Bård Faust

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bård Faust
Informação geral
Nome completo Bård G. Eithun
Também conhecido(a) como Faust
Nascimento 21 de abril de 1974
País  Noruega
Gênero(s) Black Metal
Instrumento(s) bateria
Período em atividade 19911994 e 2003 — atualmente
Afiliação(ões) Aborym, Blood Tsunami, Emperor, Zyklon, Scum

Bård G. Eithun (21 de Abril de 1974) é um baterista norueguês, conhecido pelo pseudônimo de Bård Faust ou apenas Faust. Faust foi baterista do Emperor no início dos anos 90, lançando com a banda os álbuns As the Shadows Rise e In the Nightside Eclipse. Ele também escreve letras para outras bandas, incluindo o Zyklon.

Acusação de assassinato[editar | editar código-fonte]

Em 21 de agosto de 1992, Bård 'Faust' Eithun esfaqueou até a morte Magne Andreassen, um homem gay, numa floresta ao redor de Lillehammer.[1] Faust estava visitando sua família lá.[2] De acordo com ele, enquanto caminhava pelo Parque Olímpico a noite, "esse homem se aproximou de mim - ele estava obviamente bêbado e era obviamente gay [...] e estava claro que ele queria ter algum contato. Ele me perguntou se eu poderia [...] subir a floresta. Então eu concordei, porque eu estava decidido que queria matá-lo, o que era bem esquisito... porque [normalmente] eu não sou assim."[3] Faust sempre carregava consigo uma faca quando viajava, explicando: "É melhor ter uma faca quando você não precisa, do que não ter uma quando precisar".[2] Uma vez na floresta, Faust esfaqueou 37 vezes[4] e então chutou-o na cabeça repetidamente até ele cair no chão.[5]

Faust alegou que ele não sentiu remorso na época.[6] No fim dos anos 1990, ele disse sobre o assassinato: "Eu estava lá fora, apenas esperando para fazer uma agressão. Não é fácil descrever porque isso aconteceu. Aquilo era para acontecer, e se fosse esse cara ou outro qualquer, não mudaria muito o resultado."[6] Ihsahn, seu colega da banda Emperor, disse que Faust "tinha uma fascinação por serial killers há muito tempo, e eu acho que ele queria saber como era matar uma pessoa com as próprias mãos".[2] O assassinato também foi ligado ao black metal, satanismo ou fascismo, mas em uma entrevista em 2008 Faust explicou: "Eu nunca fui um satanista ou fascista, mas eu coloquei em mim o ódio e a negatividade. Aqueles sentimentos que simplesmente consomem seu interior".[7]

A polícia inicialmente não tinha suspeitos, e Faust permaneceu livre por cerca de um ano.[4] De qualquer forma, ele contou a Euronymous, Vikernes e a alguns outros o que ele tinha feito.[4] Um dia após o esfaqueamento, ele retornou a Oslo e queimou a Capela Holmenkollen com Vikernes e Euronymous. Depois de Euronymous ser morto em agosto de 1993, Faust foi preso e confessou o assassinato de Andreassen. Em 1994, ele foi sentenciado a 14 anos de prisão, mas foi solto em 2003 após ficar nove anos e quatro meses encarcerado.[7]

Retorno a música[editar | editar código-fonte]

Após ser libertado, Faust retornou a carreira de músico, tocando bateria nas bandas Scum, Aborym e Blood Tsunami e escrevendo letras para o Zyklon.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Links[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Aaron Aites (director, producer), Audrey Ewell (director, producer) (2009). Until the Light Takes Us (motion picture). Variance Films. 
  2. a b c Lords of Chaos, p. 111.
  3. Lords of Chaos, p. 112.
  4. a b c Lords of Chaos, p. 116.
  5. Lords of Chaos, p. 113.
  6. a b Lords of Chaos, p. 114.
  7. a b Bowar, Chad. "Interview with former Emperor drummer Faust". Consultado em 30 May 2008. I was never a Satanist or fascist in any way, but I put behind me the hatred and negativity. Those feelings just eat you up from inside. 
  • Moynihan, M. and Soderlind, D. (2003) Lords of Chaos - The Bloody Rise of the Satanic Metal Underground Revised and Expanded Edition, California: Feral House