Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para outros significados, veja Bahia (desambiguação).
Estado da Bahia
Bandeira da Bahia
Brasão da Bahia
Brasão da Bahia
Bandeira Brasão
Lema: Per Ardua Surgo
"Pela dificuldade, venço"[1][2]
Hino: Hino da Bahia
Gentílico: baiano(a)

Localização da Bahia no Brasil
Localização da Bahia no Brasil

Localização
 - Região Nordeste
 - Estados limítrofes Minas Gerais (S, SO, e SE), Goiás (O e SO), Tocantins (O e NO), Piauí (N e NO), Pernambuco (N), Alagoas (NE), Sergipe (NE) e Espírito Santo (SE)
 - Regiões geográficas
   intermediárias
10
 - Regiões geográficas
   imediatas
34
 - Municípios 417
Capital Escudo da cidade de SalvadorSalvador
13°58′13"S 38°30′45"O
Governo
 - Governador(a) Jerônimo Rodrigues (PT)
 - Vice-governador(a) Geraldo Júnior (MDB)
 - Deputados federais 39
 - Deputados estaduais 63
 - Senadores Angelo Coronel (PSD)
Jaques Wagner (PT)
Otto Alencar (PSD)
Área
 - Total 564 733,177 km² () [3]
População 2021
 - Estimativa 14 985 284 hab. ()[4]
 - Densidade 26,54 hab./km² (15º)
Economia 2021[5]
 - PIB R$ 352.618 bilhões ()
 - PIB per capita R$ 23.530,94 (18º)
Indicadores 2016/2017[6][7]
 - Esperança de vida (2017) 73,7 anos (17º)
 - Mortalidade infantil (2017) 16,6‰ nasc. ()
 - Alfabetização (2016) 87% (19º)
 - IDH (2021) 0,691 (22º) – médio [8]
Fuso horário UTC−3, América/Bahia
Clima Af, As, Aw, BSh
Cód. ISO 3166-2 BR-BA
Site governamental http://www.ba.gov.br/

Mapa da Bahia
Mapa da Bahia

A Bahia (pronúncia em português: [baˈi.ɐ]) é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Banhada pelo Oceano Atlântico na costa mais extensa do país, está situada na Região Nordeste,[10] onde representa a maior extensão territorial, a maior população, o maior produto interno bruto e o maior número de municípios. A capital estadual é Salvador. Além dela, há outros municípios influentes na rede urbana baiana, como as capitais regionais Feira de Santana, Vitória da Conquista, Barreiras, o bipolo Itabuna-Ilhéus e Juazeiro do bipolo com o município pernambucano de Petrolina.[11]

Um dos primeiros núcleos de riqueza açucareira do Brasil, a Bahia recebeu um imenso contingente e enorme influência de africanos escravizados, trazidos pelos colonizadores portugueses para comercialização, visando a suprir os engenhos e as minas de ouro da colônia.[12] Esses indivíduos escravizados procediam em especial do Golfo da Guiné, das antigamente chamadas costas "dos escravos", "da pimenta", "do marfim" e "do ouro", no Oeste Africano, com destaque para o Império de Oió, fundado e habitado pelo povo iorubá, e o antigo Reino de Daomé. Em contraposição, o Rio de Janeiro viria a receber, posteriormente, escravos procedentes principalmente de Angola e Moçambique.[13] Assim, a influência da cultura africana na Bahia permaneceu alta na música, na culinária, na religião, no modo de vida de sua população, não só ao redor de Salvador e Recôncavo baiano, mas, principalmente, em toda a costa baiana. Não à toa, o gentílico do estado deu nome ao ofício comum a mulheres negras que preparam e comerciam no tabuleiro de acarajé, vestidas de turbante, colares e brincos dourados, pulseira, saias compridas e armadas, blusa de renda e adereços de pano da costa — isto é, a baiana do acarajé.

A Bahia é considerada a parte mais antiga da América Portuguesa, pois foi na região de Porto Seguro, litoral sul da Bahia, que a frota de Pedro Álvares Cabral ancorou, em 22 de abril de 1500,[14] marcando o descobrimento do Brasil pelos portugueses e a celebração da primeira missa, na praia da Coroa Vermelha, presidida pelo frei Henrique Soares de Coimbra.[12][15] Em 1 de novembro de 1501, o navegador florentino Américo Vespúcio, a serviço da Coroa portuguesa, descobriu e batizou a Baía de Todos-os-Santos, maior reentrância de mar no litoral desde a foz do Rio Amazonas até o estuário do Rio da Prata. O local foi escolhido para abrigar a sede do governo-geral em março de 1549 com a chegada do fidalgo Tomé de Sousa, a mando do rei Dom João III de Portugal para fundar a que seria, pelos 214 anos seguintes, a cidade capital do Brasil Colônia, Salvador. É de se destacar também o decreto de abertura dos portos às nações amigas, promulgada em 28 de janeiro de 1808 por meio de uma Carta Régia pelo príncipe regente dom João VI de Portugal, na então Capitania da Bahia, acabando com o exclusivismo metropolitano comercial e abrindo a economia brasileira para o comércio exterior.[16][17][18][19]

O estado possui um alto potencial turístico, que vem sendo muito explorado através de seu litoral, da Chapada Diamantina, do Recôncavo e de outras belezas naturais e patrimônios históricos e culturais. Possui a sétima maior economia do Brasil, com produto interno bruto superior a 290 bilhões de reais, representando quase 20 mil reais de PIB per capita. A sua renda, no entanto, não é bem distribuída, refletindo-se num índice de desenvolvimento humano de 0,714 em 2017. O estado também sofre com altas taxas de criminalidade, sendo o segundo com maior taxa de homicídios do país e o estado com o maior número de cidades entre as mais violentas do Brasil (12).[20][21][22] Na Bandeira do Brasil, o estado da Bahia é representado pela estrela Gamma Crucis da constelação do Cruzeiro do Sul (Crux).[23]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O topônimo "Bahia" é uma referência à Baía de Todos os Santos, a qual deu o nome, originalmente, à Capitania da Baía de Todos os Santos.[24] A capitania foi transformada, em 1821, em província. Em 1889, a Província da Bahia tornou-se o atual Estado da Bahia.[25][26][27]

"Bahia" é a grafia antiga para "baía", a qual se conservou, no Brasil, por uma questão de tradição. No entanto, na variante europeia da língua portuguesa, escrita em Portugal, a grafia também correta e usual é "Baía"; os dicionários portugueses como o da Porto Editora,[28][29][30] o da Texto Editores e o da Academia de Ciências de Lisboa, que é o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, definem a palavra baiano como alguém que é originário do estado brasileiro da Baía, utilizando essa grafia.

O gentílico "baiano", já supracitado, não conserva a ortografia antiga. Embora a grafia Bahia siga as regras gerais da atual ortografia da língua portuguesa, está registrada na quinta edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia já estava consagrada como exceção no ponto 42 do Formulário Ortográfico de 1943:[24]

"Os topônimos de tradição histórica secular não sofrem alteração alguma na sua grafia, quando já esteja consagrada pelo consenso diuturno dos brasileiros. Sirva de exemplo o topônimo Bahia, que conservará esta forma quando se aplicar em referência ao Estado e à cidade que têm esse nome. Observação. — Os compostos e derivados desses topônimos obedecerão às normas gerais do vocabulário comum".
— Formulário Ortográfico de 1943[31]

Ainda que a grafia Bahia seja universalmente adotada pela população brasileira, tal grafia suscita dúvidas a gramáticos e lexicógrafos como o ortógrafo e lexicógrafo brasileiro Evanildo Bechara, que considera a grafia Bahia, «um capricho imposto à nação»,[32] e Napoleão Mendes de Almeida, que qualifica tal grafia como «espúria».[33]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Bahia

Povos indígenas e período colonial[editar | editar código-fonte]

Desembarque de Cabral em Porto Seguro (óleo sobre tela); autor: Oscar Pereira da Silva, 1904. Acervo do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro.
Pelourinho, na capital baiana, exemplo da arquitetura colonial implantada no Brasil

No início do século XVI, o território baiano era habitado por uma diversidade de povos indígenas. O litoral e regiões próximas eram predominantemente habitados por povos falantes de línguas tupis, como os tupinambás e tupiniquins, mas também por povos não-tupis, como os aimorés. Já o interior da Bahia era habitado por povos falantes de línguas macro-jê, como os cariris.[27][34]

Foi na região de Porto Seguro, no litoral baiano, que a frota portuguesa liderada por Pedro Álvares Cabral desembarcou em 22 de abril de 1500, "descobrindo" o Brasil. A Baía de Todos-os-Santos foi avistada pelos europeus pela primeira vez em 1501, pela expedição de Américo Vespúcio. Ao longo das três primeiras décadas do século XVI, Portugal não deu importância à colonização do Brasil e o território baiano era explorado somente por aqueles que procuravam e extraíam pau-brasil.[27][35]

Em 1511, entretanto, já havia uma feitoria na Baía de Todos-os-Santos; alguns degredados, náufragos e desertores se casaram com as indígenas e deram origem às mais antigas famílias da Bahia e do Brasil. Um desses náufragos era o português Diogo Álvares, apelidado de Caramuru. O pau-brasil também movimentou contrabandistas franceses, que chegaram a conquistar a credibilidade dos indígenas.[27][35]

Só em 1534, se iniciou a colonização portuguesa da Bahia, quando o rei de Portugal D. João III dividiu a América Portuguesa em capitanias hereditarias, acreditando que essa seria a forma mais eficaz de povoar e garantir a conquista dessa colônia. As capitanias da Baía de Todos os Santos, de Ilhéus e de Porto Seguro equivaliam ao território do atual estado da Bahia.[27][35]

A capitania de Porto Seguro foi cedida a Pero do Campo Tourinho e, nela, seu donatário estabeleceu em 1535 a vila de Santa Cruz, na baía Cabrália. Um ano depois, outra vila foi criada, a de Porto Seguro. Na capitania de Ilhéus, o povoado, que deu origem à atual cidade homônima, foi fundado pelo donatário Jorge de Figueiredo Correia. Francisco Pereira Coutinho ganhou a capitania da Bahia de Todos-os-Santos e criou a vila do Pereira (posteriormente Vila Velha), no lugar do atual Porto da Barra.[27][35]

No entanto, o sistema de capitanias hereditárias fracassou, devido à falta de recursos e experiência dos donatários e os ataques indígenas. Com isso, em 1548, o Rei D. João III determinou a criação do governo geral, uma administração colonial centralizada, e nomeou Tomé de Sousa para o cargo de governador. Sousa fundou, em 1549, a cidade de Salvador para ser a sede do governo colonial brasileiro.[36][37]

O cultivo de cana-de-açúcar no litoral da Bahia e regiões próximas se iniciou em meados do século XVI, era feito em latifúndios e utilizava largamente a mão-de-obra africana escravizada.[38][39]

A pecuária foi introduzida na Bahia junto com o açúcar e inicialmente era atividade complementar à cultura canavieira, mas, décadas mais tarde, com a multiplicação dos rebanhos bovinos e os consequentes prejuízos aos canaviais, o gado foi empurrado para o interior, sendo a pecuária responsável por povoar grande parte das áreas baianas de Caatinga e Cerrado.[40][41]

Planta da restituição da Bahia (de 1631 por João Teixeira Albernaz, o Velho): em primeiro plano, a Armada Espanhola

Em 1624, no contexto da Guerra dos Oitenta Anos e União Ibérica, Salvador foi invadida pelos neerlandeses e reconquistada por tropas luso-espanholas no ano seguinte. Em 1627, corsários neerlandeses atacaram Salvador.[42]

Em meados do século XVII, o ciclo do açúcar no Brasil entrou em declínio, por causa da concorrência com a produção das Antilhas, para onde os holandeses levaram a cana-de-açúcar depois de expulsos do Brasil.[43]

No final do século XVII e início do século XVIII, foram descobertas jazidas de ouro em Jacobina e nas nascentes dos rios Paramirim, de Contas e Brumado, o que fez com que essas regiões fossem colonizadas. Na década de 1840, foram descobertas jazidas de diamantes em Mucugê e Lençóis, povoando essa zona.[44][45][46]

No século XVIII, a economia da Bahia voltou a prosperar, como resultado do preço elevado totalizado pelo açúcar e das enormes safras de tabaco que exportava.[27][35]

Em 1763, a capital brasileira foi transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, pois o eixo econômico do Brasil havia sido transferido décadas antes para o Sudeste, devido às jazidas de ouro em Minas Gerais. Essa medida adotada pela Coroa Portuguesa um forte impacto na economia baiana.[47][48]

Em 1798, com inspiração no Iluminismo, Revolução Francesa e Inconfidência Mineira, eclodiu em Salvador a Conjuração Baiana, a qual lutava pela independência da Bahia e o fim da escravidão e da colonização, contando com forte apoio e participação popular. A repressão por parte da Coroa Portuguesa foi muito dura.[48][49]

Independência e Império[editar | editar código-fonte]

O Primeiro Passo para a Independência da Bahia, de autoria de Antônio Parreiras
Palácio do Governo, destruído após o bombardeio

Em janeiro de 1808, fugindo das Guerras Napoleônicas, a Corte Portuguesa se transferiu para o Brasil, inicialmente se fixando em Salvador, onde decretou a abertura dos portos às nações amigas. Em março, a corte se dirigiu para o Rio de Janeiro.[50]

Em fevereiro de 1822, as cortes portuguesas trocaram o baiano Freitas Guimarães, governador das Armas da Bahia, pelo português Madeira de Melo. Com isso, os baianos se insurgiram, iniciando as lutas pela independência da Bahia, que envolveram Salvador, Recôncavo e o interior e foram concluídas em 2 de julho de 1823, quando as tropas portuguesas se renderam e, assim, a Bahia se integrou ao Brasil.[27][35][51][52][53]

Durante as primeiras décadas do Império, a Bahia sofreu uma situação social e politicamente agitada. Aconteceram muitas rebeliões contra a participação contínua dos portugueses que haviam guerreado contra os baianos na guerra da Independência. Durante o período regencial, a Bahia foi palco de várias revoltas: duas separatistas - a Federação do Guanais (1832) e a Sabinada (1837-8) - e uma revolta de escravizados e libertos muçulmanos - a Revolta dos Malês (1835).[27][35][54]

Durante o Segundo Reinado (1840-89), o cultivo da cana-de-açúcar na Bahia estava em crise. Ao mesmo tempo, foram construídas na província, durante esse período, as primeiras ferrovias, como a Estrada de Ferro da Bahia ao São Francisco.[27][35][55]

República[editar | editar código-fonte]

Ao receber a notícia do Rio de Janeiro, o coronel Frederico Buys, comandante do forte de São Pedro, declarou a república na Bahia no dia 16 de novembro de 1889. Uma situação politicamente instável e agitada no Estado também caracterizou os primeiros anos do período republicano. O primeiro governador, Virgílio Clímaco Damásio, só administrou cinco dias.[27][35]

O primeiro governador eleito da Bahia foi Rodrigues Lima (1892-6), o qual foi sucedido por Luís Viana (1896-1900), em cujo governo ocorreu a Guerra de Canudos (1896-7), no nordeste do Estado, entre as tropas federais e estaduais e seguidores do líder messiânico Antônio Conselheiro.[55][56]

O ciclo do cacau, no final do século XIX e início do XX, trouxe prosperidade para a Região Cacaueira, no sul da Bahia e, para trabalhar nas lavouras, migraram pessoas flageladas pelas secas oriundas do interior da Bahia e de Sergipe.[27][35][57]

Na República Velha, a Bahia esteve à margem do poder. Em 1912, como resultado da resistência do governo baiano à política das salvações do governo Hermes da Fonseca (1910-14), Salvador foi bombardeada.[48] Nesse mesmo ano, ascendeu ao poder J. J. Seabra, que governou a Bahia pela primeira vez entre 1912 e 1916, sendo sucedido por seu aliado, Antônio Moniz de Aragão (1916-20). Entre 1920 e 1924, Seabra exerceu um segundo mandato. Os 12 anos de seabrismo (1912-24) foram caracterizados pelas reformas urbanas em Salvador e obras de infraestrutura. Durante o governo dos seus sucessores, Góis Calmon (1924-8) e Vital Soares (1928-30), o seabrismo entrou em decadência.[58][59]

Com a Revolução de 1930, a Bahia — cuja administração se encontrava envolvida com o plano político-administrativo do presidente Washington Luís — permaneceu sob intervenção federal. Juracy Magalhães foi promovido a interventor federal (1931) e, em 1935, foi eleito governador, entretanto, foi exonerado quando do estabelecimento do Estado Novo (1937).[27][35]

A economia baiana começou a ganhar impulso na década de 1950, com a descoberta de petróleo e a construção da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso e da Rodovia Rio-Bahia. Nas décadas de 1960 e 1970, no contexto das administrações federais desenvolvimentistas do final da República Populista e da Ditadura Militar, houve um desenvolvimento da agropecuária na região do Vale do São Francisco e a criação de parques industriais em Aratu (1967) e Camaçari (1978), nos arredores de Salvador, cuja área metropolitana se consolidou como o principal centro industrial do Nordeste Brasileiro.[48][60][61]

