Avelino Teixeira da Mota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Avelino Teixeira da Mota
Dados pessoais
Nascimento 22 de setembro de 1920 Lisboa
Morte 10 de abril de 1982 (61 anos)
Vida militar
Força Marinha
Anos de serviço 1939-1976
Hierarquia Contra-Almirante

Avelino Teixeira da Mota (Lisboa, São José, 22 de Setembro de 192010 de Abril de 1982), foi um distinto oficial da Marinha e historiador.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos e educação[editar | editar código-fonte]

Era filho de Avelino da Mota e de Isaura Teixeira.

Iniciou os seus estudos na Escola Primária Oficial N.º 44, concluindo o ensino secundário no Liceu Passos Manuel em 1938. Nesse mesmo ano entra para a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, para frequentar as disciplinas necessárias à admissão na Escola Naval (Álgebra, Física, Química e Desenho), cadeiras em que obtém aprovação em Julho de 1939.

Carreira militar e política[editar | editar código-fonte]

Em 15 de Setembro de 1939, apresenta-se na Escola Naval e termina o curso em 1943, sendo adicionado ao efectivo da Marinha em 16 de Setembro desse ano com posto de Segundo Tenente. Entre 1945 e 1947, serviu na Guiné Portuguesa com o governador Sarmento Rodrigues, e, entre 1948 e 1957, fez parte da Missão Geo-Hidrográfica da Guiné; em 1953, por ordem do Ministério dos Negócios Estrangeiros, inicia o inventário e reprodução fotográfica da cartografia antiga portuguesa dos territórios ultramarinos. Em 1958, passa a dirigir a Secção de Lisboa do Agrupamento de Estudos de Cartografia Antiga da Junta de Investigações do Ultramar. Em 1964, servia como Vogal do Conselho Ultramarino, e, entre 1959 e 1964, lecciona na Escola Naval, continuando depois, entre 1965 e 1969, as actividades docentes como professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde leccionou História da Expansão Portuguesa.

Em 1970 e 1971, exerceu como chefe do estado-maior do Comando Naval de Angola.[1] Em 1976, passou à reserva, possuindo, nessa altura, o posto de presidente do Tribunal da Marinha.[1] Atingiu o posto de contra-almirante.[1] Também exerceu como deputado pela Guiné, entre 1957 e 1961.[1]

Pertenceu a várias instituições nacionais e estrangeiras, destacando-se a sua nomeação como membro da Academia Portuguesa de História, em 1954, e como sócio na Academia das Ciências de Lisboa, em 1959.[1]

Publicou, junto com Armando Cortesão, as obras Portugaliae Monumenta Cartographica e Tabularum Grographicarum Lusitanorum Specimen, ambas em 1960.[1]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O seu nome foi, em 3 de Março de 2004, colocado numa rua da Freguesia de São Sebastião, em Lagos.[1][2]

Existe, em sua homenagem, uma avenida com o seu nome em Chelas, Lisboa.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Inquérito etnográfico organizado pelo governo da colónia no ano de 1946 (1947)
  • Dom João de Castro, navegador e hidrógrafo (1949)
  • Fernão Vaz: explorador ignorado do Golfo da Guiné (1950)
  • Topónimos de Origem Portuguesa na Costa Ocidental de África desde o Cabo Bojador ao Cabo de Santa Catarina (1950)
  • Contactos culturais luso-africanos na "Guiné do Cabo Verde" (1951)
  • Guiné Portuguesa (1960)
  • Cinco séculos de cartografia das Ilhas de Cabo Verde (1961)
  • A Cartografia Antiga da África Central e a Travessia entre Angola e Moçambique 1500-1860 (1964)
  • O cosmógrafo Bartolomeu Velho em Espanha (1966)
  • Evolução dos roteiros portugueses durante o século XVI (1969)
  • D. João Bemoim e a expedição portuguesa ao Senegal em 1489 (1971)
  • A África ocidental em Os Lusíadas (1972)
  • Duarte Coelho, capitão-mor de Armadas no Atlântico (1531-1535) (1972)
  • Reflexos do Tratado de Tordesilhas na Cartografia Náutica do Século XVI (1973)
  • A África no planisfério português anónimo "Cantino": 1502 (1977)
  • Acerca de algumas recentes reuniões internacionais de interesse para a História Marítima (1977)
  • Bartolomeu Dias: Descobridor do Cabo de Boa-Esperança (1988)

Referências

  1. a b c d e f g Ferro, p. 307, 308
  2. «Freguesia de São Sebastião» (PDF). Câmara Municipal de Lagos. Consultado em 25 de Dezembro de 2012. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERRO, Silvestre Marchão (2007). Vultos na Toponímia de Lagos 2.ª ed. Lagos: Câmara Municipal de Lagos. 467 páginas. ISBN 972-8773-00-5 
  • VALENTIM, Carlos Manuel (2007). O Trabalho de uma Vida. Biobliografia de Avelino Teixeira da Mota (1920-1982). Lisboa: Edições Culturais da Marinha 

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • FARIA, Francisco Leite de; SERRÃO, Joaquim Veríssimo (1985). Elogio do Almirante Avelino Teixeira da Mota. [S.l.]: Academia Portuguesa da História. 55 páginas 
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.