Atividade militar na Antártica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Como a Antártica nunca foi permanentemente ocupada por humanos, historicamente há muito pouca atividade militar na Antártica. Enquanto o Sistema do Tratado da Antártica, que entrou em vigor em 23 de junho de 1961, bane a atividade militar na Antártica, o pessoal e o equipamento militar pode ser usado apenas para pesquisa científica ou qualquer outro propósito pacífico (tal como entregas de suprimento) no continente.[1]

O Tratado Antártico proíbe especificamente a atividade militar em terra ou plataformas de gelo abaixo de 60°S. Enquanto o uso de armas nucleares está absolutamente proibido, o Tratado não se aplica à atividade naval dentro destas fronteiras (no Oceano Antártico) que há tanto tempo já ocorre em alto mar.

Operações notáveis[editar | editar código-fonte]

As forças militares de muitos países tem dado apoio à expedições e bases científicas na Antártica. Operações notáveis e expedições incluíram:

Potencial para futuros conflitos[editar | editar código-fonte]

John Keegan e Andrew Wheatcroft, em seu livro de 1986 'Zones of Conflict: An Atlas of Future Wars', mencionaram que os interesses estratégicos na Antártica derivam de duas causas: a econômica e a estratégica. A Antártica tem grande potencial de valor econômico, em termos de recursos minerais e petrolíficos. Estrategicamente, houve uma preocupação contínua sobre manter a rota do Cabo Horn disponível como livre passagem durante a Guerra Fria, como, entre outras coisas, os porta-aviões dos EUA não podem passar através do Canal do Panamá. As Ilhas Falkland, Keegan e Wheatcroft continuam por assim dizer, a dominar a Passagem Drake, um 'trecho de água turbulento separando a América do Sul da Antártica'. Esta foi um fator menos divulgado durante a Guerra das Falklands.[6]

Entretanto, com a dissolução da União Soviética e a competição crescente por recursos de combustível fóssil, a lógica 'econômica', mais do que a 'estratégica' é provavelmente a mais importante no início do século 21.[7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Wikisource. «Antarctic Treaty». Consultado em 21 de janeiro de 2007 
  2. Asmussen, John. «Hilfskreuzer (Auxiliary Cruiser) Komet». Consultado em 21 de janeiro de 2007 
  3. «HMAS Wyatt Earp». Sea PowerCentre Australia. Consultado em 16 de setembro de 2008 
  4. «RNZAF Orion Lands on Antártica» (Nota de imprensa). New Zeland Defence Force. 17 January 2006. Consultado em 25 de janeiro de 2007  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. «Air Force conducts early ice flight» (Nota de imprensa). Nova Zelândia Defence Force. 30 de outubro de 2008. Consultado em 31 de outubro de 2008 
  6. Keegan, John; Andrew Wheatcroft (1986). Zones of Conflict: An Atlas of Future Wars. New York: Simon and Schuster. ISBN 0671601156 
  7. Bergin, Anthony (20 February 2007). «Six reasons Antártica is crucial». Australian Financial Review. 63 páginas  Verifique data em: |data= (ajuda)