Avatar: The Last Airbender

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros significados de Avatar, veja Avatar (desambiguação).
Avatar: The Last Airbender
Avatar: A Lenda de Aang (PT/BR)
Informação geral
Formato
Gênero Aventura
Fantasia
Comédia
Ação
Duração 22 a 24 minutos
Criador(es) Michael Dante DiMartino
Bryan Konietzko
País de origem  Estados Unidos
Idioma original inglês
Produção
Diretor(es) Aaron Ehasz
Lauren MacMullan (1ª e 2ª temporadas)
Dave Filoni (1ª temporada)
Giancarlo Volpe
Anthony Lioi (1ª temporada)
Ethan Spaulding (2ª e 3ª temporadas)
Michael Dante DiMartino ("As Encruzilhadas do Destino")
Joaquim Dos Santos (3ª temporada)
Vozes de Zach Tyler Eisen
Mae Whitman
Jack DeSena
Dante Basco
Mako
Greg Baldwin
Jessie Flower
Grey DeLisle
Mark Hamill
Empresa(s) de produção Nickelodeon Productions
DR Movie
Localização Nickelodeon Animation Studios (Burbank, Califórnia, EUA)
DR Movie Company (Seul, Coreia do Sul)
Exibição
Emissora de televisão original Estados Unidos Nickelodeon
Estados Unidos Nicktoons
Brasil Nickelodeon
Brasil Rede Globo
Brasil Rede Bandeirantes
Portugal Nickelodeon
Portugal Netflix
Formato de exibição NTSC 4:3 (720i)
Transmissão original Estados Unidos 21 de fevereiro de 2005 - 19 de julho de 2008
Brasil 23 de setembro de 2005[1] - 24 de outubro de 2008
Portugal 2006 - 2008
N.º de temporadas 3
N.º de episódios 61 (lista de episódios)
Cronologia
A Lenda de Korra

Avatar: A Lenda de Aang[2] (no original: Avatar: The Last Airbender[2]) é uma série de televisão animada estadunidense criada por Bryan Konietzko e Michael Dante DiMartino com três temporadas que foram ao ar no canal Nickelodeon. Nos Estados Unidos, a série estreou em fevereiro de 2005 e foi concluída em julho de 2008. Avatar: A Lenda de Aang é ambientada em um mundo baseado na cultura asiática onde algumas pessoas podem manipular os quatro elementos com variantes telecinéticas das artes marciais chinesas, chamadas de "dominação" ou "dobras".[nota 1] A série é apresentada em um estilo que combina anime com cartoons americanos e recorre ao visual das sociedades do sudeste asiático, dos inuítes e do Novo Mundo. A série acompanha os protagonistas, o garoto Aang de 12 anos e seus amigos, que precisam trazer a paz e a união ao mundo ao acabar com a guerra do Senhor do Fogo com o resto do mundo.

A série foi comercialmente bem-sucedida e foi aclamada pela audiência e pela crítica, que elogiou sua direção de arte, seu humor, suas referências culturais, seus personagens, e suas temáticas. Ela foi indicada para — e ganhou — os prêmios Annie Awards, Genesis Awards, Primetime Emmy Award, e um Peabody Award. O sucesso da primeira temporada resultou no pedido de uma segunda e de uma terceira pela Nickelodeon. O merchandising da série foi composto de figuras de ação, um jogo de cartas oficial, três jogos eletrônicos, pelúcias distribuídas no Paramount Parks, e dois conjuntos de Lego. Um livro de arte foi publicado em junho de 2010. A série completa foi lançada em Blu-ray em 2018, no 10º aniversário do episódio final da 3ª temporada.

O programa inspirou o filme The Last Airbender, que recebeu críticas majoritariamente negativas, ainda que bem-sucedido financeiramente, Dirigido por M. Night Shyamalan, é frequentemente considerado um dos piores filmes já feitos. Uma sequência animada, A Lenda de Korra, foi ao ar entre 2012 e 2014. Um novo remake live-action da série foi anunciado pelos seus criadores originais em setembro de 2018, sendo produzido para o serviço de streaming Netflix.[4]

Apesar de ser considerada como sendo de classificação livre nos Estados Unidos,[2] seu país de origem, a série é recomendada para maiores de 10 anos no Brasil, por conter temas como morte, crise familiar, politica e religião.[5]

Descrição geral[editar | editar código-fonte]

Ambientação[editar | editar código-fonte]

Avatar: A Lenda de Aang é ambientada em um mundo — adjacente a um mundo espiritual paralelo — que abriga humanos e animais híbridos. A civilização humana é dividida em quatro nações, cujos nomes são derivados dos elementos clássicos: as Tribos da Água, o Reino da Terra, a Nação do Fogo, e os Nômades do Ar. Cada nação possui uma sociedade distinta em que algumas pessoas, conhecidas como "dominadores" (dominadores de água, dominadores de terra, dominadores de fogo e dominadores de ar), possuem a habilidade de telecineticamente manipular e controlar o elemento de sua nação utilizando artes marciais. O Avatar é a única pessoa com a habilidade de dominar todos os quatro elementos.

O Avatar, que pode ser homem ou mulher, é um árbitro internacional cujo dever é manter a harmonia entre as quatro nações, e atuar como um mediador entre seres humanos e espíritos. Quando o Avatar morre, o seu espírito é reencarnado no próximo Avatar, que será da próxima nação em uma sequência conhecida como o ciclo do Avatar: Nação do Fogo, Nômades do Ar, Tribos da Água, e Reino da Terra.[ep 1] Qualquer Avatar precisa se tornar um mestre em cada estilo de dominação, começando com o elemento de sua própria nação, e procedendo para os outros segundo dita o ciclo do Avatar,[ep 2] a partir dos seus 16 anos de idade.[ep 3][ep 4] Os Avatares também possuem a habilidade de entrar em uma condição física e mental conhecida como o Estado de Avatar, no qual eles ganham o conhecimento e as habilidades de todas os Avatares anteriores.[ep 5] Apesar de estar em sua forma mais poderosa no Estado de Avatar, se um Avatar nessa condição for morto, o ciclo de reencarnação será terminado e o Avatar não renascerá.[ep 5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Mapa do mundo fictício da série. Cada cor representa o território de uma nação: vermelho para Nação do Fogo, amarelo para o Reino da Terra, azul para as Tribos da Água, e branco para os Nômades do Ar.

Mais de um século antes dos eventos da série, a Nação do Fogo passou por uma rápida industrialização, com avanços tecnológicos e transições demográficas. O Senhor do Fogo Sozin, governante da Nação do Fogo, planejou uma guerra mundial para expandir a riqueza, o território e a influência de sua nação. Ele foi impedido de prosseguir pelo Avatar Roku, nascido na própria Nação do Fogo.[ep 4] Depois da morte de Roku, o Avatar foi reencarnado em um dominador de ar chamado Aang. Como o Avatar era agora uma criança, Sozin percebeu isso como sendo uma chance para ir em frente com seus planos de conquista.[ep 4] Aos 12 anos de idade, mais cedo do que o normal, Aang descobriu que era um Avatar devido à ameaça bélica de Sozin. Com medo de suas novas responsabilidades e de sua separação de seu mentor Gyatso, ele deixou seu lar em seu bisão voador, Appa.[ep 3] Aang foi derrubado no oceano devido a uma tempestade; para salvar-se, ele entrou no Estado de Avatar e formou um casulo de gelo, que colocou ele e Appa em animação suspensa. Os dois ficaram presos no iceberg próximos ao Polo Sul por cem anos.[ep 3] Sozin, sabendo que o ciclo de reencarnação do Avatar demandava que ele nascesse como um Nômade do Ar, provocou o genocídio dos Nômades do Ar durante a passagem — ocorrida uma vez por século — de um cometa que aumentou o poder dos dominadores de fogo, e posteriormente continuou sua conquista mundial.[ep 4]

