Azagaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Um Askari patrulhando uma escola de aviação dos Aliados em Waterkloof, Pretória, África do Sul. (Janeiro de 1943)

Azagaia ou zagaia, é uma lança curta e delgada e usada como arma de arremesso[1] por povos ou indivíduos caçadores.Também pode ser usada como ferramenta de pesca.

Feitio[editar | editar código-fonte]

Trata-se duma lança de arremesso que tem cerca de um metro e meio a 170 centímetros de comprimento, dos quais, a ponta mede 30 centímetros.[2]

Além da pértiga, que é a vara estreita que compõe a haste ou fusta da azagaia, conta com uma ponta de chifre de animal ou em ferro, que tanto pode resumir-se a um simples esporão perfurante ou espigar-se com farpas ou apresentar uma ponta cortante.[3]

Etimologia e uso do termo[editar | editar código-fonte]

O termo azagaia[4], também grafado zagaia[5], chega ao português por via do árabe (az-zagaia) e este, por seu turno, do bérbere (zaġāya)[6].

Isto fica-se a dever a motivos históricos, a azagaia clássica bérbere foi posteriormente empregue pelos arábes. Mais tarde, tê-la-ão trazido para a Península Ibérica, por ocasião das invasões muçulmanas da Península Ibérica.[7][8] Com efeito, os almogávares tinham como panóplia típica duas azagaias e uma espada curta.[9]

O termo azagaia, em sentido amplo, acabou por empregar-se para caracterizar um ror de lanças de arremesso rudimentares, usadas quer por culturas pré-históricas europeias, quer por povos africanos, como sendo as tribos xosa[10] e nguni[11] da África do Sul, que têm as suas próprias variedades características de azagaia.[12]

História[editar | editar código-fonte]

Azagaia de base fendida do tipo Magdaleniano

Os primeiro registos relativos à produção de azagaias datam da fase final do Paleolítico e correspondem às azagaias do tipo "Magdaleniano" [13]. Naquela altura a parte perfurante da azagaia era constituída por uma ponta de osso ou de chifre de animal. Tal como outros tipos de projécteis pré-históricos, a azagaia era utilizada em combinação com mecanismos arremessadores ou propulsores que permitiam a quem a lançasse maximizar a potência e o alcance.[14]

A riqueza destes registos permitiu aos arqueólogos identificar diversos tipos desta arma primitiva, com base nos diferentes trabalhos e feitios da ponta, que foram surgindo ao longo dos diferentes períodos históricos[15][16]:

  • Aurignaciano: azagaias de ponta fendida ou losangular;
  • Gravetiano: azagaias de ponta biselada e azagaias fusiformes;
  • Solutriano: azagaias com a zona central aplanada (também as havendo biseladas e fusiformes);
  • Magdaleniano: a par das já referidas, aparecem ainda as azagaias com ranhuras (provavelmente para incrustar micrólitos), azagaias de ponta bifurcada e azagaias profusamente decoradas.

Este tipo de arma praticamente desapareceu da Europa durante a Idade do Bronze, quando as armas de combate à queima-roupa, neste caso concreto, a lança propriamente dita se começou a distanciar e diferenciar da lança de arremesso. Um exemplo de azagaia europeia tardia poderá ser a frama germânica, descrita por César na obra De Bello Gallico[17].

Em África, por seu turno, a azagaia sobreviveu à Idade do Ferro, adquirindo uma ponta metálica, de folha relativamente pronunciada, continuando em uso em populações saarianas e subsaarianas. [18] [19]

Botânica[editar | editar código-fonte]

É também o nome de uma árvore sul-africana (Curtisia dentata) cuja madeira era apropriada para a construção dessas armas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cfr. dicionário Porto
  2. M. C. Costa, António Luiz (2015). Armas Brancas- Lanças, Espadas, Maças e Flechas: Como Lutar Sem Pólvora Da Pré-História ao século XXI. São Paulo: Draco. p. 111. 176 páginas 
  3. Zulu 'Iklwa' war spear, therionarms.com
  4. «Dicionário Online - Dicionário Caldas Aulete - Significado de azagaia». aulete.com.br. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  5. S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de zagaia no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  6. «Assegai | Definition of Assegai by Oxford Dictionary on Lexico.com also meaning of Assegai». Lexico Dictionaries | English (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2020 
  7. Roger Collins, La conquista bereber. 710-794, en Historia de España. Ed. Crítica.
  8. Pérez, J. (2001). «De los tiempos prehistóricos a la invasión musulmana.» En Historia de España, Crítica, ISBN 84-8432-091-X.
  9. Bolea Robres, Chusé L. (2010). Almugávares. Via Sus!. Zaragoza: ARA Cultural. p. 23 
  10. South African Museum.; Museum, South African (1972). Annals of the South African Museum. Annale van die Suid-Afrikaanse Museum. v.58:pt.1-3 (1972-1981). Cape Town :: South African Museum, 
  11. South African Museum.; Museum, South African (1972). Annals of the South African Museum. Annale van die Suid-Afrikaanse Museum. v.58:pt.1-3 (1972-1981). Cape Town :: South African Museum, 
  12. McBride, Angus (1976). The Zulu War. [S.l.]: Osprey Publishing. pp. 9 
  13. San Juan-Foucher, Cristina [e] Vercoutere, Carole (2003), Transformation et utilisation préhistoriques des matières osseuses : Les "sagaies d'Isturitz" des niveaux gravettiens de Gargas (Hautes-Pyrénées) et de Pataud (Dordogne) : Un exemple d'approche pluridisciplinaire et complémentaire de l'industrie osseuse, in Préhistoire et anthropologie méditerranéennes, a. 2003, v. XII, pp. 75-94.
  14. «lancio con il propulsore, caccia con il propulsore, atlatl, caccia preistorica, gara lancio con il propulsore, armi primitive,». www.archeologiasperimentale.it. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  15. Delporte, Henri (1988). Fiches typologiques de l'industrie osseuse préhistorique, Cahier I, Sagaies. Aix-en-Provence: Université de Provence. 930 páginas 
  16. Anne, Bertrand (1999). Les armatures de sagaies magdaléniennes en matière dure animale dans les Pyrénées. Paris: Hadrian Books. 138 páginas 
  17. Brown, Robert (2004). Virtus Consili Expers: An Interpretation of the Centurions' Contest in Caesar, De Bello Gallico 5, 44. New Castle, Pennsylvania, USA: Hermes. pp. 292–308 
  18. South African Museum.; Museum, South African (1972). Annals of the South African Museum. Annale van die Suid-Afrikaanse Museum. v.58:pt.1-3 (1972-1981). Cape Town :: South African Museum, 
  19. Ricard, Alain (1998). Le bœuf chez les Zoulous, c'est la sagaie: des armes et des chants en Afrique australe. Paris: Musée Dapper. pp. 211–241, 248 
Ícone de esboço Este artigo sobre armas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.