Azul (linhas aéreas)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Azul (linha aérea))
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por 186.215.37.43 (D C) 60 minutos atrás. (Recarregar)


Azul Brazilian Airlines logo
IATA
AD
ICAO
AZU
Indicativo de chamada
AZUL
Fundada em 04 de janeiro de 2008[1]
Iniciou atividades em 15 de dezembro de 2008[2]
Hub
Focus cities
Programa de milhagem Tudo Azul
Subsidiária(s)
Frota 146[3]
Destinos 104[4]
Slogan Você lá em cima.

É o Brasil lá em cima.

Holding Azul TRIP S.A.
Sede Barueri, SP,  Brasil
Pessoa(s)
chave
Website www.voeazul.com.br

Azul Linhas Aéreas Brasileiras S.A. é a uma companhia aérea brasileira fundada e homologada em 2008 por David Neeleman.[1] [5] A Azul é a terceira maior companhia do Brasil em número de passageiros transportados e frota de aeronaves[6] e a maior em número de destinos oferecidos, operando em 104 aeroportos em todo o território nacional.[4] Em 2013, a Azul fechou o ano com uma participação de mercado de 16% do total de assentos oferecidos em voos domésticos e é a companhia que mais cresce em termos de passageiros por quilometro voado.[6] [7] Em 2014, tornou-se uma companhia aérea de bandeira do Brasil (Flag Carrier) ao começar rotas internacionais.[8]

Seus principais centros de operações são os aeroportos de Viracopos em Campinas e Confins em Belo Horizonte. A sede administrativa da companhia fica no bairro de Alphaville na região da Grande São Paulo. A Azul é a única operadora Brasileira a utilizar os E-Jets da Embraer e sua frota é formada basicamente por ATR-42, ATR-72, Embraer 190, Embraer 195 e Airbus A330, utilizados apenas em rotas longas e internacionais.[6] [3] Além disso, a empresa possui contratos com a Airbus para a compra de 35 aviões Airbus A320neo para rotas domésticas[9] e Airbus A350 para rotas internacionais.[10]

História[editar | editar código-fonte]

David Neeleman, brasileiro criado nos Estados Unidos que também foi o cofundador da WestJet e da Morris Air[11] após sofrer afastamento da presidência da companhia que ele mesmo fundou, a JetBlue Airways, começou a anunciar em março de 2008 seus planos de fundar uma nova companhia aérea Low-cost no Brasil.[12] [13] Mesmo sem nome definido a empresa já tinha uma encomenda de 36 aeronaves do tipo E-195 da Embraer com opção de 40 unidades em um contrato estimado de US$ 3 bilhões.[14]

A Escolha do Nome[editar | editar código-fonte]

Embraer 195 da Azul.

Para definir o nome da nova operadora aérea, Neeleman criou um website chamado "voceescolhe.com.br" onde o público poderia registrar sugestões de nomes. Depois de cadastrados quase 110 mil usuários, as melhores sugestões foram selecionadas e colocadas novamente para votação, entre os finalistas estavam Abraço, Alegria, Azul, Samba e uma grande variedade de nomes com a palavra Brasil que não puderam ser usados pois já estavam registrados.[15] Além do nome também foram colocadas enquetes para definir as cores da aeronave, o tipo de serviço de bordo e o estilo dos uniformes da tripulação.[16] Para chamar a atenção do público, Neeleman anunciou que o primeiro internauta que sugerisse o nome escolhido ganharia passe vitalício na nova companhia com direito a um acompanhante.[17]

Após 1 mês com o site recolhendo sugestões e votos, Azul Linhas Aéreas Brasileiras foi escolhido como o nome da empresa apesar de não ter sido a opção mais votada. A decisão, justificada por Neeleman foi que Azul inspira sentimentos positivos, remete ao céu e é mais neutro do que Samba, nome que de fato recebeu mais votos. Neeleman concedeu o prêmio tanto para o internauta que sugeriu o nome Azul quanto ao que sugeriu Samba.[15] [17]

O Começo das Operações[editar | editar código-fonte]

ATR 72 da Azul.

Em 07 de novembro de 2008, a Azul recebeu da ANAC o Certificado de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo, assim pôde começar a retirar os Horários de Transporte (HOTRAN)[5] , autorizações emitidas pela ANAC para operações de transporte comercial que são requisitos para a companhia começar a vender passagens.