No presente, cem anos após o início do conflito, a Nação do Fogo continua em guerra com as outras nações. Katara, uma dominadora de água da Tribo da Água do Sul, e seu irmão mais velho, Sokka, encontram e revivem Aang e Appa.[ep 6] Aang descobre sobre a guerra, e os dois irmãos juntam-se a ele para chegar à Tribo da Água do Norte, localizada no Polo Norte, para que ele e Katara possam aprender a dominar a água. O retorno de Aang atrai a atenção do Príncipe Zuko, o filho exilado do atual Senhor do Fogo Ozai, que os persegue acompanhado de sue tio Iroh.[ep 6] Aang também é perseguido por Zhao, um almirante da Nação do Fogo que pretende ganhar o reconhecimento de Ozai e privar Zuko de sua redenção.[ep 1] No caminho para o Polo Norte, Aang descobre o genocídio feito contra seu povo quando visita o Templo do Ar do Sul.[ep 1] Durante o solstício de inverno, Aang encontra o espírito de seu antecessor, Avatar Roku, e aceita suas responsabilidades.[ep 7] Na Tribo da Água do Norte, Aang e Katara aprendem a dominar a água em nível avançado através do Mestre Pakku; Sokka apaixona-se pela filha do chefe da tribo, a Princesa Yue.[ep 8] A armada de Zhao começa um cerco da tribo,[ep 8] capturando a forma mortal do espírito da lua — a fonte da dominação de água — e causando um eclipse lunar.[ep 9] Zhao mata o espírito da lua para privar os dominadores de água de suas habilidades, mas Aang une-se ao espírito do oceano — a contrapartida Yin-Yang do espírito da lua — para afastar a frota inimiga, enquanto Yue sacrifica sua vida para reviver o espírito da Lua.[ep 9] Quando Ozai descobre a resistência oferecida pelo seu filho Zuko e seu irmão mais velho Iroh à invasão de Zhao, ele envia sua filha Azula para capturá-los.[ep 9]

Depois de deixar a Tribo da Água do Norte, Katara continua a ensinar a dominação de água a Aang enquanto o grupo procura por um professor de dominação de terra.[ep 5] Eles conhecem Toph Beifong, uma menina cega de 12 anos e uma prodigiosa dominadora de terra que quer independência de sua família de classe alta.[ep 10] Perseguidos pela Princesa Azula, Zuko e Iroh vivem novas vidas no Reino da Terra como andarilhos e refugiados, assentando-se na capital Ba Sing Se.[ep 11] Na biblioteca guardada pelo espírito Wan Shi Tong, Aang e seus amigos descobrem um eclipse solar iminente que poderia ajudá-los a derrotar a Nação do Fogo antes do retorno do Cometa de Sozin.[ep 12] Eles aventuram-se por Ba Sing Se para dar essa informação ao Rei da Terra.[ep 11] Na cidade, eles descobrem que o Rei da Terra Kuei é um "governante marionete", manipulado por Long Feng, líder da polícia secreta dos Dai Li.[ep 13] Após o Time Avatar expôr a maquinação política de Long Feng,[ep 13] Toph é capturada mas escapa ao inventar a dominação de metal.[ep 14] Os Dai Li juntam-se a Azula para dar um golpe de Estado em Ba Sing Se, enquanto Zuko, que passou o tempo em Ba Sing Se tentando encontrar sua verdadeira identidade, fica do lado de sua irmã Azula.[ep 15] Durante uma batalha nas catacumbas subterrâneas da cidade, Azula quase mata Aang, forçando os protagonistas a se retirar com a ajuda de Iroh e a deixar o Reino da Terra, agora sob o controle da Nação do Fogo.[ep 15]

Aang sai de um coma e encontra seus amigos e aliados disfarçados como soldados em um navio da Nação do Fogo, preparando para invadir a capital da Nação do Fogo durante o eclipse solar.[ep 16] A invasão é, no início, bem sucedida;[ep 17] porém, Aang e seus amigos não conseguem encontrar Ozai, que sabia da invasão, e são forçados a se retirar.[ep 18] Zuko fica sabendo da intenção de seu pai em destruir o Reino da Terra durante o retorno do Cometa de Sozin;[ep 19] ele começa a se arrepender de sua decisão, e abandona sua nação para juntar-se a Aang e ensiná-lo a dominar o fogo.[ep 18] Com o cometa chegando, Aang, um pacifista, tem que lidar com a possibilidade de ter que matar o Senhor do Fogo para acabar com a guerra.[ep 19] Enquanto ele, em isolamento, consulta os espíritos de seus antecessores por conselhos, Katara e os outros encontram Iroh, que está liderando uma sociedade secreta chamada Ordem do Lótus Branco para liberar Ba Sing Se.[ep 20] Sokka, Toph e a guerreira Suki atacam as aeronaves da Nação do Fogo, enquanto Zuko e Katara confrontam Azula para impedir que ela se torne a nova Senhora do Fogo.[ep 21] Quando o cometa chega, Aang enfrenta Ozai, mas não consegue vencê-lo até que Ozai acidentalmente restabelece a conexão de Aang com o Estado de Avatar. Com um novo poder que lhe foi ensinado, Aang tira a dominação de fogo de Ozai. Zuko é coroado Senhor do Fogo e declara um armistício, finalmente estabelecendo a paz no mundo.[ep 22]

Episódios[editar | editar código-fonte]

A série é composta por sessenta e um episódios. O primeiro episódio — um especial de uma hora — foi ao ar em 21 de fevereiro de 2005, no canal Nickelodeon.[6] A série foi concluída com um filme televisivo de duas horas, transmitido em 19 de julho de 2008.[7] Cada temporada da série é referida como um "livro", no qual cada episódio é referido como um "capítulo". Cada livro tem como título um dos elementos que o protagonista Aang precisa dominar: Água, Terra e Fogo.[6] As primeiras duas temporadas são compostas por 20 episódios cada, enquanto a terceira é composta por 21 episódios. A série inteira foi lançada em DVD nas regiões 1, 2 e 4.[8] Em 5 de junho de 2018, a série completa foi lançada em Blu-ray, servindo também de homenagem ao 10º aniversário do episódio final da 3ª temporada.[9]

TemporadaLivroEpisódiosOriginalmente exibido
Estreia da temporada Final da temporada
1Livro Um: Água2021 de fevereiro de 2005 (2005-02-21)2 de dezembro de 2005 (2005-12-02)
2Livro Dois: Terra2017 de março de 2006 (2006-03-17)1 de dezembro de 2006 (2006-12-01)
3Livro Três: Fogo2121 de setembro de 2007 (2007-09-21)19 de julho de 2008 (2008-07-19)

Elenco principal[editar | editar código-fonte]

Dublagem[editar | editar código-fonte]

A dublagem brasileira foi feita por dois estúdios diferentes: Sincrovídeo, para a 1ª e 2ª temporadas;[11] e Som de Vera Cruz, para a 3ª temporada.[16] No Sincrovídeo, a direção de dublagem foi feita por Luís Manuel, que também deu voz ao personagem de Jato, entre outros.[11] No Som de Vera Cruz, Ettore Zuim dirigiu o projeto, dando voz ao Senhor do Fogo Ozai desde então.[11]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Concepção e produção[editar | editar código-fonte]

Michael DiMartino sorrindo.
Bryan Konietzko, também sorrindo
Michael DiMartino (esquerda) e Bryan Konietzko (direita), os co-criadores da série.

