Ateliê Editorial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra nº 6 da eliminação rápida.
Ateliê Editorial
Editora
Slogan “A Arte do livro”
Fundação 1995
Fundador(es) Plínio Martins Filho
Sede São Paulo
Proprietário(s) Plínio Martins Filho
Pessoas-chave Plínio Martins Filho (editor)
Vera Martins
Tomás Martins
Ivan Teixeira
Produtos Livros
Website oficial Ateliê Editorial

O Ateliê Editorial é uma editora brasileira, iniciada por Plínio Martins Filho em 1995, e que se localiza em São Paulo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Ateliê Editorial surgiu há 20 anos, e seu primeiro título foi “O Mistério do Leão Rampante”, de Rodrigo Lacerda. Pertence a Plínio Martins Filho, também diretor e presidente da EdUSP, docente na Escola de Comunicações e Artes - ECA — da USP e presidente da Editora COM-ARTE, editora laboratório do curso de Editoração da USP. Antes, Plínio Martins Filho trabalhou por 18 anos na Editora Perspectiva.

Após 25 anos de experiência em editoração (trabalhava no ramo de editoração desde 1971)[1], ao ler um pequeno livro de um jovem que trabalhava com ele na EdUSP, Plínio gostou tanto que resolveu começar a Ateliê Editorial. Para isso convidou um aluno que havia estudado cinco anos de medicina e resolveu largar tudo e fazer o curso de editoração; a sede da editora ficava na garagem de sua casa. O livro em questão era “O mistério do leão rampante”, de Rodrigo Lacerda, que trouxe o primeiro Prêmio Jabuti. O segundo livro, “Resumo do dia”, de Heitor Ferraz, foi finalista do Prêmio Nestlé de Literatura. O quinto livro foi uma reedição de Tropicália: Alegoria alegria, de Celso Favaretto. Nessa época, o sócio de Plínio, Afonso, deixou a editora, e os livros que estavam em sua garagem, em São Paulo, foram para a sala da casa de Plínio, em São Caetano do Sul. Ao lado da esposa Vera e do filho Tomás, que assumiram a produção e a administração da editora[2], Plínio resolveu levar o projeto adiante.

Em 2000, a editora transferiu-se de São Caetano do Sul para São Paulo[3]. Nos 15 anos de existência, a editora possui quase 500 títulos e angariou 14 Prêmios Jabutis. Entre os colaboradores, o Prof. Ivan Teixeira dirige as coleções Clássicos Ateliê e Clássicos Comentados.

Linha editorial[editar | editar código-fonte]

Dedica-se à área de literatura; ensaios de crítica literária e outras áreas acadêmicas; comunicação e artes; arquitetura e obras sobre o livro e seu universo. Não publica auto-ajuda, livros esotéricos e romances religiosos.

Obras publicadas (lista parcial)[editar | editar código-fonte]

Enquete[editar | editar código-fonte]

Em 23 de julho de 2010, o jornal Valor Econômico promoveu uma enquete com um grupo de críticos e professores para identificar qual é a melhor editora do Brasil[4], apresentando como resultado a Companhia das Letras em primeiro lugar (81%), a Cosac Naify em segundo (76%). Em 3º lugar ficaram a Editora 34, a Martins Fontes e a Record; em 4º a Editora UFMG; em 5º Ateliê Editorial, Editora Hedra, Editora Iluminuras, Editora da Unicamp[5]; em 6º lugar Contraponto Editora, Difel, Edusp, Editora Escrituras, Editora Perspectiva, UnB, Editora Vozes, WMF Martins Fontes, Zahar Editores.

A pesquisa promovida pelo jornal não teve a intenção de medir a eficiência empresarial, mas sim de indicar as editoras que mais se destacam culturalmente. A votação se encaminhou para a ênfase nas áreas artístico-literária e das ciências humanas e na capacidade de interferir na vida cultural e de formar leitores com critérios para medir a qualidade de uma editora. Aos 21 especialistas consultados, foi pedido que fossem escolhidas as três melhores casas editoriais. Foram excluídas as áreas mais especializadas, como livros técnicos, autoajuda, didáticos e paradidáticos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. MARTINS FILHO, Plínio. Livros, editoras e projetos, 1997
  2. Entrevista de Plínio Martins Filho fornecida a Cristhiano Aguiar, Pernambuco. In: Suplemento Cultural do Diário Oficial do Estado
  3. Hallewell, 2005, p. 615
  4. FERRARI, Mário, 2010
  5. ALVES FILHO, Manuel, 2010, p. 10

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Ateliê Editorial
  • Entrevista de Plínio Martins Filho a Cristhiano Aguiar, Pernambuco. In: Suplemento Cultural do Diário Oficial do Estado
  • FERREIRA, Jerusa Pires; GUINSBURG, Jacó; BOCCHINI, Maria Otília; MARTINS FILHO, Plínio. Livros, Editoras e Projetos. São Paulo: Ateliê Editorial: Com Arte; São Bernardo do Campo: Bartira. 1997. In: Livros, Editoras e Projetos
  • FERRARI, Márcio. Valor Econômico. São Paulo, 23/07/2010. In: Clipping
  • ALVES FILHO, Manuel. Editora da Unicamp é relacionada entre as melhores do país. Jornal da Unicamp, 2 a 8 de agosto de 2010, p. 10
  • HALLEWELL, Laurence (2005). O livro no Brasil: sua história. São Paulo: EdUSP. [S.l.: s.n.]