Francisco Xavier da Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de B. Leza)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Francisco Xavier da Cruz
Ficheiro:Francisco Xavier da Cruz (B.Leza).jpg
Francisco Xavier da Cruz, compositor cabo-verdiano, mais conhecido por B.Leza.
Nascimento
Mindelo - Cabo Verde
Influências
Gênero literário Morna
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a músico e compositor. Para o clube de música ao vivo em Lisboa, veja B.Leza (Lisboa).

Francisco Xavier da Cruz (B.Leza ou Beléza) foi um músico de Cabo Verde.

Natural do Mindelo, B.Leza inovou a morna ao utilizar frequentemente os acordes de passagem, (chamados de meio-tom brasileiro na gíria dos músicos cabo-veridanos), antes pouco usados nesse género musical.

O seu estilo e a sua obra, que começaram a ter sucesso na década de 1950, marcaram a música de Cabo Verde nos vinte anos seguintes. Compôs dezenas de mornas, entre as quais se destacam Eclipse, Miss Perfumado, Resposta de Segredo Cu Mar e Lua Nha Testemunha, que, diz a lenda, foi composta no leito do hospital, dias antes da sua morte a 14 de Junho de 1958.

  • Diz também a lenda que muitas pessoas iam ter com o mestre B.Leza para lhe pedir uma morna para a pessoa amada, para uma serenata ou para assinalar um acontecimento. Em questão de dias, B.Leza tinha a obra feita. Moacyr Rodrigues escreve que “influenciado pela música brasileira e argentina – B.Leza – vai enriquecer não só a música com a introdução do meio-tom mas também a letra pelo desenvolvimento de ideias”.

Obras[editar | editar código-fonte]

Para a cultura cabo-verdiana, B.Leza legou também vários livros.

  • Uma partícula da Lira Cabo-Verdiana (1933) contém 10 mornas da sua autoria e um texto em que explana as suas ideias sobre a música cabo-verdiana.
  • Flores Murchas (1938), poesias.
  • Fragmentos – Retalhos de um poema perdido no naufrago da vida (1948), poesias.
  • Razão da amizade cabo-verdiana pela Inglaterra (1950).