Avatar: A Lenda de Aang foi co-criada e produzida por Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko na Nickelodeon Animation Studios em Burbank, California. A animação da série foi majoritariamente feita pelos estúdios sul-coreanos JM Animation, DR Movie, e MOI Animation. De acordo com Konietzko, a série fora concebida no início de 2001, quando ele tomara um desenho rascunho de um homem calvo de meia-idade e então o imaginou como uma criança. Ele desenhou o personagem pastoreando bisões no céu e mostrou o rascunho para DiMartino, que estava assistindo a um documentário sobre exploradores presos no Polo Sul. Konietzko descreveu o desenvolvimento preliminar do conceito pelos dois; "Há um cara do ar junto com essas pessoas da água presos em um deserto de neve;... e talvez algumas pessoas do fogo estejam oprimindo eles".[17] Duas semanas depois, os co-criadores tiveram sucesso em lançar a ideia para o vice-presidente da Nickelodeon e produtor executivo Eric Coleman.[18]

A série foi introduzida ao público em um teaser na San Diego Comic-Con de 2004,[19] e estreou em 21 de fevereiro de 2005.[20]

Em uma entrevista, Konietzko disse: "Mike e eu estávamos realmente interessados em outras propriedades épicas do tipo 'Lenda & Folclore', como Harry Potter e O Senhor dos Anéis, mas nós sabíamos que nós queríamos tomar uma abordagem diferente para esse tipo de gênero. Nosso amor por anime japonês, ação hong-konguesa e cinema de kung fu, ioga, e filosofias orientais levaram-nos à inspiração inicial para Avatar: A Lenda de Aang."[21]

Influências[editar | editar código-fonte]

Locais fictícios presentes na animação são baseados na arquitetura e no design de locais reais. Por exemplo, os criadores usaram como modelo para a cidade de Ba Sing Se a Cidade Proibida, na China.

A série é notável por empregar, de forma extensiva, a arte e a mitologia do leste asiático, integrando-a em conceitos de seu próprio universo. Seus criadores contrataram os consultores culturais Edwin Zane e o calígrafo Siu-Leung Lee para ajudar a determinar a direção artística e a ambientação do projeto.[22][23] O design dos personagens foi influenciado pela arte e pela história chinesas, pelo Hinduísmo, por Taoismo e Budismo, e por ioga.[24][22] Jeremy Zuckerman e Benjamin Wynn compuseram a música e o som da série; eles experimentara com uma grande gama de instrumentos, incluindo guzheng, pipa, e duduk, para estar em consonância com o ambiente asiaticamente influenciado do programa.[25] O estilo artístico dos lugares fictícios usado na série é baseado em locais reais na Ásia. Sítios como a Cidade Proibida[26] e a Grande Muralha da China[27] em Beijing serviram de inspiração para a capital do Reino da Terra, Ba Sing Se, enquanto que os ambientes da Tribo da Água foram baseados nas culturas dos Inuítes e dos Sireniki,[28] sendo que os produtores dizem terem sido inspirados também pelo filme Atanarjuat de 2001.[29] De acordo com o roteirista Aaron Ehasz, os designs preliminares da Nação do Fogo foram baseados na cultura japonesa. Para evitar acidentalmente fazer pronunciamentos amplos, eles redesenharam muitos ambientes e povos para serem mais "amplamente inspirados".[28] Para o design final, os criadores utilizaram um estilo mais próximo do chinês para roupas e arquitetura da Nação do Fogo. Por exemplo, o Templo dos Sábios do Fogo foi baseado na Torre do Grou Amarelo, já que os elementos arquitetônicos similares a chamas foram uma inspiração perfeita para a arquitetura da Nação do Fogo, segundo os criadores.[30]

Os estilos de luta empregados pelos personagens são derivados das artes marciais chinesas, para os quais os criadores contrataram Sifu Kisu, da Harmonious Fist Chinese Athletic Association, como consultor.[31] Cada estilo de luta é único para os "dominadores" que os usam ou para personagens que estão associados a um elemento particular. Por exemplo, praticantes da "dominação de água" utilizam movimentos influenciados por T'ai chi ch'uan e focam-se em alinhamento, estrutura corporal, respiração, e visualização. Hung Gar foi a inspiração para os usuários da "dominação da terra", e foi escolhido pela suas bases firmemente posicionadas e poderosos golpes, servindo como uma representação da solidez da terra. O Shaolin do Norte, que usa movimentos fortes de braços e pernas, foi escolhido para representar a "dominação de fogo". Baguazhang, que utiliza movimentos circulares dinâmicos e mudanças rápidas de direção, foi usado para a "dominação de ar".[32] O estilo Tang Lang Quan do Sul pode ser observado na prática da dominadora de terra Toph, que desenvolve um estilo único de luta devido à sua cegueira.[33] O cinema asiático influenciou a apresentação desses movimentos de dominação arte-marcialistas.[17]

Temáticas[editar | editar código-fonte]

A série explora muitos conceitos raramente tocados em programas de televisão para crianças ocidentais,[28] incluindo problemas relacionados a guerra, genocídio, e imperialismo, discriminação de gênero e empoderamento feminino, marginalização e opressão, e as questões filosóficas que cercam o conceito de destino.

O programa é ambientado durante um período em que o mundo inteiro está consumido em uma guerra imperialística iniciada pela Nação do Fogo. Enquanto a guerra serve como um constante plano de fundo, a história mostra seus efeitos através da perspectiva de pessoas comuns — dos oprimidos cidadãos do Reino da Terra até as crianças da Nação do Fogo que sofrem lavagem cerebral com propaganda de guerra em suas escolas — para mostrar como a guerra faz vítimas de todos os envolvidos.[28] E, apesar da Nação do Fogo ser apresentada como o perpetuador primário da violência, a série também mostra a desigualdade sistemática da qual sofrem os habitantes da cidade de Ba Sing Se, capital do Reino da Terra, assim como mostra as atividades nefastas da polícia secreta da cidade. Essas situações mostram a natureza corruptiva do poder e as nuances do bem e do mal.[28] A animação introduz os telespectadores a genocídio no início da história, quando o protagonista Aang visita seu antigo lar no Templo do Ar do Sul. Ao chegar no local, ele descobre que seu povo foi massacrado, permitindo que ele demonstre uma grande gama de emoções, de raiva a perda.[34]

O personagem Zuko e sua relação como seu pai e seu tio Iroh é o principal arco de redenção da série, e representa a mensagem de que o destino não está ligado ou fixado por outras pessoas, mas pode sim ser mudado.[35] Na primeira temporada, ele luta para conformar-se como o destino e o caminho determinados pelo seu pai,[28] mas Iroh provoca-o, perguntando, "quem é você, o quê você quer?"[36] O programa também apresenta um diverso elenco de personagens para abordar o tema da marginalização. Por exemplo, ao introduzir uma personagem cega como Toph e um garoto paraplégico como Teo, a animação exemplifica personagens com deficiências superando suas limitações físicas e sociais.[28] Isso também é verdade no que se refere às personagens femininas da série. Como exemplo, a protagonista feminina Katara enfrenta sexismo sistemático quando ela chega na Tribo da Água do Norte para aprender a dominação de água. Em outra circunstância, o seu irmão Sokka é inicialmente desdenhoso do grupo feminino da Guerreiras de Kyoshi, mas aprende a respeitar e a apreciar as habilidades delas.[28] De acordo com Kirk Hamilton do blog Kotaku, "essas temáticas representam a mensagem da série de que é mais importante ser você mesmo do que se conformar com os papéis que a sociedade espera que você assuma."[36]

