Atobá-de-pé-vermelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAtobá-de-pé-vermelho
Sula sula by Gregg Yan 01.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Suliformes
Família: Sulidae
Género: Sula
Espécie: S. sula
Nome binomial
Sula sula
(Lineu, 1766)
Distribuição geográfica
Distribuição do atobá-de-pé-vermelho
Distribuição do atobá-de-pé-vermelho
Sinónimos
  • Pelecanus sula Linnaeus, 1766
  • Pelecanus piscator Linnaeus, 1758
  • Sula piscator (Linnaeus, 1758)

Atobá-de-pé-vermelho[2] ou atobá-de-pés-vermelhos[3] (nome científico: Sula sula) é uma espécie de ave marinha da família dos sulídeos (Sulidae).[4]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A primeira descrição formal do atobá-de-pé-vermelho foi feita pelo naturalista sueco Carlos Lineu em 1766 na décima segunda edição de seu Systema Naturae. Ele introduziu o nome binomial Pelecanus sula.[5] A localidade tipo é Barbados nas Índias Ocidentais.[6] O presente gênero Sula foi introduzido pelo cientista francês Mathurin Jacques Brisson em 1760.[7] A palavra Sula é norueguesa para gannet.[8]

Há três subespécies:[9]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Juvenil em Half Moon Caye, no Belize

O atobá-de-pé-vermelho é o menor membro da família dos atobás com cerca de 70 centímetros de comprimento e com envergadura de até um metro e meio.[10] O peso médio de 490 adultos da ilha Christmas era de 837 gramas.[4] Tem pernas vermelhas e o bico e a bolsa na garganta são de cor rosa e azul. Esta espécie possui vários morfos. Na forma branca, a plumagem é principalmente branca (a cabeça frequentemente tingida de amarelado) e as penas de voo são pretas. O metamorfo branco de cauda preta é semelhante e pode ser facilmente confundido com o atobá de Nazca e os atobás-grandes. A forma marrom é geralmente marrom. O forma marrom de cauda branca é semelhante, mas tem barriga, garupa e cauda brancas. O metamorfo marrom de cabeça branca e cauda branca tem um corpo, cauda e cabeça principalmente brancos, e asas e dorso marrons. Os morfos geralmente reproduzem juntos, mas na maioria das regiões um ou dois morfos predominam; por exemplo, nas ilhas Galápagos, a maioria pertence ao morfo marrom, embora o morfo branco também ocorra. Os sexos são semelhantes e os juvenis são acastanhados com asas mais escuras e patas rosadas claras, enquanto os pintos são cobertos de uma densa penugem branca.[carece de fontes?]

ecologia[editar | editar código-fonte]

O atobá-de-pé-vermelho é estritamente marinha e em grande parte pelágica. Alimenta-se principalmente de peixes-voadores (exocetídeos) e lulas com um comprimento médio de presa de 8,8 centímetros. A presa é capturada por mergulho, mas os peixes-voadores também são capturados em voo, especialmente quando perseguidos por predadores subaquáticos. Muitas vezes repousa em barcos que os utilizam como pontos de observação. A reprodução não é sazonal na maior parte do seu alcance. Os indivíduos formam grandes colônias, nidificando e empoleirando-se principalmente em árvores ou em ilhotas com vegetação abundante.[1]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Morfo marrom na ilha Genovesa, em Galápagos

