Bóhrio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Bóhrio Stylised atom with three Bohr model orbits and stylised nucleus.svg
SeabórgioBóhrioHássio
Re
   
 
107
Bh
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Bh
Tabela completaTabela estendida
Aparência
desconhecida
Informações gerais
Nome, símbolo, número Bóhrio, Bh, 107
Série química metal de transição.
Grupo, período, bloco 7, 7, d
Densidade, dureza 37 000 (previsto)[1] kg/m3,
Número CAS 54037-14-8
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica (270) u
Raio atómico (calculado) 128 (presumido)[1] pm
Raio covalente 141 (est.)[2] pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Rn] 5f14 6d5 7s2
(previsto)[1]
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 32, 32, 13, 2 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 7, 5, 4, 3 [1]
Óxido
Estrutura cristalina
Propriedades físicas
Estado da matéria Sólido (presumido)
Ponto de fusão  K
Ponto de ebulição  K
Entalpia de fusão kJ/mol
Entalpia de vaporização kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor
Velocidade do som m/s a 20 °C
Classe magnética
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling)
Calor específico J/(kg·K)
Condutividade elétrica S/m
Condutividade térmica W/(m·K)
Potencial de ionização 742,9 (est.)[1] kJ/mol
2º Potencial de ionização 1 688,5 (est.)[1] kJ/mol
3º Potencial de ionização 2 566,5 (est.)[1] kJ/mol
4º Potencial de ionização kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
267Bh Sin. 17 s α 8,83 263Db
270Bh Sin. 61 s α 8,93 266Db
271Bh Sin. 1,2 min α 9,35 267Db
272Bh Sin. 9,8 s α 9,02 268Db
274Bh Sin. ~54 s α 8,8 270Db
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O bóhrio (em homenagem a Niels Bohr) ou Eka-Rênio (por estar localizado abaixo do rênio na tabela periódica) é um elemento químico sintético, símbolo Bh, número atômico 107 (107 prótons e 107 elétrons) que apresenta massa atómica [264] u.

É um elemento de transição, pertencente ao grupo 7 da tabela periódica, radioativo, transurânico, provavelmente metálico, sólido, de aspecto prateado, cujo isótopo mais estável, Bh-262, apresenta meia-vida de 102 minutos.

O isótopo de bóhrio-261 foi sintetizado em 1976 por cientistas soviético em Dubna, bombardeando bismuto com íons pesados de cromo. Fora da pesquisa científica nenhum uso é conhecido para o bóhrio.

História[editar | editar código-fonte]

O bóhrio foi sintetizado em 1976 por uma equipe de cientistas soviéticos liderado por Y. Oganessian no "Joint Institute for Nuclear Research" de Dubna, Rússia, que produziram o isótopo 261Bh com meia-vida de 1-2 minutos (segundo outras fontes, em torno de 10 minutos).

Esta equipe sintetizou o isótopo Bh-261 bombardeando bismuto-204 com núcleos pesados de cromo-54.

Em 1981 uma equipe germânica conduzida por Peter Armbruster e Gottfried Münzenberg no "Gesellschaft für Schwerionenforschung" do "Institute for Heavy Ion Research" em Darmstadt confirmou os resultados da pesquisa soviética, porém obtendo o isótopo Bh-262.

Os alemães sugeriam que o novo elemento deveria ser nomeado em homenagem ao físico dinamarquês Niels Bohr; entretanto, os soviéticos sugeriram que o nome do físico deveria ser dado ao elemento 105 (dúbnio).

Devido à controvérsia para a nomeação dos elementos de 101 a 109 , a IUPAC denominou este elemento provisoriamente de "unnilseptium" (em português unilséptio, símbolo Uns).

Em 1994 um comitê da IUPAC recomendou que elemento 107 fosse denominado como “bóhrio”, com símbolo “Bh”. O nome foi reconhecido internacionalmente em 1997.

Propriedades químicas[editar | editar código-fonte]

O bóhrio é o quinto membro da série 6d de metais de transição e o membro mais pesado do grupo 7 na tabela periódica, abaixo do manganês, do tecnécio e do rênio. Todos os membros do grupo prontamente mostram o estado de oxidação do grupo de +7, e este estado se torna mais estável à medida que se desce pelo grupo. Assim, o bóhrio é esperado para formar um estado de oxidação +7 estável. O tecnécio também mostra um estado +4 estável, enquanto o rênio exibe estados estáveis ​​+4 e +3. O bóhrio pode, portanto, mostrar esses estados inferiores também. O estado de oxidação superior +7 é mais provável que exista nos oxoânions, tais como o perbohrato, BhO4- (ver nota abaixo), análogo aos homólogos mais leves permanganato, pertecnetato e per-renato. No entanto, o bóhrio(VII) é susceptível de ser instável em solução aquosa, e provavelmente seria facilmente reduzido para o bóhrio(IV) mais estável.

Tecnécio e rênio são conhecidos por formar heptóxidos voláteis M2O7 (M = Tc, Re), de modo que o bóhrio também deve formar o óxido volátil Bh2O7. O óxido deve dissolver-se na água para formar o ácido perbóhrico, HBhO4. O rênio e o tecnécio formam uma gama de oxihaletos a partir da halogenação do ácido. A cloração do óxido forma os oxicloretos MO3Cl, de modo que BhO3Cl deve ser formado nesta reação. Fluoração resulta em MO3F e MO2F3 e para os elementos mais pesados, para além dos compostos de rênio ReOF5 e ReF7. Portanto, a formação de oxifluoreto para o bóhrio pode ajudar a indicar propriedades de eka-rênio. Uma vez que os oxicloretos são assimétricos, e eles devem ter momentos de dipolo cada vez maiores e à medida que se desce no grupo, eles devem tornar-se menos voláteis na ordem TcO3Cl > ReO3Cl > BhO3Cl: isto foi confirmado experimentalmente em 2000, medindo as entalpias de adsorção destes três compostos. Os valores para TcO3Cl e ReO3Cl são -51 kJ/mol e -61 kJ/mol, respectivamente; o valor experimental para BhO3Cl é -77,8 kJ/mol, muito próximo do valor teoricamente esperado de -78,5 kJ/mol.

Nota[editar | editar código-fonte]

  • Não se deve confundir perbohrato (BhO4-), um composto do elemento bóhrio, com perborato (B2O4(OH)4−2), um composto do elemento boro. Embora a pronúncia portuguesa seja igual, os elementos constituintes e as estruturas moleculares são totalmente diferentes.

Física e atômica[editar | editar código-fonte]

Espera-se que o bóhrio seja um sólido em condições normais e assume uma estrutura cristalina hexagonal compacta ( c/a = 1,62), semelhante ao seu mais leve congênere, rênio. O bóhrio deve ser um metal muito denso, com uma densidade de cerca de 37,1 g/cm3 , o qual seria o terceiro mais elevado de qualquer um dos 118 elementos conhecidos, inferior apenas ao meitnério (37,4 g/cm3) e hássio (41 g/cm3), os dois próximos elementos na tabela periódica. Em comparação, o elemento mais denso que teve a sua densidade medida, ósmio, tem uma densidade de apenas 22,61 g/cm3. Isto resulta da elevada massa atômica do Bh, os efeitos das contrações lantanídicas e actinídicas e os efeitos relativísticos, embora a produção de bóhrio em quantidade suficiente para medir esta quantidade seria impraticável, sendo que a amostra decairia rapidamente.

O raio atômico do bohrium deverá ser de cerca de 128 pm. Devido à estabilização relativista do orbital 7s e à desestabilização do orbital 6d, prevê-se que o íon Bh+ tenha a configuração eletrônica [Rn]5f146d47s2, perdendo um elétron do subnível 6d, em vez de um 7s, o que é o oposto do comportamento de seus homólogos mais leves manganês e tecnécio. Rênio, por outro lado, segue o seu congênere mais pesado bóhrio em perder um elétron 5d antes de um elétron 6s, já que os efeitos relativísticos tornaram-se significativos a partir do sexto período, onde causam entre outras coisas, a cor amarela do ouro e do baixo ponto de fusão do mercúrio. O íon Bh+2 deverá ter a configuração eletrônica [Rn]5f146d47s1; em contraste, o íon Re+2 tem a configuração [Xe]5f145d5, desta vez análogo ao manganês e tecnécio. É esperado que o raio iônico do bóhrio hexacoordenado heptavalente seja de 58 pm (manganês, tecnécio e rênio heptavalentes têm valores de 46, 57 e 53 pm, respectivamente). O bóhrio pentavalente deve ter um raio iônico maior, de 83 pm.

Referências

  1. a b c d e f g Haire, Richard G. (2006). «Transactinides and the future elements». In: Morss; Edelstein, Norman M.; Fuger, Jean. The Chemistry of the Actinide and Transactinide Elements 3rd ed. Dordrecht, The Netherlands: Springer Science+Business Media. ISBN 1-4020-3555-1 
  2. Chemical Data. Bohrium - Bh, Royal Chemical Society

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Bóhrio