Em 1971, Antônio Carlos Magalhães (ACM) assumiu o governo da Bahia pela primeira vez e, a partir daí, sua figura passou a dominar o cenário político estadual, no que ficou conhecido como “carlismo”. Durante mais de três décadas, a partir de 1971, a Bahia foi governada por ACM e aliados, com breve derrota no governo de Waldir Pires (1987-9).[27][35][62]

Na década de 1990, o governo estadual deu incentivos à indústria, em setores como o plástico, automotiva e de calçados.[48] Nessa época, o fungo vassoura-de-bruxa foi introduzido nas lavouras de cacau, causando enormes prejuízos à cacauicultura da região, como uma grande redução na safra.[63][64]

Em 2006, Jaques Wagner (PT) foi eleito governador e tomou posse em 2007, pondo fim a mais de 30 anos de carlismo.[65] Desde então, o petismo é a maior força política da Bahia, tendo como governadores, além de Wagner (2007-15), Rui Costa (2015-23) e Jerônimo Rodrigues (2023-).[66][67][68][69]

Geografia[editar | editar código-fonte]

O relevo do estado se individualiza pela existência de planícies e mangues, na costa (Planícies e Tabuleiros Costeiros); depressão, nas partes norte e oeste (Depressão Sertaneja e do São Francisco); chapadas (como a Diamantina) e planaltos, no centro; e serras, a sul e a oeste (Planaltos e Serras de Leste-Sudeste).[70]

A Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco compreende o oeste baiano e nela se encontra implantada a enorme represa de Sobradinho. Os rios da porção leste do estado correm diretamente para o mar, pertencendo às Bacias Costeiras do Nordeste Oriental. Além do São Francisco, os rios das Contas, Capivari, Paraguaçu, Itapicuru e Jequitinhonha incluem entre os mais importantes da Bahia.[70]

O clima baiano oscila conforme a região do estado, sendo majoritariamente tropical, com inverno seco e verão úmido. Na costa, predomina o clima tropical litorâneo úmido, cujas chuvas estão concentradas no inverno. No norte, tem um clima tropical semi-árido, tendo propensão a seco pela má distribuição da ação das massas de ar. O índice pluviométrico oscila muito em toda a Bahia. No cinturão costeiro e no oeste, se encontra de 1 500 mm a 2 000 mm ao ano. Em boa parte do interior, varia entre 750 mm e 1 500 mm anuais. No norte, a precipitação média não ultrapassa 750 mm anuais. A temperatura média anual também se modifica muito, sendo mais cálido no norte e na costa. Nessas regiões, a média anual varia de 24ºC a 28ºC; no resto do estado, prevalecem temperaturas de 18ºC a 24ºC.[70]

Na Zona da Mata, prevalece a Mata Atlântica; no decorrer do vale do rio São Francisco e no norte do estado, a caatinga; no oeste baiano, o cerrado.[70]

Localização, limites, área territorial e pontos extremos[editar | editar código-fonte]

Vista do morro Pai Inácio, na Chapada Diamantina

Situada no sul da Região Nordeste, a Bahia limita-se com outros oito estados brasileiros — é o estado brasileiro que mais faz divisas: com Minas Gerais a sul, sudoeste e sudeste; com o Espírito Santo a sul; com Goiás a oeste e sudoeste; com Tocantins a oeste e noroeste; com o Piauí a norte e noroeste; com Pernambuco a norte; e com Alagoas e Sergipe a nordeste.[71] A leste, é banhada pelo Oceano Atlântico por 1 183 quilômetros, o que torna seu litoral o mais extenso de todos os estados do Brasil.[72]

Ocupa uma área de 564 760,429 km²,[73] sendo pouco maior que a França e o quinto estado brasileiro em extensão territorial. Com tal dimensão, possui 36,334% da área total da Região Nordeste do Brasil e 6,632% do território nacional. E de sua área total, cerca de 70 por cento situam-se na região do semiárido[72] e 57,19% de seu território, dentro do polígono das secas, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).[74]

Ao norte, o limite é o Rio São Francisco, no município de Curaçá, divisa com Pernambuco, sendo a latitude de 8 graus 32 minutos e 00 segundo e a longitude de 39 graus 22 minutos e 49 segundos. Ao sul, o limite extremo é a barra do Riacho Doce, no município de Mucuri, na divisa com o Espírito Santo, sendo a latitude de 18 graus 20 minutos e 07 segundos e a longitude de 39 graus 39 minutos e 48 segundos. No leste, o ponto extremo é a barra do Rio Real, no município de Jandaíra, na divisa com o Oceano Atlântico, sendo a latitude de 11 graus 27 minutos e 07 segundos e a longitude de 37 graus 20 minutos e 37 segundos. O ponto extremo do oeste é o divisor de águas, no município de Formosa do Rio Preto, divisa com o Tocantins, sendo a latitude de 11 graus 17 minutos e 21 segundos e a longitude de 46 graus 36 minutos e 59 segundos. O centro geográfico do estado fica na cidade de Seabra, na Praça Luiz Acosta, defronte ao prédio dos Correios, nas coordenadas 12 graus e 25,098 minutos na latitude sul e 41 graus e 48,105 na longitude oeste (informação Google Earth).[75]

Geomorfologia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite do relevo baiano com escala altimétrica.

Cerca de setenta por cento do território do estado se localizam de 300 a 900 m e 23% inferiores a 300 m. O quadro morfológico abrange três unidades: a baixada litorânea, o rebordo do planalto e o planalto.[76][77][78]

A baixada litorânea é um bloco de terras localizadas aquém de 200 m de altitude. Elevam-se aí, predominando as praias e os areões da orla litorânea, solos de aspecto tabular, os denominados tabuleiros areníticos. Para o interior, esses terrenos dão lugar a um cinturão de colinas e morros argiláceos, de terreno maciço, razoavelmente produtivo, principalmente no Recôncavo, onde se localiza o conhecido massapê baiano. Tanto o cinturão dos morros e colinas como a dos tabuleiros são atravessadas diagonalmente pelos rios que correm do planalto; no decorrer deles prolongam-se grandes planícies aluviais (várzeas) vulneráveis a cheias que lhes revitalizam diariamente os terrenos com o assentamento de novos aluviões.[76][77][78]

A borda do planalto eleva-se instantaneamente a oeste das colinas e morros, compondo um cinturão de solos muito montanhosos, através da qual sobe da baixada para o planalto. Ao norte de Salvador, a borda do planalto some, porque a passagem entre planalto e baixada se faz levemente.[76][77][78]

O planalto compreende boa parte do estado e se encontra subdividido em cinco divisões bastante distintas: planalto sul-baiano, do Espinhaço, depressão são-franciscana, planalto ocidental e pediplano.[76][77][78]

O planalto sul-baiano, cortado em rochas cristalinas antigas, localiza-se no sudeste do estado. Sua área, entre 800 e 900 m de altitude média, aparece suavemente ondulada, com grandes vales de profundidade achatada. No entanto, os rios de Contas e Paraguaçu cavaram em seu centro profundos vales, subdividindo-o em três divisões: o planalto de Conquista, no sul; o de Itiruçu, no centro; e o de Cruz das Almas, no norte.[76][77][78]

O Espinhaço é formado por um cinturão de terrenos altos (1.300 m de média e 1.850 m no pico das Almas, seu ponto mais alto) que atravessa o estado de norte a sul pelo centro. Sua área ora ocorre como enfileiramentos acidentados (cristas de quartzo), ora como altitudes tabulares ou cuestas. Estas últimas dominam na parte leste e norte, compondo um grande bloco de formas suaves, chamado chapada Diamantina.[76][77][78]

A depressão são-franciscana prolonga-se a oeste do Espinhaço, com inclinação similar, ou seja, compondo cinturão de direção norte-sul. Formam-na terrenos de pequena elevação (400 m em média) e razoavelmente aplainadas, que com leve inclinação descem para o rio São Francisco. No decorrer dos vales de certos tributários do curso médio desse rio, principalmente os rios Corrente e Grande, a depressão se dirige para oeste, extensões em formato de dedos. No fundo da depressão se encontra a planície aluvial do São Francisco, diariamente transbordada por suas cheias.[76][77][78]

O planalto ocidental, formado por rochas sedimentares, eleva-se a oeste da depressão são-franciscana, com uma altitude superior a 850 m. Seu topo regular apresenta-lhe aspecto tabular e a caracterização de grande chapadão, a que é aplicada a designação geral de Espigão Mestre.[76][77][78]

O pediplano abarca toda a parte nordeste do planalto baiano. Aí se estendem grandes áreas que se dispõem levemente para a costa, a leste, e para o canal do São Francisco, ao norte, com 200 e 500 m de altitude. Esses terrenos apresentam o exemplar característico de clima semi-árido, visto em todo o interior da região Nordeste: imensos planaltos nas quais aparecem, aqui e ali, picos e maciços ermos (inselbergs). Compõem o subsolo dessa região rochas cristalinas antigas, exceto um cinturão de formações sedimentares, que do Recôncavo lança para o norte, cedendo lugar a várias chapadas areníticas também designadas tabuleiros.[76][77][78]

O território baiano compreende três importantes gêneros de solos. O primeiro gênero, paupérrimo, abrange boa parte do estado, especialmente a chapada Diamantina, a bacia hidrográfica do São Francisco, as partes meridional e oeste, e porção do Recôncavo. Não é propício para o plantio da maior parte dos produtos agrários, sendo mais apropriado para a pecuária. O massapê, terreno argiloso, usualmente preto ― o melhor solo da Bahia ― é ótimo para a cacauicultura. Encontram-se, principalmente, no Recôncavo, na região cacaueira e ao norte, nos vales dos rios Real, Vaza-Barris e Itapicuru. Enfim, os solos de calcário. Abarcam somente dez por cento do território da Bahia e se encontram na porção central do estado.[79]

Clima, hidrografia, flora e fauna[editar | editar código-fonte]

Clima da Bahia a partir da Classificação Climática de Köppen-Geiger

Três tipos climáticos aparecem na Bahia: o clima cálido e chuvoso sem estação seca, o clima tórrido e orvalhado com estação seca de inverno e o clima semi-árido quente, reconhecidos no sistema de Köppen pelos símbolos Af, Aw e BSh, nesta ordem. O primeiro predomina no decorrer do litoral, com temperaturas médias anuais de mais de 23 °C e totais pluviométricos acima de 1.500 mm. O segundo identifica todo o interior, exceto a porção norte e do vale do São Francisco. Possui temperaturas médias anuais que oscilam entre 18 °C nas regiões mais altas e 22 °C nas zonas mais rebaixadas, e totais pluviométricos similares a mil milímetros. O terceiro tipo climático se encontra no norte do estado e no vale do São Francisco. As temperaturas médias anuais ultrapassam 24 °C e mesmo 26 °C, no entanto, a pluviosidade está abaixo de 700 mm.[80]

Cerca de 64% do território baiano é coberto por caatingas, 16% por cerrados, 18% por florestas e dois por cento por campos. As florestas aparecem na área litorânea e abrangem uma faixa de terra cujo comprimento oscila entre cem quilômetros (no Recôncavo) e 250 km (no vale do rio Pardo). No lado oeste aparecem como matas perenes, no centro como semidecíduas e no lado oeste como decíduas agrestes. A mais importante área de ocorrência de cerrados constitui o planalto ocidental. Outras manchas, menores, ocorrem em meio às regiões de caatinga. Os campos ocorrem ainda no planalto ocidental, compondo uma curta mancha inclinada na direção norte-sul. As caatingas cobrem o restante do estado, ou seja, boa parte de seu interior. Todos esses gêneros de vegetação acham-se atualmente bem alterados por intervenção do homem.[80]

Poço Encantado, um lago subterrâneo no Parque Nacional da Chapada Diamantina.

Os rios da Bahia fazem parte de dois grupos: o primeiro pertence ao São Francisco e seus tributários. Dentre esses últimos merecem destaque os tributários da margem esquerda, que tem suas nascentes no planalto ocidental (Carinhanha, Correntes, Grande e seu afluente, o Preto). O segundo grupo abrange os rios que descem diretamente ao Atlântico (Mucuri, Jequitinhonha, Pardo, Contas, Paraguaçu, Itapicuru e Vaza Barris). Os dois grupos compreendem, na região semi-árida, rios de regime temporário.[80]

A fauna baiana é abundante e variada. Nas regiões de floresta úmida, especialmente no Parque Nacional do Descobrimento, podem ser encontradas espécies ameaçadas de extinção, como o macuco, que constitui uma ave da família das codornas. Dentre os mamíferos existem preguiças-de-coleira e onças-pintadas. Já no Parque Nacional da Chapada Diamantina podem ser encontradas muitas espécies de anfíbios, répteis e aves que somente tem na região.[80]

Conservação ambiental[editar | editar código-fonte]

A Ilha de Itaparica, que está inserida na APA Baía de Todos os Santos.

Segundo dados de 2002, existiam 128 unidades de conservação (UC) cadastradas no estado, que são instituídas por legislações federais, estaduais ou municipais. Dessas, destaca-se a quantidade de áreas de proteção ambiental (APA), 36 ao todo, por ser uma categoria de UC em que a adequação e orientação às atividades humanas são mais flexíveis. Há, ainda, a categoria de reserva particular do patrimônio natural (RPPN), que aparece como opção de preservação em propriedade privada e totaliza 46 unidades. As áreas preservadas baianas cobrem os diferentes biomas presentes no estado: cerrado, caatinga e floresta (Mata Atlântica). Esta última conta com maior percentual de unidades de conservação, devido ao divulgado estado de fragmentação e degradação.[81]

Além dessas formas de estabelecer áreas protegidas, há os parques estaduais e nacionais, também protegidas por lei. São sete nacionais (Marinho dos Abrolhos, Chapada Diamantina, Descobrimento, Grande Sertão Veredas — também localizado em Minas Gerais -, Monte Pascoal e Nascentes do Rio Parnaíba — também localizado no Piauí, Maranhão e Tocantins — e Pau Brasil) e três estaduais (Serra do Conduru, Morro do Chapéu e Sete Passagens).[82]

Entretanto, nem sempre o meio ambiente está livre de poluição na Bahia. Acidentes e crimes ambientais como queimadas, contaminação por metais pesados e derramamento de petróleo e de outros derivados de combustíveis fósseis são alguns dos principais problemas ambientais baianos. O caso mais recente ocorreu na Praia de Caípe, no município de São Francisco do Conde, onde cerca de 2,5 metros cúbicos de óleo provenientes da Refinaria Landulpho Alves vazaram, provocando não só impactos ambientais como econômicos.[83]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia da Bahia
Crescimento populacional
Censo Pop.
18721 379 616
18901 919 80239,2%
19002 117 95610,3%
19203 334 46557,4%
19403 918 11217,5%
19504 834 57523,4%
19605 990 60523,9%
19707 583 14026,6%
19809 597 39326,6%
199111 855 15723,5%
200013 066 91010,2%
201014 016 9067,3%
202214 141 6260,9%
Fonte: IBGE[84][85]

No censo demográfico de 2022, a população do estado da Bahia era de 14.141.626 habitantes, o que lhe confere uma densidade demográfica de 25,04 hab./km², sendo a Unidade Federativa mais populosa da Região Nordeste do Brasil e a quarta mais populosa do Brasil, abrigando 6,96% da população brasileira. Ainda segundo o censo 2022, a população baiana é composta por 51,66% de mulheres e 48,34% de homens.[86]

A população do estado da Bahia no censo demográfico de 2010 era de 14 016 906 habitantes, sendo a 4.ª unidade da federação mais populosa do país, concentrando cerca de 7,3% da população brasileira[87] e apresentando uma densidade demográfica de 24,82 moradores por quilômetro quadrado (a 15.ª maior do Brasil).[88] De acordo com este mesmo censo demográfico, 72,07% dos habitantes viviam na zona urbana e os 27,93% restantes na rural.[89]

O Índice de Desenvolvimento Humano da Bahia é considerado médio conforme o PNUD. Segundo o último Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil, divulgado em 2013, com dados relativos a 2010, o seu valor era de 0,660, estando na 22.ª colocação ao nível nacional e na quinta ao regional. Considerando-se o índice de longevidade, seu valor é de 0,663 (4.º), o do valor de renda é 0,663 (22.º) e o de educação é de 0,555 (25.º).[90] O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,49 e a incidência da pobreza de 43,47%.[91] A taxa de fecundidade da Bahia é de 2,05 filho por mulher, uma das mais baixas do Brasil.[92]

Dos 417 municípios (considerando a divisão municipal na época), apenas dois tinham população acima dos quinhentos mil: Salvador e Feira de Santana, no nordeste do estado. Outros 14 tinham entre 100 001 e 500 000, 27 de 50 001 a 100 000, 126 de 20 001 a 50 000, 179 de 10 001 a 20 000, 60 de 5 001 a 10 000 e nove de 2 001 a 5 000.[93] Sua capital, Salvador, com seus 2 675 656 habitantes, concentrava 19,09% da população estadual,[94] além de possuir a maior densidade demográfica entre os municípios do Estado (3859,35 hab./km²), quase cinco vezes maior que Feira de Santana (o município com a 6.ª maior densidade, 416,03 hab./km²), enquanto Jaborandi, no oeste, tinha a menor densidade (0,94 hab./km²).[95]

