Atlético Clube Goianiense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atlético Goianiense
Atletico Goianense logo.png
Nome Atlético Clube Goianiense
Alcunhas
Dragão
Dragão Campineiro
Locomotiva rubro-negra
O mais querido dos goianos
Torcedor/Adepto Atleticano
Mascote Dragão
Fundação 2 de abril de 1937 (78 anos)
Estádio Antônio Accioly
Capacidade 12.000 pessoas
Localização Brasão de Goiania Goiânia, Goiás GO, Brasil Brasil
Mando de jogo em Serra Dourada
Capacidade (mando) 41.574 pessoas
Presidente Brasil Maurício Sampaio
Treinador Brasil Wagner Lopes
Patrocinador Brasil Caixa Econômica Federal
Brasil Unifan
Brasil Volkswagem Caminhões e Ônibus
Brasil PBF idiomas
Brasil Agua Iza
Brasil Autotrac
Material esportivo Brasil Super Bolla
Competição Goiás Campeonato Goiano
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Goiás 1ªD 2016
Brasil CB 2016
Brasil B 2016
À disputar
À disputar
À disputar
Goiás 1ªD 2015
Brasil CB 2015
Brasil B 2015
6º colocado
2º fase
14º colocado
Ranking nacional Baixa (6) 28º lugar, 5.386 pontos
Website Atlético Clube Goianiense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Atlético Clube Goianiense é uma agremiação esportiva de Goiânia, no estado de Goiás, fundada em 2 de abril de 1937.

Seus torcedores são conhecidos como atleticanos e seu estádio é o Estádio Antônio Accioly que atualmente encontra-se em obras de reconstrução e ampliação (de 8.000 para 12.000 pessoas).

O Atlético geralmente manda seus jogos no Estádio Serra Dourada, com capacidade para 41.574 pessoas, e pretende ainda utilizar o Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira.

História[editar | editar código-fonte]

Equipe do Atlético Goianiense na década de 1940.

Foi fundado a 2 de abril de 1937, o clube tem raízes no bairro goianiense de Campinas, tendo um Dragão como mascote.

Seu uniforme é constituído por camisa com listras horizontais em vermelho e preto, calções brancos ou pretos e meias listradas na mesma cor da camisa.

Por escolha da maioria dos fundadores, o uniforme tem as cores vermelha e preta, inspirados no Flamengo, e o escudo segue os moldes do São Paulo. Participaram de sua fundação, os irmãos Nicanor Gordo – primeiro presidente do Conselho Deliberativo -, Alberto Alves Gordo e Afonso Gordo, Edson Hermano, primeiro goleiro do clube, João de Brito Guimarães, João Batista Gonçalves, Ondomar Sarti, Benjamim Roriz, entre outros.

O primeiro presidente foi Antônio Accioly, descrito por atleticanos que o conheceram como um homem que vivia pelo Atlético. Foi ele quem conseguiu o terreno para a construção do estádio do clube que leva o seu nome. Era conhecido por resolver todos os problemas do clube, principalmente os financeiros.

Antônio Accioly faleceu em 1973, em plena segunda-feira, um dia após o Atlético-GO ter vencido o Goiânia, seu maior rival na época, pelo placar de dois a zero. Em sua homenagem o nome do estádio do Atlético-GO leva o nome "Antônio Accioly"

Trajetória[editar | editar código-fonte]

O Atlético-GO é o pioneiro do futebol goiano, e foi o primeiro a conquistar um título estadual, em 1944[1] .

Comprovando ser uma das maiores forças do Estado de Goiás, o Atlético foi campeão estadual 13 vezes e vice-campeão estadual por 21 vezes, além de ser vice da Copa Brasil Central em 1967.

A melhor colocação do Dragão em Campeonatos Brasileiros da 1ª Divisão foi a 13º, em 2011, entre 20 participantes . Entre suas maiores revelações de craques, estão Baltazar (Grêmio, Atlético de Madrid, que em 1978 marcou 31 gols pelo Atlético, sendo recordista de gols em um só Campeonato Goiano), Gilberto (destaque e campeão pelo Fluminense no estadual do RJ de 1980), Luiz Carlos Goiano (ex-Grêmio), Valdeir (ex-Botafogo), Gaúcho e Julio César "Imperador" (ex-Flamengo), Lindomar e Romerito (ex-Corinthians).