A Azul iniciou as operações em 15 de dezembro de 2008 fazendo rotas entre Campinas, Salvador e Porto Alegre[2] . Na inauguração, David Neeleman estava na posição de CEO da empresa e Pedro Janot ficou na presidência.[18]

Apesar de nova, já detinha, em dezembro de 2011, 9,77%[19] de participação no mercado, o que lhe dá a terceira colocação entre as companhias aéreas do país. A intenção inicial era de ter uma frota composta exclusivamente de Embraer E-Jets, e para tanto, encomendou 76 aeronaves, sendo 36 encomendas confirmadas e 40 com opção de compra e direito de compra.[20] Porém, em 2009, sentindo a necessidade de atender cidades menores com voos de pequenas distâncias, encomendou aviões ATR-72, que entraram em operação a partir de 2010.

Em 28 de maio de 2012 foi anunciada a fusão da companhia com a TRIP Linhas Aéreas[21] . A fusão foi aprovada pelo CADE em 6 de março de 2013[22] . Como consequência, a TRIP Linhas Aéreas deixou de existir como companhia aérea, herdando a Azul todas as aeronaves e rotas da empresa.

Azul TRIP[editar | editar código-fonte]

À esquerda, um Embraer 175 da TRIP Linhas Aéreas, à direita, um ATR 72-600 da Azul. Ambas empresas se fundiram em 2012.
Embraer 195 da Azul, com a pintura da Trip mantida.

No dia 28 de maio de 2012, a Azul e a TRIP Linhas Aéreas anunciaram uma fusão. TRIP Linhas Aéreas, que então era a maior empresa aérea com segmento regional na América Latina. Após a aprovação, a nova empresa passou a representar 15% do mercado. Com a fusão, a Azul passou a ter um mercado maior na região norte e aeroportos regionais, como o Aeroporto da Pampulha em Belo Horizonte, assim como passará a ter voos saindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos. A fusão foi aprovada pela ANAC e pelo CADE em 2013. Até a aprovação ambas empresas mantiveram seus voos separadamente, e a partir do fim de 2013, os voos antes operados com o código T4, da TRIP, passaram a ser operados com o código AD, da Azul. A razão social da nova empresa é Azul TRIP S/A, e opera sob a marca Azul. O fim da marca TRIP deu-se no final do ano de 2013, quando a nova pintura da Azul foi lançada, desde então a nova logomarca e nova pintura vem sendo implantadas gradativamente nas aeronaves, anúncios e lojas. Para marcar a fusão, um Embraer 195 foi pintado nas cores das duas empresas e um Embraer e um ATR serão mantidos com as cores originais da TRIP.

Voos internacionais e companhia aérea de bandeira[editar | editar código-fonte]

Após o último passo para a integração da TRIP Linhas Aéreas e seus funcionários, a Azul retomou seus planos pré-fusão, entre eles o processo de internacionalização e expansão da companhia. Entre os planos, estão incluídos a compra de aeronaves maiores, como os Airbus A330, para o início dos voos internacionais da companhia, inicialmente para Nova York, Orlando e Fort Lauderdale, na Flórida, hubs da JetBlue, outra companhia fundada por David Neelman, e a partir desses destinos, oferecer conexões para outras regiões dos Estados Unidos, através de acordo com a JetBlue. As aeronaves escolhidas para os voos internacionais de longa distância foram os Airbus A330-200, que começam a chegar em 2014, e os Airbus A350-900, que podem chegar em 2017. [23]

Airbus A330 da Azul, com a pintura da bandeira do Brasil, bem como a frase "Brasil's Flag Carrier".

Os A330 irão realizar voos domésticos e internacionais de longa distância para os Estados Unidos a partir de dezembro de 2014, e com os A350 a Azul estuda iniciar serviços intercontinentais para a Europa. O primeiro A330, chegou em junho de 2014, veio da companhia Gulf Air, do Bahrein, e contará com duas classes de serviço. Em 2015 as aeronaves serão reconfiguradas para o padrão da Azul, contando com Classe Executiva, Premium Economy (Espaço Azul) e Econômica.[carece de fontes?]. Há também a possibilidade de encomenda de aeronaves Airbus A320neo, que se adquiridas, poderão integrar rotas aéreas nacionais e internacionais latino-americanas.

Com o anúncio das novas operações internacionais, a Azul se tornou a companhia aérea de bandeira do Brasil (Flag Carrier), ostentando, em algumas aeronaves, o título "Brasil's Flag Carrier", abaixo da logo da Azul, e o nome "Brasil" em destaque.[carece de fontes?] Uma das aeronaves Airbus A330-200 recebidas pela empresa, carrega a frase "Brasil's Flag Carrier" embaixo do logotipo da companhia. Além desse detalhe,a aeronave A330-243 matriculada PR-AIV recebeu a pintura da bandeira do Brasil, assemelhando-se a outra aeronave da empresa, um Embraer 195 matriculado PR-AYV, que recebeu o mesmo tipo de pintura,e que opera na Azul desde 2011.

Acordos Interline[editar | editar código-fonte]

[carece de fontes?]

Acordos encerrados[editar | editar código-fonte]

O aeroporto de Viracopos[editar | editar código-fonte]

A Azul concentrou seus esforços no aeroporto de Viracopos, que já possuía uma boa infraestrutura por ter sido o aeroporto internacional de São Paulo antes da abertura de Cumbica.

Hoje, com cinco anos de operações, a Azul ocupa mais de 90% dos voos no aeroporto de Viracopos em Campinas e é líder na maioria dos aeroportos do qual opera.[24]

Recordes[editar | editar código-fonte]

Interior de um Embraer 195 da Azul

A Azul é a empresa aérea que mais rapidamente chegou a um milhão de clientes transportados no mundo,[25] [26] com menos de oito meses de operações, no dia 13 de agosto de 2009.[27] O recorde anterior pertencia à JetBlue Airways, que havia conquistado essa marca com apenas 10 meses de vida.[26]

Outro recorde alcançado pela Azul em 2009 foi transformar-se na primeira linha aérea do mundo em transportar mais de 2 milhões de passageiros durante seu primeiro ano de operações.[28] [29] Também foi a primeira a atingir a marca de cinco milhões de passageiros em menos de dois anos.

Em agosto de 2009 a empresa lançou a Azul Cargo, de modo a utilizar as aeronaves para o transporte de mercadorias, mas com a intenção de no futuro operar com Boeing 737 e 757.[30] Nos anos de 2009 e 2010 a Azul foi eleita a empresa aérea mais pontual do Brasil.[31]

Dados históricos
Data Passageiros
13 de agosto de 2009 1 milhão de passageiros
7 de dezembro de 2009 2 milhões de passageiros
30 de abril de 2010 3 milhões de passageiros
28 de julho de 2010 4 milhões de passageiros
24 de setembro de 2010 5 milhões de passageiros
24 de novembro de 2010 6 milhões de passageiros
9 de fevereiro de 2011 7 milhões de passageiros
13 de abril de 2011 8 milhões de passageiros
19 de maio de 2011 9 milhões de passageiros
1 de julho de 2011 10 milhões de passageiros
4 de outubro de 2011 12 milhões de passageiros
9 de fevereiro de 2012 15 milhões de passageiros
5 de setembro de 2012 18 milhões de passageiros
30 de setembro de 2013 20 milhões de passageiros

Frota[editar | editar código-fonte]

TV ao vivo a bordo e futebol online[editar | editar código-fonte]

No primeiro semestre de 2012, entrou no ar um sistema de TV ao vivo a bordo dos aviões da Azul, com uma programação de 36 canais. O sistema é oferecido em parceria com a SKY e a programação é transmitida, via satélite, para as aeronaves. Ter programação de TV ao vivo era uma das promessas do fundador David Neeleman desde a criação da empresa. Inicialmente, eram 6 aeronaves com o sistema parcialmente operante[32] . Em outubro de 2012, foi, oficialmente, lançado o programa com 48 canais de televisão ao vivo em 40 aeronaves da frota, todos Embraer 190 e 195, num investimento total de R$ 100 milhões[33] .

Ônibus[editar | editar código-fonte]

Ônibus Azul

Para conectar a aérea metropolitana de São Paulo ao seu principal hub de operação, o aeroporto de Viracopos em campinas, a Azul iniciou em 14 de janeiro de 2009 o serviço de translado por ônibus executivo, primeiro conectando o aeroporto ao Shopping Villa-Lobos e depois expandindo e alterando para vários pontos da capital paulistana. Os serviços de Viracopos eram, inicialmente, operados pela empresa Leads, mas, em 2013, a Azul trocou o contrato para a Viação Lira, que opera com nome fantasia Lirabus. As linhas de Navegantes (SC) são operadas por outra empresa de ônibus. As linhas contemplam atualmente:[34]

São Paulo (Capital e grande São Paulo)

São Paulo (Interior)

Santa Catarina

Destinos[editar | editar código-fonte]

A Azul opera em 102 aeroportos do território brasileiro e em 2 destinos internacionais:[4]

Destinos Nacionais[editar | editar código-fonte]

Região Norte[editar | editar código-fonte]

Região Centro Oeste[editar | editar código-fonte]

Cauda de um Embraer 195 da Azul.