A distribuição populacional possui fortes diferenças regionais. No Recôncavo Baiano e na região cacaueira, são registradas densidades maiores do que 100 hab./km². Já em extensas áreas do interior, a colonização se torna reduzida, despencando esses índices para mais de 15 hab./km² (chapadões, Chapada Diamantina e sertão semi-árido).[96]

Religião[editar | editar código-fonte]



Religião na Bahia (2010)

  Catolicismo (65.2%)
  Protestantismo (17.4%)
  Espiritismo (1.1%)
  Outras (4%)
  Sem Religião (12.0%)

O catolicismo é a religião dominante no estado. Em Salvador, foi erguida a primeira igreja católica em solo brasileiro, graças a Catarina Paraguaçu, onde hoje é o bairro da Graça. A capital baiana possui centenas de templos católicos, sendo, a cidade, a sede do governo católico no país, morada do Arcebispo Primaz. A padroeira do estado é Nossa Senhora da Conceição da Praia, cujo templo é alvo de culto. Apesar disso, o mais famoso culto no estado é o culto ao Senhor do Bonfim, que é considerado popularmente como padroeiro.[99] Possui, ainda, o centro de peregrinação de Bom Jesus da Lapa, alvo de romarias anuais, além das igrejas seculares do Recôncavo, com suas novenas. Possui a Arquidiocese de São Salvador da Bahia,[100][101][102] a Arquidiocese de Vitória da Conquista, Arquidiocese de Feira de Santana.[103] Dentro do catolicismo baiano, as figuras das freiras Joana Angélica,[104] Irmã Dulce,[105][106] e Irmã Lindalva.[107]

O sincretismo com as religiões de origem africana, que na Bahia mais que em qualquer outra parte do país se mantiveram vivas, veio a misturar o candomblé com o catolicismo (como nos casos da Irmandade da Boa Morte e da Irmandade dos Homens Pretos) e outras variantes cristãs. Surgiram, então, religiões mistas, como a cabula e a umbanda. Sobressaem, neste campo, a figura cultuada de Mãe Menininha do Gantois, e terreiros como o Ilê Axé Opô Afonjá, além de toda uma cultura que permeia as crenças do povo baiano.[108]

Desde o início do século XX, a Bahia é palco de missões evangélicas protestantes, que redundaram na capital na fundação do Colégio Dois de Julho[109] e na presença de missionários como Henry John McCall (especificamente em Cachoeira).[110]

Composição étnica, migração e povos indígenas[editar | editar código-fonte]

Segundo o censo 2022, a população baiana assim declarou sua cor ou raça: 57,31% pardos, 22,38% pretos, 19,61% brancos, 0,59% indígenas e 0,11% amarelos.[86]

Segundo o censo de 2010, da população baiana, 99,93% eram brasileiros (99,91% natos e 0,02% naturalizados) e 0,07% estrangeiros.[111] Dentre os brasileiros, 0,25% naturais do Sul, 96,34% do Nordeste (93,64% do próprio estado), 2,64% do Sudeste, 0,28% do Centro-Oeste e 0,10% do Norte.[112] Entre os estados de origem dos imigrantes, o Distrito Federal possuía o maior percentual de residentes (5,11%), acompanhado por Espírito Santo (4,42%), São Paulo (4,13%), Goiás (3,64%), Sergipe (3,39%) e Rondônia (2,43%).[113]

Na Zona da Mata Baiana, a maioria da população é composta por mestiços entre portugueses e africanos ou mestiços entre portugueses, indígenas e africanos, com forte presença do negro nessa parte da Bahia, especialmente no Recôncavo Baiano. Na Bahia, o Agreste começa muito parecido com a Zona da Mata e, quanto mais se aproxima do Sertão, mais parecido com este o Agreste fica. Na maioria do Sertão Baiano, a população é majoritariamente fruto da mistura entre portugueses e indígenas.[114][115][116] Já na região do Alto Sertão Baiano e grande parte da Chapada Diamantina, a população é majoritariamente fruto da mistura entre portugueses, africanos e indígenas.[117][118]

A população da Bahia é composta basicamente por caucasianos, mestiços, afro-brasileiros e povos indígenas.[119] O estado foi povoado por portugueses e demais imigrantes latino-americanos (uruguaios, venezuelanos, cubanos e haitianos),[120][121] norte-americanos (estadunidenses),[122] europeus (espanhóis, alemães e franceses),[123] africanos[124][125] e asiáticos (árabes e japoneses).[126][121]

Cor/Raça[127] Porcentagem
Pardos 59.8%
Brancos 23.0%
Negros 16.8%
Asiáticos ou
indígenas
0,3%

Hoje residem no estado da Bahia pouco mais de 37 mil indígenas, que se distribuem em 17 grupos, que abrangem área de 325 643 hectares de extensão. Um total de trinta áreas já está demarcado em definitivo pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Dessas, merece destaque a mais extensa, a reserva indígena Caramuru-Paraguassu, localizada entre os municípios de Pau Brasil, Camacan e Itaju do Colônia.[128]

Composição genética[editar | editar código-fonte]

Um estudo genético realizado no Recôncavo baiano confirmou o alto grau de ancestralidade africana na região. Foram analisadas pessoas da área urbana dos municípios de Cachoeira e Maragojipe, além de quilombolas da área rural de Cachoeira. A ancestralidade africana foi de 80,4%, a europeia 10,8% e a indígena 8,8%.[129] Segundo dados da Funasa, 25,8 mil indígenas viviam no estado em 2006.[130]

Um estudo genético realizado na população de Salvador confirmou que a maior contribuição genética da cidade é a africana (49,2%), seguida pela europeia (36,3%) e indígena (14,5%).[131] Outro estudo ainda revela que, em relação aos ciganos, a Bahia é o estado brasileiro onde há a maior quantidade de grupos vivendo, segundo pesquisa inédita do IBGE.[132]

Um estudo genético autossômico de 2015 encontrou a seguinte composição para Salvador: 50,5% de ancestralidade africana, 42,4% de ancestralidade europeia e 5,8% de ancestralidade indígena.[133][134] Os pesquisadores explicaram que eles coletaram mais amostras de indivíduos que vivem em ambientes mais pobres.[133]

Outro estudo do mesmo ano (2015) encontrou níveis semelhantes em Salvador: 50,8% de ancestralidade africana, 42,9% de ancestralidade europeia e 6,4% de ancestralidade indígena.[135] Um outro estudo genético, também de 2015, encontrou a seguinte composição em Salvador: 50,8% de contribuição europeia, 40,5% de contribuição africana e 8,7% de contribuição indígena.[136]

Em Ilhéus, um estudo genético de 2011 encontrou a seguinte composição: 60,6% de contribuição europeia, 30,3% de contribuição africana e 9,1% de contribuição indígena.[137] Outro estudo recente demostra a crescente importância de conceitos de herança Africana, do reconhecimento de ligações genealógicas e a ancestralidade, da memória coletiva, e do patrimônio cultural às políticas raciais baianas.[138]

Hierarquia urbana e regiões metropolitanas[editar | editar código-fonte]

Municípios baianos inseridos em algum nível da hierarquia urbana brasileira

Além de suas funções de capital político-administrativa porto e pólo industrial a cidade de Salvador também atua como megalópole regional de um grande território abrangendo quase todo o território baiano e também todo o estado de Sergipe e o extremo sul do Piauí. Somente as regiões norte e sul ligadas a Recife, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, nessa ordem, ficam fora do domínio da influência econômica de Salvador. No entanto, sob sua influência direta está somente o Recôncavo.[139][96]

As cidades mais importantes do estado atuam como outros vários pólos econômicos, principalmente no sertão. Constituem elas: Feira de Santana, nos arredores do Recôncavo; Itabuna e Ilhéus, na região cacaueira; Jequié e Vitória da Conquista, no altiplano; e Juazeiro, à beira meridional do São Francisco. Demais cidades principais constituem Alagoinhas, Paulo Afonso, Itamaraju, Camaçari, Bom Jesus da Lapa, Jacobina e Valença.[139][96]

A Região Metropolitana de Salvador, também conhecida como Grande Salvador e pela sigla RMS, foi instituída pela lei complementar federal número 14, de 8 de junho de 1973.[140]

A Região Metropolitana de Feira de Santana (RMFS) foi sancionada pelo governador Jaques Wagner em 6 de julho de 2011 pela Lei Complementar Estadual nº 35 (LCE 35/2011), e entrou em vigor a partir do dia 7 de julho de 2011, dia em que a lei foi publicada no Diário Oficial.[141][142]

A Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro é uma região integrada de desenvolvimento econômico, criada pela lei complementar n.º 113, de 19 de setembro de 2001, e regulamentada pelo decreto n.º 4 366, de 9 de setembro de 2002.[143]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Política da Bahia

Integrante da federação brasileira, é uma unidade federativa autônoma, sob os limites da constituição federal, com os três poderes próprios (executivo, judiciário e legislativo), além do Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA), eleições diretas periódicas para cargos do executivo e legislativo, símbolos oficiais e data magna estabelecidas na Constituição estadual de 1989.[146] A capital estadual é o município de Salvador,[146] e Cachoeira é a segunda capital do estado, de acordo com a Lei Estadual 10.695 de 2007, que estabeleceu que todos os anos, no dia 25 de junho, o governo estadual é transferido para a cidade, em reconhecimento histórico pelas lutas na Independência da Bahia.[147][148]

A história da política no estado brasileiro da Bahia confunde-se, muitas vezes, com a política do país — e boa parte dela equivale à mesma, uma vez que Salvador, por muitos anos, foi a capital da Colônia. Contando sempre com expoentes no cenário político nacional, a Bahia é um dos mais representativos estados da federação. Durante o período imperial, contou com diversos primeiros-ministros; na fase republicana, estiveram à frente de vários movimentos nacionais baianos como Rui Barbosa, Cezar Zama, Aristides Spínola e outros.[27][35][62]

Na República Velha, dominou o cenário estadual José Joaquim Seabra; durante a Era Vargas surgiu a figura de Juracy Magalhães e em contraposição, com a redemocratização do pós-guerra, o socialista Octávio Mangabeira. Durante o regime militar, surgiu a figura de Antônio Carlos Magalhães, que dominou o cenário político estadual por três décadas, com breve derrota para Waldir Pires, na década de 1980, ocupando o cargo de senador, quando de sua morte. Tal fenômeno político ganhou a denominação de "Carlismo".[27][35][62]

Governo[editar | editar código-fonte]

Sedes de representações dos três poderes na Bahia
Edifício da Governadoria, de onde o governador despacha.
Palácio Luís Eduardo Magalhães, local do plenário da Assembleia
Palácio da Justiça, sede do Tribunal de Justiça da Bahia.

O Poder Executivo baiano é exercido pelo governador do estado, que é eleito em sufrágio universal e voto direto e secreto pela população para mandatos de até quatro anos de duração, podendo ser reeleito para mais um mandato. A atual sede é o Palácio de Ondina, situado no bairro de Ondina, desde 1967.[149] Antigamente, a sede do governo baiano era o Palácio Rio Branco, localizado na Praça Municipal, e foi construída em 1549 (ano da fundação da cidade de Salvador, em 1549) tornando-se sede do governo e residência oficial do primeiro governador-geral do Brasil, Tomé de Sousa.[150] Em janeiro de 1908, foi transformada em residência oficial dos governadores do estado.[151] Depois do Palácio Rio Branco, a sede do governo baiano foi o Palácio da Aclamação, localizado no bairro do Campo Grande, até ser estabelecida a atual sede.[152]

O Poder Legislativo da Bahia é unicameral, exercido pela Assembleia Legislativa da Bahia, localizado no Palácio Luís Eduardo Magalhães. É constituída pelos representantes do povo (deputados estaduais) eleitos em votação direta para o mandato de quatro anos. Ela possui 63 deputados estaduais. No Congresso Nacional, a representação baiana é de 3 senadores e 39 deputados federais. Cabe, à Assembleia Legislativa, com a sanção (aprovação) do governador do estado, dispor sobre todas as matérias de competência do estado.[153]

O Tribunal de Contas, através de seus conselheiros, auxilia a Assembleia Legislativa na apreciação das contas prestadas anualmente pelo governador do estado, no julgamento das contas dos administradores e demais responsáveis (fundações, empresas etc.) por dinheiro, bens e valores públicos da administração direta e indireta, incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo poder público estadual e as contas que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público. Além deste, possui o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), que auxilia as Câmaras municipais na apreciação das contas dos respectivos executivos.[154]

A maior corte do Poder Judiciário estadual é o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, localizado em prédio denominado Palácio da Justiça, situado no Centro Administrativo da Bahia. A Justiça do Trabalho está ligada à Quinta região, que compreende todo o estado e possui sede na capital. A Justiça Federal está vinculada à primeira região com sede em Brasília.[155]

Eleições e partidos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Eleições na Bahia

O sistema eleitoral na Bahia repete o nacional. Os mandatos eletivos duram quatro anos, e as eleições estaduais e federais alternam com as municipais a cada dois anos. O eleitorado baiano é composto por 10 110 100 votantes, segundo dados referentes às eleições de 2012, o que representa o quarto maior colégio eleitoral do país. Sua capital, Salvador, é o município com maior número de eleitores (1 881 544), seguido de Feira de Santana (373 753) e Vitória da Conquista (215 299). O município com menor número de eleitores é Lajedinho, com 3 027.[156]

Tratando-se sobre partidos políticos, todos os partidos políticos brasileiros possuem representação no estado. Conforme informações divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base em dados de abril de 2016, o partido político com maior número de filiados na Bahia é o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), com 94 518 membros, seguido do Democratas (DEM), com 90 106 membros e do Partido dos Trabalhadores (PT), com 84 525 filiados. Completando a lista dos cinco maiores partidos políticos no estado, por número de membros, estão o Partido Progressista (PP), com 73 386 membros; e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), com 64 477 membros. Ainda de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o Partido Novo (NOVO) e o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) são os partidos políticos com menor representatividade na unidade federativa, com 24 e 275 filiados, respectivamente.[157]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Bahia, assim como todos os outros estados brasileiros, está politicamente dividida em municípios. Ao total, existem 417 municípios baianos, o que torna a Bahia o quarto maior estado segundo a quantidade de municípios.[158]

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divide as unidades federativas do Brasil em regiões geográficas intermediárias e regiões geográficas imediatas para fins estatísticos de estudo, agrupando os municípios conforme aspectos socioeconômicos. As regiões geográficas intermediárias foram apresentadas em 2017, com a atualização da divisão regional do Brasil, e correspondem a uma revisão das antigas mesorregiões, que estavam em vigor desde a divisão de 1989. As regiões geográficas imediatas, por sua vez, substituíram as microrregiões. A divisão de 2017 teve o objetivo de abranger as transformações relativas à rede urbana e sua hierarquia ocorridas desde as divisões passadas, devendo ser usada para ações de planejamento e gestão de políticas públicas e para a divulgação de estatísticas e estudos do IBGE. Deste modo, há 10 regiões geográficas intermediárias e 35 regiões geográficas imediatas no estado.[159]

Uma outra divisão, desta vez para fins de coordenação de ações de promoção turística, o Programa de Desenvolvimento do Turismo (PRODETUR) subdividiu o território baiano em zonas turísticas, as quais são Baía de Todos os Santos, Costa dos Coqueiros, Costa do Dendê, Costa do Cacau, Costa das Baleias, Costa do Descobrimento, Caminhos do Oeste, Caminhos do Sertão, Caminhos do Sudoeste, Chapada Diamantina, Lagos e cânions do São Francisco, Vale do Jiquiriçá e Vale do São Francisco.[160]

Até meados da década de 2000, o Governo da Bahia agrupava os municípios baianos segundo características econômicas, formando as regiões Metropolitana de Salvador, Extremo Sul, Oeste, Serra Geral, Litoral Norte, Sudoeste, Litoral Sul, Médio São Francisco, Baixo-médio São Francisco, Irecê, Chapada Diamantina, Recôncavo Sul, Piemonte da Diamantina, Paraguaçu e Nordeste. Atualmente, essa divisão foi substituída pelos 26 Territórios de Identidade, a saber: Irecê, Velho Chico, Chapada Diamantina, Sisal, Litoral Sul, Baixo Sul, Extremo Sul, Itapetinga, Vale do Jiquiriçá, Sertão do São Francisco, Oeste Baiano, Bacia do Paramirim, Sertão Produtivo, Piemonte do Paraguaçu, Bacia do Jacuípe, Piemonte da Diamantina, Semiárido Nordeste II, Agreste de Alagoinhas/Litoral Norte, Portal do Sertão, Vitória da Conquista, Recôncavo, Médio Rio de Contas, Bacia do Rio Corrente, Itaparica, Piemonte Norte do Itapicuru, Metropolitana de Salvador.[161]

A Bahia também é repartida em 26 partes pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos (Conerh), que, para gestão das bacias hidrográficas e dos recursos hídricos, criou as 26 regiões hidrográficas, chamadas de Regiões de Planejamento e Gestão das Águas (RPGA).[162]

