Bahamut

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Baphomet, ou Beemote.
Arabic albayancalligraphy.svg Este artigo contém texto em árabe, escrito da direita para a esquerda. Sem suporte multilingual apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de letras árabes.
Ni hon go2.png Este artigo contém texto em japonês.
Sem suporte multilingual apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de kanji ou kana.

Baamute (em árabe: بهموت, Bahamūt) é um peixe enorme que carrega a terra, na mitologia árabe.[1][2] Ainda que sua figura tenha sofrido grandes e complexos processos de modernização com o tempo, em consequência disso o Baamute é algo completamente diferente atualmente.

Se poderia dizer que o baamute original foi um peixe gigantesco que residia em um mar imenso. Sobre seu lombo suporta o peso de um touro gigantesco que recebe o nome de Kujata, que se diz, tem quatrocentos olhos, quatrocentos narizes, quatrocentas bocas, quatrocentas línguas, quatrocentos ouvidos e quatrocentas patas; uma grande quantidade de apêndices entre cada uma das quais há uma distância de quinhentos anos de viagem, o que dá uma idéia abstrata do tamanho da criatura, abstrata igualmente. Kujata suporta sobre seu lombo, por sua vez, um rubi sobre o qual repousa um anjo, quem, por sua vez, suporta os sete infernos, que suportam a Terra onde por sua vez sobre ela, se encontram os Sete Céus.

Atualmente[editar | editar código-fonte]

No folclore atual, o Baamute é reinterpretado como um grande dragão negro, normalmente como o rei ou seguidor daqueles que pretendem convencer-lhe (por razões muito particulares, ou ainda pelo fato de lutar pelo simples feito, pois assim é sua natureza de guerreiro). O Baamute é conhecido na mitologia mesopotâmica como o rei dos dragões, onde que ele tinha tamanho e força imensuráveis foi considerado o Deus dos Dragões.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

O Baamute também foi retratado na animação japonesa Shingeki no Bahamut: Genesis (神撃のバハムート GENESIS). Na história do anime, Mistarcia (ミスタルシア, Misutarushia) é um mundo onde deuses, demônios e seres humanos — além de outras criaturas místicas — coexistem. No passado, o temível dragão Bahamut (バハムート, Bahamūto) quase destruiu a terra, obrigando seres humanos, anjos e demônios a unirem forças para reter sua ira.[3]

O Bahamut na franquia de jogos de computadores e consoles Final Fantasy tem diferentes leituras em cada título: de criatura do lado do jogador, do lado inimigo, ou neutro (summon).[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lane, Edward William. Arabian society in the middle ages: studies from the Thousand and one nights. Londres: [s.n.]. 106–107 p.
  2. Borges, Jorge Luis. Livro dos Seres Imaginários. Londres: [s.n.], 2002. 25–26 p. ISBN 0-09-944263-9
  3. «Shingeki no Bahamut: Genesis». aniDB. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  4. «Final Fantasy VIII». GameFaqs. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.