Blitz (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de BLITZ)
Blitz
Informação geral
Origem Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
País Brasil
Gênero(s)
Período em atividade 1982–1986
1994–1997
2006–presente
Gravadora(s) EMI (1982–86; 1994-97)
Eldorado (1996–99)
Deckdisc (2016–presente)
Integrantes Evandro Mesquita
Billy Forghieri
Juba
Cláudia Niemeyer
Rogério Meanda
Andréa Coutinho
Nicole Cyrne
Ex-integrantes Lobão
Márcia Bulcão
Fernanda Abreu
(ver abaixo)
Página oficial www.blitzmania.com.br

Blitz é uma banda de rock brasileira. É uma das bandas precursoras do chamado "BRock".[1] O grupo foi formado na cidade do Rio de Janeiro em 1982. Originalmente foi formado por Evandro Mesquita (voz e guitarra), Fernanda Abreu (backing vocal), Marcia Bulcão (backing vocal), Ricardo Barreto (guitarra), Antônio Pedro Fortuna (baixo), Billy Forghieri (teclados) e Lobão (bateria).

Carreira[editar | editar código-fonte]

1981–83: As Aventuras da Blitz e Radioatividade[editar | editar código-fonte]

No início de 1981 Evandro Mesquita e Lobão foram convidados por Mauro Taubman, dono da grife Company, para tocarem no Caribe, bar que o empresário estava inaugurando na orla de São Conrado.[2] Embora na época tocassem apenas por passatempo, os dois aceitaram e recrutaram amigos músicos para fazer a apresentação na estreia do bar, em 21 de fevereiro, gerando grande repercussão no local, o que levou a uma série de outras apresentações com uma rotatividade de músicos convidados, mantendo apenas os dois fixos.[2] Buscando profissionalizar-se, os dois amigos buscaram músicos para juntar-se a eles, trazendo Fernanda Abreu e Marcia Bulcão para os backing vocals, Ricardo Barreto na guitarra, Antônio Pedro Fortuna no baixo, Billy Forghieri nos teclados, além do próprio Evandro no vocal e Lobão na bateria.[3] Em 15 de janeiro de 1982 a banda sobe no palco do Circo Voador, maior casa de shows carioca da época, tocando pela primeira vez sob o nome de Blitz – nome sugerido por Lobão (e logo aceito pelos demais) inspirado pela quantidade de vezes que Evandro era parado pela polícia e multado.[4] A repercussão chamou atenção da EMI, que assinou contrato com a banda e, em 20 de julho, é lançado o primeiro single, "Você Não Soube Me Amar".[5] Em três meses o compacto com apenas essa faixa vendeu 100 mil cópias, se tornando a canção de maior sucesso deles.[6] Na sequência foi lançado o primeiro álbum, As Aventuras da Blitz 1, que vendeu 300 mil cópias e gerou grande repercussão pela mistura de músicas humoradas e figurinos futuristas.[7][8]

As divergências artísticas de Lobão e Evandro cresciam descontroladamente e, dias depois do lançamento do disco, Lobão decidiu deixar a banda, sendo substituído por Juba na bateria.[9] A BLITZ se tornou uma das pioneiras do movimento do rock brasileiro da década de 1980.[10] O segundo single lançado, "Mais Uma de Amor (Geme Geme)", se tornou o segundo maior sucesso da banda, embora tenha esbarrado na censura pela composição com teor sexual.[11][12] "Cruel Cruel Ezquizofrenético Blues" foi lançada como terceiro single.[13] Em junho de 1983 é lançado o novo single do grupo, "Dois Passos do Paraíso", trazendo uma temática mais leve para que não fosse barrada pela censura.[14] Na sequência é lançada "Betty Frígida", a canção mais ácida da banda, que contava a história de uma relação sexual que foi ruim para ambos os lados.[15] Em 10 de setembro é lançado o segundo álbum, Radioatividade, com uma grande festa organizada na sede da EMI, que reuniu grandes artistas como Caetano Veloso e Paulo Cézar Lima.[16][2] A turnê da banda, dirigida por Patrícya Travassos, alcançou um público recorde e os primeiros shows bateram 50 mil pessoas.[17] O terceiro e último single lançado foi "Weekend".[18]

1984–86: Blitz 3 e separação[editar | editar código-fonte]

Em 23 de março de 1984 o grupo participa do especial infantil Plunct, Plact, Zuuum... 2, da Rede Globo, onde também interpretaram uma nova faixa, "A Verdadeira História de Adão e Eva", incluída na trilha sonora do programa.[19] Em 7 de julho o grupo realiza seu show de maior repercussão na Praça da Apoteose, que arrastou 30 mil pessoas.[2] Em 14 de setembro a banda estrela seu próprio especial na Rede Globo, Blitz contra o Gênio do Mal, misturando dramaturgia e musical.[20] Logo após é lançado o novo single, "Egotrip".[21] O terceiro álbum, BLITZ 3, é liberado em 15 de dezembro, tendo três formatos com capas diferentes, produzidas pela empresa de design A Bela Arte.[22] Em 1985 a banda se apresentou em duas datas da primeira edição do Rock in Rio – 13 de janeiro, para um público de 110 mil pessoas, e 20 de janeiro, para 200 mil pessoas.[23] Logo após, "Eugênio" e "Louca Paixão" foram lançados como segundo e terceiro singles do álbum, respectivamente.[24][25] A superexposição e a demanda exagerada de trabalho gerou conflitos internos e os integrantes entenderam que era hora de dar um hiato nos trabalhos da banda, anunciando que trabalho seguinte, intitulado O Último da Blitz, seria o último.[2] No entanto, o álbum nunca chegou a ser gravado, uma vez que Ricardo e Márcia deixaram a banda no final de 1985 e, em 3 de março de 1986, a BLITZ anunciou sua separação oficial.[2]

1994–97: Retorno, BLITZ Ao Vivo e Línguas[editar | editar código-fonte]

Em 1994 teve sua música "Mais uma de amor (geme geme)" como tema da novela A Viagem, da personagem interpretada por Fernanda Rodrigues. Nesse mesmo ano, alguns ex-integrantes se reuniram por 5 anos e gravaram os álbuns "BLITZ Ao Vivo" em 1994 e "Línguas" em 1997, periodo em que trocam de gravadora duas vezes. Formação do período: Evandro Mesquita, Juba, Ricardo Barreto, Antônio Pedro, Billy Forghieri e a estreante Hannah Lima nos vocais ao lado da veterana Márcia Bulcão.

2006–presente: Segundo retorno e estabilidade[editar | editar código-fonte]

Em 2006 a banda se reúne novamente e lançou os álbuns "Blitz – Ao Vivo e a Cores" e "Eskute Blitz", mas os únicos membros remanescentes da banda são Evandro Mesquita e Billy Forghieri. Em 2017, o álbum Aventuras II foi indicado ao Grammy Latino de 2017 de Melhor Álbum de Rock ou Alternativo em Língua Portuguesa.[26]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de BLITZ