Ave-lira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAve-lira
Ocorrência: 23–16 Ma

Mioceno

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Passeri
Família: Menuridae
Lesson, 1828
Género: Menura
Latham, 1802
Espécies

As aves-lira são um pequeno grupo de passeriformes australianas terrestres que compõem o gênero Menura e a família Menuridae. São mais notáveis ​​​​por sua impressionante capacidade de imitar sons naturais e artificiais de seu ambiente, e pela beleza impressionante da enorme cauda do macho quando é exibida no cortejo. Possuem plumagem de cor neutra e estão entre as aves mais conhecidas da Austrália. As vezes também são chamadas de pássaros-lira, e nas línguas aborígenes são chamadas de weringerong, woorail, e bulln-bulln.[1]

Taxonomia e sistemática[editar | editar código-fonte]

Menura superba – (1800) por Thomas Davies, uma das primeiras ilustrações feitas da ave-lira-soberba.

A classificação das aves-lira foi objeto de muito debate depois que os primeiros espécimes chegaram aos cientistas europeus após 1798. A ave-lira-soberba foi ilustrada pela primeira vez e descrita cientificamente como Menura superba pelo major-general Thomas Davies em 1800 para a Linnean Society of London.[2][3] Ele baseou seu trabalho em espécimes coletados em Nova Gales do Sul que foram enviados para a Inglaterra.

Acreditava-se inicialmente que as aves-lira eram galiformes, ordem que inclui perdizesfaisões, jacus e codornizes, ideia refletida nos primeiros nomes populares dados a ave-lira, como faisão-nativo e pavão-carriça. A ideia de que estavam relacionadas com os faisões foi abandonada quando os primeiros filhotes, que são altriciais, foram descritos. Não foram classificadas como passeriformes até que um artigo foi publicado em 1840, doze anos depois de terem sido atribuídas a família Menuridae. Dentro dessa família compõe-se apenas um único gênero, Menura.[4]

É geralmente aceito que a família está mais intimamente relacionada as aves-do-matagal (Atrichornithidae) e algumas autoridades combinam ambos em uma única família.[5]

Aves-lira são animais relativamente antigos: o Museu Australiano tem fósseis que datam cerca de 15 milhões de anos atrás.[6] O pré-histórico Menura tyawanoides foi descrito a partir de fósseis do início do Mioceno encontrados no sítio geológico de Riversleigh.[7]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Existem duas espécies existentes:

Imagem Nome científico Nome comum Descrição Distribuição
CSIRO ScienceImage 10356 Superb Lyrebird.jpg Menura novaehollandiae Ave-lira-soberba um dos maiores pássaros canoros do mundo, e é conhecido por sua cauda elaborada e excelente mimetismo sudeste da Austrália, do sul de Vitória ao sudeste de Queenslândia
Albert's lyrebird.jpg Menura alberti Ave-lira-pequena nomeada em homenagem ao Príncipe Alberto, o marido da Rainha Vitória entre Nova Gales do Sul e Queenslândia

Descrição[editar | editar código-fonte]

Indivíduo fêmea de ave-lira-pequena.

As aves-lira são grandes passeriformes, estão entre os maiores da ordem. São aves que possuem hábitos terrestres com pernas e tarsos fortes, porém asas curtas e arredondadas. Geralmente voam mal e raramente voam.[4] A ave-lira-soberba é a maior das duas espécies. As fêmeas têm 74 a 84 centímetros de comprimento, e os machos são maiores, 80 a 98 centímetros de comprimento – tornando-os a terceira maior ave passeriforme após o corvo-de-bico-grosso (Corvus crassirostris) e o corvo-comum (Corvus corax). Já a ave-lira-pequena é um pouco menor, com os machos medindo no máximo 90 centímetros e as fêmeas 84 centímetros, além de possuírem penas menos chamativas e mais curtas do que a ave-lira-soberba, mas são bastante semelhantes. A ave-lira-soberba pesa cerca de 0,97 kg, enquanto a ave-lira-pequena é um pouco mais leve, com 0,93 kg.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A ave-lira-soberba é encontrada em áreas de floresta tropical em VitóriaNova Gales do Sul e sudeste de Queenslândia. Também é encontrada na Tasmânia, onde foi introduzida no século XIX. A ave-lira-pequena é muito mais restrita que sua congênere e é encontrada apenas em uma pequena área do sul de Queenslândia.

Comportamento e ecologia[editar | editar código-fonte]

São tímidas e difíceis de serem observadas, particularmente a ave-lira-pequena, que pouca informação sobre seu comportamento foi documentada. Quando detectam um potencial perigo, param e examinam os arredores, soam um alarme e fogem da área correndo pelo chão ou procuram cobertura vegetativa densa e congelam.[4] De modo curioso, bombeiros que se abrigaram em minas durante incêndios florestais foram acompanhados por aves-lira tentando fugir do fogo.[8]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Uma ave-lira-pequena forrageando em busca de alimento.

Se alimentam no chão e individualmente. Uma variedade de presas invertebradas é capturada, incluindo insetos como baratas, besouros, larvas, tesourinhas, mariposas, centopéias e minhocas. As presas menos comuns incluem anfípodes, lagartos, sapos e, ocasionalmente, sementes. Encontram comida ciscando os pés na serapilheira.[4]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Uma ave-lira-soberba exibindo-se durante o cortejo.

O ciclo reprodutivo é longo, e as aves-lira vivem bastante, capazes de alcançar até trinta anos. Também começam a se reproduzir mais tarde do que outros pássaros. As fêmeas começam a se reproduzir com a idade de cinco ou seis anos, e os machos com a idade de seis a oito. Os machos defendem territórios de outros machos, e esses territórios inteiros podem conter os territórios de reprodução de até oito fêmeas. Dentro dos territórios masculinos, os machos criam ou usam plataformas de exibição; para a ave-lira-soberba, é um monte de terra; para a ave-lira-pequena, é uma pilha de galhos no chão da floresta.[4]

Os machos cantam principalmente durante o inverno, quando constroem e mantêm um monte de terra aberto entre o mato denso, no qual cantam e dançam em uma elaborada exibição de corte realizada para potenciais parceiras.[9] A localização e tamanho do ninho construído pela fêmea dependem das chuvas e da predação durante o período de nidificação. É importante que o ninho seja resistente à água e escondido em áreas isoladas ou de difícil acesso. Uma vez que o ninho é feito, é posto um único ovo. O ovo é incubado durante 50 dias apenas pela fêmea, que também cria o filhote sozinha.

Vocalização e mimetismo[editar | editar código-fonte]

Gravação de uma ave-lira-soberba imitando sons de várias aves australianas nativas.

A vocalização da ave-lira é um dos aspectos mais distintos de sua biologia comportamental. Vocalizam o ano todo, mas o pico é na época de reprodução, que ocorre de junho a agosto. Durante este pico, os machos podem cantar durante quatro horas de um dia inteiro. O canto da ave-lira é uma mistura de elementos de seu próprio canto e mimetismo de outras espécies. Reproduzem com grande fidelidade os cantos individuais de outras aves[10][11][12], a algazarra de bandos,[13][14] e até imitam outros animais como gambáscoalas e dingos.[13][4] Algumas aves-lira foram registradas imitando sons humanos,[15] como apitosmotosserrasmotores de automóveis, alarmes, tiros de rifleobturadores de câmeras, cães latindo, bebês chorando, músicas, toques de celulares e até mesmo a voz humana. No entanto, embora a imitação de ruídos humanos seja amplamente divulgada, a extensão em que isso acontece é exagerada e o fenômeno é incomum.[4] Partes do próprio canto da ave-lira podem se assemelhar a efeitos sonoros feitos pelo homem, o que deu origem ao mito de que elas frequentemente imitam sons de jogos eletrônicos ou filmes.[16][17]

As vocalizações da ave-lira-soberba são aprendidas no ambiente local, inclusive de outras aves-lira. Um exemplo instrutivo é a população feral de aves-lira na Tasmânia, que retiveram os cantos de espécies não nativas da Tasmânia em seu repertório, com algumas vocalizações de aves endêmicas da ilha adicionadas. As fêmeas de ambas as espécies também são capazes de imitar vocalizações complexas. As fêmeas são silenciosas durante o cortejo; no entanto, produzem regularmente exibições vocais sofisticadas durante o forrageamento e defesa do ninho.[18]

Ambas as espécies produzem vocalizações elaboradas e específicas do grupo, incluindo 'cantos de assobio'.[11][18][19] Os machos também fazem cantos especificamente associados com suas exibições de cortejo.

O pesquisador Sydney Curtis gravou cantos semelhantes a flautas nas proximidades do Parque Nacional da Nova Inglaterra. Da mesma forma, em 1969, o guarda florestal Neville Fenton gravou outro canto que se assemelhava a sons de flauta no mesmo local. Depois de muito trabalho de pesquisa feita por Fenton, descobriu-se que na década de 1930, um flautista que morava em uma fazenda ao lado do parque costumava tocar músicas perto de sua ave-lira de estimação, que acabou adotando as músicas em seu repertório e as manteve após a soltura no parque. Neville Fenton encaminhou uma fita de sua gravação para Norman Robinson. Como a ave-lira é capaz de vocalizar duas músicas ao mesmo tempo, Robinson filtrou uma das músicas e a colocou no fonógrafo para fins de análise. Uma testemunha sugeriu que a música representa uma versão modificada de duas obras populares na década de 1930: "The Keel Row" e "Mosquito's Dance". O musicólogo David Rothenberg endossou esta informação.[20][21] No entanto, o grupo de pesquisa “flate lyrebird” (incluindo Curtis e Fenton) formado para investigar a veracidade desta história não encontrou evidências de “Mosquito Dance”, e apenas alguns resquícios de “The Keel Row” em gravações contemporâneas e históricas desta área. Tampouco foram capazes de provar que houve alguma ave-lira mantida como animal de estimação, embora reconhecessem evidências convincentes de ambos os lados da discussão.[22]

Estado de conservação[editar | editar código-fonte]

Até os incêndios florestais australianos de 2019-2020, as aves-lira-soberbas não eram consideradas ameaçadas. Desde então, a preocupação cresceu à medida que as primeiras análises mostraram a extensão da destruição devastadora das florestas úmidas locais, que em incêndios anteriores menos intensos não foram abaladas, em grande parte devido ao seu alto teor de umidade.[23] A ave-lira-pequena tem um habitat muito restrito e foi listada inicialmente como vulnerável pela IUCN, mas como a espécie e seu habitat foram cuidadosamente manejados, a espécie foi reavaliada para quase ameaçada em 2009.[24] A ave-lira-soberba já foi seriamente prejudicada pelo desmatamento no passado. Sua população já havia se recuperado, mas os incêndios florestais recentes danificaram grande parte de seu habitat, o que pode levar a uma reclassificação de seu status de pouco preocupante para quase ameaçado.[25] Além dessa nova ameaça estão as vulnerabilidades de longo prazo à predação por gatos e raposas, bem como a expansão urbana.[4]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Ave-lira
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Ave-lira

Referências

  1. Reed, A.W. (1998). Aboriginal Words of Australia. Chatswood, NSW: New Holland. pp. 17; 34. ISBN 978-1-876334-16-1. Consultado em 20 de maio de 2022 
  2. Davies, Thomas (4 de novembro de 1800). «Description of Menura superba, a Bird of New South Wales». Transactions of the Linnean Society. 6. London: [s.n.] (publicado em 1802). pp. 207–10 
  3. Wikisource-logo.svg Chisholm, Hugh, ed. (1911). «Lyre-Bird». Encyclopædia Britannica (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  4. a b c d e f g h Lill, Alan (2004), «Family Menuridae (Lyrebirds)», in: del Hoyo, Josep; Elliott, Andrew; Christie, David, Handbook of the Birds of the World. Volume 9, Cotingas to Pipits and Wagtails, ISBN 84-87334-69-5, Barcelona: Lynx Edicions, pp. 484–495 
  5. Christidis, L.; Norman, J.A. (1996). «Molecular Perspectives on the Phylogenetic Affinities of Lyrebirds (Menuridae) and Treecreepers (Climacteridae)». CSIRO Publishing. Australian Journal of Zoology. 44 (3): 215–222. doi:10.1071/zo9960215 
  6. Boles, Walter (2011). «Lyrebird: Overview». Pulse of the Planet. Consultado em 20 de maio de 2022 
  7. Boles, Walter E. (1995). «A preliminary analysis of the Passeriformes from Riversleigh, Northwestern Queensland, Australia, with the description of a new species of Lyrebird» (PDF). Courier Forschungsinstitut Senckenberg. 181: 163–170 
  8. Parish, Steve; Slater, Pat  (1997). Amazing Facts about Australian Birds. Oxley, QLD: Steve Parish Publishing. ISBN 1-875932-34-8 
  9. Dalziell, Anastasia; Peters, Richard; Cockburn, Andrew; Dorland, Alexandra; Maisey, Alex; Magrath, Robert. «Dance choreography is coordinated with song repertoire in a complex avian display». Current Biology. 23 (12): 1132-1135 
  10. Putland, D.A.; Nicholls, J.A.; Noad, M.J.; Goldizen, A.W. (2006). «Imitating the neighbours: vocal dialect matching in a mimic-model system». Biology Letters. 2 (3): 367-370. doi:10.1098/rsbl.2006.0502 
  11. a b Zann, Richard; Dunstan, Emily (2008). «Mimetic song in superb lyrebirds: species mimicked and mimetic accuracy in different populations and age classes». Animal Behaviour. 76: 1043-1054 
  12. Dalziell, Anastasia; Magrath, Robert. «Fooling the experts: accurate vocal mimicry in the song of the superb lyrebird, Menura novaehollandiae». Animal Behaviour. 83 (6): 1401-1410. doi:10.1016/j.anbehav.2012.03.009 
  13. a b Dalziell, Anastasia; Maisey, Alex; Magrath, Robert; Welbergen, Justin. «Male lyrebirds create a complex acoustic illusion of a mobbing flock during courtship and copulation». Current Biology. 31 (9): 1970-1976. doi:10.1016/j.cub.2021.02.003 
  14. Wild Lyrebird Dancing and Singing - Amazing Lyre Birds of Australia (em inglês), consultado em 8 de junho de 2021, cópia arquivada em 11 de dezembro de 2021 
  15. Attenborough: the amazing Lyre Bird sings like a chainsaw! Now in high quality | BBC Earth (em inglês), consultado em 8 de junho de 2021 
  16. «Lyre, lyre, pants on fire: The truth about one of our showiest songbirds». www.abc.net.au (em inglês). 28 de julho de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  17. Taylor, Hollis. «Lyrebirds mimicking chainsaws: fact or lie?». The Conversation (em inglês). Consultado em 23 de outubro de 2020 
  18. a b Welbergen, Justin A.; Dalziell, Anastasia H. (20 de abril de 2016). «Elaborate Mimetic Vocal Displays by Female Superb Lyrebirds». Frontiers in Ecology and Evolution. 4. doi:10.3389/fevo.2016.00034Acessível livremente 
  19. Backhouse, Fiona; Dalziell, Anastasia H.; Magrath, Robert D.; Rice, Aaron, N.; Crisologo, Taylor, L.; Welbergen, Justin A. (2021). «Differential geographic patterns in song components of male Albert's lyrebirds». Ecology and Evolution. 11 (6): 2701-2716. doi:10.1002/ece3.7225 
  20. Sheridan, Molly (2005). «In conversation with David Rothenberg». NewMusicBox.org. Consultado em 20 de maio de 2022 
  21. Reilly, P.N. (1988). The Lyrebird: A Natural History. Kensington, NSW: New South Wales University Press. ISBN 0-86840-083-1 
  22. Powys, Vicki; Taylor, Hollis; Probets, Carol (2013). «A Little Flute Music: Mimicry, Memory, and Narrativity». Environmental Humanities (em inglês). 3 (1): 43–70. ISSN 2201-1919. doi:10.1215/22011919-3611230Acessível livremente 
  23. Arnold, Ann (6 de dezembro de 2019). «Bushfires devastate rare and enchanting wildlife as 'permanently wet' forests burn for first time». www.abc.net.au. Consultado em 20 de maio de 2022. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2020 
  24. BirdLife International (2009). «Menura alberti». IUCN Red List. IUCN. Consultado em 20 de maio de 2022 
  25. Morton, Adam (24 de janeiro de 2020). «Lyrebird may join threatened species, as scale of bird habitat lost to bushfires emerges». www.theguardian.com. Consultado em 20 de maio de 2022. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2020