Bósnia e Herzegovina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bosna i Hercegovina
Боснa и Херцеговинa

Bósnia e Herzegovina
Bandeira da Bósnia e Herzegovina
Brasão da Bósnia e Herzegovina
Bandeira Brasão de armas
Lema: Vojnici se bore za federaciju

(do Bósnio "As tropas estão a lutar pela federação)

Hino nacional: Intermeco ("Intermezzo")
Gentílico: bósnio

Localização da Bósnia e Herzegovina

Localização da Bósnia e Herzegovina (em vermelho).
Capital Sarajevo
43º52'N 18º25'E
Cidade mais populosa Sarajevo
Língua oficial Bósnio, croata e sérvio
Governo República parlamentarista federal tripartida[1]
 - Alto Representante Valentin Inzko1
 - Membros da Presidência Šefik Džaferović2
Željko Komšić3
Milorad Dodik4
 - Presidente do Conselho de Ministros Zoran Tegeltija
Independência História 
 - Formada 29 de agosto de 1189 
 - Reino estabelecido 26 de outubro de 1377 
 - Independência perdida para o Império Otomano 1463 
 - Independência da Iugoslávia 1 de março de 1992 
 - Reconhecida 6 de abril de 1992 
Área  
 - Total 51 197 km² (127.º)
População  
 - Estimativa para 2016 3 861 912[2] hab. (129.º)
 - Censo 1991 4 377 033 hab. 
 - Densidade 69 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2016
 - Total US$ 42 530 milhões (113.º)
 - Per capita US$ 11 000 (137.º)
IDH (2018) 0,769 (75.º) – alto[3]
Moeda Marco convertível (BAM)
Fuso horário Horário da Europa Central (UTC+1)
 - Verão (DST) CEST (UTC+2)
Org. internacionais Conselho da Europa, CEFTA
Cód. ISO BIH
Cód. Internet .ba
Cód. telef. +387

Mapa da Bósnia e Herzegovina

1Não é membro do governo; o Alto Representante é um supervisor internacional civil do cumprimento do Acordo de Paz de Dayton no país. Tem poder para demitir tanto agentes eleitos como não eleitos e para promulgar legislação.
2Atual líder da presidência; bósnio.
3Atual membro da presidência; croata.
4Atual membro da presidência; sérvio.

A Bósnia e Herzegovina (ou, de forma abreviada, Bósnia;[4][5] em bósnio, croata e sérvio: Bosna i Hercegovina, pronunciado AFI[bôsna i xěrt͡seɡoʋina]; em alfabeto cirílico: Босна и Херцеговина) é uma república federal dos Balcãs, resultante da dissolução da Jugoslávia, limitada a norte e oeste pela Croácia, a leste e a sul pela Sérvia, e a sul pelo Montenegro, dispondo ainda de uma minúscula extensão de litoral, no mar Adriático. Sua capital é a cidade de Sarajevo. É composta por duas entidades politicamente autónomas, a Federação da Bósnia e Herzegovina (federação croato-bosníaca) e a República Sérvia (também conhecida como República Srpska, que não deve ser confundida com a Sérvia propriamente dita).

A república independente está dividida em duas regiões geográficas: Bósnia, na parte setentrional, uma região de montanhas que encontra-se sob a cobertura das densas florestas; Herzegovina, na parte meridional, compõe-se, em sua maioria, de montes rochosos onde a atividade econômica praticada é a agricultura. Antes da guerra civil, mais de um quinto da população que habitava a Bósnia e Herzegovina se compunha de fazendeiros responsáveis pelo cultivo de frutas cítricas e legumes. A república independente possuía grandes reservas minerais onde eram extraídos bauxita, cobre, ferro, aço, lignito, madeira e zinco. As indústrias de maior importância foram as que fabricavam ferro, aço, couro, alimentos e têxteis, sendo destruídas mais tarde em virtude dos conflitos da guerra civil.

