Atentado em Westminster de 2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Atentado em Westminster de 2017
Londres, Local do atentado
Local Londres, Inglaterra,
 Reino Unido
Data 22 de março de 2017
14:40 (UTC)
Tipo de ataque Atentado Terrorista
Alvo(s) provavelmente a primeira-ministra
Mortes 6 (4 civis, 1 policial e 1 atacante)
Feridos ~ 49
Responsável(is) Khalid Masood
Motivo Extremismo islâmico
Cada etapa do ataque e a rota do perpetrador através de Westminster

O ataque de Westminster em 2017 foi um ataque terrorista que ocorreu em 22 de março de 2017 na ponte de Westminster, na Praça do Parlamento e em frente ao Palácio de Westminster, no centro de Londres. Usando um veículo da marca Hyundai, o terrorista britânico Khalid Masood, de 52 anos, atropelou pedestres na calçada ao longo do lado sul da Ponte de Westminster e da rua da ponte (Bridge Street), ferindo mais de 50 pessoas, sendo 4 delas fatalmente. Ele então bateu o carro na cerca do perímetro do terreno do palácio e correu para o pátio do Novo Palácio (New Palace yard), onde esfaqueou fatalmente um policial desarmado. Logo em seguida, foi avistado e baleado por uma dupla de policiais armados e morreu no local.[1][2][3][4][5] Este foi o primeiro ataque terrorista executado com sucesso na cidade, desde o Atentado ao Metrô de Londres, em 2005.

Ataque[editar | editar código-fonte]

Por volta das 14h40 (UTC) do dia 22 de março de 2017, um homem dirigindo um veículo Hyundai Tucson de cor cinza passou pela Ponte de Westminster atropelando dezenas de pessoas, antes de colidir com as grades de proteção. Em seguida, um homem vestido de roupa preta foi visto usando uma faca para apunhar um policial no New Palace Yard. Depois que o atacante foi avistado, dois policiais à paisana dispararam contra o indivíduo quatro vezes.[6]

Resposta[editar | editar código-fonte]

Pouco depois do incidente, chegaram mais polícias armados. Uma ambulância aérea assistiu à cena e os serviços de emergência tentaram ressuscitar o assaltante que tinha sido baleado pelo menos uma vez no lado esquerdo do peito. Membros feridos do público foram levados para o St Thomas Hospital, que fica a perto de 200 metros ao sul da Ponte de Westminster. O membro do parlamento Tobias Ellwood tentou favorecer a ressuscitação e deter o sangramento de um oficial de polícia ferido, e foi relatado subseqüentemente que morreu.[7] Após o incidente, atividades parlamentares foram suspensas e os deputados foram impedidos de sair do Palácio de Westminster como uma precaução, e outros funcionários do Parlamento foram advertidos para permanecer em seus escritórios. Todos foram mais tarde evacuados para Westminster Abbey. A primeira-ministra Theresa May foi evacuada para 10 Downing Street.[3]

Terrorista[editar | editar código-fonte]

Uma imagem do atacante, a ser tratado por médicos, foi liberada pela polícia pouco depois do atentado.[8] O responsável foi identificado como Khalid Masood, um cidadão britânico de origem nigeriana.[9][10] Nascido na cidade de Dartford, no Condado de Kent (no sul da Inglaterra) com o nome de Adrian Russell Elms, ele teria se convertido ao islã já adulto, enquanto estava na cadeia (cumprindo pena por posse de arma). Após sua conversão ele mudou seu nome para Khalid. Ele era casado e tinha um filho. Seus vizinhos o descreviam como "um homem normal de família" e um devoto religioso. O MI5, um dos serviços de inteligência do Reino Unido, já tinha investigado Khalid por suspeitas de radicalização.[11] Após as investigações, as forças policiais não encontraram qualquer evidência que ligasse Masood à uma organização terrorista, concluindo portanto que o terrorista agiu sozinho.[12]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

Ao todo, seis pessoas perderam suas vidas durante este episódio, incluindo o próprio terrorista e um policial. Pelo menos cinquenta outras ficaram feridas.[13]