O Atlético Goianiense ressurgiu das cinzas. O time estava na segunda divisão do Campeonato Goiano e teve o seu estádio demolido para a construção de um shopping, em 2001. Um grupo de torcedores e a diretoria embargaram a obra e em seguida reconstruíram o estádio.

O rubro-negro foi campeão goiano da segunda divisão em 2005, e em 2006 o Atlético chegou a final do Campeonato Goiano contra o Goiás, com mais de 36.000 torcedores no Estádio Serra Dourada no jogo final.

Atualmente a fanática torcida do Dragão, clube localizado no bairro de Campinas, comparece ao clube até em treinos.

Após 19 anos sem conquistar o Campeonato Goiano, o Atlético venceu o Goiás por 2 a 1 no segundo jogo da decisão de 2007 (no primeiro houve empate por 2 a 2) com gols de Fábio Oliveira (artilheiro do campeonato) e Anaílson, descontando Romerito (também formado nas categorias de base do clube na década de 1990) para o Goiás, sagrando-se campeão goiano perante 31.088 torcedores pagantes.

Na Série C, o Dragão obteve o sexto lugar e por pouco não conseguiu promoção para a Série B.

Em 2008 o clube fez campanha expressiva no Campeonato Brasileiro Série C, conseguindo o acesso a Série B com quatro rodadas de antecedência e logo depois o segundo título do Campeonato Brasileiro Série C (fato inédito até este momento) sem entrar em campo, com a derrota do Campinense, seu adversário mais próximo na tabela de classificação no momento.

Ao fim deste campeonato, o Atlético havia disputado 32 partidas, com 21 vitórias, 5 empates e 6 derrotas, 84 gols-pró e 30 contra, saldo de 54 gols, 68 pontos na classificação geral deste campeonato (15 a mais que o segundo colocado, o Guarani), tendo 13.490 torcedores (11.405 pagantes) comparecido ao Estádio Serra Dourada na vitória de 2 a 0 no jogo festivo contra o Brasil de Pelotas. O atacante rubro-negro Marcão, com 25 gols, sagrou-se o artilheiro da Série C 2008.

Em 21 de novembro de 2009, confirmando de vez a sua ascensão meteórica, o Atlético conquistou o acesso à Série A do Brasileirão com uma vitória por 3 a 1 diante do Juventude no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, tendo terminado este campeonato em quarto lugar.

O Dragão começou o ano de 2010 conquistando o Campeonato Goiano, ao vencer o Santa Helena por 4 a 0 na primeira partida da final disputada no Estádio Serra Dourada perante 11.512 pagantes, e depois por 3 a 1 na partida decisiva disputada na casa do adversário.

O Dragão também surpreende na Copa do Brasil 2010, tendo chegado nas semifinais, eliminando equipes como Bahia, Santa Cruz e Palmeiras, porém diante do tradicional Vitória foi eliminado.

O Atlético livrou-se do rebaixamento no ano 2010 em um jogo histórico contra o mesmo Vitória, pois precisando de um empate para se manter na primeira divisão, mateve o 0 a 0 para festa de sua torcida.

Jogo Atlético Goianiense versus Corinthians.

Mas, em 2011, o Dragão começa o ano muito bem. Conquista o Campeonato Goiano pela 12ª vez em sua história. Mas, na Copa do Brasil, o time não repetiu a boa campanha feita ano anterior e acabou sendo eliminado na 2ª fase da competição, pelo Coritiba.

O Campeonato Brasileiro começa mal para o Dragão, sendo nas primeiras rodadas, ocupando a zona de rebaixamento. Mas, com a chegada de Hélio dos Anjos, o time ganhou uma nova cara e acabou permanecendo na Série A para a próxima temporada.

