Baba Yaga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Baba Yaga, de Ivan Bilibin

Baba Yaga (em russo: Баба-яга; transl.: Baba-yaga; também chamada Baba Jaga em polonês, jězě em tcheco e eslovaco e Jaga Baba em esloveno) é um ser sobrenatural (ou um trio de irmãs de mesmo nome) que tem a aparência de uma mulher deformada e/ou feroz, que voa pelos céus montada em um almofariz, apagando os rastros que deixa com uma vassoura.[1] Mora no interior da floresta numa casa descrita estando sobre patas de galinha (ou apenas uma, em algumas versões), cuja fechadura é uma boca cheia de dentes.[1][2] A Baba Yaga pode ajudar ou dificultar aqueles que a encontram ou a procuram. Ela às vezes desempenha um papel maternal, e também tem associações com a vida selvagem da floresta. De acordo com a morfologia folclórica de Vladimir Propp, a Baba Yaga comumente aparece como um doador (nos contos de fadas) ou vilã, ou pode ser completamente ambíguo. Andreas Johns identifica a Baba Yaga como "uma das figuras mais memoráveis ​​e distintas no folclore europeu eslavo", observa que ela é "enigmática" e muitas vezes exibe uma "ambiguidade surpreendente".[3]

Johns resume Baba Yaga como "uma figura multifacetada, capaz de inspirar pesquisadores a vê-la como uma Nuvem, Luz, Morte, Inverno, Cobra, Pássaro, Pelicano ou Deusa da Terra, [nota 1] ancestral matriarcal totêmica, iniciadora fêmea, mãe fálica, ou imagem arquetípica".[3]

Isaac Bashevis Singer descreveu Baba Yaga com um nariz vermelho arrebitado, com narinas largas e ardentes, olhos em chama como carvão em brasa e com cardos a sair do crânio em vez de cabelos. Singer referiu também a existência de babas menores e de pequenos demônios chamados dziads. Ajuda os puros de coração e devora os impuros.

Origens do nome[editar | editar código-fonte]

Segundo o linguista germano-russo Max Vasmer o nome Baba-yaga poderia ter derivado do proto-eslavo ęgа, "dor". Baba nas línguas cirílicas significa "avó", enquanto Yaga é o diminutivo de Yadviga, nome eslavo derivado do alemão e equivalente ao antropônimo/topônimo Edviges.

O termo Yaga tem sido usado tanto para "avô" quando para "mulher" nas línguas búlgara, macedônia, romena e servo-croata. No russo moderno a palavra бабушка (babushka), que significa "avó", deriva dela, tal como a palavra babcia (que também significa "avó") em polonês, ou бабця (babtsya) em ucraniano. Baba tem sido também uma palavra de conotação pejorativa no ucraniano e russo modernos, tanto para mulheres como para "um homem delicado, tímido, ou sem caráter".[3] No polonês o termo também é considerado pejorativo, significando "uma mulher viciada ou feia".[4]

Termos relacionados ao segundo elemento do nome, Yaga, aparece em várias línguas eslavas: a palavra sérvio e croata jeza ("horror", "arrepio", "calafrio"), esloveno jeza ("raiva"), checo antigo jězě ("bruxa"), checo moderno jezinka ("dríade"), e polonês jędza ("bruxa", "fúria"). O termo aparece no eslavônico eclesiástico como jęza ou jędza ("doença", "enfermidade"). Em outras línguas indo-europeias o elemento iaga tem sido ligado ao lituano engti ("oprimir", "enganar"), inglês antigo inca ("dúvida", "aflição", "dor"), e o nórdico ekki ("aflição").[3]

Uma variedade de etimologias têm sido propostas para o segundo elemento do nome, Yaga, que continua tão etimologicamente problemática, contudo um claro consenso entre estudiosos teve resultado. Um exemplo disso é que no século XIX Alexander Afanasyev propôs a derivação do proto-eslavo *ǫžь ("serpente") e do sânscrito अहि, ahi ("serpente", "cobra"). Esta etimologia tinha sido subsequentemente explorada por outros estudiosos no século XX.[5]

Originalmente concebida como uma entidade benfazeja, ao longo do tempo foram lhe atribuindo um caráter sinistro.

Folclore[editar | editar código-fonte]

A heroína Vasilisa fora da cabana de Baba Yaga como representado por Ivan Bilibin (1902).
O desenho de Viktor Hartmann The Hut on Fowl's Legs representa um relógio na forma da cabana de Baba Yaga sobre pernas de galinha.

A primeira referência clara a Baba Yaga (Iaga baba) aconteceu em 1755, em Rossiiskaya grammatika ("Gramática russa") de Mikhail V. Lomonosov.

