Bálsamo (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Bálsamo
"Cidade das palmeiras"
Bandeira de Bálsamo
Brasão de Bálsamo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 17 de novembro
Fundação 17 de novembro de 1920 (96 anos)
Gentílico balsamense
Lema DECUS ET ORDO IN LABORE
(Honra e Ordem no trabalho)
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Paz
Prefeito(a) Carlos Eduardo Carmona Lourenço (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Bálsamo
Localização de Bálsamo em São Paulo
Bálsamo está localizado em: Brasil
Bálsamo
Localização de Bálsamo no Brasil
20° 44' 06" S 49° 35' 02" O20° 44' 06" S 49° 35' 02" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Microrregião São José do Rio Preto IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Mirassol, Tanabi, Monte Aprazível, Neves Paulista e Mirassolândia
Distância até a capital 464 km
Características geográficas
Área 150,6 km² [2]
População 8 841 hab. estimativa/2016
Densidade 58,71 hab./km²
Altitude 545 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,756 alto IBGE/2010
PIB R$ 156 157,84 mil IBGE/2014[3]
PIB per capita R$ 18 762,21 IBGE/2014[3]
Página oficial

Bálsamo é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 20º44'07" sul e a uma longitude 49º35'01" oeste, estando a uma altitude de 545 metros. Tem uma população de 8.160 habitantes (IBGE/2010)[2]. Bálsamo pertence à Microrregião de São José do Rio Preto

História[editar | editar código-fonte]

O município de Bálsamo foi fundado em 17 de novembro de 1920, porém, seu nome não se deve ao aroma agradável de algumas plantas, como sugere o dicionário. Na verdade, seu nome se deve ao Córrego do Bálsamo, riacho assim intitulado devido à grande quantidade de pés de bálsamo existentes em sua margem. Este pé é mais conhecido como cabreúva, árvore de madeira de lei, muito abundante à época e praticamente extinto da região nos dias de hoje.

As terras pertenciam a Lourença Diogo Ayala e seus filhos, Pedro e Salustiano. Vizinho a eles, o engenheiro José Portugal Freixo, dono de milhares de alqueires de terra na região, pediu a seu sobrinho, Cândido Brasil Estrela, que demarcasse as áreas da fazenda Bálsamo, recentemente comprada pelos irmãos Ayala. Cândido pediu, então, a doação de parte da margem esquerda da cabeceira do córrego para a formação de um patrimônio, o que foi aceito. Uma estrada foi aberta, então, cortando as terras, com o apoio de Feliciano Sales Cunha, e, na década de 20, uma garagem foi construída ali.

Em 17 de novembro de 1920, teve início o povoado “Nova Paz de Bálsamo”. Do loteamento, D. Lourença Diogo Ayala doou também um quarteirão para a construção da Igreja, cuja padroeira ela mesma escolheu: Nossa Senhora da Paz, a mesma do povoado onde D. Lourença nascera na Espanha.

Rapidamente o povoado cresceu, devido ao avanço das lavouras de café e a fundação de Mirassol, na década de 10. Em pouco tempo cresceram o número de casas de alvenaria e o comércio local. Em março de 1923 instalou-se o Distrito Policial.

Os pioneiros eram mineiros, mas a eles se juntaram italianos, portugueses nordestinos e, sobre tudo, espanhóis, que eram em maior número e se dedicaram mais ao comércio.

Na década de 40 chegou a Estrada de Ferro, trazendo modernidade e facilitando o transporte do país. Na década de  rodovia foi asfaltada.

Apesar de sua formação agrícola, atualmente a cidade é movimentada pelo comércio e pela prestação de serviços.

Yolando Vidigal Soares, que era, além de dentista, fazendeiro e industrial, trocou o Rio de Janeiro por Bálsamo– atendendo a nomeação de sub-delegado para o Distrito Policial, e decidiu trazer com ele algumas mudas de Palmeiras Imperiais.

No ano de 1936, Yolando foi nomeado sub-prefeito do Distrito de Bálsamo e nomeado novamente em 1937, ocasião que planejou e construiu os jardins públicos da cidade, onde plantou por definitivo as mudas de Palmeiras Imperiais que havia trazido do Rio de Janeiro. Foram plantas 21 mudas, representando os 21 Estados que havia no Brasil, na época.

Conforme cresciam ao redor da praça, e por seu tamanho e beleza marcante, os moradores apelidaram, carinhosamente, o município de “Cidade das Palmeiras”. Hoje, além dos jardins públicos, elas podem ser encontradas por toda a cidade, deixando a paisagem mais bonita e agradável.

Do Distrito Policial a emancipação político-administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 13 de março de 1923, Bálsamo passou a ser Distrito Policial - uma unidade fixa para atendimento, base e administração de operações policiais, investigações criminais e detenções temporárias.  Foi nomeado como sub-delegado Yolando Vidigal, pelo presidente do Estado Washington Luis.

Passou a ser Distrito de Paz em 18 de dezembro de 1925, pela Lei Estadual 2086. Após esta elevação, foi instalado em Bálsamo um cartório e agência dos correios. O primeiro sub-prefeito de Bálsamo foi Floriano Peixoto Abs, eleito em primeiro de janeiro de 1926 pela Câmara de Mirassol.

Em junho de 1953, Bálsamo, ainda distrito, apresentava as seguintes características:

· É servida pela Estrada de Ferro Araraquara, com estação de serviço telegráfico,

· Possui agência postal, do Departamento dos Correios e Telégrafos,

· Têm rede telefônica, da Companhia Telefônica Rio Preto,

· Têm força e luz, da Cia. Paulista de Força e Luz,

· População: 6.150 moradores, sendo urbano 1.500 e rural 4.650,

· Possui 310 prédios na sede,

· Possui 37 estabelecimentos comerciais e 20 industriais,

· Registram-se outras 24 atividades comerciais,

· São 175 propriedades agrícolas, totalizando a plantação existente de 5.500.000 de pés de café,

· Estão instalados no distrito sete profissionais da área da saúde, sendo três médicos, três farmacêuticos e um dentista,

· O distrito ainda conta com um cinema, um rádio propaganda, um escritório de contabilidade e despachante e um clube de futebol – o Bálsamo Futebol Clube.

As principais fontes de riqueza do Distrito eram: café, cereais e pecuária. Com estas atividades e forte produção,muitos moradores aspiraram o desejo de independência político-administrativa, criando-se para tal fim a Comissão Pró Município, no sentido de conduzir o processo e suas tramitações legais.

No dia 08 de março de 1953 foi realizado o plebiscito – com os moradores de Mirassol, Distrito de Bálsamo e Distrito de Mirassolândia – para consultar sobre a conveniência de ser elevado ou não o Distrito de Bálsamo a categoria de município. O que ocorreu de forma positiva.

Em 30 de dezembro de 1953, Bálsamo foi elevado a município pela Lei Estadual 2.456, que entrou em execução em primeiro de janeiro de  sua administração, entretanto, continuou a cargo da prefeitura de Mirassol.

As eleições municipais, para instalação dos poderes executivo e legislativo balsamense, realizaram-se em 03 de outubro de 1954. Votaram 1.098 eleitores.

O município instalou-se em primeiro de janeiro de 1955 e seu povo recebeu o adjetivo de balsamense

Fonte:http://www.cmbalsamo.sp.gov.br/listaprod.asp?lista=categoria&tipo_id=13

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Bálsamo é tropical chuvoso com inverno seco, do tipo Aw na classificação climática de Köppen-Geiger, com temperaturas médias mensais sempre superiores a 18 ºC e média de precipitação inferior a sessenta milímetros em um ou mais meses.[4] Os verões são quentes e úmidos, com temperaturas máximas que podem ultrapassar 35 ºC ou até mesmo chegar a 40 ºC.[5] Os invernos são na maior parte secos e relativamente frios, em alguns dias de frio intenso, há a possibilidade de ocorrência de geadas.[6] Tempestades de granizo podem acontecer esporadicamente. O índice pluviométrico médio do município gira em torno de 1.400 mm anuais.

