Ayanot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
AYANOT
Israel outline center ta.png
Hebraico עֲייָנוֹת
Significado do nome Fontes
Fundado em 30 de Março de 1930–12 de Janeiro de 1932
População 396 (2006)
Website http://www.ayanot.org.il/Protugues/tabid/66/Default.aspx
País Israel

Ayanot (em hebraico: עֲייָנוֹת, lit. fontes) é um Kfar No'ar (em hebraico: כפר נוער, "Vila de jovens"), no centro de Israel. Localizado perto de Ness Ziona, está sob a jurisdição do Conselho Regional Gan Raveh. Em 2006 tinha uma população de 396 habitantes.

A fundação da vila começou com a compra de 140 hectares (0,57 km2) de terreno por Ada Maimon para uma fazenda de mulheres em 1926. A vila foi criada a 30 de março de 1930. Ninguém morava no local até Maimon, dez meninas e um guarda se mudarem para lá a 12 de janeiro de 1932; até então tinham vivido nas proximidades de Ness Ziona. A vila foi nomeada devido às numerosas nascentes da região, embora outras fontes afirmam que é retirado de Deuteronômio 8:7:

Porque o SENHOR teu Deus te põe numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes, e de mananciais, que saem dos vales e das montanhas.[1]

Durante a Segunda Guerra Mundial a aldeia tornou-se uma escola agrícola e abrigou jovens sobreviventes do Holocausto. Hoje é o lar de um internato para 180 alunos. Em 2008, a escola agrícola abriu uma fazenda de póneis e um dos seus cavalos foi vice-campeão no Campeonato mundial de pôneis 2008.[2] Em 2010, a vila celebrou seu 80º aniversário.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
O artigo, a partir desta seção, não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A data da fundação de Ayanot foi estabelecida por sua fundadora, Ada Maimon. Tendo como critério o dia em que foi plantada a primeira árvore do pomar, 30/03/1930. Em 12/01/1932 Ada Maimon, dez moças e um guarda se estabeleceram no local. Durante os distúrbios de 1936-1939 Ayanot foi atacada duas vezes. As jovens que estavam em Ayanot declararam categoricamente: “Defenderemos Ayanot até nossa última gota de sangue.” Além dos distúrbios, parte dos judeus foi atingida pela malária. O local se transformou em Colégio Agrícola durante a Segunda Guerra Mundial. Então, começaram a absorver grupos de jovens do Líbano, Síria, Turquia, Grécia, Bulgária, refugiados do Holocausto, sobreviventes dos campos de extermínio e outros.

Guerra da Independência[editar | editar código-fonte]

Durante a guerra árabe-israelense de 1948, Ayanot serviu de ponto de guarda e organização. Foram escavadas trincheiras contra tanques e ergueram-se posições armadas. Membros da Haganá guardavam o local e saíam para atacar aldeias árabes próximas.

Dias atuais[editar | editar código-fonte]

Depois da independência de Israel, Ayanot tem sido um centro de absorção de judeus imigrantes e aprendizado agrícola, bem como absorçao de judeus das regiões em desenvolvimento, cidades, moshavim e kibutzim. Hoje Ayanot é uma Aldeia Agrícola Tecnológica. Além do currículo normal, dedica-se às seguintes áreas de estudo: Ecologia, Bio-zoologia, Ciências, Criação de Gado.

Classe brasileira[editar | editar código-fonte]

Prédio de classes dos brasileiros.

O Projeto Brasileiro, conhecido também com o nome de “A Classe Brasileira em Ayanot”, era uma escola dentro de uma escola, isto é, fazia parte do Colégio israelense, mas mantinha um programa autônomo, à parte, utilizando a infraestrutura de Ayanot e oferecendo distintos programas para alunos brasileiros que cursavam o ensino médio.

Acomodações[editar | editar código-fonte]

Os alunos brasileiros residiam em prédio próprio, compartilhando seu quarto com mais 2 ou 3 colegas brasileiros. No prédio havia uma sala especial, o moadon, com cafeteira, televisão à cabo, micro-ondas, sanduicheira e geladeira, à disposição dos brasileiros. A sala era destinada a atividades sociais, palestras, recreação e lazer. Os alunos eram responsáveis pela ordem e higiene do prédio, inclusive dos quartos.

Período escolar[editar | editar código-fonte]

O ano escolar era como no Brasil, o primeiro semestre de fevereiro até julho, e o segundo semestre de agosto a dezembro.

Diploma[editar | editar código-fonte]

O histórico escolar era reconhecido pelo Consulado do Brasil em Israel e o aluno podia voltar a sua escola de origem sem perda do ano letivo.

Fim da classe brasileira[editar | editar código-fonte]

2010 foi o último ano da classe brasileira em Ayanot.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]