Bacia de Badwater

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bacia de Badwater
Vista da Bacia, desde o Mirador de Dante.
Localização
Localização Vale da Morte, Califórnia.
País  Estados Unidos
Características
Altitude −85 m
Comprimento máximo 12 km
Largura máxima 8 km

A Bacia de Badwater[1] (em inglês: Badwater Basin) é uma bacia endorreica no Parque Nacional do Vale da Morte, Vale da MorteCondado de Inyo, Califórnia, conhecido como o ponto mais baixo da América do Norte, com uma profundidade de 86 m (280 pé) abaixo do nível do mar. O o Monte Whitney, o ponto mais alto da contíguos 48 Estados Unidos, localiza-se a apenas 136 quilômetros (85 mi) a noroeste.[2]

O sítio em si consiste em uma pequena nascente de "água ruim" ao lado da estrada em uma depressão; o acumulado de sais do entorno da bacia a torna não potável, dando-lhe o nome. A bacia possui fauna e flora, incluindo salicornia, insetos aquáticos e o caracol de Badwater.

Ao lado da lagoa, onde a a água não está sempre presente na superfície, repetidos ciclos de congelamento e evaporação, gradualmente empurram a fina crosta de sal até formar figuras hexagonais em formato de favos de mel.

A lagoa é considerada o ponto mais baixo da bacia: o ponto mais baixo (que é apenas um pouco menor) está a vários quilómetros para o oeste e varia de posição, dependendo da precipitação e da evaporação. As salinas são perigosas para atravessar (em muitos casos apenas uma fina crosta branca sobre a lama), e portanto, o sinal de marcação do ponto mais baixo é na lagoa. A bacia foi considerada a menor elevação no Hemisfério Ocidental, até a descoberta da Laguna del carbon na Argentina com −344 pé (−105 m).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sinalização da altitude da Bacia de Badwater.

Na Bacia de Badwater chuvas de inundam o fundo do vale, periodicamente, cobrindo a bacia de sal com uma fina camada de água parada. Os recém-formados lagos não duram muito tempo porque os 48 mm (1,9 in) de precipitação média são oprimidos por uma taxa anual de evaporação de 3 800 mm (150 in). Esta é o maior potencial de evaporação nos Estados Unidos, o que significa que um lago de 3,8 m (12 pé) lago pode secar em um único ano. Quando a bacia está inundada, alguns quantidade do sal que está dissolvido fica retido na lagoa quando a água evapora.[3]

Um local popular para turistas é o sinal de marcação "nível do mar" na falésia acima da Bacia de Badwater.[4][5]

Crosta de formas hexagonais

História[editar | editar código-fonte]

O atual melhor compreensão da área geológica da história é que toda a região entre o Rio Colorado, no leste, e Baixa Califórnia, no sudoeste (e que faz fronteira com várias montanhas ao redor, nos perímetros oeste, noroeste e norte) tem visto inúmeros ciclos, pelo menos desde o início do Pleistoceno (e talvez de até 3 Ma) de lagos pluviais de tamanho variável[6] em um complexo ciclo, principalmente, ligada à mudança nos padrões de temperatura (em particular, glaciação durante as inúmeras e recente era glaciais), mas também são influenciadas pelo progressivo depósito de planícies aluviais e deltas pelo Rio Colorado (cf. Salton Sea),[7] alternando com o periódico avanço de corpos de água e rearranjos devido à erosão e a proximidade da Falha de Santo André. Isso resultou em um elevado número de evaporação e a formação de lagoa endorreicos ao longo de todo o Período Quaternário na área, com um entrelaçado de história de vários corpos maiores de água incluindo menores durante o nível de água máxima e a subsequente divisão e desaparecimento dos mesmos durante a evaporação de parte dos ciclos.[8] Embora estes ciclos são agora um pouco modificados pela presença humana, o seu legado persiste; apesar das aparências, muito pelo contrário, o Vale da Morte, na verdade, fica no topo de um dos maiores aquíferos do mundo.[9][10][11]

Panorama da Bacia de Badwater.

Durante o Quaternário mais úmido abrange, córregos das montanhas próximas cheias do Vale da Morte, criando o Lago Viril, que, durante as suas maiores extensões foi de aproximadamente 130 km de comprimento e de até 180 m de profundidade.[12] Numerosos ciclos de evaporação e uma falta de saída, provocou um aumento de hypersalinity, típico para corpos de água endorreicos.[13] ao Longo do tempo, este hipersalinização, combinado com as chuvas esporádicas e ocasionais intrusão de aquíferos, resultou em períodos de lagoas salgadas na parte mais baixa do Vale da Morte. Sais (95% de sal de mesa – NaCl) começou a se cristalizar, o revestimento da superfície com a espessa crosta, variando de 8 a 52 cm (3 a 20 in), agora observáveis no fundo da bacia.

Referências

  1. González, Jaime (2 de julho de 2013). «Um passeio pelo Vale da Morte, o lugar mais quente do mundo». BBC. Consultado em 25 de julho de 2018 
  2. «Find Distance and Azimuths Between 2 Sets of Coordinates (Badwater 36-15-01-N, 116-49-33-W and Mount Whitney 36-34-43-N, 118-17-31-W)» 
  3. «Badwater». Death Valley Geology Field Trip 
  4. «Badwater, Death Valley National Park» 
  5. «Badwater». Tripadvisor 
  6. «Our Dynamic Desert». pubs.usgs.gov 
  7. «The Salton Sea: California's Overlooked Treasure - Chapter 1». www.sci.sdsu.edu. Consultado em 20 de junho de 2015 
  8. «Death Valley Groundwater Basin» (PDF). www.water.ca.gov 
  9. «Life in Death Valley ~ Little Fish, Big Splash | Nature | PBS» 
  10. «Death Valley Geology Field Trip: Shoreline Butte». www.nature.nps.gov. Consultado em 20 de junho de 2015 
  11. «Oasis near Death Valley fed by ancient aquifer under Nevada Test Site, study shows». news.byu.edu 
  12. «Changing Climates and Ancient Lakes». Desert Landforms and Surface Processes in the Mojave National Preserve and Vicinity. Open-File Report 2004-1007 
  13. Hammer, U. T. (30 de abril de 1986). Saline Lake Ecosystems of the World. [S.l.: s.n.] ISBN 9789061935353 

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]