Atlas Shrugged

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Atlas Shrugged» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.
Atlas Shrugged
A revolta de Atlas (BR)
Autor (es) Ayn Rand
Idioma Inglês
País  Estados Unidos
Género Ficção filosófica,
Ficção científica,
Mistério,
Romance,
Utopia
Editora Random House
Lançamento 1957
Páginas 1168 (1ª edição)
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Paulo Henriques Britto
Editora Instituto Millenium: Sextante
Lançamento 2010
Páginas 3 volumes
ISBN 9788599296837 (obra completa)

Atlas Shrugged é um livro de ficção da autora e filósofa Ayn Rand publicado em 1957.[1] Lançado no Brasil como Quem É John Galt? em 1987, relançado em 2010 como A Revolta de Atlas. O quarto e último romance de Ayn Rand, considerado por muitos sua principal obra. Atlas Shrugged contém elementos de ficção científica,[2] mistério e romance,[3][4][5] contendo a mais extensa declaração de Rand sobre o objetivismo.

O livro explora um Estados Unidos distópico, em que muitos dos industriais mais importantes e bem sucedidos da sociedade decidem abandonar suas fortunas e a própria nação, em resposta a agressivas regulações do governo, que insiste em taxar e regulamentar os cidadãos produtivos, suas empresas e realizações individuais. O título é uma referência a Atlas, um Titã descrito no livro como "o gigante que mantém o mundo em seus ombros". O significado desta referência aparece em uma conversa entre os personagens Francisco d'Anconia e Hank Rearden, em que d'Anconia pede que conselho Rearden daria a Atlas ao ver que "quanto maior o esforço [do titã], mais pesado fica o mundo em seus ombros". Com Rearden incapaz de responder, d'Anconia dá a sua própria resposta: "To shrug".

O tema de Atlas Shrugged, como Rand o descreve, é "o papel da mente do homem na existência". O livro explora uma série de temas filosóficos de que Rand posteriormente desenvolveria como objetivismo.[6][7] Ao fazer isso, ela expressa a defesa da razão, o individualismo, capitalismo, e as falhas da coerção governamental.

Atlas Shrugged recebeu muitas críticas negativas após sua publicação de 1957, mas alcançou popularidade duradoura e consistência de vendas nas décadas seguintes.[8]

Enredo[editar | editar código-fonte]

A protagonista Dagny Taggart, vice-presidente operacional da Taggart Transcontinental, uma empresa ferroviária criada pelo avô, tenta manter a empresa viva. O irmão James Taggart, presidente da ferrovia, é vagamente consciente dos problemas da empresa e toma decisões errôneas, como a insistência em comprar aço de uma empresa que repetidamente posterga a entrega do metal encomendado. Dagny, então, passa por cima da autoridade do irmão e compra, para os trilhos de sua empresa, um metal inventado por Hank Rearden, um magnata. Dagny e Hank levam a sério suas ambições e são mostrados como arautos do desenvolvimento e do progresso. Por outro lado, políticos tentam impor cada vez mais controle sobre a sociedade por meio de medidas populistas. Conforme a interferência estatal cresce, industriais, artistas, cientistas e empresários começam a se rebelar e desaparecer sem deixar pistas, largando trabalhos e negócios para trás.

Há uma gíria aparentemente sem sentido, "Quem é John Galt?", repetida como uma resposta quando se faz uma pergunta difícil. As pessoas, na maior parte do livro, não sabem quem é Galt e ainda assim repetem a pergunta, como quem diz "E quem se importa?".

Referências

  1. Rand, Ayn. Journals of Ayn Rand, edited by David Harriman. (1997) Dutton. ISBN 0-525-94370-6 p.704 Harriman quotes from a 1961 interview in which Rand says, "Atlas Shrugged was the climax and completion of the goal I had set for myself at the age of nine. It expressed everything that I wanted of fiction writing."
  2. Gladstein, Mimi (1999). The New Ayn Rand Companion (Westport: Greenwood Press). p. 42. ISBN 0-313-30321-5. 
  3. Dowd, Maureen. (2011-04-16). "Atlas Without Angelina". The New York Times. ISSN 0362-4331.
  4. McConnell, Scott (2010-01-01). 100 voices: an oral history of Ayn Rand (New York: New American Library). ISBN 9780451231307. 
  5. «PRODOS.COM - Atlas Shrugged TV miniseries - Albert S Ruddy, Susan Black, Bill Collins». www.prodos.com. Consultado em 2015-10-26. 
  6. Shermer, Michael (2008). The Mind of the Market Times Books [S.l.] p. XX. 
  7. «USATODAY.com - Scandals lead execs to 'Atlas Shrugged'». www.usatoday.com. Consultado em 2015-10-26. 
  8. «Atlas Shrugged » Genesis of the Book». 2014-02-10. Consultado em 2015-10-26.