O policial que foi esfaqueado morreu em virtude da gravidade dos ferimentos.[14] Alguns dos feridos sofreram lesões "catastróficas". Uma mulher romena, com lesões graves, foi resgatada do rio Tâmisa, e morreu depois de hospitalizada.[4][5] Acredita-se que ela pode ter caído da ponte ou saltado para fugir do atacante. Um grupo de estudantes franceses, entre 15 e 16 anos, de Concarneau estão entre os feridos.[15] Outros incluíam três policiais que estavam retornando de uma cerimônia de elogio.[14]

Reações[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

Downing Street emitiu uma declaração:

Os pensamentos do PM e do governo estão com aqueles mortos neste incidente terrível, e com suas famílias. O PM está sendo mantido atualizado e em breve presidirá Cabinet Office Briefing Room (COBRA).

Os oradores de ambas as Câmaras do Parlamento emitiram uma declaração conjunta:[14]

Um incidente extremamente grave ocorreu na área de Westminster esta tarde. A Polícia Metropolitana está lidando com isso e uma investigação está em andamento. Em nome dos deputados das duas Câmaras do Parlamento, desejamos apresentar as nossas opiniões a todos os afectados e às suas famílias. Gostaríamos também de expressar nossa gratidão à polícia e a todos os serviços de emergência.

O Secretário do Interior Amber Rudd tuitou [16] :

Eu sei que todo o país vai estar pensando e rezando por os afetados deste terrível incidente. Nossa prioridade máxima é a segurança das pessoas. Temos os melhores serviços de polícia e segurança no mundo e vamos deixá-los continuar com seu trabalho.

Referências

  1. «Attack on Parliament March 22: The Westminster rampage at the heart of Britain's democracy». The Telegraph (em inglês). 22 de março de 2017 
  2. publico.pt. «Ataque de Londres ao minuto: Quatro mortos e 20 feridos». Consultado em 22 de março de 2017 
  3. a b «London attack - latest updates». BBC News (em inglês). 22 de março de 2017 
  4. a b «Westminster Bridge attack victim Andreea Cristea dies» (em inglês). BBC News. 7 de abril de 2017. Cópia arquivada em 8 de abril de 2017 
  5. a b «Morre turista romena gravemente ferida no atentado de Londres». Agence France-Presse + G1 Mundo. 7 de abril de 2017. Cópia arquivada em 8 de abril de 2017 
  6. Sparrow, Andrew; Topping, Alexandra (22 de março de 2017). «Westminster attack: four confirmed dead including police officer and attacker - live». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  7. «Foreign Office Minister Tobias Ellwood whose brother was killed in Bali bombing 'gave CPR and mouth to mouth' to fatally wounded policeman». The Sun (em inglês). 22 de março de 2017 
  8. «First picture of London attack suspect». Sky News (em inglês) 
  9. «Dader Londen Khalid Masood (52)». De Telegraaf (em neerlandês). 23 de março de 2017. Consultado em 23 de março de 2017 
  10. Robbins, Josh (24 de março de 2017). «'Only black kid in school': Early years of Khalid Masood – the London terror attacker». International Business Times. Consultado em 25 de março de 2017 
  11. Jamieson, Alistair; Smith, Alexander (24 de março de 2017). «London Attacker Khalid Masood's 'Profile Is Highly Unusual'». NBC. Consultado em 25 de março de 2017 
  12. «Last message left by Westminster attacker Khalid Masood uncovered by security agencies». The Independent 
  13. "Westminster attack: police hunt for clues after four dead in 'sick and depraved' incident". Página acessada em 25 de março de 2017.
  14. a b c «London attack: Four dead in Westminster terror incident». BBC News (em inglês). 22 de março de 2017 
  15. «Attaque à Londres : quatre morts dont l'assaillant et un policier». lesechos.fr (em francês). 22 de março de 2017 
  16. «2/2 We have the best police & security services in the world & we will let them get on with their job.». Amber Rudd MP 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Atentado em Westminster de 2017