Bahamut

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Baphomet, ou Beemote.

Predefinição:Contém texto em árabe

Baamute (em árabe: بهموت, Bahamūt) é um peixe enorme que carrega a terra, na mitologia árabe.[1][2] Ainda que sua figura tenha sofrido grandes e complexos processos de modernização com o tempo, em consequência disso o Baamute é algo completamente diferente atualmente.

Se poderia dizer que o baamute original foi um peixe gigantesco que residia em um mar imenso. Sobre seu lombo suporta o peso de um touro gigantesco que recebe o nome de Kujata, que se diz, tem quatrocentos olhos, quatrocentos narizes, quatrocentas bocas, quatrocentas línguas, quatrocentos ouvidos e quatrocentas patas; uma grande quantidade de apêndices entre cada uma das quais há uma distância de quinhentos anos de viagem, o que dá uma ideia abstrata do tamanho da criatura, abstrata igualmente. Kujata suporta sobre seu lombo, por sua vez, um rubi sobre o qual repousa um anjo, quem, por sua vez, suporta os sete infernos, que suportam a Terra onde por sua vez sobre ela, se encontram os Sete Céus.

Atualmente[editar | editar código-fonte]

No folclore atual, o Baamute é reinterpretado como um grande dragão negro, normalmente como o rei ou seguidor daqueles que pretendem convencer-lhe (por razões muito particulares, ou ainda pelo fato de lutar pelo simples feito, pois assim é sua natureza de guerreiro). O Baamute é conhecido na mitologia mesopotâmica como o rei dos dragões, onde que ele tinha tamanho e força imensuráveis foi considerado o Deus dos Dragões.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

O Baamute também foi retratado na animação japonesa Shingeki no Bahamut: Genesis (神撃のバハムート GENESIS). Na história do anime, Mistarcia (ミスタルシア, Misutarushia) é um mundo onde deuses, demônios e seres humanos — além de outras criaturas místicas — coexistem. No passado, o temível dragão Bahamut (バハムート, Bahamūto) quase destruiu a terra, obrigando seres humanos, anjos e demônios a unirem forças para reter sua ira.[3]

O Bahamut na franquia de jogos de computadores,consoles e Aplicativos,Final Fantasy tem diferentes leituras em cada título: de criatura do lado do jogador, do lado inimigo, ou neutro (summon).[4],Baamute também é visto no jogo "The Battle Cats", em que é um dos últimos personagens á ser desbloqueado.

Bahamut é também um personagem no RPG Dungeons & Dragons. No jogo, ele é representado como um dragão de platina e é a divindade dos dragões benignos, sendo rival de Tiamat, outra figura religiosa que aparece como personagem na franquia.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lane, Edward William (1883). Arabian society in the middle ages: studies from the Thousand and one nights. Londres: Chatto & Windus. pp. 106–107 
  2. Borges, Jorge Luis; Guerrero, Margarita (2002). Livro dos Seres Imaginários. Norman Thomas di Giovanni (trans.). Londres: [s.n.] pp. 25–26. ISBN 0-09-944263-9 
  3. «Shingeki no Bahamut: Genesis». aniDB. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  4. «Final Fantasy VIII». GameFaqs. Consultado em 19 de dezembro de 2016 

[1]

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.