Regiões econômicas
Zonas turísticas
Regiões geográficas
Municípios

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da Bahia
Exportações da Bahia em 2012[163]
Exportações do Brasil por estado em 2012, a Bahia contribui com 4,47% do total[164]

A Bahia responde por quase trinta por cento do produto interno bruto do Nordeste brasileiro e por mais da metade das exportações da região. É o sétimo estado brasileiro que mais produz riqueza.[165] A economia do estado baseia-se na indústria (química, petroquímica, informática, automobilística e suas peças), agropecuária (mandioca, grãos, algodão, cacau e coco), mineração, turismo e nos serviços.[166] Existe o importante Polo petroquímico de Camaçari, onde funciona, entre outros empreendimentos, a montadora Ford, estando o complexo industrial localizado na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, e que foi a primeira indústria automobilística a se instalar na região, em 2001.[167] As atividades agropecuárias ocupam cerca de setenta por cento da população ativa do estado. Um bom indicador de suas atividades econômicas é sua pauta de exportação, composta, no ano de 2012, principalmente por petróleo refinado (18,77%), pastas químicas de madeira à soda ou sulfato (10,82%), soja (8,33%), algodão cru (6,32%) e farelo de soja (4,36%).[163]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

No setor primário, a agricultura está dividida em grande lavoura comercial, a pequena lavoura comercial e a agricultura de subsistência. O estado se destaca na produção de algodão, cacau, soja e frutas tropicais como coco, mamão, manga, banana e guaraná, além de também produzir cana-de-açúcar, laranja, feijão e mandioca, entre outros.[168]

A grande lavoura está baseada há décadas nas culturas da cana-de-açúcar (onde é integrada com modernas usinas) e cacau, e mais atualmente, na soja e no algodão. Entre as pequenas culturas comerciais, a mandioca, o coco-da-baía, o fumo, o café, o agave, a cebola, dendê (e consequente azeite de dendê) são as produções em destaque. As culturas de subsistência estão em todo o território, sendo que a cultura da mandioca é a mais importante, seguida pelo feijão, o milho, o café e a banana. O estado é conhecido por ter uma baixa qualidade nas condições de trabalho, por usar sistemas arcaicos de produção (extrativistas e semiextrativistas) e por explorar excessivamente a mão de obra.[169]

Cultivo de cacau em Ilhéus

A Bahia é o primeiro produtor nacional de coco,[170] manga,[171] guaraná,[172] sisal e mamona. Também é o segundo maior produtor de cacau,[173] algodão,[174] banana[175] e mamão,[176] o 4º maior produtor de café[177] e laranja,[178] o 6º maior produtor de soja[179] e tem produções relevantes de feijão e mandioca, mais voltados para a subsistência do que para a comercialização. A região de Ilhéus-Itabuna é uma das mais propícias áreas para o cultivo do cacau em toda a Bahia. Além de ser um dos principais produtores de cacau, junto com o Pará, é também o principal exportador de cacau no Brasil, porém a produção declinou nos últimos anos vítima de pragas como a vassoura-de-bruxa.[180][181] Tem bons índices também na produção de milho e cana-de-açúcar. Outra região do estado que merece a devida atenção é aquela compreendida pelo Rio São Francisco, conhecida também como Vale do São Francisco, compreendendo as cidades de Juazeiro, Curaçá, Casa Nova, Sobradinho, dentre outras. A região é a maior produtora de frutas tropicais do país: essa fruticultura é irrigada, tem crescido e exporta para os mercados europeu, asiático e estadunidense. Recentemente, o cultivo da soja, milho, arroz, café e algodão aumentou substancialmente no oeste do estado, principalmente na área do cerrado, que apresenta terreno plano e propício à mecanização, com perfil produtivo intensivo.[182][183]

Também importante elemento da economia baiana, a pecuária bovina ocupa, hoje, o sexto lugar nacional, enquanto a caprina registra, atualmente, os maiores números do setor em todo o Brasil, mas também se destacando os rebanhos de ovinos. Já as atividades extrativas vegetais têm pequena participação na economia baiana. Entretanto, tem reservas consideráveis de minérios e de petróleo. A mineração baseia-se essencialmente na produção de ouro, cobre, magnesita, cromita, sal-gema, barita, manganês, chumbo, urânio, ferro, talco, columbita, prata, cristal de rocha e zinco.[168] As minas de magnesita a céu aberto em Brumado são a terceira maior do mundo e dão condição para ser a maior produção deste minério no Brasil. O mesmo município é, também, o segundo produtor de talco no país.[184][185][186]

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

Fábrica de aerogeradores da cadeia eólica situada no Polo Industrial de Camaçari, o maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul.[187] O município de Camaçari, sozinho, é responsável por 20% do PIB do estado.[188]

A Bahia tinha em 2018 um PIB industrial de R$ 54,0 bilhões, equivalente a 4,1% da indústria nacional e empregando 364.603 trabalhadores na indústria. Os principais setores industriais são: Construção (23,3%), Serviços Industriais de Utilidade Pública, como Energia Elétrica e Água (17,5%), Derivados de Petróleo e Biocombustíveis (16,2%), Químicos (10%) e Alimentos (4,5%). Estes 5 setores concentram 71,8% da indústria do estado.[189]

A indústria é relativamente bem distribuída, abrigando os mais mais variados segmentos desse setor. Representa uma grande força econômica no estado. Está voltado para os setores da química e petroquímica, agroindústria, informática, automobilística e suas peças, alimentos, mineração, borracha e plástico, metalurgia, couro e calçados, higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, energia eólica, celulose e papel e bebidas.[190][191][192] Na região Metropolitana de Salvador, estão concentradas a maioria das indústrias no Polo Industrial de Camaçari, maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul e que já nasceu planejado na década de 1970, cujo foco inicial era o setor petroquímico e com o passar dos anos diversificou sua produção.[193] Em relação ao valor de transformação industrial, a Bahia saltou da nona para a sexta posição no ranqueamento nacional em 2005.[194] Há municípios do interior que se destacam por ser um grande polo produtivo, como de bebidas em Alagoinhas; papel e celulose em Eunápolis e Mucuri; calçados em Itapetinga, Serrinha e Amargosa; agroindústria em Juazeiro etc.[168]

O Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso, no rio São Francisco, é um conjunto das usinas Paulo Afonso I, II, III, IV e Apolônio Sales, as quais são operadas pela Eletrobras Chesf

Para fomentar a pesquisa e desenvolvimento tecnológico, foi lançado o projeto de um grande parque tecnológico em Salvador.[195] Chamado de Parque Tecnológico da Bahia, tem, como prioridades, a tecnologia da informação e comunicação (TIC), a robótica e a energia.[196] A primeira área do complexo foi inaugurada em 2012.[197] Outro ponto de desenvolvimento tecnológico, a primeira biofábrica do país se encontra na cidade sertaneja de Juazeiro, no vale do Rio São Francisco.[198][199]

A indústria, o comércio e os domicílios baianos contam com abundante suprimento de energia elétrica, fornecido principalmente pelo Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso e pelas hidrelétricas de Sobradinho e Itapebi, que, juntas, produzem quase seis mil megawatts de energia. No campo da energia a partir dos hidrocarbonetos, o estado é dos maiores produtores nacionais de petróleo e gás natural. Há um importante polo de refino de petróleo e biocombustíveis em São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador, onde está localizada a Refinaria Landulpho Alves, a primeira construída no Brasil e que foi responsável por manter a Bahia como o maior produtor de petróleo por décadas,[200] e vários oleodutos e terminais em seu entorno para a chegada e escoamento da produção.[168]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Turismo na Bahia

O turismo é uma destacada atividade econômica baiana, uma vez que o setor é responsável por 7,5% do produto interno bruto (PIB) estadual e emprega uma cadeia gigantesca que engloba os estabelecimentos do setor do turismo, como hotéis, bares, restaurantes e agências de viagem.[201] No cenário nacional, o turismo baiano tem a fatia de 13,2% do PIB turístico nacional, a segunda maior porcentagem.[201][202] Foram 5,29 milhões de turistas brasileiros e 558 mil turistas estrangeiros que visitaram o estado em 2011.[201]

Morro de São Paulo, atração da Costa do Dendê
Elevador Lacerda, em Salvador

O estado é um dos principais destinos turísticos do Brasil, sendo o estado que mais recebe turistas na região Nordeste, com um fluxo de 11 milhões de visitantes em 2011, segundo estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).[203][204][205] Além da ilha de Itaparica e Morro de São Paulo, há um grande número de praias entre Ilhéus e Porto Seguro, na costa sul. O litoral norte, na área de Salvador, esticando para a beira com Sergipe, transformou-se num destino turístico importante, o qual ficou conhecido como Linha Verde. A Costa do Sauípe se destaca como o maior complexo de hotéis-resorts do Brasil.[206] No ecoturismo, se destaca a Chapada Diamantina.[207] Na região, está o melhor roteiro turístico do país, localizado no Vale do Pati (Lençóis), segundo apontou o Ministério do Turismo em 2010.[207] Nele, cerca de 500 mil turistas, brasileiros e estrangeiros, passam anualmente.

Segundo a pesquisa Hábitos de Consumo do Turismo Brasileiro 2009, realizada pelo Vox Populi em novembro de 2009, a Bahia é o destino turístico preferido dos brasileiros,[208] já que 21,4% dos turistas que pretendiam viajar nos dois anos seguintes optariam pelo estado. A vantagem é grande em relação aos concorrentes: Pernambuco, com 11,9%, e São Paulo, com 10,9%, estavam, respectivamente, em segundo e terceiro lugares nas categorias pesquisadas. Já em 2010, foi escolhida pelo jornal americano The New York Times como um dos 31 destinos que mereciam ser visitados em 2010.[209][210] O estado foi o único do Brasil a integrar o ranking.

A diversidade de atrativos no estado incitou o planejamento governamental, que estabeleceu zonas turísticas para definições necessárias ao desenvolvimento do ramo turístico e para identificação das potencialidades por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (PRODETUR). Em 2002, eram sete zonas: Costa dos Coqueiros, Baía de Todos-os-Santos, Costa do Dendê, Costa do Cacau, Costa do Descobrimento, Costa das Baleias e Chapada Diamantina.[72] Isso mostra o destaque para o turismo no litoral, mas também aponta um importante polo no interior, a Chapada Diamantina. Formação geográfica em que chegam anualmente 500 mil visitantes, que gastam meio bilhão de reais ao conhecer as cidades de Lençóis, Andaraí, Rio de Contas, Mucugê e Palmeiras.[207] Mais tarde, foram criadas novas zonas, interiorizando o planejamento turístico, a saber: Caminhos do Oeste, Caminhos do Sertão, Caminhos do Sudoeste, Lagos e cânions do São Francisco, Vale do Jiquiriçá e Vale do São Francisco.[160]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A saúde na Bahia não é das melhores do país: problemas típicos da saúde brasileira ocorrem no estado. Algumas doenças têm altos índices de doentes, como o câncer de mama,[211] que, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, atinge cerca de dois mil novos casos anualmente.[212] Apesar disso, certas práticas que poderiam salvar muitas vidas não são comuns no estado, a exemplo da doação de órgãos. 60% das famílias baianas se recusam a doar órgãos de parentes, índice bem maior do que a média nacional, que é de 25%.[213]

Hospital da Bahia, hospital particular localizado na capital

Entre as doenças mais comuns, estão a dengue e a meningite, as quais estão alastrando-se por todo o território baiano e não apenas infectam os baianos, mas também provocam a morte.[214][215]

Na parte da estrutura, destacam-se, na capital: o Hospital Geral do Estado (HGE);[216] Hospital Geral Roberto Santos (HGRS);[217] Hospital do Subúrbio, que funciona sob gestão de parceria público-privada, conceito inédito no Brasil;[218] Hospital Santo Antônio (fundado por Irmã Dulce); Hospital Sarah Kubitschek; Hospital Manoel Victorino; Hospital Santa Izabel; Hospital Ana Nery, referência nas áreas de cardiologia, cirurgia vascular, hemodiálise e transplante de órgãos;[219] Hospital Couto Maia, referência em doenças infecciosas e parasitárias,[220] Hospital São Rafael;[221][222] Hospital da Bahia;[223] Hospital Especializado Octávio Mangabeira (HEOM);[224][225] Hospital Martagão Gesteira, referência no atendimento às mais diversas especialidades pediátricas;[226] Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (COMHUPES, mantido pela Universidade Federal da Bahia através do Sistema Universitário de Saúde);[227] Hospital Aristides Maltez, instituição referência no diagnóstico e tratamento do câncer no Brasil e que atende, prioritariamente, pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS);[228] entre outros. O Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana, destaca-se por ser o maior hospital público, porta aberta, do interior do estado no atendimento de média e alta complexidade.[229][230][231]

As sociedades científicas Academia de Medicina da Bahia e Academia de Medicina de Feira de Santana desenvolvem e publicam as pesquisas médicas dos especialistas baianos.[232][233]

Educação[editar | editar código-fonte]

A UFBA teve início com a fundação da Faculdade de Medicina da Bahia em 1808, a escola de medicina mais antiga do Brasil.[234]

A Bahia possui um longo histórico na área de educação, desde os primeiros jesuítas que já no século XVI instalaram escolas em Salvador, então a capital da Colônia. Educadores de renome como Abílio Cezar Borges, Ernesto Carneiro Ribeiro e Anísio Teixeira capitanearam o proscênio educacional do país. A escola pública na Bahia é basicamente estadual e municipal, sendo que o município tem uma preocupação maior com a ensino fundamental (primeira à quarta série) e o governo estadual com a educação fundamental também, mas só da quinta à oitava série, além do ensino médio. O governo federal tem pouca participação na formação direta da população, porém, muitos recursos utilizados por estas instituições escolares são provenientes dos fundos federais. Atualmente, a Bahia conta com doze universidades, sendo quatro públicas estaduais (UNEB, UEFS, UESB e UESC), seis públicas federais (UFBA, UFRB, UNIVASF, UNILAB, UFSB e UFOB) e duas privadas (UCSal e UNIFACS), além dos institutos federais, o IFBA e o IF-BAIANO.[235][236]

De acordo com um ranking realizado e divulgado pela Folha de S.Paulo, em 2012, a Universidade Federal da Bahia aparece como a segunda melhor pontuação entre as universidades públicas do norte e nordeste, atrás da federal pernambucana, e em 12.º lugar no país inteiro,[237] e na frente da Universidade Estadual do Maranhão. Em outro ranqueamento publicado no mesmo ano, feito pelo Ministério da Educação (MEC) a partir do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), a Universidade Estadual de Feira de Santana foi classificada como a melhor universidade das regiões norte e nordeste e a 15.º do país em cursos com a nota cinco.[238][239]

Energia[editar | editar código-fonte]

Barragem da Pedra do Cavalo.