Esta espécie passa o inverno em ilhas tropicais na maioria dos oceanos, excluindo o Atlântico Oriental. No inverno, passa no mar na mesma área, variando ao norte do Trópico de Câncer e ao sul do Trópico de Capricórnio.[1] Foi registrada três vezes no Seri Lanca.[11] Em setembro de 2016, um atobá-de-pé-vermelho foi encontrado na praia em East Sussex, Reino Unido, a cinco mil milhas de seu habitat usual mais próximo. Foi o primeiro de sua espécie já registrado no Reino Unido. O pássaro, mais tarde chamado de Norman, foi dito por alguns estar exausto e desnutrido, embora tenha voado livremente à praia e tivesse peso normal quando verificado.[12] Recuperou a saúde antes de ser transportado de avião para um centro ambiental nas ilhas Caimã em dezembro, onde morreu antes mesmo de ser solto na natureza.[13] No mesmo ano, outro atobá-de-pé-vermelho foi observado sendo atacado por um grande caranguejo-coco (Birgus latro) no arquipélago de Chagos.[14] Em janeiro de 2017, um atobá-de-pé-vermelho foi avistado no continente da Nova Zelândia pela primeira vez.[15]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Estima-se que globalmente haja cerca de 1,4 milhão de indivíduos maduros. A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) lista o atobá-de-pé-vermelho como uma espécie de menor preocupação, embora a população mundial esteja sofrendo um declínio moderado. Dentre as causas para o fenômeno estão a perca de habitat (por exemplo desmatamento), predação por espécies invasoras e níveis insustentáveis de exploração (caça para consumo de carne).[1] A fase quente El Niño – Oscilação Sul em 1982 e 1983 teve um impacto negativo na reprodução na Ilha Christmas, pois as temperaturas mais altas da água reduziram o fornecimento de alimentos. Onde normalmente seis mil pares se aninhavam, 30 pares e cerca de 60 pares tentaram acasalar em 1982 e 1983, respectivamente.[16] Em 2005, foi classificado como em perigo na Lista de espécies ameaçadas de extinção do Estado do Espírito Santo.[17] Em 2014 e 2018, foi citado respectivamente no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção e na Lista Vermelha do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) como em perigo.[18][2][19]

Referências

  1. a b c d BirdLife International (2018). «Sula sula». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2018: e.T22696694A132589278. doi:10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T22696694A132589278.enAcessível livremente. Consultado em 15 de abril de 2022 
  2. a b «Sula sula Boddaert». Sistema de Informação Sobre a Biodiversidade Brasileira (SIBBr). Consultado em 15 de abril de 2022 
  3. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 147. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de abril de 2022 
  4. a b Dunning Jr., John B. (2008). CRC Handbook of Avian Body Masses 2.ª ed. Boca Raton, Flórida: CRC Press. ISBN 978-1-4200-6444-5 
  5. Lineu, Carlos (1766). Systema naturae : per regna tria natura, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis (em latim). Volume 1, Part 1 12.ª ed. Estocolmo: Laurentii Salvii 
  6. Mayr, Ernst Mayr; Cottrell, eds. (1979). Check-list of Birds of the World. Volume 1 2.ª ed. Cambrígia, Massachussetes: Museu de Zoologia Comparativa. pp. 185–186 
  7. Brisson, Mathurin Jacques (1760). Ornithologie, ou, Méthode contenant la division des oiseaux en ordres, sections, genres, especes & leurs variétés (em francês e latim). Volume 1. Paris: Jean-Baptiste Bauche 
  8. Jobling, James A. (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. Londres: Christopher Helm. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  9. Gill, Frank; Donsker, David, eds. (2017). «Hamerkop, Shoebill, pelicans, boobies & cormorants». World Bird List Version 7.3. International Ornithologists' Union. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  10. «Red-footed Booby». The Cornell Lab. Consultado em 15 de abril de 2022 
  11. «Third confirmed record of the red-footed booby Sula sula from Sri Lanka». academia 
  12. «Booby will be home for Christmas». ITV News. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  13. Young, Kayla. «Rescued red-footed booby dies at Turtle Centre | Cayman Compass». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  14. Buehler, Jake (9 de novembro de 2017). «Giant coconut crab sneaks up on a sleeping bird and kills it». New Scientist. Consultado em 14 de junho de 2018 
  15. «'Astonishing' first ever NZ sighting of red-footed booby». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  16. Schreiber, Ralph W.; Schreiber, Elizabeth Anne (1984). «Central Pacific Seabirds and the El Niño Southern Oscillation: 1982 to 1983 Perspectives». Science. 225: 713–716. JSTOR 1693159 
  17. «Espécies ameaçadas de extinção no Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 12 de abril de 2022 
  18. «PORTARIA No - 444, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021 
  19. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018