Augustália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Camafeu Blacas (do início do século I), exibindo Augusto com uma égide.

A Augustália, conhecida também como Jogos Augustanos (em latim: Ludi Augustales), foi um festival comemorado todo dia 12 de outubro em homenagem a Augusto, o primeiro imperador romano. Foi criada em conjunto com um altar para Fortuna Redux, marcando o retorno de Augusto da Ásia Menor para Roma em 19 a.C..[1] Os pontífices e vestais conduziam sacrifícios, e a data se tornou um feriado (feriae) no calendário religioso de Roma.

O altar dedicado a Fortuna Redux foi inaugurado em 12 de outubro de 19 a.C., mas foi aberto em 15 de dezembro.[2] Até a morte de Augusto em 14 d.C., Fortuna Redux foi a destinatária de honras religiosas, e o nome Augustália não aparece em fontes antes desse tempo. Durante sua vida, Augusto foi homenageado como Jogos Augustanos, jogos (jogos), oferecidos por iniciativa individual dos magistrados romanos.[3] A rigor, a Augustália foi um "aniversário-sacrifício", embora Augustália também possa se referir as comemorações para Augusto sobre seu aniversário, em 23 de setembro.[4]

Augusto documentou o estabelecimento do festival em suas realizações póstumas em primeira pessoa (Res Gestae Divi Augusti),[5] enfatizando que o festival leva o seu cognome. Os festivais romanos eram muitas vezes dedicados as divindades que cultuavam (Neptunália, de Netuno ou Cereália para Ceres), mas não declaravam a implicação de status divino para Augusto.[6] A criação da Augustália assim, marca um passo importante para o desenvolvimento do culto imperial.

A Augustália abreviada como AVG, aparece em calendários com grandes letras maiúsculas, como um dos mais antigos festivais de divindades da religião arcaica de Roma. Ela ocorre entre a Meditrinália (11 de outubro) e a Fontinália (13 de outubro), ambas de notório passado.[7]

Referências

  1. Scheid 2009, p. 288.
  2. Scheid 2009, p. 288-289.
  3. Scheid 2009, p. 289.
  4. Swan 2004, p. 297-298.
  5. Augusto 13, 11.
  6. Scheid 2009, p. 289-290.
  7. Thonemann 2005, p. 85.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Augusto (13 d.C.). Res Gestae Divi Augusti 🔗. [S.l.: s.n.] 
  • Scheid, John (2009). «To Honour the Princeps and Venerate the Gods: Public Cult, Neighbourhood Cults, and Imperial Cult in Augustan Rome». In: Jonathan Edmondson (tradutor). Augustus. [S.l.]: Edinburgh University Press 
  • Swan, Peter Michael (2004). The Augustan Succession: An Historical Commentary on Cassius Dio's Roman History Books 55–56 (9 B.C.–A.D. 14). [S.l.]: Oxford University Press 
  • Thonemann, Peter (2005). «The Tragic King: Demetrios Poliorketes and the City of Athens». Imaginary Kings: Royal Images in the Ancient Near East, Greece and Rome. [S.l.]: Franz Steiner 

Ver também[editar | editar código-fonte]