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Livros e quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Várias livros baseados na série foram publicadas. A Dark Horse Comics publicou um livro de arte com o título Avatar: The Last Airbender – The Art of the Animated Series em 2 de junho de 2010, com 184 páginas de arte original da série.[37] Várias histórias curtas em quadrinhos foram publicadas na Nickelodeon Magazine, e a Dark Horse publicou Avatar: The Last Airbender – The Lost Adventures — uma coleção dessas e de novas histórias — em 15 de junho de 2011.[38]

A Dark Horse publicou uma série de histórias em quadrinhos escritas por Gene Luen Yang que continuam a história de Aang depois da Guerra dos Cem Anos. A história Avatar: The Last Airbender – The Promise, publicada em três volumes em 2012, explora o destino das colônias da Nação do Fogo, que se tornam a República Unida das Nações em The Legend of Korra. Um segundo conjunto de três livros, Avatar: The Last Airbender – The Search, foca em Zuko e Azula, e o destino de sua mãe Ursa.[39] O terceiro conjunto, Avatar: The Last Airbender – The Rift, muda o foco para Aang, a criação de Cidade República, e a relação de Toph com sua família.[40] The Rift foi seguida por Avatar: The Last Airbender – Smoke and Shadow, história sobre uma força de resistência na Nação de Fogo contra o Senhor do Fogo Zuko, que assumiu o trono no final da série animada original.[41] A quinta história em quadrinhos foi Avatar: The Last Airbender – North and South, que acompanha os eventos de Smoke and Shadow e é sobre Katara e Sokka retornando à Tribo da Água do Sul, encontrando várias mudanças em seu velho lar.[42] Gene Luen Yang recebeu o prêmio Eisner de Melhor Escritor pelo trabalho feito nas revistas da franquia.[43] A próxima história é intitulada Imbalance e foi lançada em outubro de 2018. A série explora o conflito emergente entre dominadores e não-dominadores, que se tornará o conflito central na primeira temporada da sequência Legend of Korra. Diferentemente das cinco primeiras histórias, ela não é escrita por Gene Yang.[44]

Uma série de duas partes do tipo literatura Young Adults que tem como foco a Avatar Kyoshi, foi escrita por F. C. Yee e publicada por Abrams Children's Books. O primeiro livro, Avatar the Last Airbender: The Rise of Kyoshi, foi lançada em julho de 2019.[45]

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

Uma trilogia de jogos eletrônicos baseados na série foi lançada. O primeiro, Avatar: The Last Airbender, foi lançado em 10 de outubro de 2006;[46] o segundo, Avatar: The Last Airbender – The Burning Earth foi lançado em 16 de outubro de 2007;[47] e o terceiro, Avatar: The Last Airbender – Into the Inferno, foi lançado em 13 de outubro de 2008.[48] Avatar: Legends of the Arena, um MMORPG para Microsoft Windows, foi lançado em 15 de setembro de 2008, pela Nickelodeon. Cada usuário pode criar o seu próprio personagem e interagir com outros jogadores ao redor do mundo.[49] Avatar: The Last Airbender foi o jogo da THQ associado à Nickelodeon com as melhores vendas em 2006 e um dos maiores hits da CEA da Sony.[50]

Filme[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Last Airbender

A primeira temporada da série foi a base para o filme live-action The Last Airbender (O Último Mestre do Ar, no Brasil; O Último Airbender, em Portugal), de 2010, que foi escrito e dirigido por M. Night Shyamalan. Pretendia-se que ele fosse o primeiro em uma trilogia de filmes, cada qual baseado em uma das temporadas do programa de televisão. O filme foi universalmente criticado pelo seu roteiro, sua atuação, seu elenco embranquecido, e pela direção de Shyamalan; ele conquistou uma aprovação de 6% da crítica no website Rotten Tomatoes, assim como cinco prêmios na 31ª edição do Framboesa de Ouro, incluindo o de pior filme.[51][52][53][54] Apesar do título do filme ter sido originalmente escolhido como sendo igual ao da série de televisão, o título The Last Airbender foi usado porque os produtores temiam que o filme fosse confundido com o filme Avatar, de James Cameron.[55] The Last Airbender estrela Noah Ringer como Aang, Nicola Peltz como Katara, Jackson Rathbone como Sokka, Dev Patel como Zuko, e Shaun Toub como Iroh.[51]

Sequência[editar | editar código-fonte]

Painel na San Diego Comic-Con de 2012 com o elenco de The Legend of Korra
Ver artigo principal: A Lenda de Korra

A Lenda de Korra (The Legend of Korra, em inglês), uma série sequência de Avatar: The Last Airbender, estreou na Nickelodeon em 14 de abril de 2012.[56] Ela foi escrita e produzida por Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, os criadores e produtores da série original.[57] O programa foi inicialmente intitulado Avatar: Legend of Korra, depois The Last Airbender: Legend of Korra; os eventos da série transcorrem setenta anos após o fim de Avatar: A Lenda de Aang.[58] A protagonista da série é Korra, uma mulher de 17 anos da Tribo da Água do Sul que é a nova incarnação do Avatar, decorrente da morte de Aang.[56]

Remake live-action[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2018, a Netflix anunciou que um remake live-action "reimaginado" de Avatar começaria a ser produzido a partir de 2019. Os criadores originais da série, DiMartino e Konietzko, serão produtores executivos e showrunners.[4] Eles disseram que pretendem adaptar a série "com um elenco culturalmente apropriado, sem embranquecimento".[59] Jeremy Zuckerman, que compôs a música para o programa original, também retornará para compôr a música do remake.[60] O lançamento da série está marcado para 2020.[61]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, Avatar: A Lenda de Aang foi a série animada de televisão com maior audiência em seu grupo demográfico durante a estreia do programa;[62] em média, 3,1 milhões de telespectadores assistiram a cada episódio novo.[62] O episódio com maior audiência atingiu 5,6 milhões de telespectadores, indicando o fato de que a série era uma parte altamente assistida do bloco Nicktoons, cujo público-alvo estava na faixa de 6 a 11 anos de idade.[63][64] Um especial de uma hora, intitulado O Segredo da Nação do Fogo (em inglês, The Secret of the Fire Nation), consistindo dos episódios "A Passagem da Serpente" ("The Serpent's Pass") e "A Broca" ("The Drill"), foi ao ar em 15 de setembro de 2006, atraindo 5,1 milhões de telespectadores. De acordo com a Nielsen Media Research, o especial foi o programa de televisão a cabo com a maior audiência naquela semana.[65] Em 2007, Avatar: A Lenda de Aang foi distribuída para mais de 105 países e foi um dos programas com maior audiência da Nickelodeon. A série foi ranqueada como o programa mais assistido da emissora na Alemanha, Indonésia, Malásia, Países Baixos, Bélgica e Colômbia.[66]