Região Nordeste[editar | editar código-fonte]

Região Sudeste[editar | editar código-fonte]

Embraer 195 da Azul, sobrevoando o Rio de Janeiro.

Região Sul[editar | editar código-fonte]

Airbus A330 da Azul, usado nas rotas internacionais.

Destinos Encerrados[editar | editar código-fonte]

Internacionais[editar | editar código-fonte]

América do Norte[editar | editar código-fonte]

Incidentes[editar | editar código-fonte]

No dia 20 de junho de 2009, no voo 4164, que transportava 100 pessoas de Campinas a Porto Alegre com escala em Navegantes, o piloto em comando teve que abortar a decolagem em Navegantes devido a uma falha de motor. Ninguém se feriu.[35]

Em 24 de novembro de 2009, no voo 4061, que transportava 94 pessoas de Salvador para Campinas, uma despressurização na cabine do avião Embraer 190 ocasionou o acionamento das máscaras de oxigênio e levou a tripulação a iniciar uma descida de emergência para o FL100 (nível de voo 100).[nota 1] O avião retornou a Salvador e pousou em segurança. Ninguém se feriu.[36]

Em 22 de setembro de 2011, no voo 4311, que transportava 54 pessoas de São José do Rio Preto para Campinas, o motor turboélice esquerdo do avião ATR-72 soltou fogo e faíscas aproximadamente 12 minutos após a decolagem. Ninguém se feriu e a aeronave foi recolhida para manutenção.[37]

No dia 26 de Julho de 2013, num turboélice do modelo ATR 72, realizando voo 5591 de Maceió para Salvador com 58 passageiros e 4 tripulantes a bordo, foram detectadas graves vibrações em ambos os motores. A tripulação, intencionalmente, desligou os 2 motores afim de recuperar o controle da aeronave. Alguns minutos depois, conseguiram ligar os motores novamente. A aeronave alternou para Salvador para pousar em segurança. O CENIPA do Brasil está investigando o caso com apoio da Azul e ATR. [38]

Em 14 de dezembro de 2013, um jato modelo Embraer 195 decolou do aeroporto de Viracopos com destino ao aeroporto de Uberlândia, realizando o voo 6913, derrapou e atolou após o pouso. O piloto não conseguiu frear a aeronave antes do fim da pista, que estava molhada e escorregadia por causa da chuva. Havia mais de 90 passageiros a bordo, mas ninguém se feriu.[39]

Em 19 de janeiro de 2015, um Embraer 195, que partiu do Aeroporto Internacional de Confins, em Belo Horizonte, com destino o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, teve que mudar sua rota e pousar na Base Aérea de Canoas,em Canoas, pois houve um problema nos freios e no flap da asa direita da aeronave. A decisão de pousar em Canoas foi porque a pista da base aérea é 500 metros maior do que a pista em Porto Alegre, além de o tráfego ser bem menor em Canoas. Não houve feridos.[40]

Notas

  1. Aproximadamente 10 000 pés (3 050 metros) acima do nível médio do mar.

Referências

  1. a b Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Comprovantes de Inscrição e de situação cadastral (HTML) (em português) Ministério da Fazenda. Visitado em 15 de janeiro de 2015. "Coloque CNPJ da Companhia para verificar a data de abertura (09.296.295/0001-60)"
  2. a b Valor Online (16 de dezembro de 2008). Azul estréia operações com ocupação de 62% (HTML) (em português) Globo.com. Visitado em 16 de janeiro de 2015.
  3. a b Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) (XLSX) (em português) Agência Nacional de Aviação Civil (Dezembro de 2014). Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  4. a b c Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) (Janeiro de 2015). Horário de Transporte (HOTRAN) (XLS) (em português). Visitado em 19 de janeiro de 2015. "Os Horários de Transporte são autorizações de exploração regular do espaço aéreo mas isso não significa que a companhia não pode interromper de forma temporária e programada as operações em algum destes aeroportos."
  5. a b Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) (07 de novembro de 2008). Certificado de Homologação de Empresa de Transporte Aéreo (PDF) (em português). Visitado em 14 de janeiro de 2015.
  6. a b c Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) (2013). Anuário Estatístico do Transporte Aéreo - 2013 (ZIP) (em português). Visitado em 16 de janeiro de 2015. "Considere Azul e Trip como uma única empresa."
  7. Dan Horch (01 de dezembro de 2014). Azul, Brazil Airline Started by JetBlue Founder, Files for I.P.O. (HTML) (em inglês) The New York Times. Visitado em 16 de janeiro de 2015.
  8. Marina Gazzoni (11 de setembro de 2014). Azul inicia hoje venda de passagem aos EUA (HTML) (em português) O Estado de São Paulo. Visitado em 17 de janeiro de 2015.
  9. France Presse (01 de dezembro de 2014). Azul fecha a compra de 35 Airbus A320 Neo por US$ 3,6 bilhões. (HTML) (em português) Globo.com. Visitado em 9 de fevereiro de 2015.
  10. Aeromagazine (24 de abril de 2014). Azul encomenda A330 e A350XWB (HTML) (em português). Visitado em 9 de fevereiro de 2015.
  11. The Darien Times (16 de março de 2014). Jet Blue founder David Neeleman to speak at Darien Library (HTML) (em inglês). Visitado em 15 de janeiro de 2015.
  12. Emily Schmall (27 de março de 2008). Next For David Neeleman: JetBrazil? (HTML) (em inglês) Forbes.com. Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  13. BBC Brasil (28 de março de 2008). Infraestrutura deficiente será desafio para nova empresa aérea. (HTML) (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  14. Folha Online (27 de março de 2008). Nova empresa pode comprar até 76 aviões Embraer para voar em 2009 (HTML) (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 20 de janeiro de 2015.
  15. a b Agência Estado (6 de maio de 2008). Nova empresa no País vai se chamar Azul Linhas Aéreas (HTML) (em português) O Estado de S. Paulo. Visitado em 20 de janeiro de 2015.
  16. Folha Online (17 de abril de 2008). Nova empresa aérea brasileira pode se chamar Samba ou Abraço (HTML) (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 20 de janeiro de 2015.
  17. a b Folha Online (6 de maio de 2008). Nova empresa aérea vai se chamar Azul (HTML) (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 20 de janeiro de 2015.
  18. Folha Online (04 de julho de 2008). Ex-diretor do Pão de Açúcar assume presidência da Azul na segunda (HTML) (em português) Folha de S.Paulo. Visitado em 17 de janeiro de 2015.
  19. Market Share Azul Agência Nacional de Aviação Civil.
  20. Uma nova empresa para o Brasil.
  21. Veja
  22. [1]
  23. http://azulnews.com.br/azul-linhas-aereas-vai-de-airbus-nas-linhas-internacionais/
  24. [2]
  25. "ABAV Nacional critica promoção anunciada pela Azul". Notícias. Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV). Visitado em 23 de novembro de 2014.
  26. a b Fleury, Pedro Leme. Estudo sobre estratégias de negócios de empresas de transporte aéreo para atender o mercado de baixa renda: estudo de caso. São Paulo: Universidade de São Paulo (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), 2010. 159 p. p. 127. Página visitada em 23 de novembro de 2014.
  27. Guedes, Camila Rodrigues. O marketing de relacionamento nas mídias sociais: Análise das companhias aéreas Gol e Azul no Facebook. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora (Faculdade de Comunicação Social), 2013. 78 p. p. 44. Página visitada em 23 de novembro de 2014.
  28. Brazil's Azul Airlines Reaches First Anniversary With World-Record Results Yahoo! Finance (18 de janeiro de 2010). Visitado em 22 de janeiro de 2010.
  29. AZUL comemora seu primeiro aniversário Brasil Turis Jornal (15 de dezembro de 2009). Visitado em 22 de janeiro de 2010.
  30. [3]
  31. Azul é a mais pontual em janeiro Revista Avião Revue.
  32. [4]
  33. [5]
  34. Azul - Linhas Aéreas Brasileiras. Mais ônibus, mais comodidade. (HTML) (em português). Visitado em 9 de fevereiro de 2015.
  35. (22 de junho de 2009) "Avião da Azul que teve pane em turbina recebe reparos em Navegantes". ANotícia. Grupo RBS. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  36. HRADECKY, Simon. (25 de novembro de 2009). "Incident: Azul E190 near Salvador on Nov 24th 2009, loss of cabin pressure" (em en). The Aviation Herald. NOMIS SOFT. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  37. SIQUEIRA, Chico. (22 de setembro de 2011). "Fogo em turbina faz avião da Azul retornar a aeroporto em SP". Cidades. Araçatuba: Terra. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  38. http://avherald.com/h?article=46691b8a&opt=0
  39. PORTILHO, Carolina. (15 de dezembro de 2013). "Avião atolado é retirado da pista do aeroporto de Uberlândia". G1. Minas Gerais: Globo. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  40. Zero Hora (19 de janeiro de 2015). Voo da Azul faz pouso de emergência na Base Aérea de Canoas. Visitado em 1 de fevereiro de 2015.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons