Baccio d'Agnolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Baccio d'Agnolo
Gravura de Baccio d'Agnolo
Nome completo Bartolomeo d'Agnolo Baglioni
Nascimento 19 de maio de 1462
Florença
Morte 6 de março de 1543 (80 anos)
Florença
Nacionalidade Itália italiana
Ocupação arquiteto, escultor

Baccio d'Agnolo (nome real Bartolomeo d'Agnolo Baglioni; Florença, 19 de maio de 1462 — Florença, 6 de março de 1543) foi um arquiteto e escultor italiano.

Escultor[editar | editar código-fonte]

Palazzo Bartolini Salimbeni em Florença, considerada a obra de ruptura entre o Renascimento e o Maneirismo na arquitetura civil florentina.

Baccio é abreviatura de Bartolomeo, e d'Agnolo refere-se a Angelo, o nome de seu pai. Ele começou como entalhador em madeira, atividade que aprendeu sob a orientação de seu pai e na oficina deste teve ainda a oportunidade de conhecer as obras de Giuliano da Maiano e de Bernardo della Cecca.[1].

Entre 1491 e 1502 fez grande parte da escultura decorativa da igreja de Santa Maria Novella e do Palazzo Vecchio, em Florença.[2]

Arquiteto[editar | editar código-fonte]

Depois de ter adquirido fama como escultor, d'Agnolo parece ter virado a sua atenção para a arquitetura, e ter estudado em Roma, embora a data exata seja incerta; mas, no início do século XVI, esteve envolvido com o arquiteto Simone del Pollaiolo na restaração do Palazzo Vecchio, e em 1506 foi contratado para completar o tambor da cúpula da igreja de Santa Maria del Fiore. Este último trabalho, no entanto, foi interrompido por conta de críticas negativas de Michelangelo, e permaneceu não concluído.[2]

Baccio d'Agnolo planejou também a villa Borgherini e o Palazzo Bartolini, assim com outros belos palácios e villas. O palácio Bartolini foi a primeira casa a receber frontispícios de colunas para a porta e janelas, anteriormente confinados às igrejas; d'Agnolo foi ridicularizado pelos florentinos por sua inovação.[2]

Outro trabalho seu muito admirado foi o campanário da igreja do Espírito Santo. Seu estúdio era frequentado pelos artistas mais célebres da época, Michelangelo, Andrea Sansovino, os irmãos Antonio da Sangallo, o Velho e Giuliano da Sangallo e o jovem Rafael. Morreu em Florença em 1543, deixando três filhos, todos arquitetos, sendo o mais conhecido Giuliano di Baccio d'Agnolo.[2]

Giorgio Vasari incluiu Baccio no volume IV de sua Vite.[2]

Notas

  1. "Le muse", De Agostini, Novara, 1964, Vol. I, pag.503-504
  2. a b c d e Encyclopædia Britannica (1911) entrada para Baccio d'Agnolo (em inglês) , volume 3, página 124

Referências

  • Wikisource-logo.svg Vários autores (1911). «Baccio d'Agnolo». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  • Divo Savelli, Santa Lucia de' Magnoli a Firenze, la chiesa, la Cappella di Loreto, Paróquia de Santa Lúcia de Magnoli, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]