A cachoeira de Paulo Afonso, no limite com Alagoas, cuja descarga média é de 5 000 metros cúbicos por segundo, abastece as quatro usinas da CHESF (Companhia Hidrelétrica do São Francisco), Paulo Afonso I, II, III e IV. Com um potencial somado de 3.501.800kW, vendem energia para todo o Nordeste.[168]

A Usina Hidrelétrica Pedra do Cavalo (1983) está localizada no trecho superior das cidades gêmeas de São Félix e Cachoeira, a 110 quilômetros da capital, e foi erguida com dinheiro do Programa de Valorização da Água do Rio Paraguaçu. Além de produzir energia, assegura: água potável para Salvador e Feira de Santana; água bruta para complexos industriais, como Aratu e Camaçari; términos das cheias diárias em cidades ao longo dos rios; e soluções para a questão do assoreamento ― o rio antes novamente navegável. A barragem (143m) constitui uma das mais elevadas da América do Sul.[168]

A hidrelétrica de Itaparica está localizada no limite com Pernambuco, a mais de cinquenta quilômetros do complexo Paulo Afonso, e iniciou suas operações em 1988. Sua potência final era de 2 500 MW e, na década de 1990, a usina de Xingó, também localizada no rio São Francisco, estava em construção com capacidade de 3 000 MW.[168]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Transportes da Bahia
BR-324, a principal ligação entre Feira e Salvador
Porto de Ilhéus
Aeroporto Internacional de Salvador

Feira de Santana é o eixo polarizador do sistema rodoviário estadual e é por onde passam as vias principais: a BR-242, que liga Salvador ao oeste baiano e à capital federal; a BR-101, de sentido norte/sul, com traçado paralelo ao litoral; a BR-116, que liga a metrópole ao sudoeste; além da BR-324, que liga Feira de Santana a Salvador. Outras rodovias estaduais e federais atendem ao tráfego de longa distância ou atendem às sedes dos municípios, fazendo parte de um sistema combinado que se complementa a exemplo da BR-110, BR-415, BR-407, BA-052, BA-099 e BA-001 (essas duas últimas são rodovias estaduais litorâneas).[72]

A Bahia conta com quatro portos, sendo o de Aratu, o de Ilhéus e o de Salvador marítimos e o de Juazeiro fluvial. O de Ilhéus é o maior exportador de cacau do Brasil e também grande importador. Na cidade, também está em processo de construção o Porto Sul, com a expectativa de ser um dos maiores portos do Brasil em movimentação de cargas.[240]

A Bahia conta com dez aeroportos operando com voos regulares, sendo o Internacional Dois de Julho, também conhecido como Internacional de Salvador Deputado Luís Eduardo Magalhães, o oitavo aeroporto mais movimentado do Brasil, o primeiro do Nordeste e estando entre os 20 maiores da América Latina, respondendo por mais de trinta por cento do movimento de passageiros dessa região do país em 2011.[241] Os outros são Aeroporto de Barreiras, em Barreiras; Aeroporto João Durval Carneiro, em Feira de Santana; Aeroporto Jorge Amado, em Ilhéus; Aeroporto Horácio de Mattos, em Lençóis; Aeroporto de Paulo Afonso, em Paulo Afonso; Aeroporto de Porto Seguro, em Porto Seguro; Aeroporto Pedro Otacílio Figueiredo, em Vitória da Conquista; Aeroporto de Valença, em Valença; e Aeroporto de Teixeira de Freitas, em Teixeira de Freitas. O Aeroporto de Una-Comandatuba recebe muitos voos fretados.[242]

A Bahia é cortada por várias ferrovias.[243] Entre elas, estão: a Estrada de Ferro Bahia-Minas, que vai de Caravelas, na Bahia, ao norte de Minas Gerais;[244] e a Viação Férrea Federal do Leste Brasileiro, que integrava a Bahia com os estados de Minas Gerais, Sergipe, Pernambuco e Piauí.[245] Além dessas duas interestaduais, existem a Estrada de Ferro de Nazaré e a de Ilhéus. Esta última possuía projetos de expansão para chegar a Vitória da Conquista e para se ligar a outras ferrovias do estado e à E. F. Bahia-Minas.[246] Todas essas linhas férreas já não estão mais em atividade.[244][245][246]

Atualmente, está sendo construída a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL), com extensão de 1 527 quilômetros, que servirá de importante ponto de escoamento da produção de minérios e grãos do estado através do Porto Sul, no sul do estado. Ela também se conectará com a Ferrovia Norte-Sul em Tocantins, formando um grande corredor logístico.[247] Durante a primeira gestão de Dilma Rousseff, foram planejadas mais duas ferrovias cortando a Bahia: a Ferrovia Salvador-Recife, com extensão de 893 quilômetros e que atravessa municípios dos estados de Sergipe, Alagoas e Pernambuco, onde fazia conexão com a Ferrovia Transnordestina;[248] e a Ferrovia Belo Horizonte-Salvador, com extensão de 1 350 quilômetros e que atravessa 52 municípios da Bahia e Minas Gerais, estabelecendo uma conexão com o Porto de Aratu, na Região Metropolitana de Salvador.[249]

O transporte de alta capacidade de passageiros por trilhos foi implantado no estado com o Metrô de Salvador, após 14 anos de construção e indícios de superfaturamento.[250] O funcionamento foi iniciado em junho de 2014 e a conclusão das duas linhas licitadas está determinada pelo edital para acontecer em 2017.[251][252]

Serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

Governador Jaques Wagner na comemoração de 50 anos da COELBA, em 16 de abril de 2010.
A torre da TV Itapoan, vista da Escola Politécnica da UFBA, em 2011

A empresa de energia elétrica, que compreende o estado da Bahia, constitui a Neoenergia Coelba e os serviços de abastecimento e venda de gás canalizado no estado da Bahia são realizados pela Companhia de Gás da Bahia.[253][254]

O estado conta com outros serviços básicos. Na Bahia, existem várias empresas responsáveis pelo abastecimento de água. Em boa parte dos municípios baianos, a empresa responsável por água e saneamento básico (esgoto) é a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa).[255]

Outros municípios são abastecidos por outras empresas ou por empresas do próprio município — um exemplo ocorre em Juazeiro, na região norte do estado, cuja empresa responsável pelo abastecimento de água é o Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE).[256]

O estado da Bahia é o quarto do Brasil em quantidade de dispositivos móveis ativos (17 033 298), após São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A cidade de Salvador tem a maior teledensidade (número de acessos por 100 habitantes), com 198,44 acessos para cada 100 pessoas.[257] Os códigos de discagem direta a distância, DDD, para realizações para números do estado são 71, 73, 74, 75 e 77.[258]

Os principais veículos da imprensa baiana são: o tradicional jornal A Tarde, que também possui uma emissora de rádio (A Tarde FM); jornal Correio, TV Bahia e outras emissoras que retransmitem a Rede Globo no interior do estado, todas elas empresas da Rede Bahia; o jornal Tribuna da Bahia; a emissora de TV Band Bahia, e a emissora de rádio BandNews FM em Salvador; e as emissoras de televisão TV Aratu (afiliada do SBT), TV Educativa da Bahia (esta mantida pelo governo estadual através da IRDEB), TV Itapoan e a TV Cabrália (ambas filiadas da Rede Record). Destacam-se os grupos de mídia baianos: a Rede Bahia, o Grupo Aratu, o Grupo A Tarde e o Grupo Metrópole, que mantém o Jornal da Metrópole e a emissora de rádio.[259][260][261]

Segurança pública e criminalidade[editar | editar código-fonte]

Viaturas da PMBA.

As mais importantes unidades militares sediadas na Bahia são: no Exército Brasileiro, a Bahia pertence ao Comando Militar do Nordeste,[262] se encontrando localizada em Salvador a matriz da 6.ª Região Militar,[263] assim como o 19.° Batalhão de Caçadores;[264] na Marinha do Brasil, em Salvador se encontra a matriz do 2.° Distrito Naval,[265] bem como a Base Naval de Aratu,[266] a Escola de Aprendizes de Marinheiros, dissolvida em 1973,[267] e o Hospital Naval;[268] Na Força Aérea Brasileira, a Bahia faz parte do Cindacta III,[269] merecendo destaque no estado a Base Aérea de Salvador e o 1.º Esquadrão do 7.° Grupo de Aviação (São Cristóvão), em Salvador.[270][271][272]

Segundo a Constituição Federal de 1988 e a Estadual de 1989, os órgãos reguladores da segurança pública no estado da Bahia são a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Pol. Civil.[273]

Renovação da frota de 2010

De acordo com dados do “Mapa da Violência 2012”, publicado pelo Instituto Sangari e pelo Ministério da Justiça, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes, que era de 3,3 em 1980, subiu para 37,7 em 2009 (ficando acima da média nacional, que era de 27,0). Entre 2000 e 2010, o número de homicídios subiu de 1223 para 5287. Em geral, a Bahia subiu dezesseis posições na classificação nacional das unidades federativas por taxa de homicídios, passando da 23.ª em 2000 para a 7.ª em 2010. A Região Metropolitana de Salvador possuía taxas mais de quatro mil vezes maiores que a do estado (-/+739,4), enquanto, no interior, o mesmo era mais de 21,3 maior que a média estadual (-/+346,1).[274][275]

Em 2000, 25 municípios, de cinco a dez mil habitantes, registravam uma taxa de homicídios de 5,0, mas ela subiu para 15,6 em sessenta cidades em 2010. Considerando-se todos esses municípios, totalizam-se 37,7. Desde a época em que o estado era razoavelmente tranquilo em 2000 a violência aumentou ligeiramente em todo o território do estado, com vários polos elevadamente conurbados.[274]

Conforme o “Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros 2008”, também publicado pelo Instituto Sangari, as cidades baianas que apresentavam as maiores taxas de homicídios por grupo de cem mil habitantes eram: Porto Seguro (85,8), Simões Filho (69,7), Itabuna (68,6), Juazeiro (56,4,), Lauro de Freitas (53,8), Camaçari (44,6), Candeias (44,5), Ilhéus (40,1), Vitória da Conquista (37,4), Itabela (36,8), Itororó (36,4), Salvador (36,1), Remanso (35,4), Curaçá (34,2), Uruçuca (33,5), Dias d’Ávila (33,2), Camacan (33,1), Santa Luzia (32,8), Casa Nova (32,6), Ipiaú (32,1), Belmonte (30,9), Entre Rios (30,8), Arataca (30,6) e Pau Brasil (30,1).[276]

O estado é o segundo com maior taxa de homicídios e o com maior número de cidades entre as mais violentas do Brasil (12), algumas das quais estão entre as mais violentas do mundo.[21][22][277]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Baiana do acarajé e seu tabuleiro

Diferentemente da satirização feita pelos grandes meios de comunicação, o dialeto falado na Bahia, segundo alguns linguistas, seria parte integrante do grupo sulista, sendo, portanto, um dialeto próprio, não fazendo parte dos dialetos do nordeste. Algumas de suas gírias soam estranhas para outras regiões do país, como os famosos oxente, massa (no sentido de coisa boa) e aonde (utilizado para negar uma frase).[278]

No campo do artesanato da Bahia, destacam-se a cerâmica decorativa, marca da influência indígena, a renda de bilros e outros tipos de bordados, bonecas de pano, os santeiros e carrancas, objetos feitos de couro, metal, pedras e os destinados à cozinha, como o pilão e gamela.[279]

Alguns museus da Bahia são: Museu Afro-Brasileiro, Museu de Arte da Bahia, Museu de Arte Moderna da Bahia, Memorial dos Governadores Bahia, Museu Carlos Costa Pinto, Museu Henriqueta Catharino, Fundação Casa de Jorge Amado e Museu Geológico da Bahia. No interior do estado, destacam-se: o Museu Histórico de Jequié, com um importante acervo sobre a história e cultura da região sudoeste; o Museu do Recolhimento dos Humildes em Santo Amaro, de arte sacra; a Fundação Hansen Bahia, em Cachoeira; e o centro cultural Dannemann, em São Félix, com sua Bienal do livro do Recôncavo.[280]

Do candomblé ou do tabuleiro da baiana do acarajé, da culinária afro-baiana brotam o acarajé, o abará, o vatapá e tantos pratos temperados pelo azeite de dendê, festejando os santos, como o caruru, ou festejando a vida, como a moqueca e o mingau.[281]

Já o interior do estado, é marcado pela sua cultura do couro, pela sua culinária sertaneja, pelas suas festas e manifestações e pelo vaqueiro, onde surgiu no interior do estado a partir de 1550, sendo a primeira fixação do homem no interior da Bahia e de todo Nordeste Brasileiro. O vaqueiro foi o responsável por formar a cultura sertaneja.[282][283]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Cozinha sertaneja da Bahia, iguarias típicas e originárias do interior do estado

A culinária da Bahia é uma das mais diversificadas do Brasil, com muitas variações, desde a culinária sertaneja, até a mais conhecida, que é aquela produzida no Recôncavo e em todo o litoral da Bahia — praticamente composta de pratos de origem africana, diferenciados pelo tempero mais forte, à base de azeite de dendê, leite de coco, gengibre, frutos do mar, pimenta de várias qualidades e muitos outros que não são utilizados em outros estados do Brasil.[284] Essa culinária, porém, não chega a representar 30% do que seus habitantes consomem diariamente. As iguarias dessa vertente africana da culinária estão reservadas, pela tradição e hábitos locais, às sextas-feiras (como por exemplo a moqueca, vatapá, caruru, xinxim de galinha) e às comemorações de datas institucionais, religiosas ou familiares. No dia a dia, o baiano alimenta-se de pratos herdados da vertente portuguesa, ou então de pratos no que se costuma chamar de "culinária sertaneja". São receitas que não levam o dendê e ingredientes como frutos do mar por exemplo, que é muito presente na culinária afro-baiana.[285][286][287]

Entidades culturais, museus e bibliotecas[editar | editar código-fonte]

Biblioteca Pública do Estado da Bahia, o maior acervo da região.

Entre as diversas instituições culturais presentes no estado estão a o Gabinete Português de Leitura, o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, a Associação Baiana de Medicina, a Associação Baiana de Imprensa, as seções baianas da Associação Brasileira de Escritores e da Ordem dos Advogados.[288]

Dentre as bibliotecas da capital merecem destaque a Universidade Federal da Bahia, a Biblioteca Pública do Estado, o Mosteiro de São Bento, a Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, a Biblioteca Teixeira de Freitas e a Biblioteca do Departamento Estadual de Estatística, da Petrobras e das entidades culturais supramencionadas. Muitas cidades do interior possuem pequenas bibliotecas públicas.[288]

Entre os muitos museus, os seguintes museus de Salvador se destacam em Salvador pela importância e vantagem de suas coleções: Museu Afro-Brasileiro e Museu de Arqueologia e Etnologia, ambos localizados na tradicional faculdade de Medicina; Museu de Arte da Bahia; Museu de Arte Sacra, localizado no tradicional convento das Carmelitas Descalças; Museu de Arte Sacra Monsenhor Aquino Barbosa, na basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia; Museu Abelardo Rodrigues (Solar do Ferrão), com exposição de arte sacra e popular; Museu Carlo Costa Pinto, de talheres e mobiliário; e o Museu do Carmo, a igreja e convento da Ordem Primeira do Carmo. Outro museu muito interessante no estado é o Vanderlei de Pinho no Recôncavo.[288]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Igreja Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador.

O mais importante atrativo de Salvador está em sua arquitetura, constituída por igrejas, fortalezas, palácios e tradicionais solares. Do total de 165 igrejas, as mais notáveis são a catedral (1656); de Nossa Senhora da Conceição da Praia (1739-1765); a igreja (1708-1750) e o Convento de São Francisco (1587), Possui uma riqueza de talha dourada e azulejaria portuguesa, a igreja da Ordem Terceira de São Francisco (1703) e a igreja do Senhor do Bonfim (1745-1754).[288]

Entre as muitas fortalezas, os mais importantes de Salvador são a fortaleza e farol de Santo Antônio da Barra (1598), a de São Marcelo (século XVII), a do Barbalho ou de Nossa Senhora do Monte do Carmo (1638) e a de Monte Serrat. Entre os palácios destacam-se o paço arquiepiscopal da Sé, o do Saldanha e o solar do conde dos Arcos.[288]

Dentre outros monumentos, destacam-se os seguintes: a casa de Gregório de Matos, a casa onde faleceu Castro Alves (Colégio Ipiranga), o Solar do Unhão, o paço municipal, Solar Marbak, do Berquó, a terra natal de Ana Néri (Cachoeira), Castelo Garcia D’ Ávila (Mata de São João), Santa Casa, local de nascimento de Teixeira de Freitas (Cachoeira).[288]

Feriados e festividades[editar | editar código-fonte]

Vaquejada de Serrinha em 2009
Bloco da Capoeira, Circuito Campo Grande 2008

Na Bahia, ocorrem várias festas durante o ano todo. As principais são a Lavagem do Senhor de Bonfim, o Carnaval da Bahia e as diversas micaretas que ocorrem no ano todo sendo este evento momesco fora de época uma criação baiana. Há também a Festa junina São João com destaque para a cidade de Cruz das Almas (onde acontece a tradicional guerra de espadas) e Irecê que todos os anos trazem grandes atrações da música brasileira.[289] Ainda tem a tradicional Vaquejada de Serrinha, que acontece sempre junto ao feriado de 7 de setembro.[290] Em Salvador, acontece sempre, no começo do ano, o Festival de Verão de Salvador.[291] Em Vitória da Conquista, durante o inverno, acontece o Festival de Inverno Bahia.[292]

Tendo como sua principal característica moderna o trio elétrico, o Carnaval da Bahia teve seu incremento a partir desta invenção de Dodô e Osmar. O negro reconquista sua identidade e ganha força nos Filhos de Gandhi, o Olodum, e blocos como o Ilê Aiyê, que une música ao trabalho social. O Carnaval de Salvador, considerado o maior carnaval de rua do mundo, atrai anualmente 2 milhões de foliões em seis dias de festa.[293] Durante o período do carnaval de Salvador, dezenas dos cantores mais famosos do Brasil desfilam nos trios elétricos, como Ivete Sangalo, Daniela Mercury e muitos outros. Mas também há as festas de momo no interior, com destaque para Barreiras, Canavieiras, Palmeiras e Porto Seguro.[294]

O Carnaval de Salvador constitui a principal festividade da capital, trazendo anualmente muitos turistas de todo o Brasil e do estrangeiro. Entre as festas mais populares estão Santa Bárbara ( de dezembro), Conceição da Praia (8 de dezembro), Santa Luzia (13 de dezembro), dos Santos Reis (de 5 a 6 de janeiro), Iemanjá (2 de fevereiro), Divino Espírito Santo (de segunda a domingo após a Assunção), todas em Salvador. E também as festas de Nossa Senhora de Santana (18 de janeiro a 3 de fevereiro), em Feira de Santana, e Nossa Senhora da Vitória (15 de agosto), em Ilhéus.[288]

As mais importantes procissões são Senhor Bom Jesus dos Navegantes (1.º de janeiro), Senhor dos Passos (segunda sexta-feira da Quaresma) e Nossa Senhora do Monte Serrat (2 de setembro). Outras festas importantes são a lavagem do Bonfim (quinta-feira antes do segundo domingo após a Epifania), sábado e domingo do Bonfim, segunda-feira da Ribeira (após domingo do Bonfim), quadrilha do Rio Vermelho (dois domingos antes da festa mais popular do país), Carnaval e Dois de Julho (dia da Independência). As expressões folclóricas do município são abundantes e diversificadas, incluindo candomblé, capoeira e ritmos populares.[288]

No interior do estado também existem determinados pontos turísticos, como a cidade histórica de Cachoeira, o parque nacional de Paulo Afonso com seu salto e a hidrelétrica de mesmo nome, a estância hidromineral de Cipó e, na costa, parque nacional do Monte Pascoal. Também na costa, todas as praias da Costa do Descobrimento se destacam.[288]

Feriados estaduais
Data Nome Observações
2 de julho Independência da Bahia Em comemoração ao fato histórico ocorrido nesta data.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Castro Alves

Escritores baianos possuem relevância histórica ao aparecerem como representantes maiores do Barroco no Brasil: Gregório de Matos, Botelho de Oliveira e Frei Itaparica. Na Bahia, apareceram, também, as primeiras academias literárias no país: a Academia dos Esquecidos (1724-1725) e a Academia Brasílica dos Renascidos (1759). Cabe salientar que, na época, havia os cronistas-mor nomeados pelo rei de Portugal e que as academias eram tidas como seguidoras da moda das academias em Portugal[295] mas também representariam algum tipo de sentimento nativista do meio intelectual, já bastante desenvolvido em território baiano.