O episódio final de quatro partes, "O Cometa de Sozin", teve a maior audiência da série. Na primeira vez que foi ao ar, teve uma média de 5,6 milhões de telespectadores, 95% a mais do que a Nickelodeon tinha em meados de julho de 2007.[67] Durante a semana de 14 de julho, foi o programa mais visto por jovens com menos de 14 anos.[68][69] A popularidade do episódio final foi refletida na mídia online; Rise of the Phoenix King, um jogo online do website Nick.com baseado no "O Cometa de Sozin", foi jogado quase 815 mil vezes em três dias.[70] O website IGN colocou a série na 35ª posição em sua lista dos 100 melhores programas de televisão.[71]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Avatar: A Lenda de Aang recebeu a aclamação da crítica. Max Nicholson do website IGN denominou a série como uma "necessária para assistir" e descreveu-a como "uma das melhores séries de animação de todos os tempos".[72] Nick Hartel do DVD Talk classificou a série como extraordinária, "um programa para crianças" cujo legado "deve perdurar pelos próximos anos".[35] Erik Amaya da Bleeding Cool descreveu a série como "impressionante em sua sofisticação" e "fantástica".[73] Henry Glasheen da SLUG Magazine chamou a série de "aventureira e empolgante", um "clássico" e por vezes tocante.[74] De acordo com Brittany Lovely do Hypable, a série conta histórias "complexas e bonitas".[75] Joe Corey do Inside Pulse descreveu a animação como um híbrido de anime e ação.[76] Chris Mitchell do Popzara classificou-a como um dos melhores programas a passar na Nickelodeon, elogiando a música de fundo e a atuação de voz.[77] D. F. Smith da IGN recomendou-a para telespectadores que gostem de animações com ação e aventura.[78]

Rob Keyes do Screen Rant também denominou a série como "uma das melhores animações já feitas".[79] Mike Noyes do Inside Pulse recomendou a obra a pessoas que curtem uma "grande" aventura.[80] Gord Lacey do website TVShowsonDVD.com chamou a série de "um dos melhores programas de animação de todos os tempos".[81] Na opinião de Todd Douglass, Jr. do DVD Talk, adultos gostarão da série tanto quanto as crianças.[82] Joshua Miller do CHUD.com adjetivou-a como "fenomenal" e "um dos programas mais bem animados (para crianças ou adultos) que a TV norte-americana já teve"; segundo Miller, a série é fortemente influenciada por anime.[83] Tim Janson do Cinefantastique descreveu-a como "um dos programas animados mais cativantes já produzidos".[84] Dennis Amith do J!ENT classificou-a "uma das melhores séries de televisão animadas exibidas nos EUA por criadores americanos". Amith elogiou o seu enredo sofisticado, suspense, humor, e sua ação.[85] Franco "Cricket" Te da Nerd Society descreveu Avatar: A Lenda de Aang como "uma das melhores animações" que ele já viu, recomendando-a pelos seus personagens e seu enredo.[86] Scott Thill do Wired denominou a série como engajadora e sua ambientação, influenciada pelo mundo Oriental, como "fantástica".[87] Kirk Hamilton do Kotaku disse que a série deveria fazer parte da Era de Ouro da Televisão, e recomendou "o programa de crianças sofisticado" para outros.[36]

A escrita e a temática do programa foram amplamente elogiados pela crítica. Michael S. Mammano do Den of Geek classificou o enredo como sendo "espertamente escrito" e elogiou a animação.[88] Nicole Clark, escrevendo pelo Vice News, afirmou que a profundidade narrativa do programa é a sua maior virtude, e elogiou a "autenticidade emocional" da história e como ela "expõe telespectadores bem jovens a assuntos mais sombrios, como genocídio e autoritarismo, enquanto dá um escopo para entender esses problemas."[28] Jenifer Rosenberg da ComicMix gostou da ênfase do programa em família, amigos, comunidade, e educação.[89] Segundo Nick Hartel, a série toca em assuntos de "genocídio e auto-questionamento" sem assustar crianças mais jovens; personagens tumultuados sofrem redenção, o que manda uma mensagem importante de que as pessoas podem mudar e não estão ligadas a um "destino".[35] Chris Mitchell adjetivou a trama de "fantástica".[77] D. F. Smith comparou o enredo da série a animações japonesas de ação, chamando seu tom e diálogo de "muito americano" e elogiando o humor que levava a um tema épico e dramático, adequado para todas as idades.[78] Rob Keyes também elogiou o humor e o enredo afetante da série: "Vai capturar seus corações".[79]

De acordo com Mike Noyes, a série é uma amálgama de "clássicos épicos de fantasia".[80] Todd Douglass, Jr. denominou a trama como engajadora, bem planejada, e significativa. O conceito da série é "bem realizado", com uma história consistente. Douglass escreveu que os personagens "[têm] um senso real de progressão", e elogiou os roteiristas pelo seu humor, drama, e sua emoção.[82] Joshua Miller afirmou que a série é surpreendentemente sombria apesar de seu tema "bobo"; a trama é mais viva que a do programa Lost e, de forma similar ao último, enfatiza o desenvolvimento dos personagens. Segundo Miller, a sua escrita é de um "nível verdadeiramente adulto de contar histórias".[83] Tim Janson descreveu a série como mais do que somente tematizada em fantasia e super-heróis, percebendo os personagens como centrais e relacionáveis.[84] "Cricket" Te elogiou o uso de filosofias budistas pelo programa e a diversa apresentação de sua temática de coragem e vida.[86] Kirk Hamiltion elogiou a série por expressar à sua audiência a importância de ser você mesmo e também pelo seu silencioso progressismo.[36]

Da esquerda para direita, Bryan Konietzko, Michael Dante DiMartino, e Aaron Ehasz no Annual Peabody Awards, em Nova Iorque, em 18 de maio de 2009.

Os críticos também elogiaram Avatar: A Lenda de Aang pelo seu desenvolvimento de personagens, além de sua arte, animação, e coreografia; Eric Amaya gostou da animação expressiva que complementa o roteiro. Na opinião de Amaya, certos elementos foram influenciados por Hayao Miyazaki.[73] Todd Douglass, Jr. chamou o desenvolvimento de personagens de interessante,[82] enquanto Nicole Clark escreveu que o programa "conseguiu fazer aquilo que muito poucos programas conseguiram fazer até hoje: juntar um elenco de personagens que mostra o mundo como ele é, com uma variedade de identidades e experiências."[28] Jenifer Rosenburg elogiou a representação dos personagens femininos como "forte, responsáveis, [e] inteligentes".[89] Na opinião de Joshua Miller, o uso da dominação de elementos pelos personagens que o fazem para atividades cotidianas traz "profundidade e credibilidade" ao mundo de Avatar. Miller adjetivou os designs de personagens como "ricos e imersivos", com cada nação possuindo uma aparência própria e distinta. Elogiou também as cenas de ação como "bem renderizadas", comparando o desenvolvimento do mundo de Avatar ao do mundo de O Senhor dos Anéis, e também destacando as coreografias de luta como "maravilhosa[s] em seus mais pequenos detalhes".[83] D. F. Smith gostou dos planos de fundo meticulosamente desenhados.[78] "Cricket" Te elogiou a paleta de cores de cada episódio e a combinação da coreografia de artes marciais e magia.[86] Nick Hartel criticou a animação, apesar de ele tê-la achado uma melhora em relação a outros programas da Nickelodeon.[35] Chris Mitchell adjetivou a animação de fluida.[77] "Cricket" Te concordou, notando a sua influência em mangás.[86] Na visão de Brittany Lovely, personagens "não-dominadores" são "ofuscados" em batalha pela contrapartida dos dominadores.[75] Joe Corey chamou a ação e os ambientes da animação de uma "grande façanha",[76] e Rob Keyes elogiou a coreografia de luta da série.[79] Segundo Kirk Hamilton, as sequências de ação são fantásticas enquanto continuam apropriadas para crianças e empolgantes.[36]

Legado[editar | editar código-fonte]