Na gramática de Lomonosov, Baba Yaga é mencionada duas vezes ao lado de outras figuras em grande parte da tradição eslava. A segunda das duas menções ocorre dentro de uma lista de deuses eslavos e de seres provavelmente equivalentes na mitologia romana (o deus eslavo Perun, por exemplo, aparece equiparado ao deus romano Júpiter). Baba Yaga, no entanto, aparece em uma terceira seção sem uma equivalência, atestando a percepção de sua singularidade, mesmo conhecida nesta primeira prova.[6]

Nas narrativas em que Baba Yaga aparece, ela exibe uma variedade de atributos típicos: uma cabana giratória, com pernas de galinha; um almofariz, um pilão, e às vezes uma vassoura ou um esfregão. Baba Yaga frequentemente carrega o epíteto de "perna óssea" (em russo: Баба-Яга Костяная Нога; transl.: Baba Iaga Kostianaya Noga), e quando está dentro de sua moradia, ela pode ser encontrada estendida sobre o forno, alcançando de um canto a outro da cabana. Baba Yaga pode perceber o "cheiro russo" (русский дух, russky dukh) daqueles que a visitam. Seu nariz pode se fixar no teto. Alguns narradores poder dar uma ênfase particular sobre a repulsividade de seu nariz ou outras partes do seu corpo.[7]

Em alguns contos um trio de Baba Yagas se apresentam como irmãs (todas tendo o mesmo nome). Por exemplo, na versão de The Maiden Tsar coletado no século XIX por Alexander Afanasyev, Ivan, um filho de um comerciante bonito, faz o seu caminho para a casa de uma das três Baba Yagas.[8]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • A banda Emerson Lake & Palmer também já fez algumas menções à Baba Yaga em algumas de suas músicas, como The Hut of Baba Yaga. No entanto, este tema é apenas uma adaptação da música A Cabana de Baba-Yaga sobre Patas de Galinha e Ossos de Cachorro, obra que faz parte da suíte Quadros de uma Exposição, originalmente da autoria do compositor russo Modest Mussorgsky.
  • No MMORPG RuneScape há uma velha chamada Baga Yaga que, assim como a personagem folclórica, vive numa casa móvel com pés de galinha.
  • A banda Edguy também fez menção à Baba Yaga, em seu álbum, Space Police, Defenders of the Crown na música chamada The Realms of Baba Yaga.
  • No filme John Wick (De Volta ao Jogo), o personagem John Wick (Keanu Reeves) era conhecido no passado pelo apelido de "Baba Yaga". Seu antigo chefe, Viggo Tarasov (Michael Nyqvist) o considerou como seu melhor assassino. John conseguiu sua aposentadoria, após ajudar Viggo a ganhar o controle de seu sindicato, eliminando, sozinho, toda a concorrência, uma tarefa que Viggo considerou "impossível".
  • A Editora White Wolf também publicou um livro sobre o assunto Baba Yaga. No livro Lobisomem, O Apocalipse – Guia do Jogador, fala sobre uma figura que assolava a Rússia e provocava destruição e desaparecimentos, incluindo Lobisomens e qualquer outra criatura que tentasse se opor a ela.

Figuras relacionadas e análogas[editar | editar código-fonte]

Ježibaba, uma figura intimamente relacionada com Baba Yaga, aparece no folclore dos eslavos ocidentais. O nome Ježibaba e suas variantes estão diretamente relacionado com o de Baba Yaga. As duas figuras podem derivar de uma figura comum desde o período medieval, ou até mais antigo, e ambas as figuras são às vezes igualmente ambíguas. As duas diferem em sua aparência em diferentes tipos de conto, há diferenças nos detalhes sobre seus aspectos.[9]

Essas questões persistem na região limitada das nações eslavas ocidentais, Eslováquia, e as terras tchecas — onde são registradas referências a Ježibaba.[10]

Estudiosos identificaram uma variedade de seres no folclore e mitologia que compartilham semelhanças de extensão variável com Baba Yaga. Essas semelhanças podem ser devidas à relação direta ou por contato cultural entre os eslavos e outros povos circunvizinhos. No Leste Europeu, tais figuras incluem a búlgara gorska majka ("Mãe da Floresta"); Baba Korizma, Gvozdenzuba ("Dentes de Ferro"), Baba Roga (a qual está relacionada aos medos infantis na Croácia e na Bósnia), šumska majka ("Mãe da Floresta"), e a babice; e a eslovena Baba Pehtra. No folclore romeno, semelhanças são identificadas em diversas figuras identificadas em semelhanças, incluindo Muma padurii ("Mãe da Floresta"). Nas vizinhanças da Europa Germânica, similaridades foram observadas entre a Alpine Perchta e Holda ou Holle no folclore do Norte e da região central da Alemanha, e o suíço Chlungeri.[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Isaac Bashevis Singer. Stories for Children, Joseph & Koza, pp. 146–151, Farrar, Straus and Giroux, 1991.
  • Andreas Johns. Baba Yaga: The Ambiguous Mother and Witch of the Russian Folktale (Volume 3 de International folkloristics), ISSN 1528-6533. Peter Lang, 2004.

Notas

  1. Esta capitalização não-padrão está no texto original e faz parte do material citado.

Referências

  1. a b «Baba Yaga». Hi7.co. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  2. Paul D. Steeves. The Modern Encyclopedia of Religions in Russia and the Soviet Union. [S.l.: s.n.], 1988. p. 168. ISBN 978-0-87569-106-0
  3. a b c d e Johns (2004).
  4. «Baba jaga - Słownik języka polskiego». Polish Scientific Publishers PWN 
  5. Johns (2004), p. 10.
  6. Johns (2004), p. 12.
  7. Johns (1998).
  8. Guterman (1973), p. 232.
  9. Theresa Bane. Encyclopedia of Fairies in World Folklore and Mythology. McFarland, 2013
  10. Johns (2004), p. 61-66.
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.