No período mais recente, temos uma Bahia pródiga de autores imortais, como Castro Alves, Adonias Filho, Jorge Amado, e João Ubaldo Ribeiro. Os dois últimos são autores excepcionais, de literatura fácil e rica de detalhes sobre a Bahia. São, ao mesmo tempo, radiografias da vida no estado. No entanto, ao se falar em romances, a "produção" está reduzida, restringe-se a pequenos versos e passagens que remontam o estilo medieval e a famosos romances, como o Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado, publicado em 1958. A obra é um retorno ao ciclo do cacau, entrando no universo de coronéis, jagunços e prostitutas que desenham o horizonte da sociedade cacaueira da época.[279]

Na década de 1920, na então rica e pacata Ilhéus, ansiando por progressos, com intensa vida noturna litorânea, entre bares e bordéis, desenrola-se o drama, que acaba por tornar-se uma explosão de folia e luz, cor, som, sexo e riso.[279] Paralelamente, a literatura de cordel persiste principalmente no sertão, onde violeiros transmitem a tradição cordelista por meio de sua cantoria.[279]

Cinema[editar | editar código-fonte]

O cinema na Bahia é promovido e incentivado pela Diretoria de Artes Visuais e Multimeios (DIMAS), além da Associação Baiana de Cinema e Vídeo (ABCV / ABD-BA), membro da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas.

Anúncio da XXXIV Jornada Internacional de Cinema da Bahia

Na Bahia, ocorrem vários festivais e encontros de cinema e cineclubismo, entre eles: Bahia Afro Film Festival, em Salvador;[296] Encontro Baiano de Animação, em Salvador.[297] Feira Mostra Filmes, em Feira de Santana;[298] Festival Brasilidades, em Feira de Santana;[299] Festival Nacional de Vídeo — A Imagem em 5 Minutos, em Salvador;[300] FIM! — Festival da Imagem em Movimento, em Salvador;[300] Jornada Internacional de Cinema da Bahia, em Salvador;[300] Mostra Cinema Conquista, em Vitória da Conquista;[301] Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual, em Salvador; e Vale Curtas — Festival Nacional de Curtas-Metragens do Vale do São Francisco, em Juazeiro e Petrolina.[302]

Também há várias produções cinematográficas nacionais que possuem como tema a Bahia ou algo a ela relacionado, a exemplo de Cidade Baixa e Ó Paí, Ó. O estado também é berço de grandes nomes do cinema nacional, como os atores Lázaro Ramos, Wagner Moura, Luís Miranda, Priscila Fantin, João Miguel, Othon Bastos, Antonio Pitanga (pai dos também atores Rocco e Camila Pitanga) e Emanuelle Araújo e os cineastas Glauber Rocha e Roberto Pires. A TVE Bahia exibe às sextas-feiras, a sessão de filmes Sextas Baianas.[303] E a DIMAS exibe a sessão Quartas Baianas, especialmente dedicada ao resgate e à valorização da produção local, com entrada franca, na Sala Walter da Silveira, às quartas-feiras, às 8h da noite.[304]

Música[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Música da Bahia
Integrantes do Olodum nas ruas do Centro Histórico de Salvador, 2010.

Nas últimas décadas, a Bahia tem sido um verdadeiro celeiro musical. Surgiram muitos artistas (músicos, instrumentistas, cantores, compositores e intérpretes) de grande influência no cenário musical nacional e internacional. Tendo a maior cidade das Américas durante muitos séculos, sua capital foi local dos nascimentos, a partir da influência africana, do samba de roda, seu filho samba, o lundu e outros tantos ritmos, movidos por atabaques, berimbaus, marimbas — espalhando-se pelo resto do Brasil, e ganhando o mundo.[305]

Na Bahia nasceram expoentes brasileiros do samba, do pagode, do tropicalismo, do rock brasileiro, da bossa nova, axé e samba-reggae. Alguns dos principais nomes são Dorival Caymmi, João Gilberto, Astrud Gilberto, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Tom Zé, Novos Baianos, Raul Seixas, Marcelo Nova (do Camisa de Vênus), Pitty, Bira (do Sexteto do Jô), Carlinhos Brown, Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Luiz Caldas, Margareth Menezes, Dinho (do Mamonas Assassinas, BaianaSystem etc.[305]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Futebol da Bahia

No estado nasceram os medalhistas olímpicos Robson Conceição,[306] Hebert Conceição,[307] Beatriz Ferreira[308] e Adriana Araújo[309] no boxe; Isaquias Queiroz[310] e Erlon Silva[311] no canoísmo; Ana Marcela Cunha[312] na maratona aquática; Edvaldo Valério[313] na natação,; Nilton Oliveira[314] no basquete; e Ricardo no vôlei de praia.[315] Também são oriundos do estado: o campeão mundial de boxe Acelino Popó Freitas,[316] medalhistas em Mundiais como Allan do Carmo[317] na maratona aquática; Breno Correia[318] na natação; e o campeão da Indy Tony Kanaan no automobilismo.[319]