Avatar: A Lenda de Aang teve um grande impacto em como canais de televisão passaram a perceber desenhos animados, com subsequentes programas para crianças embaçando a linha divisória entre para crianças e adultos.[90] O programa da Netflix The Dragon Prince — co-criado e escrito por Aaron Ehasz —, em particular, é fortemente influenciado por A Lenda de Aang, e também estrela Jack DeSena.[91][92]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Nomeação para Resultado
2005 Pulcinella Awards Melhor Série de Televisão de Aventura/Ação Avatar: The Last Airbender Venceu[93]
Melhor Série de Televisão Avatar: The Last Airbender Venceu[93]
2006 33º Annie Awards Melhor Animação Produzida para a Televisão Avatar: The Last Airbender Indicado[94]
Melhor Storyboard em uma Animação para a Televisão Lauren MacMullan por "O Desertor" Venceu[94]
Melhor Roteiro de Animação Produzida para a Televisão Aaron Ehasz e John O'Bryan por "A Adivinha" Indicado[94]
2007 Nickelodeon Australian Kids' Choice Awards 2007 Desenho Favorito Avatar: The Last Airbender Indicado[95]
34º Annie Awards Melhor Animação de Personagens em uma Produção para a Televisão Yu Jae Myung por "A Bandida Cega" Venceu[96]
Melhor Direção em uma Produção Animada para a Televisão Giancarlo Volpe por "A Broca" Venceu[96]
Genesis Awards Melhor Trabalho em Programa para Crianças "Os Dias Perdidos do Appa" Venceu[97]
59.ª Edição Anual dos Prémios Emmy do Primetime Melhor Programa de Animação "A Cidade de Muros e Segredos" Indicado[98]
Prêmio de Realização Individual em Animação Sang-Jin Kim por "Lago Laogai" Venceu[99]
2008 Kids' Choice Awards 2008 Desenho Favorito Avatar: The Last Airbender Venceu[100]
Festival de Cinema de Animação de Annecy Série de Televisão Joaquim Dos Santos por "O Dia do Sol Negro, 2ª Parte: O Eclipse" Indicado[101]
Prêmio Peabody Mostra não usual de personagens complexos e responsáveis Avatar: The Last Airbender Venceu[102]
13º Prêmios Satellite Melhor DVD Infantil Livro 3: Fogo, Volume 4 Indicado[103]
2009 36º Annie Awards Melhor Produção Animada de Televisão para Crianças Avatar: The Last Airbender Venceu[104]
Melhor Direção em uma Produção Animada para a Televisão Joaquim Dos Santos por "O Cometa de Sozin, 3ª parte: Para o Inferno" Venceu[104]
Golden Reel Awards Melhor Edição de Som: Animação para Televisão "O Cometa de Sozin, 4ª parte: O Avatar Aang" Indicado[105]
Nickelodeon Australian Kids' Choice Awards 2009 Desenho Favorito Avatar: The Last Airbender Venceu[106]
2010 Nickelodeon Australian Kids' Choice Awards 2010 Melhor Desenho Avatar: The Last Airbender Indicado[107]

Notas

  1. Na dublagem brasileira, o programa alterna a tradução do termo canônico em inglês bending — que significa literalmente "dobramento" em português[3] — como sendo dominação ou dobra, acarretando a tradução de benders como dominadores ou dobradores. Por consistência e concisão na leitura, este artigo utilizará dominação como sendo a tradução do termo.