Em 2012, o Dragão não começou bem o ano. Perdeu o título estadual e o tri-campeonato (que seria inédito na história do clube) para o Goiás, após dois empates nas finais. Em meio ao estadual, a equipe foi eliminada pela Ponte Preta na Copa do Brasil, ainda na 2ª fase.

Jogando a Copa Sul-Americana, o Atlético se classifica para as oitavas de final após dois empates com o time do Figueirense e conquistar a vitória nos pênaltis. O adversário foi a Universidad Católica, que venceu o time goiano no primeiro confronto por 2 a 0. No jogo de volta, o Atlético quase conquistou a vaga, vencendo o adversário por 3 a 1, mas terminou sendo eliminado pela regra do gol fora de casa. Neste mesmo ano, o Atlético teve uma campanha ruim na série A, ocasionado sua queda para a 2ª divisão do campeonato brasileiro.

No ano seguinte em 2013, o Dragão tinha ficado boa parte do 1ª turno do Campeonato Goiano de Futebol de 2013 perto da zona de rebaixamento, mas o Atlético não se abalou com isso, dando a volta por cima desta situação, o Atlético acabou chegando à final, mas infelizmente acabou perdendo o título para seu arquirival, o Goiás.

Neste mesmo ano, o Atlético não conseguíra o mesmo feito do Campeonato Goiano de Futebol na Copa do Brasil de Futebol de 2013, e acabou sendo eliminado na 3ª fase de goleada para o Cruzeiro Esporte Clube. Já no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B do mesmo ano o Atlético teve um mal início no campeonato, o deixando boa parte da competição perto da queda para a série C, mas quem disse que o Dragão tem fogo de palha, só na última rodada do campeonato, o Atlético conseguiu livrar-se da queda com uma vitória histórica em cima do Guaratinguetá Futebol Ltda nos minutos finais da partida, diante de mais de 16.000 pagantes no Estádio Serra Dourada.

Em 2014, o Dragão teve um início incrível, mesmo com alguns abalos no Campeonato Goiano de Futebol, o Atlético conseguiu o título em cima de seu maior rival no momento, o Goiás Esporte Clube, em um jogo emocionante ao qual o gol só saíra aos 48 minutos do segundo tempo, o autor dele seria o zagueiro Leandro, até então, novato. Já na Copa do Brasil deste mesmo ano o Dragão não repetira o mesmo feito do estadual sendo eliminado pelo ABC na segunda fase em pleno o estádio Serra Dourada, na série B foi por um triz o Atlético não ter subido para a primeira divisão do nacional, o Dragão precisava de apenas uma vitória em cima do Santa cruz na última rodada da competição em pleno o estádio Serra Dourada mas acabara perdendo de virada pelo placar de (2 a 3) com gol do adversário no último minuto, assim então ficando em 7ª lugar na competição.

O ano de 2015 começou com tudo no Dragão, com um time praticamente reformulado, o Atlético simplesmente contratou mais dez jogadores só no mês de janeiro, sendo que alguns deles contém passagem em times grandes tanto nacionais como internacionais, como exemplo o Flamengo, Benfica e o Atlético de Madrid. Houve também grandes mudanças na diretoria do time, como a saída do presidente Valdivino José de Oliveira que estava na presidência do clube desde 2005 na ascensão do clube para a entrada de Maurício Sampaio e entre outros nomes ao qual mudaram, assumiram e saíram de alguns cargos do Atlético, como exemplo o do deputado federal Jovair Arantes(PTB-GO) que virou presidente do conselho deliberativo do Dragão.

No dia 3 de junho de 2015, o clube demite o técnico Marcelo Martelotte, que havia substituído o técnico Marcelo Chamusca que fazia campanha ruim no Campeonato Goiano, após a entrada de Martelotte, o Dragão apresentou evolução mesmo sem ter se classificado para a semifinal do estadual. No Campeonato Brasileiro 2015 - Série B, o time estreou com vitória contra o Boa Esporte por 1 a 0, no entanto, não marcou gols em nenhuma das quatro partidas seguintes e aproximou da zona de rebaixamento, e a eliminação do clube na Copa do Brasil de Futebol de 2015 para o América-RN, pesou na saída de Marcelo Martelotte.[2] Consequentemente o Atlético fizera um Campeonato Brasileiro muito irregular chegando até ser ameaçado em certos momentos da competição por uma possível queda. No final da competição o Dragão permanecera no campeonato na 14º colocação, assim confirmado para a segunda divisão do nacional de 2016, novamente. Para que isso ocorrera o atlético contou com a volta de ídolos, como o Jorginho e Junior viçosa e também a passagem de técnicos, como o "velho polêmico" Jorginho(bastante conhecido no futebol nacional), e também um velho conhecido dos atleticanos, Gilberto Pereira, responsável pela permanência do Dragão na Série B de 2013 e por uma sequencia inédita na história do atlético, aonde o clube ficara 10 jogos invictos na competição de 2015. Na reta final do competição houve também a participação do interino João Paulo Sanches. Após o término da competição, o diretor do clube, Adson Batista, vem fazendo um ardo trabalho afim de reparar os danos e erros cometidos na temporada de 2015 e também com o objetivo de preparar um clube forte para a temporada de 2016, afim de lutar pelo título do estadual, promover uma boa campanha na Copa do Brasil e também conquistar o "tão sonhado" acesso à elite do futebol nacional.

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos, o Dragão conquistou três títulos em âmbito nacional. O primeiro foi o Torneio da Integração Nacional, que foi disputado por 16 equipes de diferentes estados brasileiros em 1971. O Atlético ainda foi bicampeão nacional, com os títulos da Série C em 1990 e 2008.Porém, o clube passou por dificuldades no começo do século XXI devido más administrações e chegou próximo de seu fim, inclusive com a demolição e abandono do estádio Antônio Accioly. Em 2000, pela primeira vez em sua história, o clube caiu para a divisão de acesso. Conseguiu subir no mesmo ano, já que a FGF permitiu que ele disputasse a segunda divisão junto com o Vila Nova em 2000.

Em 2005, com a ajuda de verdadeiros torcedores e abnegados, dentre eles o atual presidente Valdivino José de Oliveira, o vice Maurício Sampaio, o presidente do Conselho, Marco Antônio Caldas, o ex-presidente Wilson Carlos e outros importantes beneméritos, o clube ressurgiu, o estádio Antônio Accioly foi reconstruído e o Dragão foi o campeão da divisão de acesso, conseguindo o retorno à elite do futebol goiano.

Dois anos depois, após 19 anos de jejum, o Atlético voltou a conquistar um título estadual, em uma campanha que ficou marcada na memória do torcedor rubro negro.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Cscr-featured.png Campeão invicto

HONRARIAS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Taça dos Invictos 1 1957Cscr-featured.png
Goiás O mais querido dos goianos 1 1973
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Campeonato Brasileiro Série C 2 1990 e 2008
Brasil Torneio Integração da CBD [3] 1 1971
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano 13 1944Cscr-featured.png, 1947, 1949, 1955Cscr-featured.png, 1957Cscr-featured.png, 1964, 1970, 1985, 1988, 2007, 2010, 2011 e 2014
Goiás Campeonato Goiano da Segunda Divisão 1 2005
Goiás Copa Goiás 2 1968, 1998
Goiás Copa Goiânia 1 1998
Goiás Torneio Início 5 1944, 1952, 1956, 1962 e 1984.
MUNICIPAIS
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Goiania.png Citadino de Goiânia 1 1938[4]
Bandeira de Goiania.png Torneio Início Citadino de Goiânia 1 1940
Bandeira de Goiania.png Triangular Campineiro 1 1956
ASPIRANTES/RESERVAS
Competição Títulos Temporadas
Goiás Campeonato Goiano de Aspirantes 1 1950
OUTRAS/CONQUISTAS
Competição Títulos Temporadas
GoiásMaranhão Torneio Goiás-Maranhão 1 1972
GoiásPará Torneio Goiás-Pará 1 1973

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Atlético Clube Goianiense
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Brasil Copa do Brasil 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2010)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série B 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2009)
Brasil Campeonato Brasileiro – Série C 2 (1990, 2008) 0 (não possui) 0 (não possui) 2 (1995, 2001)
Goiás Campeonato Goiano 13 vezes 21 vezes 9 vezes 9 vezes
Goiás Goiano – Segunda Divisão 1 (2005) 0 (não possui) 1 (2000)[5] 0 (não possui)

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2016
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Goiás Campeonato Goiano (1D) 71 Campeão (13 vezes) 1944 2016 2
Campeonato Goiano (2D) 3 Campeão (2005) 2000 2005 2
Brasil Campeonato Brasileiro 9 6º colocado (1968) 1965 2012 1
Série B 13 4º colocado (2009) 1981 2016 1 1
Série C 13 Campeão (1990 e 2008) 1990 2008 3
Copa do Brasil 10 Semifinal (2010) 1989 2016
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Sul-Americana 1 Oitavas de final (2012) 2012 2012

Últimas dez temporadas[editar | editar código-fonte]

Brasil Brasil Flags of South American Conmebol Members.gif América do Sul Goiás Goiás
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Continental Campeonato Goiano
Div Pos Pts J V E D GP GC Fase Máxima Competição Fase Máxima Div Pos
2007 C 54 32 15 9 8 50 31 R16 1D
2008 C 68 32 21 5 6 84 30 R16 1D
2009 B 65 38 20 5 13 73 53 1D
2010 A 16º 42 38 11 9 18 51 57 SF 1D
2011 A 13º 48 38 12 12 14 50 45 2F 1D
2012 A 19º 30 38 7 9 22 37 67 2F CS R16 1D
2013 B 16º 44 38 12 8 18 42 51 3F 1D
2014 B 59 38 17 8 13 54 49 2F 1D
2015 B 14º 46 38 11 13 14 36 46 2F 1D
2016 B A disputar A disputar 1D Ad



Legenda:

     Campeão.
     Vice-campeão.
     Eliminado na semifinal.
     Classificado à Copa Libertadores da América pela campanha no Campeonato Brasileiro.
     Classificado à Copa Libertadores da América pelo título da Copa do Brasil ou Copa Libertadores.
     Classificado à Copa Sul-Americana.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Promovido à divisão superior.

Partidas[editar | editar código-fonte]

Recordes de público[editar | editar código-fonte]

Campeonatos goianos
  1. Atlético 1 a 1 Vila Nova, 56.854, 30 de junho de 1976.
  2. Atlético 1 a 1 Goiás, 48.761, 4 de julho de 1976
  3. Atlético 1 a 1 Goiânia, 41.156, 7 de julho de 1976
  4. Atlético 1 a 1 Vila Nova, 40.609, 16 de junho de 1976.
Competições nacionais
* Maiores Públicos em Campeonatos Brasileiros - Séries A, B e C, Copas do Brasil do Atlético.[7]
  • Acima de 20.000.
  1. Atlético 0 a 0 Flamengo, 37.828, 20 de novembro de 2011.
  2. Atlético 2 a 1 Goiás, 31.996, 4 de maio de 2007.
  3. Atlético 1 a 1 São Paulo, 27.938, 28 de novembro de 2010.
  4. Atlético 2 a 2 Goiás, 26.892, 30 de novembro de 1986.
  5. Atlético 0 a 0 Vasco, 25.286, 2 de outubro de 1986.
  6. Atlético 3 a 0 São Paulo, 23.906, 16 de outubro de 2011.
  7. Atlético 1 a 2 Flamengo, 23.887, 23 de setemro de 2012.
  8. Atlético 4 a 1 Ceará, 22.988, 10 de novembro de 2009.
  9. Atlético 1 a 3 Palmeiras, 22.691, 7 de setembro de 2013.
  10. Atlético 1 a 0 Palmeiras, 21.889, 5 de maio de 2010.
  11. Atlético 0 a 1 Grêmio, 21.810, 29 de outubro de 1986.
  12. Atlético 0 a 2 Fluminense, 20.870, 12 de outubro de 1986.
  13. Atlético 3 a 1 Atlético, 19.986 18 de abril de 2007.
  14. Atlético 0 a 1 Corinthians, 19.150 , 10 de julho de 2011.
  15. Atlético 0 a 0 Flamengo, 19.072, 3 de dezembro de 1986.
  16. Atlético 1 a 1 Goiás, 18.767, 16 de novembro de 1986.
  17. Atlético 3 a 1 Corinthians, 17.445 21 de julho de 2010.
  18. Atlético 1 a 0 Vasco, 16.931, 12 de março de 1980.
  19. Atlético 0 a 1 Santos,16.848, 12 de setembro de 1986.
  20. Atlético 1 a 4 Internacional, 16.418, 3 de abril de 1980.
  21. Atlético 2 a 0 Guaratinguetá, 16.244, 20 de novembro de 2013.
  22. Atlético 0 a 0 São Paulo, 14.864, 26 de março de 1980.
  23. Atlético 0 a 1 Vasco, 13.212, 6 de outubro de 2012.
  24. Atlético 1 a 1 Palmeiras, 12.422, 25 de setembro de 2011.
  25. Atlético 2 a 0 Botafogo, 12.264, 2 de outubro de 2011.
  26. Atlético 2 a 0 Brasil Pelotas, 11.405, 13 de novembro de 2008.
  27. Atlético 2 a 1 Fluminense, 10.475 11 de setembro de 2010.

Médias de público do Atlético nas últimas temporadas[editar | editar código-fonte]

Médias:
Temporadas: Campeonato Goiano: Campeonato Brasileiro(A, B e C):
2008 4.770 Série C: 4.060
2009 7.832 Série B: 4.780
2010 5.375 Série A: 7.891
2011 5.912 Série A: 9.497
2012 5.329 Série A: 5.587
2013 3.695 Série B: 3.688
2014 1.802 Série B: 2.067
2015 1.705 Série B: 1.885

Jogos Internacionais[editar | editar código-fonte]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Pelo Atlético passaram os maiores goleadores do futebol goiano. Aqui nos atemos aos jogadores atleticanos que chegaram ao final dos campeonatos como os principais artilheiros: 1944 - Ari - 8 gols 1947 - Dido - 17 gols 1948 - Tarzan - 21 gols 1949 - Tarzan - 18 gols 1955 - Fábio - 21 gols 1970 - Dadi - 13 gols 1972 - Dadi - 12 gols 1978 - Baltazar - 31 gols (Recordista absoluto) 1985 - Bill - 21 gols 2002 – Rubsen – 15 gols 2007 – Fábio Oliveira - 18 gols

Elenco atual[editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 24 de maio de 2015.

Goleiros
Jogador
Brasil Márcio Capitão
Brasil Marcos
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Marllon Z
Brasil Lino Z
Brasil Murilo LD
Brasil Ednei LD
Brasil Romário LE
Brasil Eron LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Anderson Pedra V
Brasil Marcus Winícius V
Brasil Eduardo V
Brasil Pedro Bambu V
Brasil Régis V
Brasil William Schuster V
Brasil Raphael Luz M
Brasil Fernando Sobral M
Brasil Luiz Fernando M
Brasil Washington M
Brasil Assis M
Brasil Jorginho M
Atacantes
Jogador
Brasil Júnior Viçosa
Brasil Giancarlo
Brasil Arthur
Brasil Thiago Rômulo
Brasil Ayrton
Brasil Yago
Brasil Juninho
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Gilberto Pereira T
Brasil Coutinho AS
Brasil João Paulo AS
Brasil Diego Inácio PF
Brasil Jorge Foster PF
Brasil Cláudio Cerqueira TG
Brasil Marcos Medeiros TG
Brasil João Rodrigues FT
Brasil Marcelo Mitchel FT
Brasil Charles Rodrigues OU
Brasil Marcelo Lima OU
Brasil Alex OU
Brasil Antônio Francisco OU
Brasil Marcelão OU
Legenda
  • Capitão: Capitão
  • PenalizadoExpulso: Jogador suspenso
  • Lesionado: Jogador lesionado

Transferências 2016[editar código-fonte]

|}