Arena Fonte Nova, em Salvador

As competições de futebol na Bahia são regidas pela Federação Bahiana de Futebol (FBF), fundada em 1903. A sua principal competição profissional é o Campeonato Baiano de Futebol, o mais antigo do Nordeste e segundo mais antigo do Brasil, disputado desde 1905. Além disso, a Federação patrocina anualmente o Campeonato Baiano Intermunicipal de Futebol, entre as diversas associações de futebol dos municípios baianos. Os maiores clubes de futebol da Bahia e reconhecidos nacionalmente são o Bahia e o Vitória, ambos de Salvador. O Bahia, maior vencedor da história do Campeonato Baiano, campeão brasileiro em 1959 e 1988, um dos fundadores do Clube dos 13, e atualmente, disputa a Série A do Campeonato Brasileiro. No cenário nacional, há muito tempo está restrito aos dois clubes da capital. Nas séries do Campeonato Brasileiro de Futebol, ultimamente, os outros clubes baianos só participam devido a vagas asseguradas ao estado pelo regulamento da competição.[320]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. «Latim». web.archive.org. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2010 
  2. «Family Coat of arms and family crests including heraldry, genealogy, blazons, crests, and coat of arms.». heraldryandcrests.com. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 25 de abril de 2012 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação». Consultado em 29 de agosto de 2021 
  4. IBGE, IBGE (27 de agosto de 2021). «Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2021» (PDF). ibge.gov.br. Consultado em 28 de agosto de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 27 de agosto de 2021 
  5. «Sistema de Contas Regionais: Brasil 2021» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 17 de novembro de 2023 
  6. «Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015» (PDF). IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 1 de novembro de 2020 
  7. «Sinopse do Censo Demográfico 2010». IBGE. Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 25 de maio de 2013 
  8. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Pnud Brasil, Ipea e FJP. «Atlas Brasil: Ranking». Consultado em 27 de março de 2023. Cópia arquivada em 21 de março de 2023 
  9. «O Clima Brasileiro». Consultado em 4 de maio de 2009. Cópia arquivada em 12 de abril de 2010 
  10. «Mapa da Bahia». Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 30 de julho de 2017 
  11. «Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - Configuração da Rede Urbana do Brasil» (PDF). ipardes.gov.br. Junho de 2001. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2012 
  12. a b «História». bahia.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2013 
  13. Santos, Fabiano Villaça dos. «História Colonial». Consultado em 14 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2014 
  14. «Biblioteca Nacional». Consultado em 27 de maio de 2021. Cópia arquivada em 27 de maio de 2021 
  15. Arruda 1988, p. 1460.
  16. Arruda 1988, pp. 24–25.
  17. «Abertura dos Portos às Nações Amigas». Marinha do Brasil. Consultado em 20 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2013 
  18. Kappel, Raimundo F. «OS PORTOS BRASILEIROS FRENTE». sbpcnet.org.br. Consultado em 20 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2013 
  19. «Abertura dos portos». historiacolonial.arquivonacional.gov.br. Consultado em 20 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014. Carta do príncipe regente Dom João ao conde da Ponte, governador da capitania da Bahia, João de Saldanha da Gama Melo Torres Guedes Brito, na qual ordena a abertura dos portos do Brasil a todas as mercadorias transportadas por navios de seus vassalos e de estrangeiros de nações amigas. Foi estabelecido o pagamento de direitos por entrada de 24%, com exceção dos vinhos, aguardentes e azeites doces, que deveriam pagar o dobro dos "direitos" até então pagos, além de liberar, aos mesmos navios, a exportação de mercadorias coloniais, a exceção do pau-brasil e outros produtos estancados, para todos os portos que lhes aprouver. 
  20. IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. «Evolução do IDHM e de Seus Índices Componentes no período de 2012 a 2017» (PDF). Consultado em 18 de abril de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 15 de julho de 2019 
  21. a b «Bahia é o segundo estado mais violento do Brasil, indica Anuário Brasileiro da Violência». Brasil 61. 12 de setembro de 2023. Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  22. a b «Estado de violência: Bahia lidera ranking de mortes violentas e registra quase 7 mil assassinatos». G1. 20 de julho de 2023. Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  23. «Anexo à Lei número 8.421, de 11 de maio de 1992» (PDF). Consultado em 13 de setembro de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 20 de maio de 2011 
  24. a b Houaiss, Tavares & Barbosa 1993, p. 1129.
  25. Girardi, Giovana (fevereiro de 2007). «Índios, santos e geografia». Revista Galileu. Consultado em 28 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2020 
  26. Frias Filho 1996, p. 94.
  27. a b c d e f g h i j k l m n o p Tavares, Luís Henrique Dias (2001). História da Bahia 10 ed. Salvador/São Paulo: UFBA/UNESP 
  28. «baiano». Dicionário da Língua Portuguesa. Consultado em 3 de maio de 2009. Cópia arquivada em 20 de maio de 2011 
  29. «baiano». Dicionário da Língua Portuguesa - Acordo Ortográfico. Consultado em 3 de maio de 2009. Cópia arquivada em 20 de maio de 2011 
  30. «Baía». Infopédia/Porto Editora. Consultado em 3 de maio de 2009. Cópia arquivada em 22 de maio de 2009 
  31. Carlos Rocha (14 de junho de 2009). «O Acordo Ortográfico e a palavra bahia». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 3 de maio de 2009. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2010 
  32. BECHARA, Evanildo, Na Ponta da Língua, vol. 1, Editora Lucerna, Rio de Janeiro, 2000.
  33. Ver o Dicionário de Questões Vernáculas, Livraria Ciência e Tecnologia Editora, São Paulo, 1994
  34. Arruda 1988, p. 1055.
  35. a b c d e f g h i j k l m n Mascarenhas et al. 1998, pp. 590–591.
  36. Silva, Daniel Neves. «Capitanias hereditárias: nomes, donatários, mapas». História do Mundo. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  37. Silva, Daniel Neves. «Governo-geral no Brasil Colônia». História do Mundo. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  38. «A sociedade açucareira». MultiRio. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  39. Cancian, Renato. «Economia colonial - Cana e trabalho escravo sustentaram o Brasil colônia». UOL Educação. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  40. «Do litoral ao sertão: pontos de irradiação». MultiRio. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  41. «O nordeste da cana e do gado no século 17 - Caminhos do Gado». Atlas Histórico do Brasil - FGV. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  42. Silva, Daniel Neves. «Invasões holandesas: contexto, como foram, fim». História do Mundo. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  43. Almanaque Abril 2015. São Paulo: Abril. 2014. p. 312 
  44. Maynart, Georgina (18 de dezembro de 2019). «Garimpo povoou o sertão baiano: Bahia já teve ciclos do ouro e de diamante». Correio 24 Horas. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  45. Neves, Erivaldo Fagundes (2003). Posseiros, rendeiros e proprietários: estrutura fundiária e dinâmica agromercantil no Alto Sertão da Bahia (1750-1850) (PDF). Recife: UFPE. 435 páginas 
  46. Santos, Solon Natalício Araújo dos (2011). Conquista e resistência dos Payayá no Sertão das Jacobinas: tapuia, tupi, colonos e missionários (1651-1706) (PDF) (Dissertação de mestrado). Salvador: UFBA. p. 85 
  47. «Como foi a mudança da capital do Brasil de Salvador ao Rio de Janeiro há 260 anos». G1. 26 de janeiro de 2023. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  48. a b c d e Almanaque Abril 2015. São Paulo: Abril. 2014. p. 675 
  49. Cancian, Renato. «Conjuração baiana - Revolta dos alfaiates teve grande participação popular». UOL Educação. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  50. «A Abertura dos Portos e o fim do monopólio». MultiRio. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  51. Leon, Lucas Pordeus (31 de agosto de 2022). «Guerras da Independência: Com luta, Bahia formou governo rebelde». Agência Brasil. Consultado em 29 de outubro de 2023 
  52. «Antes da Independência do Brasil, a Independência da Bahia». Migalhas. 5 de setembro de 2022. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  53. Silva, Valma (2 de julho de 2015). «Historiador conta curiosidades sobre a luta pela independência na Bahia». G1 Bahia. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  54. «O que foram as Revoltas Regenciais?». Blog Mackenzie. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  55. a b «História da Bahia na colonização, império e república». Guia de turismo e viagem de Salvador, Bahia e Nordeste Brasileiro. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  56. «Guerra de Canudos». Atlas Histórico do Brasil - FGV. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  57. Barros, Carlos Juliano (1 de maio de 2005). «A saga do cacau na Bahia». Repórter Brasil. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  58. «Seabra, J. J. - verbete» (PDF). CPDOC - verbetes 
  59. Negro, Antonio Luigi; Brito, Jonas (dezembro de 2013). «Mãe paralítica no teatro das oligarquias?: o papel da Bahia na Primeira República para além do café-com-leite». Varia Historia. 29 (51): 863–887. ISSN 0104-8775. doi:10.1590/S0104-87752013000300011 
  60. Gomes, Donaldson (21 de julho de 2019). «Mato, cachorro e lixo substituem fábricas no Centro Industrial de Aratu: Entenda». Correio 24 Horas. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  61. «O Polo Industrial de Camaçari». Comitê de Fomento Industrial de Camaçari - Polo Industrial de Camaçari. Consultado em 25 de fevereiro de 2024 
  62. a b c Garschagen 1998a, pp. 290–293.
  63. Arantes, José Tadeu (6 de julho de 2021). «Estudo avança no entendimento da vassoura-de-bruxa, doença que derrubou a produção de cacau no Brasil». Agência Fapesp. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  64. Eler, Guilherme. «A bruxa do cacau». SuperInteressante. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  65. «Wagner surpreende, interrompe "carlismo" e dá vitória ao PT na Bahia - 01/10/2006 - Eleições 2006». UOL. 1 de outubro de 2006. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  66. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «WAGNER, JAQUES». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 18 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2020 
  67. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Rui Costa dos Santos». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 18 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2020 
  68. «Rui Costa, do PT, é reeleito governador da Bahia». G1. Consultado em 29 de julho de 2019. Cópia arquivada em 17 de julho de 2019 
  69. Fuzeira, Victor (30 de outubro de 2022). «Eleições 2022: Jerônimo Rodrigues (PT) é eleito governador da Bahia». Metrópoles. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  70. a b c d «Almanaque dos Estados Brasileiros». web.archive.org. 2 de janeiro de 2005. Consultado em 22 de setembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2005 
  71. Simielli 2000, p. 79.
  72. a b c d Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia. Bahia em Números Arquivado em 5 de abril de 2023, no Wayback Machine.. Volume 4. Edição bilíngüe: português e inglês. Salvador: 2002. ISSN 1516-1730
  73. «Bahia | Cidades e Estados | IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 13 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2023 
  74. «Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação - FAO». Consultado em 23 de abril de 2011. Cópia arquivada em 13 de maio de 2011 
  75. «LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA - PONTOS EXTREMOS» (PDF). www.sei.ba.gov.br. 2000. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 7 de julho de 2022 
  76. a b c d e f g h i «RELEVO» (PDF). www.sei.ba.gov.br. Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 9 de setembro de 2016 
  77. a b c d e f g h i «HIPSOMETRIA» (PDF). www.sei.ba.gov.br. Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 3 de março de 2022 
  78. a b c d e f g h i Garschagen 1998a, pp. 286–287.
  79. «SOLOS» (PDF). www.sei.ba.gov.br. Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 13 de julho de 2019 
  80. a b c d Garschagen 1998a, pp. 286–287.
  81. «Bahia em Números» (PDF). www.sei.ba.gov.br. Consultado em 11 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 2 de março de 2022 
  82. «UNIDADES DE CONSERVAÇÃO» (PDF). www.sei.ba.gov.br. Consultado em 22 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 20 de setembro de 2018 
  83. «Após vazamento de óleo, Petrobras trabalha para limpar praia na Bahia». UOL Notícias. 17 de abril de 2009. Consultado em 6 de março de 2010. Cópia arquivada em 20 de maio de 2011 
  84. IBGE. «Tabela 1286 - População e Distribuição da população nos Censos Demográficos». SIDRA IBGE. Consultado em 16 de novembro de 2011 
  85. «Tabela 4714 - População Residente, Área territorial e Densidade demográfica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 9 de dezembro de 2022 
  86. a b «Panorama do Censo 2022». Panorama do Censo 2022. Consultado em 31 de janeiro de 2024 
  87. «Tabela 1.5 - Distribuição percentual da população nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2014 
  88. «Tabela 1.10 - Densidade demográfica nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2014 
  89. «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 11 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  90. PNUD (2013). «Ranking IDHM Unidades da Federação 2010». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano. Consultado em 9 de junho de 2017. Cópia arquivada em 28 de maio de 2017 
  91. «Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros 2003». IBGE. Consultado em 30 de julho de 2011. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2011 
  92. «Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil 2013 - Consulta». Consultado em 5 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2014 
  93. «Tabela 1290 - Número de municípios e População nos Censos Demográficos por tamanho da população». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2016 
  94. «Tabela 1287 - População dos municípios das capitais e Percentual da população dos municípios das capitais em relação aos das unidades da federação nos Censos Demográficos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de junho de 2013 [ligação inativa]
  95. «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  96. a b c Garschagen 1998a, pp. 287–288.
  97. «Censo 2010». IBGE. Consultado em 28 de março de 2020. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2021 
  98. «Análise dos Resultados/IBGE Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência» (PDF). Consultado em 28 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 26 de junho de 2020 
  99. «SECULT - Secretaria de Cultura da Bahia(INATIVO) — Bonfim é a festa rica em símbolos». secult.220i.com.br. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2012 
  100. «Il Santo Padre ha nominato Arcivescovo Metropolita di Brasília (Brasile) S.E. Mons. Sérgio da Rocha, finora Arcivescovo di Teresina» (em italiano). Bollettino della Sala Stampa della Santa Sede. 15 de junho de 2011. Consultado em 18 de outubro de 2011 [ligação inativa] [ligação inativa]
  101. «Papa nomeia bispos para Brasília e Coari». CNBB. Consultado em 15 de junho de 2011. Arquivado do original em 18 de junho de 2011 
  102. «Dom Sergio da Rocha é o novo arcebispo eleito de Brasília». Arquidiocese de Brasília. Consultado em 18 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2010 
  103. «Relação das 37 paróquias existentes na Arquidiocese de Feira de Santana». Consultado em 8 de junho de 2022. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2021 
  104. Cordeiro, Tiago. «A guerra da Bahia - Guia do Estudante». origin.guiadoestudante.abril.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  105. «Irmã Dulce: de 'anjo bom da Bahia' a santa no Vaticano». BBC News Brasil. Consultado em 30 de maio de 2021. Cópia arquivada em 2 de junho de 2021 
  106. «Santa Dulce, o anjo bom da Bahia – Diocese de Santo André». Consultado em 30 de maio de 2021. Cópia arquivada em 2 de junho de 2021 
  107. «Cópia arquivada». Consultado em 8 de junho de 2022. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2015 
  108. Flaksman, Clara. «Relações e narrativas: o enredo no candomblé da Bahia». Religião & Sociedade: 13–33. ISSN 0100-8587. doi:10.1590/0100-85872016v36n1cap01. Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 8 de junho de 2022 
  109. «História do Colégio 2 de Julho». C2J ‐ Educação infantil e ensino fundamental em Salvador. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2023 
  110. Ferreira, Júlio A. História da Igreja Presbiteriana do Brasil. 2 vols. 2ª ed. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1992.
  111. «Tabela 1497: População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». sidra.ibge.gov.br. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2017 
  112. «Tabela 631: População residente, por sexo e lugar de nascimento». sidra.ibge.gov.br. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2017 
  113. «Tabela 1505: População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». sidra.ibge.gov.br. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2017 
  114. Ribeiro, Darcy (1995). O povo brasileiro (PDF). São Paulo: Companhia das Letras. pp. 274–278, 339–344 
  115. Cunha, Euclides da Cunha (2010). Os sertões (PDF). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. pp. 75–76 
  116. Pierson, Donald (1945). Brancos e pretos na Bahia: estudo de contato racial (PDF). [S.l.]: Companhia Editora Nacional. pp. 59–61 
  117. Silva, Ana Paula Soares da (2014). APA Estadual Serra do Barbado: dos empecilhos à possível viabilidade socioambiental de um território no Circuito do Ouro – Chapada Diamantina (PDF). Salvador: UFBA. p. 22 
  118. Neves, Erivaldo Fagundes (2001). «História de família: origens portuguesas de grupos de consanguinidade do alto sertão da Serra Geral da Bahia». Revista de Pesquisa Histórica Clio. 19 (1): 111-140 
  119. Paula, Ana (1996). Bahia: estudos sociais. São Paulo: Scipione. ISBN 8526227599 
  120. «Refugiados cubanos contam com solidariedade e iguaria baiana para sobreviver na pandemia». BBC News Brasil. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de maio de 2021 
  121. a b Figueirêdo, Maria Gorete Borges (2019). «Migrantes e Refugiados na Bahia: um caminhar de (re)significação» (PDF). ri.ucsal.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 24 de fevereiro de 2022 
  122. «Brasil: migrações internacionais e identidade». www.comciencia.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 21 de julho de 2021 
  123. ADECOM Salvador. Estrangeiros que vivem em Salvador já torcem por seus países na Copa Arquivado em 23 de agosto de 2021, no Wayback Machine.
  124. Ribeiro, Alexandre Vieira (2005). «Estimativas sobre o volume do tráfico Transatlântico de escravos para a Bahia,1582-1851» (PDF). anpuh.org.br. Consultado em 3 de junho de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de junho de 2022 
  125. Lima Filho, Valney Mascarenhas. «O comércio de escravizados(as) na Bahia na segunda metade do Século XIX» (PDF). www.snh2017.anpuh.org. Consultado em 3 de junho de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 1 de março de 2022 
  126. «Made in Japan. IBGE. Resistência e Integração: 100 anos de Imigração Japonesa no Brasil apud IBGE Traça o Perfil dos Imigrantes; 21 de junho de 2008». Made in Japan. Consultado em 4 de setembro de 2008. Arquivado do original em 24 de junho de 2008 
  127. IBGE, Síntese dos Indicadores Sociais , Tabela 8.1 - População total e respectiva distribuição percentual, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2006. Segundo dados do PNAD 2006. Acessado em 19 de março de 2008
  128. «Início | Terras Indígenas no Brasil». terrasindigenas.org.br. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2021 
  129. «Genetics and Molecular Biology - ß-globin haplotypes in normal and hemoglobinopathic individuals from Reconcavo Baiano, State of Bahia, Brazil». scielo.br. Consultado em 1 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 14 de maio de 2011 
  130. «Rede Nacional de Estudos e Pesquisas em Saúde dos Povos Indígenas». Funasa. 2006. Consultado em 28 de janeiro de 2009 [ligação inativa] [ligação inativa]
  131. «Ancestralidade genômica e tipos de sobrenomes em Salvador-BA» (PDF). Consultado em 1 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 26 de abril de 2011 
  132. «BAHIA TEM O MAIOR NÚMERO DE CIGANOS DO PAÍS». Bahia Notícias. 14 de maio de 2010. Consultado em 15 de maio de 2010. Cópia arquivada em 17 de maio de 2010 
  133. a b «Ancestralidade genômica e classificação racial baseada em 5871 habitantes de comunidades brasileiras, projeto Epigen, 2015». Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 8 de março de 2021 
  134. «Ancestralidade genômica e classificação racial baseada em 5871 habitantes de comunidades brasileiras, projeto Epigen, 2015» (PDF). Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  135. «Origem e dinâmica da mistura e seus efeitos em padrões de mutações, 2015» (PDF). Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  136. Magalhães da Silva, Thiago; Sandhya Rani, M. R.; de Oliveira Costa, Gustavo Nunes; Figueiredo, Maria A.; Melo, Paulo S.; Nascimento, João F.; Molyneaux, Neil D.; Barreto, Maurício L.; Reis, Mitermayer G.; Teixeira, M. Glória; Blanton, Ronald E. (1 de julho de 2015). «The correlation between ancestry and color in two cities of Northeast Brazil with contrasting ethnic compositions». European Journal of Human Genetics. 23 (7): 984–989. doi:10.1038/ejhg.2014.215. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2016 – via www.nature.com 
  137. «A ancestralidade genômica de indivíduos de diferentes regiões geográficas do Brasil é mais uniforme do que esperado, Pena et al, 2011». Consultado em 21 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 7 de maio de 2021 
  138. Collins, John F. (2015). Revolt of the Saints: Memory and Redemption in the Twilight of Brazilian Racial Democracy. Durham, NC, USA: Duke University Press 
  139. a b «Regiões de Influência das Cidades 2007» (PDF). biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 13 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 19 de novembro de 2021 
  140. Brasil (8 de junho de 1973). «LEI COMPLEMENTAR Nº 14». Presidência da República Federativa do Brasil. Consultado em 10 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  141. «Sancionada lei que cria RMFS - Oficializada Região Metropolitana de Feira de Santana». Consultado em 15 de junho de 2021. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2012 
  142. «Feira de Santana passa a ter região metropolitana». Consultado em 17 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2012 
  143. «LEI COMPLEMENTAR N.º 113». www.planalto.gov.br. Consultado em 28 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  144. «Censo 2022: População e domicílios». IBGE. Consultado em 30 de junho de 2023 
  145. «PORTARIA PR-470, DE 28 DE JUNHO DE 2023». Imprensa Nacional. 28 de junho de 2023. Consultado em 1 de julho de 2023 
  146. a b «Constituição de 1989 do Estado da Bahia» (PDF). 1989. Consultado em 31 de Agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 20 de agosto de 2007 
  147. Floriano, Governo da Bahia Conselho Estadual de Cultura-CEC Rua Marechal; Brasil, SN-Canela CEP 40301-155- Salvador- Bahia Localização Exerça sua cidadania Fale com a Ouvidoria Todo o conteúdo desse site está publicado sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações 3 0. «Cidade de Cachoeira é capital da Bahia e sede do governo por um dia». Conselho Estadual de Cultura da Bahia - CEC BA. Consultado em 15 de junho de 2021. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2021 
  148. «Portal de Legislação do Estado da Bahia | Casa Civil». www.legislabahia.ba.gov.br. Consultado em 15 de junho de 2021. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2021 
  149. «O Palácio de Ondina. A residência dos governadores da Bahia.». Memórias da Bahia. iBahia.com. Consultado em 15 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  150. «Palácio Rio Branco – Memorial dos Governadores». Fundação Pedro Calmon (fpc.ba.gov.br). Consultado em 15 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  151. Teixeira, Cid (2010). «Palácio Rio Branco». Consultado em 15 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  152. Cavalcante, Cid José Teixeira, "Palácio da República na Bahia", pgs. 03—14. Palácio da Aclamação: restauração — Governo do Estado da Bahia. Salvador (1991)
  153. «História da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia | | Jornal Grande Bahia – JGB». Jornal Grande Bahia – JGB. Consultado em 19 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2016 
  154. «TCM-BA: Missão». Consultado em 25 de dezembro de 2012 [ligação inativa] [ligação inativa]
  155. «Institucional - História». Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (tjba.jus.br). 19 de janeiro de 2013. Consultado em 15 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2013 