Referências

  1. Marco Aurélio Canônico (23 de setembro de 2005). «"Avatar" é resposta dos EUA a desenho oriental». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de setembro de 2019 
  2. a b c «Avatar: A Lenda de Aang (TV Series 2005-2008)». IMDb. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  3. Linguee Dicionário
  4. a b «Avatar: The Last Airbender creators return for live-action Netflix remake». Polygon. Consultado em 18 de setembro de 2018 
  5. «Avatar - A Lenda de Aang». Netflix. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  6. a b «The Boy in the Iceberg». Avatar: The Last Airbender. IGN. 21 de fevereiro de 2005. Consultado em 21 de julho de 2008. Arquivado do original em 24 de julho de 2013 
  7. «Sozin's Comet». Avatar: The Last Airbender. TV Guide. Consultado em 21 de julho de 2008. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2013 
  8. «Avatar: The Last Airbender on DVD». TVShowsOnDVD.com. 24 de fevereiro de 2005. Consultado em 28 de outubro de 2008. Arquivado do original em 17 de outubro de 2008 
  9. «Avatar: The Last Airbender Complete Series Coming to Blu-Ray This Summer». Consultado em 23 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2018 
  10. a b c d e f g «Avatar: A Lenda de Aang - Full Cast & Crew». IMDb. Consultado em 28 de agosto de 2019 
  11. a b c d e f g h i «Avatar: A Lenda de Aang (Avatar: The Last Airbender)». Dublanet 
  12. a b c d e f «Mundo Avatar - Dubladores (cópia arquivada)». Mundo Avatar. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  13. a b c d e «Dobragem». Avatar Portugal. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  14. «Morre Caio César, dublador do Harry Potter [ATUALIZADO]». Omelete. 30 de setembro de 2015. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  15. «Dublador de Harry Potter morre aos 27 anos em confronto policial no Rio». Veja SP. 30 de setembro de 2015 
  16. «Dublagem: saiba a origem, chegada ao Brasil e como é feito esse trabalho». ei nerd!. 24 de setembro de 2019. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  17. a b DiMartino, Michael Dante; Konietzko, Bryan (2006). «In Their Elements». Nickelodeon Magazine (Winter 2006). 6 páginas 
  18. Clark, Craig J. (17 de outubro de 2007). «It's Elementary – Avatar: The Last Airbender». Animation World Magazine, Inc. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2008 
  19. Baisley, Sarah (9 de setembro de 2004). «Comic-Con International 2004 Report». Animation World Network. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  20. Baisley, Sarah (18 de fevereiro de 2005). «Nick Premieres Avatar in Hour Special Feb. 21» (em inglês). Animation World Network. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2017 
  21. «IGN: Interview: Avatar's Bryan Konietzko and Michael Dante DiMartino». IGN. 6 de setembro de 2007. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2007 
  22. a b Mark Lasswell (25 de agosto de 2005). «Kung Fu Fightin' Anime Stars, Bo» (em inglês). The New York Times. Consultado em 2 de dezembro de 2006 
  23. «Edwin Zane — Filmography». New York Times. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2009 
  24. «Interview With The Creators». NickSplat.com. 12 de outubro de 2005. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2007 
  25. «Interview with The Track Team». SoundtrackNet. Consultado em 20 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2012 
  26. DiMartino & Konietzko 2010, p. 120
  27. DiMartino & Konietzko 2010, p. 108
  28. a b c d e f g h i j Clark, Nicole (20 de julho de 2018). «'Avatar: The Last Airbender' Is Still One of the Greatest Shows of All Time». Vice News. Consultado em 28 de julho de 2018 
  29. DiMartino & Konietzko 2010, p. 42
  30. DiMartino & Konietzko 2010, p. 52
  31. «The National Shaolin Information Resource». The Harmonious Fist Chinese Athletic Association. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2006 
  32. Sifu Kisu. Creating the Legend. Nickelodeon 
  33. «Audience Questions and Answer Part 2 at the San Diego Comi-con 2006». Flaming June. Consultado em 7 de maio de 2008. Arquivado do original (WMV) em 14 de abril de 2008 
  34. Childs, Hayden (7 de junho de 2011). «Avatar: The Last Airbender: "The Southern Air Temple"/"The Warriors Of Kyoshi"». The A.V. Club. Consultado em 28 de julho de 2018 
  35. a b c d Hartel, Nick (23 de novembro de 2015). «Avatar: The Last Airbender (The Complete Series)». DVD Talk. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2008 
  36. a b c d e Hamilton, Kirk (28 de fevereiro de 2017). «Avatar: The Last Airbender Is One Of The Greatest TV Shows Of All Time». Kotaku (em inglês). Cópia arquivada em 31 de julho de 2017 
  37. «Avatar: The Last Airbender — The Art of the Animated Series :: Profile :: Dark Horse Comics». Dark Horse Comics. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2012 
  38. «Avatar: The Last Airbender — The Lost Adventures :: Profile :: Dark Horse Comics». Dark Horse Comics. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2012 
  39. Sunu, Steve (25 de junho de 2012). «EXCLUSIVE: Yang Continues "Avatar: The Last Airbender" in "The Search"». Comic Book Resources. Cópia arquivada em 27 de junho de 2012 
  40. Phegley, Kiel (24 de julho de 2013). «SDCC EXCLUSIVE: Yang Takes "Avatar: The Last Airbender" To "The Rift"». Comic Book Resources. Comic Book Resources. Consultado em 29 de julho de 2014. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2014 
  41. «Avatar: The Last Airbender — Smoke and Shadow (Part Three)». Dark Horse Comics. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  42. Gerding, Stephen. «New "Avatar: The Last Airbender" Graphic Novel Series Debuts in 2016». Comic Book Resources. Consultado em 19 de fevereiro de 2016 
  43. Comic-Con: Conheça os vencedores do prêmio Eisner, o Oscar dos Quadrinhos
  44. «Dark Horse announces new 'Avatar: The Last Airbender' comics». EW.com (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2018 
  45. Canfield, David (29 de agosto de 2018). «Avatar: The Last Airbender universe to expand with new novels». Entertainment Weekly. Consultado em 6 de setembro de 2018 
  46. «Avatar: The Last Airbender». GameSpot. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2007 
  47. «Avatar: The Last Airbender - The Burning Earth». GameSpot. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2017 
  48. «Avatar: The Last Airbender - Into the Inferno». GameSpot. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2007 
  49. «Nickelodeon Launching Avatar MMORPG Worldwide In September». Worlds in Motion. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2008 
  50. Jose Liz (19 de julho de 2007). «THQ's Avatar Now Available for $20». Arquivado do original em 27 de agosto de 2007 
  51. a b Mahajan, Mradula (30 de setembro de 2015). «'Avatar: The Last Airbender' Sequel Update: Trilogy In Making; M. Night Shyamalan To Not Repeat Mistakes of Failed Adaptation!». Consultado em 11 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 5 de outubro de 2015 
  52. «The Last Airbender» (em inglês). Rotten Tomatoes. Arquivado do original em 30 de agosto de 2017 
  53. «Razzie Awards: 'The Last Airbender' earns Worst Picture, Director, and 'Eye-Gouging Misuse of 3-D'». Entertainment Weekly (em inglês). 26 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 2 de março de 2017 
  54. Bryan Lufkin (27 de fevereiro de 2011). «Razzies on-the-scene: M. Night Shyamalan 'wins' big at last night's camp-fest» (em inglês). EW.com. Consultado em 2 de novembro de 2011 
  55. Stephenson, Hunter (15 de abril de 2008). «M. Night Shyamalan's The Last Airbender Gets Release Date, Director Update, "Avatar" Dropped From Title». /Film. Arquivado do original em 1 de setembro de 2017 
  56. a b «Nick Press The Legend of Korra press release» (PDF). Nick Press. 15 de março de 2012. Arquivado do original (PDF) em 28 de setembro de 2013 
  57. Liu, Ed (19 de abril de 2010). «Nickelodeon Studios Staffing Up for New "Avatar the Last Airbender" Project». Toon Zone LLC. Arquivado do original em 19 de abril de 2014 
  58. «Animation News Discussion Cartoon Community – toonzone news». Toonzone.net. Arquivado do original em 5 de agosto de 2010 
  59. Otterson, Joe (18 de setembro de 2018). «'Avatar: The Last Airbender' Live-Action Series Set at Netflix». Variety. Consultado em 18 de setembro de 2018 
  60. Jacobs, Mira (21 de setembro de 2018). «Netflix's Avatar: The Last Airbender Adds Another Name From Animated Series». CBR (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2018 
  61. «Avatar The Last Airbender». Netflix. Consultado em 28 de setembro de 2018 
  62. a b Bynum, Aaron H. (30 de junho de 2006). «Avatar: Season 3». Animation Insider. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2007 
  63. Kit, Borys (9 de janeiro de 2007). «Element of Shyamalan in "Airbender"». The Hollywood Reporter. Nielsen Business Media, Inc. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2007 
  64. «In Brief: Avatar's Big Finish». TV Guide: 12. 18–24 de dezembro de 2006 
  65. Bynum, Aaron H. (20 de setembro de 2006). «Secret of the Fire Nation Ratings». Animation Insider. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2012 
  66. «Aang Is Ready to Strike Down the Fire Nation on the Darkest Day of the Year in Avatar's "Day of Black Sun" Premiering Friday, Nov. 30 on Nickelodeon». Viacom. 14 de novembro de 2007. Arquivado do original em 15 de novembro de 2007 
  67. Gray, Alan (22 de julho de 2008). «Nickelodeon's Avatar: The Last Airbender Hits All-Time Series High». News Blaze. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2017 
  68. Diaz, Glenn L. «19 Million Tuned in for Special "Avatar" Week». Buddytv.com. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2008 
  69. Luna, Kyle. «Nick's "AVATAR" Animation Series Finale Scores Big Ratings». Animationinsider.net. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2009 
  70. Ball, Ryan (23 de julho de 2008). «Nick's Avatar Hits Ratings High». Animation Magazine. Cópia arquivada em 28 de julho de 2008 
  71. «IGN – 35: Avatar: The Last Airbender». Tv.ign.com. Arquivado do original em 24 de julho de 2013 
  72. Nicholson, Max (5 de outubro de 2015). «Avatar: The Last Airbender - The Complete Series DVD Review» (em inglês). IGN. Cópia arquivada em 9 de julho de 2017 
  73. a b Amaya, Erik (6 de outubro de 2015). «Avatar: The Last Airbender The Complete Series Continues To Impress - A Review - Bleeding Cool News And Rumors» (em inglês). Bleeding Cool. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2016 
  74. Glasheen, Henry (31 de outubro de 2015). «Review: Avatar: The Last Airbender – The Complete Series – SLUG Magazine» (em inglês). SLUG Magazine. Cópia arquivada em 28 de junho de 2015 
  75. a b Lovely, Brittany (20 de setembro de 2015). «Avatar and Legend of Korra non-benders deserve appreciation». Hypable (em inglês). Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2008 
  76. a b Corey, Joe (12 de outubro de 2015). «DVD Review: Avatar: The Last Airbender (The Complete Series) | Inside Pulse» (em inglês). Inside Pulse. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2017 
  77. a b c Mitchell, Chris (7 de outubro de 2015). «Avatar: The Last Airbender: The Complete Series (DVD) | Popzara Press - The Latest Bits and Bytes!». Popzara Press (em inglês). Cópia arquivada em 15 de março de 2012 
  78. a b c Smith, D. F. (17 de junho de 2010). «Avatar: The Last Airbender - The Complete Book 1 DVD Review». IGN (em inglês). Cópia arquivada em 6 de novembro de 2012 
  79. a b c Keyes, Rob (27 de junho de 2010). «Avatar: The Last Airbender Book 1 Collector's Edition Review» (em inglês). Screen Rant. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2012 
  80. a b Noyes, Mike (16 de junho de 2010). «Avatar: The Last Airbender: The Complete Book 1, Collector's Edition – DVD Review | Inside Pulse» (em inglês). Inside Pulse. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2012 
  81. Lacey, Gord (9 de julho de 2010). «Avatar: The Last Airbender - The Complete Book 1 (Collector's Edition) Review | TVShowsOnDVD.com». TVShowsOnDVD.com. Arquivado do original em 5 de outubro de 2012 
  82. a b c Douglass Jr., Todd (22 de junho de 2010). «Avatar The Last Airbender: The Complete Book 1». DVD Talk. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2015 
  83. a b c Miller, Joshua (13 de setembro de 2010). «DVD Review: Avatar: The Last Airbender - The Complete Book 1 (Collector's Edition)». CHUD.com (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2017. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2010 
  84. a b Janson, Tim (9 de julho de 2010). «Avatar: the Last Airbender Book 1 Collector's Edition DVD Review». cinefantastiqueonline.com (em inglês). Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 
  85. Amith, Dennis (9 de junho de 2010). «Avatar: the Last Airbender: The Complete Book 1 – Collector's Edition (a J!-ENT DVD Review)». j-entonline.com. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2008 
  86. a b c d Te, Franco (22 de junho de 2010). «DVD Review: Avatar: The Last Airbender - The Complete Book 1 (Collector's Edition)». Nerd Society. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2008 
  87. Thill, Scott (22 de junho de 2010). «Bend Our Minds, Win Avatar: The Last Airbender DVD Box». Wired (em inglês). Cópia arquivada em 28 de setembro de 2017 
  88. Mammano, Michael (24 de agosto de 2015). «Avatar: The Last Airbender - The Complete Series Coming». Den of Geek (em inglês). Cópia arquivada em 27 de agosto de 2007 
  89. a b Rosenburg, Jenifer (20 de junho de 2010). «Review: 'Avatar: The Last Airbender: The Complete Book 1 Collector's Edition' | ComicMix» (em inglês). ComicMix. Cópia arquivada em 12 de março de 2016 
  90. «Three Shows That Changed The Way Networks Think About Viewership». Forbes. 4 de novembro de 2013 
  91. «The Dragon Prince is influenced by Avatar: The Last Airbender in the best ways». The Verge. 14 de setembro de 2018 
  92. «5 Reasons Why THE DRAGON PRINCE is the Next AVATAR: THE LAST AIRBENDER». ComicsVerse. 8 de abril de 2019 
  93. a b Ball, Ryan (3 de maio de 2005). «Cartoons on the Bay Picks Winners». Animation Insider. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2007 
  94. a b c «Annie Awards: Legacy – 33rd Annual Annie Awards». International Animated Film Society. 9 de fevereiro de 2005. Arquivado do original em 17 de maio de 2008 
  95. «Kids' Choice Awards '07 Nominees». who.com. 1 de agosto de 2007. Arquivado do original em 22 de agosto de 2007 
  96. a b «Annie Awards: Legacy – 34th Annual Annie Awards». International Animated Film Society. 9 de fevereiro de 2006. Arquivado do original em 9 de maio de 2008 
  97. DeMott, Rick. «Simpsons, Avatar & Happy Feet Big Winners in Genesis Awards». Animation World Network. Cópia arquivada em 7 de julho de 2013 
  98. «Nominees/Winners (Outstanding Short Animated Program)». Television Academy (em inglês). Cópia arquivada em 20 de julho de 2017 
  99. Desowitz, Bill (21 de agosto de 2007). «Juried Emmy Awards Announced for Individual Achievement in Animation». Animation World Network (em inglês). Cópia arquivada em 29 de setembro de 2017 
  100. «Nickelodeon Kids' Choice Awards 2008 Press Kit». Nick Press. 7 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2016 
  101. «Annecy 2008 – Official Selection». Annecy 2008. 14 de março de 2009. Arquivado do original em 13 de novembro de 2008 
  102. 68th Annual Peabody Awards Arquivado em 20 de novembro de 2014 no Wayback Machine., maio de 2009.
  103. «2008 Satellite Awards». IPA. Cópia arquivada em 28 de junho de 2015 
  104. a b «2008 Annie Awards: For Your Consideration». Annie Awards. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2008 
  105. «MPSE'S 2009 GOLDEN REEL AWARDS NOMINEES». Motion Picture Editors Guild. Cópia arquivada em 5 de março de 2016 
  106. «2009 Nickelodeon Kids' Choice Awards Winners!». Take 40. 13 de novembro de 2009. Arquivado do original em 15 de março de 2012 
  107. «Nickelodeon Kids' Choice Awards Nominations - Australia 2010! - The Hot Hits Live from LA». TheHotHits. 18 de agosto de 2010. Arquivado do original em 20 de setembro de 2011 

Episódios[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Roteirista(s): Michael Dante DiMartino. «O Templo de Ar do Sul». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 3 
  2. Roteirista(s): Tim Hedrick. «O Desertor». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 16 
  3. a b c Roteirista(s): Aaron Ehasz. «A Tempestade». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 12 
  4. a b c d Roteirista(s): Elizabeth Welch Ehasz. «Avatar e o Senhor do Fogo». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 6 
  5. a b c Roteirista(s): Aaron Ehasz, Elizabeth Welch Ehasz, Tim Hedrick & John O'Bryanh. «O Estado Avatar». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 1 
  6. a b Roteirista(s): Michael Dante DiMartino & Bryan Konietzko. «O Garoto no Iceberg». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 1 
  7. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino. «Solstício de Inverno Parte 2: O Avatar Roku». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 8 
  8. a b Roteirista(s): John O'Bryan. «O Cerco do Norte, Parte 1». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 19 
  9. a b c Roteirista(s): Aaron Ehasz. «O Cerco do Norte, Parte 2». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 1. Episódio 20 
  10. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino. «A Bandida Cega». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 6 
  11. a b Roteirista(s): Tim Hedrick. «A Cidade de Muros e Segredos». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 14 
  12. Roteirista(s): John O'Bryan. «A Biblioteca». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 10 
  13. a b Roteirista(s): John O'Bryan. «O Rei da Terra». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 18 
  14. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino & Bryan Konietzko. «O Guru». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 19 
  15. a b Roteirista(s): Aaron Ehasz. «As Encruzilhadas do Destino». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 2. Episódio 20 
  16. Roteirista(s): Aaron Ehasz. «O Despertar». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 1 
  17. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino. «O Dia do Sol Negro, 1ª Parte: A Invasão». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 10 
  18. a b Roteirista(s): Aaron Ehasz. «O Dia do Sol Negro, 2ª Parte: O Eclipse». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 11 
  19. a b Roteirista(s): Michael Dante DiMartino. «O Cometa de Sozin 1ª Parte: O Rei Fênix». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 18 
  20. Roteirista(s): Aaron Ehasz. «O Cometa de Sozin 2ª Parte: Os Velhos Mestres». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 19 
  21. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino & Bryan Konietzko. «O Cometa de Sozin 3ª Parte: Para o Inferno». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 20 
  22. Roteirista(s): Michael Dante DiMartino & Bryan Konietzko. «O Cometa de Sozin 4ª Parte: O Avatar Aang». Avatar: A Lenda de Aang. Temporada 3. Episódio 21 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DiMartino, Michael Dante; Konietzko, Bryan (2010). Avatar: The Last Airbender—The Art of the Animated Series (em inglês). [S.l.]: Dark Horse Comics. ISBN 9781595825049 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Ver também[editar | editar código-fonte]