Atentado em Ouagadougou em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os ataques em Ouagadougou ocorreram em 2 de março de 2018. Pelo menos oito militantes fortemente armados lançaram um ataque coordenado a vários locais em todo Ouagadougou, a capital do Burkina Faso. Os alvos incluíam a embaixada francesa e o Estado-Maior das Forças Armadas do Burkina Faso.

Ataques[editar | editar código-fonte]

Na manhã de 2 de março de 2018, os terroristas atacaram o quartel-general militar detonando um carro-bomba cuja explosão destruiu um quarto no edifício. Pouco depois do assalto à sede do exército, homens fortemente armados convergiram para a embaixada francesa, trocando tiros com forças de segurança locais e soldados das forças especiais francesas. O Instituto Francês, uma organização cultural localizada na cidade, foi também alvejado de acordo com uma declaração da embaixada. [1][2] A polícia local acredita que "extremistas islâmicos" estejam envolvidos no ataque e que fizeram uso de tiroteios e pelo menos um carro-bomba. [3][4] Cinco militantes foram mortos na embaixada e pelo menos outros três foram mortos próximos da sede do exército, segundo ministro das Comunicações Remy Danjuinou. [5]

Trinta pessoas foram mortas e outras 85 feridas. [6]

Referências

  1. Coulibaly, Nadoun (2 de março de 2018). «Attack on French embassy, army in Burkina Faso kills eight». reuters.com 
  2. Smith-Spark, Laura; Vandoorne, Saskya (2 de março de 2018). «French Embassy attacked in Burkina Faso's capital». CNN 
  3. Beaumont, Peter (2 de março de 2018). «Burkina Faso: series of attacks launched in Ouagadougou». The Guardian 
  4. Pérez-Peña, Richard; Barry, Jaime Yaya (16 de janeiro de 2016). «Militants Carry Out Deadly Attacks in Burkina Faso». The New York Times 
  5. «Army HQ, French embassy attacked in Burkina Faso capital of Ouagadougou». France 24. 2 de março de 2018 
  6. Chazan, David (2 de março de 2018). «At least 30 dead as French embassy comes under attack in Burkina Faso». The Telegraph