  156. «Bahia é o quarto Estado do País com maior número de eleitores». R7 Eleições 2012. R7.com. 2012. Consultado em 15 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2013 
  157. «Filiados - Tribunal Superior Eleitoral (TSE)». Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Abril de 2016. Consultado em 29 de maio de 2016. Cópia arquivada em 9 de abril de 2014 
  158. «Evolução político-administrativa, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação – 1940/2010» (PDF). Anuário Estatístico do Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. p. 22. Consultado em 3 de novembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 2 de janeiro de 2019 
  159. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 17 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2017 
  160. a b Bahia!. «Destinos». Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2014 
  161. SEPLAN - Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia. «Territórios de Identidade - Mapa». Consultado em 26 de julho de 2011. Cópia arquivada em 19 de julho de 2011 
  162. Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÁ). «Regiões de Planejamento e Gestão das Águas». Consultado em 14 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2010 
  163. a b «Exportações da Bahia (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2014 
  164. «Exportações do Brasil por Estado (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014 
  165. «Contas Regionais do Brasil 2013: Produto Interno Bruto - PIB e participação das Grandes Regiões e Unidades da Federação». IBGE. Consultado em 22 de junho de 2016. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2015 
  166. «A Bahia em números». Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração do Estado da Bahia. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de junho de 2014 
  167. «Instalações da Ford no Brasil - COMPLEXO INDUSTRIAL FORD NORDESTE/BA». Site informativo da Ford Brasil. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  168. a b c d e f g Garschagen 1998a, pp. 288–289.
  169. Peter Cox (1998). «Sweetness And Plight». New Internacionalist Magazine. Consultado em 25 de março de 2014. Cópia arquivada em 25 de março de 2014 
  170. «PRODUÇÃO DE COCO: O NORDESTE É DESTAQUE NACIONAL» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 28 de junho de 2020 
  171. «Cultivo de manga é destaque no norte da Bahia; estado é o 2º maior produtor de frutas do país». Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  172. «Incentivos mantêm guaraná na Amazônia». Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  173. «Pará retoma liderança na produção brasileira de cacau, com a união de agricultores». Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  174. «Segundo maior produtor de algodão do país, Bahia tem previsão de 15% de crescimento da safra». Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  175. «Produção brasileira de banana em 2019» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de novembro de 2020 
  176. «Produção brasileira de mamão em 2019» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 26 de junho de 2020 
  177. «Brasil deve ter produção de café 25% maior em 2020 e salto de 20% em produtividade». Revista Globo Rural. Consultado em 19 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2021 
  178. «Produção brasileira de laranja em 2019» (PDF). Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de dezembro de 2020 
  179. «Brasil deve colher maior produção de soja da história, diz Conab». Consultado em 8 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 26 de junho de 2020 
  180. Antonio Martins (1 de outubro de 2010). «A Costa do Cacau em busca de um destino». Outras Palavras. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2014 
  181. «Entenda o caso da vassoura-de-bruxa». A TARDE. 25 de junho de 2006. Consultado em 31 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2018 
  182. Jackson Ornelas Mendonça. «O potencial de crescimento da produção de grãos no Oeste da Bahia» (PDF). Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura da Bahia. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 3 de setembro de 2014 
  183. Aiba. Região Oeste Arquivado em 11 de junho de 2016, no Wayback Machine., acessado em 20 de maio de 2016.
  184. Cetem. «Extração de magnesita e talco em Brumado (BA) causa danos ambientais». Consultado em 21 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  185. Poliana Machado da Silva. «A Mineração e o crescimento urbano no município de Brumado». Consultado em 21 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2015 
  186. Redação A Tarde. «Magnesita vende unidade de Brumado». Consultado em 21 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2017 
  187. «Polo Industrial de Camaçari». coficpolo.com.br. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  188. Alessandra Nascimento (29 de junho de 2013). «Polo de Camaçari completa 35 anos». Tribuna da Bahia. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2014 
  189. «Perfil da Indústria da Bahia». Consultado em 4 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2021 
  190. «Indústria de transformação da Bahia registrou retração de 6,4% em abril». Fieb. 9 de junho de 2015. Consultado em 1 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2016 
  191. «Produção industrial da Bahia tem queda de 7% em 2015». Fieb. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 1 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2016 
  192. «Produção da indústria cresce 11% na Bahia». A Tarde. 7 de abril de 2016. Consultado em 1 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2016 
  193. «O Polo Industrial de Camaçari». Comitê de Fomento Industrial de Camaçari. 2012. Consultado em 1 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2016 
  194. «Bahia Ocupa sexta posição entre os estados mais industrializados». Jornal da Mídia. 9 de Julho de 2008. Consultado em 1 de maio de 2010. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  195. Karina Baracho (27 de abril de 2011). «Tecnovia é aprovada por unanimidade». Tribuna da Bahia. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014 
  196. Karina Baracho (27 de abril de 2011). «Tecnovia é aprovada por unanimidade». Tribuna da Bahia. Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014 
  197. SECOM-BA (18 de setembro de 2012). «Governo da Bahia inaugura primeira etapa do Parque Tecnológico». Consultado em 14 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 23 de maio de 2014 
  198. «Biofábrica Moscamed Brasil». Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Codevasf. Consultado em 22 de maio de 2023 
  199. «Instalada no Sertão Primeira Biofábrica do Brasil». Jornal do Sertão. 25 de novembro de 2020. Consultado em 22 de maio de 2023 
  200. «Refinaria Landulpho Alves (RLAM)». Petrobras. Consultado em 2 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2016 
  201. a b c ROTEIROS INCRÍVEIS. «Bahia representa 13,2% do PIB turístico do pais, diz estudo». Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2014 
  202. «Setur discute aplicação do programa Primeiro Emprego por estabelecimentos do setor». Secretária de Governo do Estado da Bahia. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2016 
  203. «Bahia é o estado que mais atrai turistas no NE, aponta Fipe». Salão Baiano do Turismo. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  204. «Pesquisa Fipe 2011» (PDF). Salvador Convention. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 8 de maio de 2014 
  205. «Relatório Final Bahia 2011» (PDF). Observatório do Turismo da Bahia. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 8 de maio de 2014 
  206. «Baianos de Salvador desejam conhecer o próprio estado». Ministério do Turismo. 25 de novembro de 2013. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2013 
  207. a b c «Chapada Diamantina impressiona pelas paisagens». Brasil Econômico. 29 de janeiro de 2014. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  208. «Bahia é o destino turístico preferido dos brasileiros». Comunicação do Governo da Bahia. 4 de novembro de 2009. Consultado em 23 de janeiro de 2010 [ligação inativa] [ligação inativa]
  209. «Bahia entra no ranking de destinos que merecem visita em 2010 do New York Times». UOL Viagem. 11 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  210. «The 31 Places to Go in 2010». NYTimes.com. 7 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2014 
  211. «Hospitais que se destacam no Brasil». Sppert. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  212. BA TV - Rede Bahia. Câncer de Mama pode ter detecção prematura[ligação inativa]. Acessado em 4 de outubro de 2007.
  213. BA TV - Rede Bahia. Campanha incentiva a doação de órgãos no Estado[ligação inativa]. Acessado em 4 de outubro de 2007.
  214. «Dengue e meningite já mataram 60 na Bahia este ano». Agência Estado. 14 de abril de 2009. Consultado em 6 de março de 2010. Cópia arquivada em 18 de abril de 2009 
  215. «Meningite provoca a nona morte do ano na BA». UOL Notícias. 5 de março de 2010. Consultado em 6 de março de 2010. Cópia arquivada em 10 de março de 2010 
  216. «Histórico». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 21 de julho de 2014 
  217. «Pediatria do HGRS se destaca em seminário de avaliação». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. 29 de novembro de 2011. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 21 de julho de 2014 
  218. «Hospital do Subúrbio é destaque em revista nacional». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. 24 de abril de 2014. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  219. «Ana Nery, de Salvador, é o único hospital público do Brasil com tomógrafo que controla dosagem de radiação». Bahia Negócios. 12 de maio de 2013. Consultado em 21 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014 
  220. «Hospital Couto Maia completa 163 anos e continua referência». Bahia Já. 1 de julho de 2016. Consultado em 1 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2016 
  221. «Histórico». Portal Institucional - Monte Tabor - Hospital São Rafael. Consultado em 10 de abril de 2015. Cópia arquivada em 27 de julho de 2014 
  222. «Bahia é pioneira em terapia intraoperatória». Portal A TARDE. 24 de julho de 2014. Consultado em 24 de julho de 2014. Cópia arquivada em 28 de julho de 2014 
  223. «Hospital da Bahia aumenta estrutura e inaugura equipamentos nesta quinta-feira». Bahia Notícias. 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. Cópia arquivada em 28 de julho de 2014 
  224. «Histórico». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. Consultado em 16 de julho de 2014. Cópia arquivada em 26 de julho de 2014 
  225. «Hospital Octávio Mangabeira realiza primeira cirurgia torácica por vídeo da rede SUS na Bahia». Secretaria de Comunicação Social do Governo do Estado da Bahia. 16 de julho de 2014. Consultado em 16 de julho de 2014. Cópia arquivada em 26 de julho de 2014 
  226. «Nossa História». Martagão Gesteira - HOSPITAL DA CRIANÇA. Consultado em 17 de julho de 2014. Cópia arquivada em 26 de julho de 2014 
  227. «Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos - COMHUPES (HUPES - CPPHO - AMN)». UFBA. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  228. «Inaugurado ambulatório de câncer de mama e pelve na Bahia». Instituto Avon. 14 de maio de 2012. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  229. «Histórico». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 30 de maio de 2014 
  230. «HGCA completa 30 anos em funcionamento». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. 7 de março de 2014. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 30 de maio de 2014 
  231. «HGCA realiza primeira cirurgia por videolaparoscopia pelo SUS em Feira de Santana». Secretária de Saúde do Estado da Bahia. 27 de maio de 2014. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 30 de maio de 2014 
  232. «Ciência e Preconceito - PUC-Rio - Depto.de História - Margarida de Souza Neves». www.historiaecultura.pro.br. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2021 
  233. Lima, Lamartine (30 de setembro de 2008). «A Propósito da Academia de Medicina de Feira de Santana». Gazeta Médica da Bahia (1). ISSN 0016-545X. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de abril de 2023 
  234. «A Faculdade de Medicina da Bahia e a Ciência Médica». gmbahia.ufba.br. Consultado em 15 de maio de 2012. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2012 
  235. Paulo Gabriel S. Nacif (4 de junho de 2014). «Uma Universidade para o Nordeste da Bahia». ANDIFES. Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2021 
  236. Mestre. «UNIVERSIDADES E FACULDADES PÚBLICAS E PARTICULARES DA BAHIA». Edsouza.net. Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2014 
  237. «O ranking geral de universidades». Folha. Consultado em 29 de abril de 2013. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  238. deputadocarlosgeilson.com.br (27 de julho de 2012). «Uefs entre as 15 melhores universidades do país». Consultado em 12 de julho de 2013. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2013 
  239. PROFF Gente e Gestão. «Ranking das melhores universidades do país – O Globo 23/07/2012». Consultado em 12 de julho de 2013. Cópia arquivada em 3 de junho de 2013 
  240. «Rui Costa recebe sugestões da população em Ilhéus». Bahia 24/7. Brasil 24/7. 4 de maio de 2014. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  241. «Os 10 aeroportos mais movimentados do Brasil». EXAME.com. 20 de dezembro de 2011. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  242. «Aeroporto de Una (BA) poderá ter voos regulares». Consultado em 24 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2018 
  243. «Estações Ferroviárias do Estados da Bahia e Sergipe». Consultado em 7 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2007 
  244. a b «E. F. Bahia-Minas». Consultado em 7 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2007 
  245. a b «V. F. F. Leste Brasileiro». Consultado em 7 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2007 
  246. a b «E. F. Nazaré e E. F. Ilhéus». Consultado em 7 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2008 
  247. «Ferrovia de Integração Oeste – Leste». VALEC - Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  248. «ANTT recebe propostas para estudos preliminares de ferrovia entre Feira de Santana (BA) e Ipojuca (PE)». Logística Brasil. 3 de junho de 2013. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2014 
  249. «Reunião da ANTT em Feira de Santana (BA) recebe contribuições para ferrovia MG-BA». Logística Brasil. 23 de julho de 2013. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 19 de julho de 2014 
  250. «TCU identifica superfaturamento em obras do metrô de Salvador». Consultado em 24 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2016 
  251. Vagner Magalhães (11 de junho de 2014). «Depois de 14 anos, metrô de Salvador "começa a andar" na véspera da Copa». UOL. Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014 
  252. Henrique Mendes (11 de junho de 2014). «Metrô de Salvador é inaugurado com viagem da presidente Dilma Rousseff». G1 BA. Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2014 
  253. «Portal de Serviços da Neoenergia Coelba - História». servicos.neoenergiacoelba.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2021 
  254. «A Empresa». www.bahiagas.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2021 
  255. «História». www.embasa.ba.gov.br. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2021 
  256. «Prefeitura de Juazeiro avança para concluir obra de ampliação de rede de esgoto no bairro Parque Residencial». Juazeiro. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2021 
  257. Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) (2012). «Relatório de Acessos Móveis em Operação e Densidade por UF». Consultado em 2 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 25 de março de 2013 
  258. Agência Nacional de Telecomunicações (8 de junho de 2001). «Resolução n.º 263». legislacao.anatel.gov.br. Consultado em 5 de maio de 2023. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2018 
  259. «Consulta Geral de Radiodifusão». SRD. ANATEL. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2019 
  260. «PRINCIPAIS JORNAIS DO ESTADO DA BAHIA». ejornais.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2021 
  261. «Spectrum-E: Canais de radiodifusão». Mosaico. ANATEL. Cópia arquivada em 16 de abril de 2020 
  262. «Síntese Histórica». www.cmne.eb.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2021 
  263. «Histórico». www.6rm.eb.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2021 
  264. «19º Batalhão de Caçadores - Batalhão Pirajá - Síntese Histórica». www.19bc.eb.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2021 
  265. «Histórico | Com2DN». www.marinha.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2021 
  266. tolentino (15 de fevereiro de 2019). «Base Naval de Aratu». Marinha do Brasil. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2020 
  267. Barreto Neto, Raul Coelho. «TRILHANDO OS CAMINHOS DO MAR: A ESCOLA DE APRENDIZESMARINHEIROS DA BAHIA E O SEU PAPEL SOCIAL (1910-1945)» (PDF). ri.ucsal.br:8080. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 9 de dezembro de 2021 
  268. «Sobre o Hospital | HNSa». www.marinha.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de maio de 2021 
  269. «DECEA » Unidades » CINDACTA III». www.decea.mil.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2021 
  270. Brasileira, Força Aérea. «Força Aérea Brasileira — Asas que protegem o país». Força Aérea Brasileira. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de junho de 2021 
  271. Brasileira, Força Aérea. «Força Aérea Brasileira — Asas que protegem o país». Força Aérea Brasileira. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2021 
  272. Benton, Azevedo & Viana Filho 1973, p. 439.
  273. «Portal de Legislação do Estado da Bahia | Casa Civil». www.legislabahia.ba.gov.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2021 
  274. a b «Mapa da Violência 2021 — Bahia» (PDF). www.mapadaviolencia.net.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 24 de dezembro de 2018 
  275. «MAPA DA VIOLÊNCIA 2012 - OS NOVOS PADRÕES DA VIOLÊNCIA HOMICIDA NO BRASIL» (PDF). Portal Mapa da Violência. 2012. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 16 de fevereiro de 2013 
  276. WAISELFISZ, Julio Jacobo (2010). «Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros 2008» (PDF). Instituto Sangari. Consultado em 28 de julho de 2010. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2011 
  277. «As 50 cidades mais violentas do mundo (o Brasil tem 10 na lista)». Exame. 27 de março de 2023. Consultado em 1 de dezembro de 2023 
  278. Lariú, Nivaldo (1992). Dicionário de Baianês: Humor. Salvador: Edição do autor. 70 páginas 
  279. a b c d «Bahia». Associação Brasileira dos Organizadores de Festivais de Folclore e Artes Populares. Consultado em 14 de novembro de 2006. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2006 
  280. Reverso online. Disponível em https://www3.ufrb.edu.br/reverso/centros-culturais-de-sao-felix-mantem-a-historia-do-reconcavo/ Arquivado em 24 de outubro de 2018, no Wayback Machine.. Acesso em 23 de outubro de 2018.
  281. Bahia!. «Gastronomia». Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2014 
  282. «Vaqueiro». ipatrimonio.org. Consultado em 13 de junho de 2021. Cópia arquivada em 6 de junho de 2021 
  283. Washington Queiroz (2010). Universidade Federal da Bahia, ed. «Bahia e vaqueiros: um débito». Consultado em 5 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2021 
  284. «Culinária baiana: uma deliciosa mistura de sabores e influências.». Consultado em 25 de março de 2016. Arquivado do original em 30 de março de 2016 
  285. «Bahia » Gastronomia». web.archive.org. 22 de abril de 2017. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 22 de abril de 2017 
  286. «Bahia » Bebidas». web.archive.org. 31 de março de 2017. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 31 de março de 2017 
  287. «Bahia » Culinária Afro-Brasileira». web.archive.org. 25 de abril de 2017. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 25 de abril de 2017 
  288. a b c d e f g h i Garschagen 1998a, pp. 293–295.
  289. «Festas Populares». bahia.com.br. 2014. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2016 
  290. «Vaquejada de Serrinha». 2014. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 26 de abril de 2017 
  291. «Festival de Verão Salvador». Festival de Verão 2012. 13 de outubro de 2011. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2017 
  292. BA, Do G1; Sudoeste, com infomações da TV (18 de agosto de 2014). «Frio de Conquista é mais um atrativo para quem vai curtir o Festival na BA». Festival de Inverno 2014. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2020 
  293. «Carnaval de Salvador deve atrair 2 milhões de foliões, diz prefeitura». R7 Bahia. 15 de janeiro de 2014. Consultado em 7 de maio de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014 
  294. Bahia!. «Carnaval». Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2014 
  295. MONTEIRO, Clóvis - Esboços de história literária - Livraria Acadêmica - 1961 - Rio de Janeiro - Pg. 99
  296. Fausto Junior (14 de dezembro de 2008). «Bahia Afro Film Festival - 16 a 21 de dezembro». Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2009 
  297. Caique Gonçalves (21 de agosto de 2008). «2º Encontro Baiano de Animação». Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2014 
  298. «Feira Mostra Filmes». Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 3 de maio de 2008 
  299. Fausto Junior (3 de novembro de 2008). «III Festival Brasilidades». Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  300. a b c «Festivais e Encontros de cinema e cineclubismo no Brasil 2005». Conselho Nacional de Cineclubes. Consultado em 24 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2007 
  301. «Mostra Cinema Conquista 2007». Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  302. «Vale Curtas em Juazeiro em Petrolina». Consultado em 8 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  303. «Novidades». Consultado em 24 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2007 
  304. «Quartas Baianas: programação de março». Consultado em 24 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  305. a b Bahia!. «Música». Consultado em 1 de Setembro de 2014. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2014 
  306. COB. «Robson Conceição». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2022 
  307. COB. «Robson Conceição». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2022 
  308. COB. «Beatriz Ferreira». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2022 
  309. COB. «Adriana Araújo». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2022 
  310. COB. «Isaquias Queiroz». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2023 
  311. COB. «Erlon Silva». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2022 
  312. COB. «Ana Marcela Cunha». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2023 
  313. COB. «Edvaldo Valério». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2022 
  314. Globoesporte. «Ex-Flu, medalhista olímpico pela seleção morre aos 92 anos, no Rio». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  315. COB. «Ricardo». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2022 
  316. Terceiro Tempo. «Quem fim levou Popó». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2022 
  317. COB. «Allan do Carmo». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2022 
  318. COB. «Breno Correia». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2022 
  319. Tereiro Tempo. «Que fim levou». Consultado em 19 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2021 
  320. Eric Luis Carvalho (13 de dezembro de 2012). «Só tem Ba-Vi? Pequenos clubes baianos 'somem' da cena nacional». Salvador. globoesporte.com. Consultado em 29 de maio de 2015. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arruda, Ana (1988). «Bahia». Enciclopédia Delta Universal. 2. Rio de Janeiro: Delta 
  • Benton, William; Azevedo, Aroldo de; Viana Filho, Luiz (1973). «Bahia». Enciclopédia Barsa. 1. Rio de Janeiro: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Camargo, José Eduardo (2010). Guia Quatro Rodas Rodoviário. São Paulo: Abril 
  • Frias Filho, Otávio (1996). «Rio de Janeiro (estado)». Nova Enciclopédia Ilustrada Folha. 2. São Paulo: Folha da Manhã 
  • Garschagen, Donaldson M. (1998a). «Bahia». Nova Enciclopédia Barsa: Macropédia. 2. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Garschagen, Donaldson M. (1998b). «Bahia». Nova Enciclopédia Barsa: Datapédia. 1. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Houaiss, Antônio; Tavares, Luís Henrique Dias; Barbosa, Francisco de Assis (1993). «Bahia». Enciclopédia Mirador Internacional. 3. São Paulo: Encyclopædia Britannica do Brasil Publicações Ltda 
  • Mascarenhas, Maria Amélia; Biasi, Mauro De; Coltrinari, Lylian; Moraes, Antônio Carlos de Robert de (1998). «Bahia». Grande Enciclopédia Larousse Cultural. 3. São Paulo: Nova Cultural 
  • Simielli, Maria Elena Ramos (2000). Geoatlas. São Paulo: Ática 
  • Verano, Paulo Nascimento (2009). «Bahia». Enciclopédia Barsa Universal. 3. Rio de Janeiro: Barsa Planeta 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Wikisource Categoria no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage