Australian Signals Directorate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Base americana-australiana de Pine Gap, em Alice Springs, no norte da Austrália, parte do Echelon
Paises membros do UKUSA, Cinco Olhos

Australian Signals Directorate (ASD) é uma agência de inteligência do governo australiano responsável por sinais de inteligência (SIGINT) e segurança da informação (INFOSEC). ASD foi criada em 1947. Anteriormente se chamava Defence Signals Directorate (DSD).

Faz parte do grupo chamado Cinco Olhos (Five eyes em inglês).[1]

ASD é o equivalente australiano do NSA americana e opera em conjunto com a NSA em inúmeras atividades secretas.Junto com os Estados Unidos opera a estação terrena de satélite Pine Gap, em Alice Springs, no norte da Austrália, parte do Echelon.[2] [3] [4]

A Australian Defence Satellite Communications Station (ADSCS), localizado na Kojarena, a 30 km a leste de Geraldton na Austrália Ocidental, também faz parte do sistema ECHELON[5] [6] .

Localização[editar | editar código-fonte]

Seu quartel general está localizado em Canberra, Austrália.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Conforme as revelações foram sendo publicadas, foi ficando claro que assim como a NSA e o CSEC do Canadá[7] , bem como os demais membros do grupo chamado de Cinco Olhos, a Nova Zelândia, o Reino Unido e os Estados Unidos da América,[8] , são todos participantes ativos dos programs de vigilância e espionagem global, sob o comando da NSA.

Em 21 de julho de 2013, foi revelado que a base de Pine Gap na Austrália, tem papel fundamental nas polêmicas operações do programa americano de ataques aéreos por drones usados para assassinar cidadãos paquistaneses e que tem causado inúmeras mortes de civis inocentes.[9] [10]

Em 29 de abril de 2014, o ex-primeiro-ministro Malcolm Fraser afirmou que militares e de inteligência australianos envolvidos no programa de assassinatos dos Estados Unidos, poderiam enfrentar acusações de crimes contra a humanidade.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências