Axogun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Candomblé

Casa branca engenho velho.jpg Ilê Axé Iyá Nassô Oká - Terreiro da Casa Branca - a casa de candomblé mais antiga de Salvador, na Bahia

Religiões afro-brasileiras


Princípios Básicos Deus queto | Olorum | Orixás Jeje | Mawu | Vodun Banto | Nzambi | Nkisi


Templos afro-brasileiros Babaçuê | Batuque | Cabula | Candomblé | Culto de Ifá | Culto aos Egungun | Quimbanda | Candomblé de caboclo | Macumba | Omoloko Tambor-de-Mina | Terecô | Umbanda Xambá | Xangô de Pernambuco Sincretismo | Confraria


Literatura afro-brasileira Terminologia Sacerdotes Hierarquia


Religiões semelhantes Religiões Africanas santería Palo Arará Lukumí Regla de Ocha Abakuá Obeah


Axogun,[1][2] axogum, ogã de faca ou mão de faca[3] é um sacerdote do candomblé. É um dos cargos mais importantes e de muita responsabilidade: é um especialista no que faz, é o ogã encarregado do sacrifício dos animais votivos nas cerimônias do candomblé jeje e candomblé queto. O atôaxogun é o seu ajudante e substituto. O cargo de Tata Kivanda no candomblé banto é semelhante ao do axogum.

Deve ser pessoa de absoluta confiança do líder religioso, precisa ter boa memória, saber as técnicas complexas para a execução de suas tarefas, não pode cometer nenhum erro.

Dependendo do prestígio do axogum, poderá ser convidado por outros sacerdotes de outras casas para exercer suas funções em caso de grandes obrigações.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Júlio Santana Braga, A cadeira de ogã e outros ensaios
  2. Giselle Cossard, Awô: o mistério dos orixás
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 210.