Bagoas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bagoas
Nascimento século IV a.C.
Morte 336 a.C.
Ocupação político,
Causa da morte envenenamento

Bagoas (em antigo iraniano: Bagāvahyā, em grego clássico: Βαγώας Bagōas) foi um eunuco persa que faleceu no ano de 336 a.C. Embora informações sobre sua biografia sejam extremamente escassas, Bagoas ganhou destaque no imaginário contemporâneo em 1972, com o lançamento do livro The Persian Boy, da escritora Mary Renault. Em seu roteiro, Renault descreve a vida de Bagoas através de uma mistura entre pesquisa e imaginação, definindo-o como um menino escravizado, castrado e feminilizado pelos exércitos do imperador Dario. Também sugere que Alexandre, o Grande manteve com ele um relacionamento homossexual e que era um dos seus amantes preferidos.[1]

No entanto, de acordo com o historiador Plutarco, Alexandre teria escrito uma carta denunciadora a Dario III, acusando Bagoas como um dos organizadores do assassinato de seu pai Filipe II da Macedónia. Ressalta-se porém que ambos relatos foram escritos séculos após sua morte.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Alexandre». Público. Consultado em 24 de maio de 2018 
  2. «La homosexualidad y otros falsos mitos sobre la Antigua Grecia». Jornal ABC. Consultado em 24 de novembro de 2017