BAC Strikemaster

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
BAC 167
"Strikemaster"
Caça
Strikemaster Mk. 88 da Força Aérea Real da Nova Zelândia.
Descrição
Tipo / Missão Caça de ataque leve e treinamento
País de origem  Reino Unido
Fabricante British Aircraft Corporation
Período de produção 1967-1984
Quantidade produzida 146
Desenvolvido de BAC Jet Provost
Primeiro voo em 26 de outubro de 1967 (51 anos)
Variantes 12 versões Ver texto
Tripulação 2 - piloto e co-piloto (Strikemaster Mk 88)
Especificações (Modelo: Strikemaster Mk 88)
Dimensões
Comprimento 10,27 m (33,7 ft)
Envergadura 11,23 m (36,8 ft)
Altura 3,34 m (11,0 ft)
Área das asas 19,85  (214 ft²)
Alongamento 6.4
Peso(s)
Peso vazio 2 810 kg (6 190 lb)
Peso carregado 4 219 kg (9 300 lb)
Peso máx. de decolagem 5 215 kg (11 500 lb)
Propulsão
Motor(es) 1 x turbojato Rolls-Royce Viper Mk.535
Força de empuxo (por motor) 1 424 kgf (14 000 N)
Performance
Velocidade máxima 834 km/h (450 kn)
Velocidade de cruzeiro 774 km/h (418 kn)
Alcance bélico 233 km (145 mi)
Alcance (MTOW) 2 224 km (1 380 mi)
Teto máximo 12 200 m (40 000 ft)
Razão de subida 26,7 m/s
Armamentos
Metralhadoras / Canhões 2 x metralhadoras 7,62 mm (0,300 in) OTAN
Notas
Outros: 4 x Pontos duros (2 x por asa) com capacidade para 1 364 kg (3 010 lb) de bombas, pods de metralhadoras, pods de foguetes ar-terra, tanques ejetáveis e tanques de napalm.
Dados de: Jane's All The World's Aircraft 1976–77[nota 1]

O BAC Strikemaster é uma aeronave britânica de combate, desenvolvida para as funções de treinamento, ataque leve e contra-insurgência. Exportado para dez países, o Strikemaster participou de missões de combate no Oriente Médio e na América do Sul.Exportado para dez países, o último Strikemaster militar foi aposentado pela Força Aérea do Equador em 2010.[1]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Após o final da Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha ingressou na era do jato. Com a necessidade de treinar tripulações para operar as novas aeronaves, a Royal Air Force encomendou o projeto de aeronaves de treinamento a jato junto à indústria aeronáutica britânica. Assim surgiu o BAC Jet Provost. Após realizar seu primeiro voo em 1954, o BAC Jet Provost entrou em serviço na Royal Air Force e nas forças aéreas de nove países. Enquanto isso, a BAC continuou desenvolvendo a aeronave. Após o lançamento das versões T1,T2,T3,T4 e T5, a empresa britânica redesenhou a aeronave por completo, substituiu seu motor e aumentou a velocidade, capacidade de carga e alcance. A nova versão foi batizada Strikemaster e realizou seu primeiro voo em 1967.[2]

História operacional[editar | editar código-fonte]

Strikemasters da Força Aérea Real da Nova Zelândia durante voo de treinamento (1984).

O Strikemaster operou em dez países como aeronave de instrução e treinamento e ataque ao solo. A maioria das aeronaves foi retirada de serviço nos anos 1990, de forma que o Equador foi o único país que utilizou a aeronave até o início do século XXI.[3] Alguns Strikemaster foram vendidos para colecionadores e pilotos privados e voam em festivais e shows aéreos.[4]

Rebelião Dhofar[editar | editar código-fonte]

Durante a Rebelião Dhofar, o Strikemaster foi empregado pela Real Força Aérea de Omã contra os insurgentes da Frente de Libertação de Dhofar. Vinte e quatro aeronaves foram adquiridas em 1967 e utilizadas em missões de ataque ao solo, sendo três abatidas por mísseis terra-ar.[5]

Na Batalha de Mirbat, três Strikemaster atacaram 300 guerreiros Adoo que sitiavam o forte Mirbat. Com disparos de metralhadoras e o lançamento de foguetes de 68mm, os Strikemaster conseguiram derrotar os guerreiros Adoo.[6]

Guerra de Cenepa[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea do Equador utilizou o Strikemaster na Guerra de Cenepa para atacar posições da infantaria do Exército do Peru.[7]

Versões[editar | editar código-fonte]

  • Strikemaster Mk 80 : Versão para exportação para a Arábia Saudita , 25 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 80A : 20 aviões foram vendidos para a Arábia Saudita como parte de uma ordem de follow-up.
  • Strikemaster Mk 81 : Versão para exportação para o Iêmen do Sul , quatro aeronaves.
  • Strikemaster Mk 82 : Versão para exportação para Oman , 12 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 82A : 12 aeronaves foram vendidas para Omã, como parte de uma ordem de follow-up.
  • Strikemaster Mk 83 : Versão para exportação para o Kuwait , 12 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 84 : Versão para exportação para Cingapura , 16 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 87 : Versão para exportação para o Quênia , seis aeronaves.
  • Strikemaster Mk 88 : Versão para exportação para a Nova Zelândia , 16 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 89 : Versão para exportação para o Equador , 22 aeronaves.
  • Strikemaster Mk 89A : Um número de aviões foram vendidos para o Equador, como parte de uma ordem de follow-up.
  • Strikemaster Mk 90 : Versão para exportação para o Sudão . A última Strikemaster foi entregue ao Sudão em 1984

Ex utilizadores[editar | editar código-fonte]

O Strikemaster foi exportado para os seguintes países[8]:

  • Omã Omã
  • Arábia Saudita Arábia Saudita
  • Singapura Singapura –
  • Flag of South Yemen.svg Iêmen do Sul
  • Kuwait Kuwait
  • Sudão Sudão
  • Quénia Quênia
  • Botsuana Botswana
  • Nova Zelândia Nova Zelândia – 1972 a 1991.[9]
  • Equador – Força Aérea do Equador. 24 aeronaves. Operados pelo Esquadrão de combate 2313 "Halcones" da Ala de combate 23, sediada na Base aérea de Manta. Foram operados até meados de 2010, quando foram substituídos por Super Tucanos;

Ver também[editar | editar código-fonte]

Aeronaves similares:

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre BAC Strikemaster

Notas

  1. Taylor 1976, pp. 172–173.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Taylor, John W. R. Jane's All The World's Aircraft 1976–77. London: Jane's Yearbooks, 1976. ISBN 0-354-00538-3.

Referências

  1. BNS-JB (12 de janeiro de 1972). «Jato inglês vende mais de 100 unidades». Jornal do Brasil, Ano, Edição, Caderno de Automóveis. Consultado em 22 de junho de 2014 
  2. Mark Russel. «History». Strikemaster Heaven. Consultado em 24 de junho de 2014 
  3. Guilherme Poggio (29 de maio de 2009). «Aposentadoria próxima para os Srikemaster do Equador». Poder Aereo. Consultado em 24 de junho de 2014 
  4. Ulrich Grueschow (junho de 2009). «BAC Strikemaster - Team Viper Strikemaster Display». Military Aircraft. Consultado em 24 de junho de 2014 
  5. WHITE,Rowland (2011). Storm Front. [S.l.]: Transworld. pp. 278–9. ISBN 780593064344 
  6. James Paul & Martin Spirit (2008). «The Battle of Mirbat». Britains Smallwars. Consultado em 22 de junho de 2014 
  7. «Força aérea do Equador» (PDF). Revista Flap Internacional, Ano 43,edição 406. Consultado em 24 de junho de 2014 
  8. Mark Russel (2010). «O Strikemaster». Strikemaster Heaven 
  9. «BAC 167 Strikemaster Mk.88». Air Force Museum of New Zealand. Consultado em 22 de junho de 2014