Os principais grupos étnicos que habitam a Bósnia e Herzegovina são majoritariamente bósnios, sérvios e croatas. A maioria dos habitantes que vive no país são falantes do servo-croata e adotantes do alfabeto cirílico. Metade da população segue o cristianismo (35 por cento segue a Igreja Ortodoxa Sérvia e 15 por cento segue o catolicismo) e 46 por cento é muçulmana.

Há 2 000 anos, os ilírios foram os primeiros habitantes da atual Bósnia e Herzegovina. Depois do ano 100, diversos povos passaram a dominar a região; governantes do Império Romano, do Império Bizantino, do Reino da Croácia, do Reino da Hungria e do Reino da Sérvia foram ali estabelecidos. Os turcos otomanos foram os governantes da atual Bósnia e Herzegovina entre a segunda metade do século XV e o ano de 1878.

O Império Austro-Húngaro dominou a região em 1878. Em 1914, um estudante nascido no Reino da Sérvia, Gavrilo Princip, assassinou o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, em Sarajevo, na Bósnia recém anexada ao império. Esse foi o estopim da Primeira Guerra Mundial.

Com o término da Primeira Guerra Mundial, o Reino da Jugoslávia anexou a Bósnia e Herzegovina em 1918. Na época em que eclodiu a Segunda Guerra Mundial, os soldados da Bósnia e Herzegovina entraram na luta contra tropas da Alemanha Nazi e da Itália fascista que foram responsáveis pela ocupação da terra dos bósnios.

A Bósnia e Herzegovina tornou-se independente em 1992. Depois de ser proclamada a independência do país, eclodiu uma guerra civil, resultando num genocídio que causou a morte de 200 mil pessoas.

História[editar | editar código-fonte]

Sabe-se que a região é habitada por humanos desde pelo menos o Paleolítico, pois uma das mais antigas pinturas rupestres conhecidas foi encontrada na caverna Badanj em Stolac. Grandes culturas neolíticas datadas entre 6230 a.C. e 4900 a.C., como os Butmir e Kakanj, se desenvolveram ao longo do rio Bosna.

Os povos Ilírios, um grupo étnico bastante diverso, começaram a se organizar na região onde atualmente fica a Eslovênia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Sérvia, Kosovo, Montenegro e Albânia. A partir do século VIII a.C., essas tribos evoluíram para reinos. O reino mais antigo registrado na Ilíria foi o Reino Enchele que existiu no século VIII a.C. Outros reinos também existiram até cerca de 167 a.C. O Reino Ardiaei (originalmente uma tribo da região do vale do rio Neretva) tem seus primeiros registros em cerca de 230 a.C. e acabou em 167 a.C.. Os reinos e dinastias ilíricos mais notáveis ​​foram governados pelo rei Bardyllis de Dardani e Agron de Ardiaei. O Império Romano anexou a região por volta do ano 9 a.C.. No ano 6, os povos ilírios se revoltaram contra Roma e travaram uma sangrenta guerra conhecida como Bellum Batinianum onde acabaram subjugados.

Mesquita Gazi Husrev-beg em Sarajevo, construída em 1551 durante o domínio Otomano.

A partir do século XII, várias partes da região que hoje corresponde à Bósnia e Herzegovina foram tomadas pelos sérvios, croatas, húngaros, venezianos e bizantinos. No século XII, o Reino da Hungria passou a governar o território, delegando o poder a vice-reis distritais de origem bósnia, croata e húngara. Anos depois, a região foi invadida pelo Império Otomano e, depois de várias batalhas, tornou-se uma província turca. Durante os séculos XVI e século XVII, a Bósnia foi um ponto estratégico nos conflitos constantes contra os Habsburgos e contra Veneza. Durante este período, uma parte da população, conhecida como bogomilos, sérvios que professavam uma heresia de tipo arianista, converteu-se massivamente ao Islão.

Depois da Guerra Russo-Turca, entre 1877 e 1878, a Bósnia e a Herzegovina ficaram a constituir um protectorado sob controlo do Império Austro-Húngaro, tendo sido anexada em 1908. A nova constituição dividiu o eleitorado em ortodoxo, católico e muçulmano, o que contribuiu muito pouco para travar o crescente nacionalismo sérvio.