Dados climatológicos para Bálsamo
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 30.6 30.7 30.6 29.6 27.9 26.9 27.3 29.9 31.1 31.1 30.8 30.4 29.7
Temperatura média (°C) 24.9 25.1 24.7 22.9 20.8 19.7 19.6 21.7 23.4 24.2 24.4 24.6 23.0
Temperatura mínima média (°C) 19.3 19.4 18.8 16.3 13.7 12.5 12.0 13.6 15.7 17.4 17.9 18.9 16.3
Chuva (mm) 237.0 202.2 156.2 81.5 54.3 36.0 21.1 21.0 57.1 119.9 149.8 228.4 1.364.5
Fonte: Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (CEPAGRI).

Religião[editar | editar código-fonte]

Conforme dados do censo 2010, a população balsamense é formada por católicos apostólicos romanos (70,37%), evangélicos (19,17%), espíritas (3,43%), sem religião(3,98%), e ateus (0,07%)

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Bálsamo pertence a Diocese de São José do Rio Preto, criada em 25 de janeiro de 1929 pelo Papa Pio XI. O primeiro bispo de Rio Preto foi Dom Lafayette Libânio, que criou, em 01 de janeiro de 1933 a paróquia de Bálsamo, sob o título da padroeira da então novata localidade, Nossa Senhora da Paz, do qual também recebeu o título de Santuário.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Possui uma área de 150,6 km²

Altitude[editar | editar código-fonte]

A altitude da sede é de 545 m. Em território balsamense fica um dos pontos mais altos do noroeste paulista, com 612 m, quase na divisa com o município de Tanabi, a pouco mais de 3 km da cidade.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010[2]

População Total: 8.160

  • Urbana: 7.474
  • Rural: 686
  • Homens: 3.998[7]
  • Mulheres: 4.162

Densidade demográfica (hab./km²): 54,18

Taxa de Alfabetização: 92,4%[8]

Dados do Censo - 2015

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 10,99

Expectativa de vida (anos): 73,28 (2010)

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,89 (2010)

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M 2010): 0,756

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Ribeirão Jataí
  • Ribeirão Barra Grande
  • Córrego do Bálsamo
  • Córrego do Ipê/Tatu
  • Córrego da Glória

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-320 - Rodovia Euclides da Cunha
  • Rodovia José Jerônimo de Paula (Bálsamo/Mirassolândia)

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b c «Censo Populacional 2010 - IBGE» (PDF). IBGE.gov.br. Consultado em 25 de agosto de 2011 
  3. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 27 dez. 2011 
  4. MIRANDA, Marina J. de.; et al. «A CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA DE KOEPPEN PARA O ESTADO DE SÃO PAULO.». Centro de Pesquisas Meteorológicas e Aplicadas à Agricultura (CEPAGRI). Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2014 
  5. Natália Clementin e Marcos Lavezo (30 de outubro de 2012). «Rio-pretenses usam redes sociais para 'piadas' sobre calor excessivo». G1 Rio Preto e Araçatuba. Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2014 
  6. Elen Valereto (28 de junho de 2011). «Temperatura deve chegar a 6 graus hoje». Diário Web. Consultado em 27 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2014 
  7. «SIDRA IBGE - Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». IBGE. Consultado em 25 de agosto de 2011  horizontal tab character character in |título= at position 26 (ajuda)
  8. «Taxa de Alfabetização 2010» (zip). Censo 2010 IBGE: Indicadores Sociais Municipais. IBGE.gov.br. Consultado em 23 de janeiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]