Saltar para o conteúdo

Atlas Fútbol Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Atlas
Nome Atlas Fútbol Club
Alcunhas Zorros (Raposas)
Rojinegros (Rubronegros)
La Academia (A Academia)
La Furia (A Fúria)
Los Amigos del Balón (Os Amigos da Bola)
El Equipo del Paradero (Equipe de Localização)
Los Niños Catedráticos (Os Professores das Crianças)
Mascote Raposa
Principal rival Chivas Guadalajara
Fundação 15 de agosto de 1916 (107 anos)
Estádio Jalisco
Capacidade 56 713 pessoas
Localização Guadalajara, Jalisco, México
Proprietário(a) Grupo Orlegi
Presidente José Riestra
Treinador(a) Benjamín Mora
Patrocinador(a) Banco Azteca
Material (d)esportivo Charly
Competição Liga BBVA MX
Website [1]
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

O Atlas Fútbol Club é um clube de futebol mexicano de Guadalajara, Jalisco, que atualmente disputa a Liga MX, equivalente a primeira divisão mexicana. O clube foi fundado no dia 15 de agosto de 1916 por alguns jovens que foram estudar na Inglaterra, onde aprenderam a praticar o futebol e planejavam voltar a praticá-lo. Suas cores são vermelho e preto, por isso o seu apelido "rojinegros". Desde 1960, o clube manda as suas partidas no Estádio Jalisco.

A origem de seu nome vem de um titã do mitologia grega Atlas, e segundo um de seus fundadores, Juan José "Lico" Cortina, comentou, "sentimo-nos o suporte do mundo".

É um dos clubes mais tradicionais do futebol mexicano, sendo o 3º clube com mais na Liga MX, atrás apenas do América e do Chivas Guadalajara, e vencendo 3 vezes a Liga (1950-51, Apertura 2021 e Clausura 2022). Além disso time venceu 4 títulos da extinta Copa México e 5 títulos Campeón de Campeones.

O seu maior rival é o seu vizinho também de Guadalajara, o Chivas, com quem disputa o Clásico Tapatío, que é o clássico mais antigo futebol mexicano. Entre 1960 e 2010 ambos os clubes jogavam o Jalisco, mas após a inauguração do Estadio Akron em Zapopan, o Chivas passou a não mandar mais as suas partidas no estádio.

O Atlas foi fundado em um bar em Guadalajara, México, onde alguns amigos relembraram sua experiência com o futebol enquanto estudavam no Ampleforth College em North Yorkshire, Inglaterra. Em agosto de 1916, Alfonso e Juan José "Lico" Cortina, Pedro "Perico" e Carlos Fernández del Valle, os três irmãos Orendain e Federico Collignon (que havia estudado em Berlim) finalmente decidiram montar um time de futebol. Eles escolheram o nome "Atlas", baseado no titã homônimo da mitologia grega, e escolheram o vermelho e o preto como cores do clube.[1]

O primeiro título do clube foi a Copa MX em 1945-46, quando venceu o Atlante na final. No mesmo ano, venceu a supercopa (campeão da liga x campeão da copa) contra o Veracruz por 3 a 2. Quatro anos depois, o Atlas ganhou sua segunda Copa MX, na temporada 1949-50. No ano seguinte, na temporada 1950-51 da Primera División Mexicana, o Atlas conquistou seu primeiro título da liga, com doze vitórias em 22 partidas. No entanto, apenas dois anos depois, o Atlas foi rebaixado pela primeira vez após perder por 4 a 0 para o Tampico. Na temporada seguinte, porém, o Atlas retornou imediatamente à primeira divisão.[1]

O Atlas teve uma temporada de ouro no final da década de 1990 sob o comando de Ricardo La Volpe, com jogadores promissores como Rafael Márquez, Daniel Osorno, Juan Pablo Rodríguez, Pável Pardo, Mario Méndez, Omar Briceño e Miguel Zepeda, mas, apesar de ter uma equipe com enorme talento e ter chegado à final do Verano 1999, não conseguiu conquistar o título e perdeu para o Deportivo Toluca em uma partida definida nos pênaltis após um empate de 5 a 5 no placar agregado e na prorrogação.[1]

Em 2000, o Atlas participou da Copa Libertadores pela primeira vez. O time começou sua campanha em uma fase preliminar com grupos, na qual jogou contra o Club América, o Deportivo Táchira e o Deportivo Italchacao. Sua primeira partida foi uma derrota por 2 a 0 para o América, seguida de empates contra o Táchira e o Italchacao. No entanto, o time se recuperou e terminou em primeiro lugar no grupo depois de vencer o América por 6 a 3 e depois o Táchira, seguido de um empate contra o Italchacao. Como resultado, o Atlas conseguiu entrar na competição propriamente dita no grupo 4, ao lado de River Plate, Universidad de Chile e Atlético Nacional. O primeiro jogo do clube de Guadalajara foi em 23 de fevereiro, com um empate em 1 a 1 contra o River. A partida seguinte foi uma vitória por 3 a 2 contra o Atlético Nacional em Medellín. Em seguida, o clube empatou com o U. de Chile e perdeu para o River, seguido de uma goleada de 5 a 1 sobre o Nacional, campeão colombiano, mas uma derrota na partida final contra o U. de Chile em Santiago. Embora o Atlas tenha terminado empatado com a U. de Chile em pontos, um saldo de gols melhor o classificaria. Nas oitavas de final, o clube mexicano derrotou o Junior Barranquilla, da Colômbia, por 5 a 1 no placar agregado, e chegou às quartas de final, onde sua campanha terminou com duas derrotas para o vice-campeão Palmeiras e foi eliminado por 5 a 2 no placar agregado.[1]

Em 2008, o Atlas fez sua segunda participação na Copa Libertadores. Sua campanha começou com um torneio classificatório chamado InterLiga, no qual enfrentou o Toluca, o Morelia e o América. No final da InterLiga, eles estavam empatados em pontos e saldo de gols com o Toluca, então um sorteio decidiu quem passaria para a próxima rodada. O Atlas venceu o sorteio e avançou para a primeira fase, onde derrotou o clube boliviano La Paz por 2 a 1 no placar agregado. Na fase de grupos com Boca Juniors, Colo-Colo e Maracaibo, o Atlas terminou em primeiro lugar com onze pontos, incluindo vitórias notáveis contra o Boca Juniors e o Colo-Colo. Nas oitavas de final, eliminou o Lanús por 3 a 2 no placar agregado. Nas quartas de final, o time enfrentou novamente o Boca Juniors. No jogo de ida, disputado em Buenos Aires, o Atlas empatou em 2 a 2, mas no jogo de volta, em Guadalajara, o Boca venceu por 3 a 0 e eliminou o clube.[1]

O Atlas se classificou para a Copa Libertadores de 2015 depois de terminar em segundo lugar na tabela do Apertura de 2014. A equipe era dirigida por Tomás Boy e foi classificada na fase de grupos com Independiente Santa Fe, Atlético Mineiro e Colo-Colo. Em sua primeira partida, a equipe perdeu por 1 a 0 para o Santa Fé, mas na segunda partida obteve uma vitória histórica por 1 a 0 contra o Atlético Mineiro no Brasil, que encerrou uma série invicta de 37 anos do clube em casa na Copa Libertadores. Mais tarde, o Atlas venceu o Atlético novamente em casa, mas saiu da competição com o último lugar no grupo e uma derrota para o Santa Fe em Bogotá.[1]

No dia 12 de dezembro de 2021, o Atlas encerrou uma seca de títulos de 70 anos ao derrotar o Club León no Estádio Jalisco nos pênaltis por 4 a 3 e conquistar seu segundo título da liga.[1]

Em 5 de março de 2022, durante uma partida entre o Atlas e o Querétaro no estádio do Querétaro, houve um tumulto entre os torcedores que assistiam à partida.[2] Vídeos postados nas mídias sociais mostraram grupos de homens espancando, chutando, arrastando e despindo as vítimas.[3] De acordo com a agência de proteção civil do estado de Querétaro, pelo menos 22 homens ficaram feridos.[4] A Liga MX sancionou o Atlas proibindo os barras afiliados ao Atlas de assistir aos jogos em casa por até seis meses em resposta aos tumultos.[5][6]

O Atlas ganhou seu terceiro campeonato em 29 de maio de 2022 contra o Pachuca. No jogo de ida, em 26 de maio, o Atlas derrotou o Pachuca no Estadio Jalisco por 2 a 0 e, embora tenha perdido o jogo de volta por 2 a 1, venceu por 3 a 2 no placar agregado, tornando-se apenas o terceiro time na história da liga a conquistar títulos consecutivos.[1]

Estádio Jalisco

[editar | editar código-fonte]
Imagem do Estádio Jalisco

O Atlas joga atualmente no Estádio Jalisco, que é o terceiro maior estádio do México e foi construído em 31 de janeiro de 1960. É um local que já foi palco de partidas e equipes históricas, incluindo o Brasil de Pelé em 1970. No total, foi sede de 8 jogos na Copa do Mundo da FIFA de 1970, 6 dos quais eram da fase de grupos e dois eram das quartas e semifinais. Posteriormente, o estádio foi novamente sede de 9 jogos na Copa do Mundo de 1986, 6 dos quais foram jogos da fase de grupos, 1 das oitavas de final e os últimos 2 das quartas e semifinais.[1]

Torcedores e rivalidade

[editar | editar código-fonte]

Os torcedores do Atlas são conhecidos coletivamente como La Fiel (A Fiel), enquanto La Barra 51 é o principal grupo de torcedores organizados. O nome de La Barra 51 lembra o primeiro campeonato do Atlas na Primera División de México em 1951. Devido ao desempenho problemático da equipe, La Fiel ganhou seu nome, apoiando a equipe por 70 anos sem grandes conquistas.[1]

Clássico Tapatío

[editar | editar código-fonte]