Em 1914, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, foi assassinado em Sarajevo por um nacionalista sérvio. Esse acontecimento precipitou o início da Primeira Guerra Mundial. Em 1918, a Bósnia e Herzegovina foi anexada à Sérvia, como parte do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos. Durante a segunda guerra mundial, decorrendo de perseguições e limpeza étnica às mãos do regime fascista croata, satélite da Itália de Mussolini, a proporção da população sérvia-ortodoxa da Bósnia e Herzegovina diminuiu de dois terços para um terço do total. Em 1946, os dois territórios integraram a República Socialista Federativa da Jugoslávia, de regime comunista, sob a liderança do croata Josip Broz Tito.

Parlamento da Bósnia em chamas durante o Cerco de Sarajevo em 1992.

Com o colapso do comunismo, em 1989-1990, a Jugoslávia mergulhou numa onda de nacionalismo extremo, no quadro dum processo intencional externamente estimulado com vista ao desmembramento da Jugoslávia. Depois de a Croácia abandonar a federação, em 1991, os croatas bósnios e os eslavos muçulmanos aprovaram um referendo a favor da criação de uma república multinacional e independente. Mas os sérvios bósnios recusaram separar-se da Jugoslávia, que nessa altura se encontrava sob o domínio da Sérvia. Em 1992, a Bósnia e Herzegovina foi arrastada para uma guerra civil sangrenta e devastadora, em que as populações acabaram por ser saneadas das regiões tomadas por cada nacionalidade. Em 1995 foi assinado o Acordo de Dayton e desde essa altura as forças da Organização das Nações Unidas encontram-se no território para garantir o cumprimento dos acordos de paz.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Bósnia-Herzegovina situa-se nos Balcãs ocidentais e nos Alpes Dináricos orientais. Faz fronteira com a Croácia a norte e sudoeste, Sérvia a leste, Montenegro a sudeste. O clima do país é o mediterrânico.

Demografia[editar | editar código-fonte]




Circle frame.svg

Composição étnica da Bósnia em 2013[6]

  Bosníacos (50.11%)
  Sérvios (30.78%)
  Croatas (15.43%)
  Outros (2.73%)

Existe uma forte correlação entre a identidade étnica e a religião: 88% dos croatas são católicos romanos, 90% dos bosníacos seguem o Islão e 99% dos sérvios são cristãos ortodoxos. De acordo com os dados de 2000 do CIA World Factbook, a Bósnia é etnicamente composta por eslavos: 48% de bósnios, 37,1% de sérvios, 14,3% de croatas e 0,6% outra.[7]

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião na Bósnia e Herzegovina
religião porcentagem
Islã
  
51%
Cristianismo Ortodoxo
  
31%
Catolicismo Romano
  
15%
Outros
  
3%

De acordo com estimativas não oficiais da Agência de Estatísticas do Estado Bósnio, citadas pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos em 2008, 45% da população eram muçulmanos, 36% ortodoxos sérvios, 15% católicos, 1% protestantes e 3% outros (a maioria judeus, ateus e outros).[8] Uma pesquisa de 2012 mostrou que 54% dos muçulmanos do país são sem denominação e 38% são sunitas.[9]

Na região Sul da Bósnia e Herzegovina, numa pequena vila chamada Međugorje, alega-se que estariam a ocorrer as mais recentes aparições da Virgem Maria, o que tem atraído a atenção de algumas pessoas em todo o Mundo. A Igreja Católica encontra-se ainda a analisar os fenómenos, tentando apurar a sua veracidade, mas o número de peregrinos que acorrem ao local das aparições nos últimos anos tem vindo a aumentar exponencialmente.

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

As cidades principais são a capital do país (Sarajevo), Banja Luka no noroeste, Tuzla no nordeste e Mostar, a capital da região da Herzegovina.

