TASS. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  2. a b Boyle, Danny (3 de abril de 2017). «St Petersburg Metro explosion: CCTV image of suspect emerges after at least 10 killed by 'briefcase' bomb» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 3 de abril de 2017.. Another 39 injured people remain in hospital following the blast on the Russian city's subway network on Monday afternoon that is reported to have involved a shrapnel-filled device. 
  3. http://tass.ru/proisshestviya/4151387
  4. a b c «В петербургской больнице скончались двое пострадавших при взрыве в метро» [Dois feridos na explosão no metro morreram no hospital em São Petersburgo] (em russo). RIA Novosti. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  5. http://tass.ru/obschestvo/4150049
  6. https://ria.ru/incidents/20170403/1491410927.html
  7. http://www.rbc.ru/rbcfreenews/58e30b659a79477e894ba411
  8. The list of injuries on MChS site
  9. MacFarquhar, Neil; Nechepurenko, Ivan (3 de abril de 2017). «St. Petersburg Metro Explosion Kills 10 as Putin Visits City» (em inglês). The New York Times. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  10. a b c d e f g h i «Взрыв в метро Санкт-Петербурга: погибли 10 человек» [Explosão no metro de São Petersburgo mata 10 pessoas] (em russo). BBC Russia. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  11. a b c d «St Petersburg metro explosion kills 10 in Russia» (em inglês). BBC News. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  12. «At least 10 people may have been killed by Russia metro blast: TASS» (em inglês). Reuters, via TASS. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  13. a b c d «10 killed, dozens injured in St. Petersburg Metro blast» (em inglês). Russia Today. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  14. http://www.rbc.ru/rbcfreenews/58e30b659a79477e894ba411
  15. The list of injuries on MChS site
  16. «В Санкт-Петербурге произошел взрыв в метро. Онлайн-трансляция» [Ocorreu uma explosão no metro de São Petersburgo: Transmissão ao vivo] (em russo). RBC. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  17. Meyjes, Toby (3 de abril de 2017). «At least ten dead after huge 'nail bomb' explosion on St Petersburg metro» (em inglês). Metro. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  18. a b Osborne, Samuel (3 de abril de 2017). «Russia attack: At least 10 dead after St Petersburg metro bombing» (em inglês). The Independent. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  19. «Скворцова уточнила данные о погибших в результате взрыва в Петербурге» [Skvortsova esclarece dados sobre as vítimas da explosão em São Petersburgo] (em russo). Interfax. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  20. a b c «St. Petersburg metro explosion: 11 dead in Russia blast» (em inglês). CNN. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017.. Thirty-nine people have been hospitalized, six of whom had critical injuries, the health ministry said, putting the number of dead at 11. 
  21. «St Petersburg metro bomber 'from Kyrgyzstan'». BBC News. 4 de abril de 2017. Consultado em 5 de abril de 2017. 
  22. «St. Petersburg bomber came from 'very good' family, say neighbours». NRT. Nalia Media Corporation. 4 de abril de 2017. Consultado em 5 de abril de 2017.. A Reuters reporter visited a house in Osh, southern Kyrgyzstan, which neighbours said was the family home of Jalilov. 
  23. «St. Petersburg metro bomber reportedly identified as Kyrgyz-born ethnic Uzbek». MarketWatch. MarketWatch. 4 de abril de 2017. Consultado em 5 de abril de 2017.. The man who killed 14 people and wounded dozens of others at the St. Petersburg subway station was identified Tuesday as a Kyrgyz-born suicide bomber, according to the Central Asian country's security service. 
  24. a b Jamieson, Alastair (4 de abril de 2017). «St. Petersburg Subway Bomb Suspect Named as Akbarzhon Jalilov: Reports». Moscow: NBC News. Consultado em 4 de abril de 2017. 
  25. Walker, Shaun (4 de abril de 2017). «St Petersburg metro bombing suspect 'from Kyrgyzstan'». The Guardian. Moscou. Consultado em 4 de abril de 2017. 
  26. «Появились новые фото предполагаемого смертника из метро Петербурга». Газета.Ru. Consultado em 4 de abril de 2017. 
  27. Sharman, Jon (4 de abril de 2017). «Russia attack: Kyrgyzstan releases name of suspect in St Petersburg metro bombing». Independent. Consultado em 4 de abril de 2017. 
  28. Filipov, David; Roth, Andrew (6 de abril de 2017). «Russia arrests possible accomplices of presumed St. Petersburg bomber». The Washington Post. Consultado em 7 de abril de 2017.. The Fontanka.ru agency said Dzhalilov had traveled to Syria in 2014 and trained with Islamic State militants. The report said that Russian investigators were trying to determine his travels but that they had ascertained that the device used in the subway attack bore the hallmarks of "Syrian know-how," specifically traces of burned sugar. 
  29. http://www.euronews.com/2017/04/25/islamist-group-claim-responsibility-for-st-petersburg-metro-attack
  30. http://www.dw.com/en/group-with-alleged-al-qaeda-ties-claims-st-petersburg-metro-bombing/a-38590088
  31. After St Petersburg: Russia and the Threat from Central Asian Terror Networks Mark Youngman and Cerwyn Moore, RUSI, 20 April 2017 https://rusi.org/commentary/after-st-petersburg-russia-and-threat-central-asian-terror-networks
  32. Farand, Chloe (3 de abril de 2017). «St Petersburg Metro explosions: World leaders send their sympathies to victims' families» (em inglês). The Independent. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  33. «Petersburg: zamach w metrze. Są zabici i ranni [NA ŻYWO]» [Ataque ao metro de São Petersburgo. Há mortos e feridos [AO VIVO]] (em polaco). Gazeta.pl. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  34. «Jedna bomba eksplodowała, drugą rozbroili. W środku śruby, metalowe kulki» (em polaco). TVN24.pl. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  35. «PM Kvirikashvili saddened by St. Petersburg metro explosions» (em inglês). Agenda.ge. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 
  36. Griffin, Andrew (3 de abril de 2017). «St Petersburg attacks: Isis celebrates explosions that killed 10 people» (em inglês). The Independent. Consultado em 3 de abril de 2017.. Isis supporters are cheering what they claim is a terror attack, and sharing images of people caught up in and killed by the blasts. 
  37. «Взрыв в метро Петербурга официально признан терактом» [Explosão no metro de São Petersburgo é reconhecida oficialmente como um ataque terrorista] (em russo). rueconomics.ru. 3 de abril de 2017. Consultado em 3 de abril de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Rússia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.