O grande rival do Atlas é o CD Guadalajara, conhecido como Chivas. O clássico é conhecido como Clássico Tapatío e é considerado o clássico de futebol mais antigo do México, datado em 1916. A primeira partida entre as duas equipes foi um amistoso realizado logo após a fundação do Atlas, que terminou em 0 a 0. A primeira partida competitiva entre os dois times ocorreu em 1917, no "Torneo de Primavera", que se traduz em inglês como "Tournament of Spring". O Atlas saiu vitorioso dessa vez, vencendo por 2 a 1. No entanto, o jogo gerou polêmica quando o Chivas reclamou da má atuação da arbitragem. O Chivas ficou tão irritado com o resultado que se recusou a participar do próximo torneio da Liga Amadora de Jalisco de 1917-18, a menos que o presidente da arbitragem, Justo García Godoy, renunciasse ao cargo.[1]

No entanto, o Chivas é o mais vitorioso nos clássicos de Guadalajara, tendo vencido 16 dos 35 jogos competitivos que as duas equipes disputaram. O Atlas venceu apenas 9 e as equipes empataram 8 vezes.[1]

Academia de Jovens

[editar | editar código-fonte]

O Atlas é conhecido por ter uma academia de jovens bem sucedida. Nas últimas décadas, o Atlas formou muitos jogadores que acabaram tendo carreiras profissionais a nível nacional e internacional. Muitos jovens jogadores entram na academia de jovens do Atlas sabendo que terão uma forte possibilidade de jogar com a equipa principal, devido à filosofia do clube de dar aos jovens jogadores a oportunidade de serem promovidos à equipe principal. Embora o Atlas só tenha vencido o campeonato da liga três vezes, a sua academia é famosa por ter formado jogadores para a Seleção Mexicana de Futebol nas últimas décadas, como Jared Borgetti, Daniel Osorno, José de Jesús Corona, Pável Pardo, Oswaldo Sánchez, Rafael Márquez, Juan Carlos Medina, Jorge Hernández, Mario Méndez, Miguel Zepeda, Juan Pablo Rodríguez, Juan Pablo García, Joel Herrera, Jorge Torres Nilo, Edgar Ivan Pacheco, Andrés Guardado, Jeremy Márquez, Diego Barbosa e muitos outros. As divisões inferiores de juniores do clube alcançaram muitos títulos a nível nacional e internacional.[7]

Nacionais
Competição Títulos Temporadas
México Campeonato Mexicano 3 1950-51, 2021-A e 2022-C
México Copa do México 4 1945-46, 1949-50, 1961-62 e 1967-68
México Campeón de Campeones 5 1945-46, 1949-50, 1961-62, 1967-68 e 2022
México Liga Occidental 5 1917-18, 1918-19, 1919-20, 1920-21 e 1935-36
México 2ª Divisão do México 3 1954-55, 1971-72 e 1978-79

LEGENDAS:

(A): Torneio Apertura

(C): Torneio Clausura

Campanhas de destaque

[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 26 de setembro de 2023.[8]

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • PenalizadoExpulso: Jogador suspenso
  • Lesionado: Jogador lesionado


Goleiros
N.º Jogador
1 México José Hernández
12 Colômbia Camilo Vargas
Defensores
N.º Jogador Pos.
2 Argentina Hugo Nervo Z
5 Peru Anderson Santamaría Z
13 México Gaddi Aguirre Z
21 México Carlos Robles Z
32 México Rivaldo Lozano Z
4 México José Abella LD
3 México Idekel Domínguez LE
14 México Luis Reyes LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
6 México Edgar Zaldívar V
26 México Aldo Rocha Capitão V
17 México Jaziel Martínez M
18 México Jeremy Márquez M
20 Colômbia Juan Zapata M
Atacantes
N.º Jogador
8 Argentina Mateo García
10 Uruguai Brian Lozano
11 Colômbia Mauro Manotas
22 Argentina Augusto Solari
23 Equador Jordy Caicedo
28 México Christopher Trejo
30 México Eduardo Aguirre
Comissão técnica
Nome Pos.
México Benjamín Mora T

Futebolistas famosos

[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l «Atlas F.C.». Wikipedia (em inglês). 16 de agosto de 2023. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  2. «Mexican soccer league suspends all Sunday matches after fan riot». Yahoo Sports (em inglês). 6 de março de 2022. Consultado em 22 de agosto de 2023 
  3. «Mexico Soccer Riot Leaves 22 Injured, Officials Say». Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗 
  4. «At least 22 injured in brawl at Mexican soccer match». AP News (em inglês). 6 de março de 2022. Consultado em 22 de agosto de 2023 
  5. «Liga MX bans Queretaro fans, 'barras' after brawl». ESPN.com (em inglês). 8 de março de 2022. Consultado em 22 de agosto de 2023 
  6. «LIGA MX - Página Oficial de la Liga Mexicana del Fútbol Profesional». www.ligamx.net. Consultado em 22 de agosto de 2023 
  7. «Atlas F.C.». Wikipedia (em inglês). 21 de setembro de 2023. Consultado em 29 de setembro de 2023 
  8. «Atlas Guadalajara - Plantel detalhado 23/24». www.transfermarkt.com.br. Consultado em 26 de setembro de 2023 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]