Política[editar | editar código-fonte]

Prédio do Governo da Bósnia e Herzegovina, em Saraievo.

República presidencialista tripartida, com um representante bósnio-muçulmano (bosníaco), um croata e um sérvio.

O cargo de presidente da Bósnia e Herzegovina é exercido em rotatividade pelos três membros da presidência da Bósnia e Herzegovina (um "bósnio" muçulmano, um sérvio e um croata), cada um ocupando o cargo durante 8 meses ao longo do seu mandato de quatro anos na presidência.[10] Os três membros da presidência são eleitos diretamente pelo povo (votos da Federação para o bosníaco e o croata, e da República Srpska para o sérvio). O presidente do Conselho de Ministros é nomeado pela presidência e aprovado pela Câmara dos Representantes. Depois, é dele a responsabilidade de nomear os ministros do governo.

Divisão política da Bósnia-Herzegovina

A Assembleia Parlamentar é o corpo legislativo da Bósnia e Herzegovina. Consiste de duas câmaras: a Câmara dos Representantes e a Câmara dos Povos. A Câmara dos Povos inclui 15 delegados, dois terços dos quais provenientes da Federação (5 croatas e 5 bosníacos) e um terço da República Srpska (5 sérvios). a Câmara dos Representantes é composta por 42 membros, dois terços eleitos pela Federação e um terço eleito pela República Srpska.

O Tribunal Constitucional da Bósnia e Herzegovina é o supremo e final árbitro nas matérias legais. É composto por nove membros: quatro são seleccionados pela Câmara dos Representantes da Federação, dois pela Assembleia da República Srpska, e três pelo Presidente do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos após consultas com a Presidência.

Organização político-administrativa[editar | editar código-fonte]

A Bósnia-Herzegovina é uma federação composta de duas entidades politicamente autónomas: a Federação da Bósnia e Herzegovina e a República Sérvia, mais o distrito de Brčko, que é um território livre e comum das duas entidades.

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da Bósnia e Herzegovina

A par da Macedónia do Norte, a Bósnia-Herzegovina era a mais pobre das repúblicas da antiga Jugoslávia. A agricultura esteve sempre principalmente em mãos privadas, mas as quintas costumam ser pequenas e ineficientes e os bens alimentares são habitualmente uma das importações da república. A economia planificada deixou alguns legados na economia. Segundo as teorias económicas em voga, a indústria tem um grande excesso de pessoal. Sob a liderança de Josip Broz Tito, a indústria militar foi colocada na república, e a Bósnia albergava uma grande porção das indústrias de defesa da Jugoslávia. Com a guerra da Bósnia a maioria das indústrias presentes foram destruídas e a economia do país entrou em um grande declínio.

Três anos de guerras interétnicas destruíram a economia e as infraestruturas da Bósnia, causando um aumento exponencial do desemprego e uma queda na produção de 80%, já para não falar da morte de entre 60 e 200 mil pessoas e do deslocamento forçado de metade da população. Com uma paz instável no país, a produção recuperou entre 1996 e 1998 em grandes percentagens anuais, mas o crescimento abrandou apreciavelmente em 1999 e o produto interno bruto permanece bem abaixo dos níveis de 1990.

Valor total de investimento estrangeiro direto (1999-2008):[11]

  • 1999: € 166 milhões
  • 2000: € 159 milhões
  • 2001: € 133 milhões
  • 2002: € 282 milhões
  • 2003: € 338 milhões
  • 2004: € 534 milhões
  • 2005: € 421 milhões
  • 2006: € 556 milhões
  • 2007: € 1 628 milhões
  • 2008: € 1 083 milhões

De 1994 a 2008, € 5,3 mil milhões foram investidos no país.[12]

Investimentos estrangeiros por sector (1994-2007):[11]

Educação[editar | editar código-fonte]

Prédio da Universidade de Sarajevo, construído na década de 1850.

