Atol das Rocas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Reserva Biológica Atol das Rocas. (desde dezembro de 2012)
(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Atol das Rocas
Location Rocas Atoll.png
3° 51′ S 33° 49′ W[nota 1]
Geografia física
País  Brasil
Localização Oceano Atlântico
Arquipélago Atol das Rocas
Área 7,551  km²
ESC large ISS022 ISS022-E-79937k.JPG
Atol das Rocas, fotografado da Estação Espacial Internacional durante a Expedição 22
Pix.gif Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e do Atol das Rocas *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Atol das Rocas lighthouse.jpg
País  Brasil
Critérios (vii)(ix)(x)
Referência 1000
Região** Brasil
Coordenadas 3° 51′ S 33° 49′ W[nota 1]
Histórico de inscrição
Inscrição 2001  (25ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

O Atol das Rocas é um recife anelar elíptico localizado no estado do Rio Grande do Norte[1] , a 144 mn (267 km) a lés-nordeste da cidade de Natal (RN) e a 80 mn (148 km) a oeste do arquipélago de Fernando de Noronha (PE), em águas jurisdicionais brasileiras.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro mapa que mostra o Brasil descoberto pelos portugueses, o Planisfério de Cantino, de 1502, já registrava a existência do Atol das Rocas. Uma outra menção a Rocas é atribuída ao Almirante Dario Paes Leite, que descreveu o naufrágio de uma das naus da expedição liderada pelo navegador português Gonçalo Coelho à costa do Brasil, em 1503.[2] [3] Apesar de ser conhecido desde o século XVI, o primeiro mapa detalhado de Rocas surgiu apenas em 1852, desenhado pelo Capitão-Tenente Phillip Lee, com a denominação de Baixo das Rocas ou Baixo das Cabras. Rocas aparece caracterizado como atol em 1858, num levantamento batimétrico feito pelo Comandante Vital de Farias. O primeiro naturalista a mencionar Rocas foi Jean de Léry, em 1880.

Devido à pouca profundidade de suas águas, a navegação nesse trecho da costa é muito perigosa. Os acidentes marítimos em Rocas eram frequentes e, no final do século XIX, no dia 19 de novembro de 1881 iniciou-se a construção do primeiro farol do Atol das Rocas, na ilha atualmente conhecida como Ilha do Farol (Rodrigues, 1940 e Andrade, 1959, citados por Kikuchi, 1999).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Os recifes que compõem Rocas crescem no topo de um monte submarino pertencente à Zona de Fratura de Fernando de Noronha. Com uma área de aproximadamente 755,1 ha, o Atol das Rocas está entre os menores do mundo. De formato oval, tem 3,7 km de comprimento, 2,5 km de largura e um perímetro km.[2] [3] [4]

As areias de Rocas têm origem biológica, sendo compostas principalmente por estruturas calcárias fósseis de algas coralináceas da sub-família Melobesioideae e da família Corallinaceae, além de algas verdes do gênero Halimeda e de foraminíferos bentônicos, principalmente Amphistegina radiata e Archaias sp (Coutinho e Morais, 1970 citado por KIKUCHI, 1999).

Essas areias de origem biológica acumularam-se em duas faixas com forma de anel aberto no interior do atol, originando a Ilha do Farol e a Ilha do Cemitério. Juntas, têm uma área de aproximadamente 36 ha. Durante a maré baixa, o anel de recifes que forma o atol fica exposto e, no seu interior, surgem piscinas naturais, de tamanhos diversos e profundidade de até m. Na maré alta, apenas as duas ilhas interiores e o perímetro do atol, com sua margem formada por recifes, ficam emersas.[2] [3]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

O Atol das Rocas serve de berçário a muitas espécies. Todos os anos milhares de aves e centenas de tartarugas-verdes retornam para lá para desovar. O local também é área de abrigo e alimentação da tartaruga-de-pente. Tem uma enorme importância ecológica fundamental por sua alta produtividade biológica e por ser uma importante zona de abrigo, alimentação e reprodução de diversas espécies animais.[carece de fontes?]

Ao lado do Arquipélago de Fernando de Noronha, o Atol das Rocas é considerado uma das áreas mais importantes para a reprodução de aves marinhas tropicais do Brasil, abrigando pelo menos 150 milhares de aves, de quase 30 espécies diferentes. Atualmente vivem, o ano todo, cinco espécies de aves residentes: duas de atobás, uma de trinta-réis (ave) ou andorinha do mar e duas de viuvinhas, os atobás-de-patas-vermelhas e as fragatas vêm de Fernando de Noronha para pescar. Além delas, 25 espécies migratórias fazem de Rocas um porto permanente. Passam por ali espécies originárias da Venezuela, da África e até maçaricos provenientes da Sibéria. Até o momento, nenhuma espécie potencialmente predadora foi catalogada no Atol das Rocas.

O atol é também o paraíso de muitas espécies aquáticas. Por se tratar de uma montanha isolada, próxima de mares profundos e afastados da costa, ele é ideal para peixes de todos os tamanhos, moluscos, algas, crustáceos e tartarugas. Quase cem espécies de algas, 44 de moluscos, 34 de esponjas, sete espécies de coral e duas espécies de tartarugas já foram ali identificadas. Entre os 24 crustáceos, destacam-se o caranguejo terrestre e o aratu, que somente habitam ilhas oceânicas. O primeiro levantamento da fauna de insetos do Atol foi realizado em 2000, quando 12 espécies de insetos foram registrados e 3 espécies de aracnídeos, dentre eles um escorpião com veneno pouco perigoso para humanos.[5]

Em Rocas foram ainda catalogadas quase 150 espécies de peixes diferentes, entre os sargos, garoupas e xaréus. Mas apenas duas dessas espécies, o gudião e a donzela (peixe) são exclusivas da região, que abrange o Atol das Rocas e o Arquipélago de Fernando de Noronha, o tubarão-limão, uma espécie rara em Rocas tem motivado estudos de vários cientistas brasileiros e estrangeiros, a espécie passa o início da vida em cardumes, na laguna e nas piscinas do atol.

Área protegida[editar | editar código-fonte]

O Atol das Rocas é protegido pela reserva biológica homônima. Esta é a primeira Reserva Biológica Marinha do Brasil, tendo sido em 5 de junho de 1979, através do Decreto-lei Nº 83.549.[6] A administração da reserva biológica está a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).[7] [8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. a b Estas são as coordenadas do farol na Ilha do Farol. FARÓIS EM ILHAS OCEÂNICAS E PLATAFORMA. SERVIÇO DE SINALIZAÇÃO NÁUTICA DO NORDESTE. Página visitada em 28 de janeiro de 2012.

Referências

  1. Decreto nº 83.549 - Instituto Chico Mendes de Biodiversidade
  2. a b c d Plano de Manejo da Reserva Biológica do Atol das Rocas (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) (14 de janeiro de 2012). Página visitada em 14 de janeiro de 2012.
  3. a b c Kikuchi, R (17 de setembro de 1999). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil - 033 - ATOL DAS ROCAS, ATLÂNTICO SUL EQUATORIAL OCIDENTAL, BRASIL. Departamento de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Feira de Santana. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  4. Schippke, Wolfgang. Das einsame Riff im Südatlantik: Atol das Rocas (em alemão). The italian weekly bulletin for serious DXers. Página visitada em 14 de janeiro de 2012.
  5. Almeida, C.E.; Marchon-Silva, V.V., Ribeiro, R., Serpa-Filho, A., Almeida, J.R., Costa, J. (2000). "Entomological fauna from Reserva Biológica do Atol das Rocas" (em inglês). Revista Brasileira de Biologia 60 (2) p. 291-298. DOI:10.1590/S0034-71082000000200013.
  6. DECRETO Nº 83.549, DE 5 DE JUNHO DE 1979 (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) (5 de junho de 1979). Página visitada em 14 de janeiro de 2012.
  7. RESERVA BIOLÓGICA ATOL DAS ROCAS. Cadastro Nacional de Unidades de Conservação do Ministério do Meio Ambiente. Página visitada em 10 de março de 2013.
  8. Chefe da Reserva Biológica do Atol das Rocas – IBAMA/RN

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rio Grande do Norte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.