O ensino superior tem uma longa e rica tradição na Bósnia e Herzegovina. A primeira instituição de ensino superior sob medida era uma escola de filosofia estabelecida por Gazi Husrev-beg em 1531. Numerosas outras escolas religiosas foram criadas posteriormente. Em 1887, sob o Império Austro-Húngaro, uma escola de lei Charia iniciou um programa de cinco anos.[13] Na década de 1940, a Universidade de Sarajevo tornou-se a primeira instituição de ensino superior secular no país. Na década de 1950, cursos de bacharelado e pós-bacharelado tornaram-se disponíveis.[13] Severamente danificada durante a guerra, a Universidade de Sarajevo foi recentemente reconstruída em parceria com mais de 40 outras universidades. Existem várias outras instituições de ensino superior, incluindo a Universidade Džemal Bijedić de Mostar, a Universidade de Banja Luka, Universidade de Mostar, Universidade do Leste de Sarajevo, Universidade de Tuzla, Universidade Americana na Bósnia e Herzegovina e a Academia de Ciências e Artes da Bósnia e Herzegovina, que é tida em alta consideração como uma das mais prestigiadas academias de artes criativas na região.

Além disso, a Bósnia e Herzegovina é sede de várias instituições de ensino superior privadas e internacionais, algumas das quais são:

A escola primária tem a duração de nove anos. O ensino secundário é ministrado por escolas secundárias gerais e técnicas (normalmente ginásios), onde os estudos normalmente duram quatro anos. Todas as formas de ensino secundário incluem um elemento de formação profissional. Os alunos egressos de escolas secundárias gerais obtêm o Matura e podem se inscrever em qualquer instituição de ensino superior ou academia por meio de um exame de qualificação prescrita pelo órgão ou instituição governamental. Estudantes de disciplinas de graduação técnica obtêm um diploma.[14]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura da Bósnia e Herzegovina
Ćevapi servido em um restaurante de Sarajevo.

A Bósnia possui uma literatura muito rica. O vencedor do Nobel de Literatura de 1961, Ivo Andrić, nasceu em Travnik. O país também conta com uma cultura tradicional forte de origens eslavas, com cozinha e danças típicas. Uma das danças tradicionais do país chama-se kolo e acompanha eventos sociais como casamentos e festas tradicionais. A cozinha do país possui influências tanto ocidentais quanto do Oriente Médio, resultado de diferentes influências históricas. Ćevapi, börek, dolmades, pilaf e goulash são exemplos de pratos apreciados no país.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. France Presse (7 Out 2018). «Nacionalista sérvio declara vitória nas eleições presidenciais da Bósnia». G1. Consultado em 8 de março de 2019 
  2. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/bk.html
  3. «Human Development Report 2019» (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  4. Peixoto da Fonseca, F.V.; Ciberdúvidas da Língua Portuguesa – Países e línguas várias
  5. Marinheiro, Carlos; Ciberdúvidas da Língua Portuguesa – Os naturais da Bósnia
  6. «Census of population, households and dwellings in Bosnia and Herzegovina, 2013: Final results» (PDF). Agência de Estátisticas da Bósnia e Herzegovina. Junho de 2016. Consultado em 1 de julho de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 30 de junho de 2016 
  7. «CIA - The World Factbook» (em inglês). CIA. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  8. http://www.state.gov/j/drl/rls/irf/2008/108438.htm
  9. http://www.pewforum.org/files/2012/08/the-worlds-muslims-full-report.pdf
  10. Kívia Costa (12 Jul 2015). «Vinte anos após Srebrenica, Bósnia ainda luta por reparações e para superar diferenças». Opera Mundi. Consultado em 14 de março de 2019 
  11. a b «Najveći investitor Srbija sa 707 miliona evra». Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  12. Šajinović, Dejan. «Uloženo 5,3 milijarde evra u BiH – Događaji». Nezavisne. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  13. a b «Education - The University of Sarajevo». City of Sarajevo. Consultado em 14 de setembro de 2014 
  14. «The European Education Directory». Euro Education. Consultado em 14 de setembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Bósnia e Herzegovina