Baile dos Ardentes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Baile dos Ardentes retratado em uma miniatura do século XV das Crônicas de Froissart. A duquesa de Berry prende suas saias azuis sobre um pouco visível Carlos VI de França, enquanto os dançarinos rasgam suas roupas em chamas. Um dançarino saltou para o lagar; na galeria acima, músicos continuam a tocar.

Baile dos Ardentes (em francês Bal des Ardents; Baile dos Homens Ardentes[1]) ou Baile dos Selvagem (em francês Bal des Sauvages)[2] foi um baile de máscaras[nota 1] realizado em 28 de janeiro de 1393 em Paris, no qual Carlos VI de França esteve presente em uma dança com cinco membros da nobreza francesa. Quatro dos dançarinos foram mortos em um incêndio causado por uma tocha trazida por um espectador, o irmão do rei francês Luís, duque de Orleães. Carlos e outro dos dançarinos, o nobre cavaleiro Ogier de Nantouillet, sobreviveu. O baile foi um de uma série de eventos destinados a entreter o jovem rei, que no verão anterior tinha sofrido um ataque de insanidade. O evento minou a confiança em sua capacidade de governar; parisienses consideraram isso a prova da decadência da corte e ameaçaram se rebelar contra os membros mais poderosos da nobreza. A indignação do público forçou o rei e seu irmão duque de Orleães, que um cronista contemporâneo acusou de tentativa de regicídio e feitiçaria, a oferecer penitência pelo evento.

A esposa do rei francês, Isabel da Baviera, manteve o evento para homenagear o novo casamento de uma dama de companhia. Os estudiosos acreditam que isso pode ter sido um charivari tradicional, com os dançarinos disfarçados de homens selvagens, seres míticos frequentemente associados com a demonologia, que eram comumente representados na Europa medieval e documentados em folias da Inglaterra dos Tudor. O evento foi registrado por escritores contemporâneos, tais como o Monge de St Denis e Jean Froissart, e ilustrado em uma série de manuscritos iluminados do século XV por pintores como o Mestre de Antônio de Borgonha. O incidente mais tarde forneceu a inspiração para uma cena no conto Hop-Frog de Edgar Allan Poe.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1380, após a morte de seu pai Carlos, o Sábio, Carlos VI foi coroado rei com 12 anos, começando sua minoria com seus quatro tios agindo como regentes.[nota 2][3] Dentro de dois anos um deles, Filipe, o Audaz, descrito pelo historiador Robert Knecht como "um dos príncipes mais poderosos da Europa",[4] se tornou o único regente do jovem rei depois que Luís de Anjou que saqueou o tesouro real e partiu para fazer campanha na Itália; os outros dois tios do rei, João de Berry e Luís de Bourbon, mostraram pouco interesse em governar.[3] Em 1387, com 20 anos, Carlos assumiu o controle exclusivo da monarquia e imediatamente demitiu seus tios e restabeleceu os Marmousets, conselheiros tradicionais de seu pai. Ao contrário de seus tios, os Marmousets queriam paz com a Inglaterra, menos impostos, e um governo central forte, responsável — políticas que resultaram em uma trégua de três anos negociada com a Inglaterra, e o duque de Berry sendo destituído de seu posto como governador de Languedoc por causa de sua tributação excessiva.[5]

Coroação de Carlos VI de França representado por Jean Fouquet nas Grandes Chroniques de France, em na meados do século XV.

Em 1392 Carlos sofreu o primeiro do que viria a se tornar uma série de ataques de insanidade ao longo da vida, que se manifestou por uma "fúria insaciável" na tentativa de assassinato do Condestável da França e líder dos Marmousets, Olivier de Clisson — realizado por Pierre de Craon mas orquestrado por João V, duque de Bretanha. Convencidos de que o atentado à vida de Clisson também foi um ato de violência contra si mesmo e contra a monarquia, Carlos rapidamente planejou uma invasão retaliatória da Bretanha com a aprovação dos Marmousets, e dentro de alguns meses partiu de Paris com uma força de cavaleiros.[5][6]

Em um dia quente de agosto fora de Le Mans, acompanhando suas forças no caminho para Bretanha, sem aviso Carlos tirou suas armas e acusou seus próprios cavaleiros domésticos, incluindo seu irmão Luís I, duque de Orleães — com quem teve uma relação estreita — chorando "Avante contra os traidores! Eles querem me entregar ao inimigo!"[7] Ele matou quatro homens[8] antes de seu camareiro o agarrar pela cintura e o deixar inconsciente, depois entrou em um coma que durou quatro dias. Poucos acreditavam que ele iria se recuperar; seus tios, os duques de Borgonha e Berry, aproveitaram-se da doença do rei e rapidamente tomaram o poder, restabelecendo-se como regentes, e dissolvendo o conselho Marmouset.[6]

O rei comatoso foi devolvido para Le Mans, onde Guillaume de Harsigny — um médico venerado e bem-educado de 92 anos de idade — foi convocado para tratá-lo. Depois que Carlos recuperou a consciência e sua febre diminuiu, foi devolvido a Paris por Harsigny, movendo-se lentamente de castelo em castelo, com períodos de descanso entre eles. No final de setembro o rei estava bem o suficiente para fazer uma peregrinação de agradecimento a Notre Dame de Liesse perto de Laon depois de retornar novamente para Paris.[6]

Carlos VI atacando seus cavaleiros, nas Crônicas de Froissart.

O repentino do aparecimento da insanidade do rei foi visto por alguns como um sinal de ira e castigo divino e por outros como o resultado de feitiçaria;[6] historiadores modernos, como Knecht especulam que Carlos pode ter enfrentando o aparecimento de esquizofrenia paranoide.[5] Carlos continuou a ser mentalmente frágil, acreditando que era feito de vidro, e de acordo com o historiador Desmond Seward, correndo "uivando como um lobo pelos corredores dos palácios reais".[9] O cronista contemporâneo Jean Froissart escreveu que a doença do rei era tão grave que ele era "perdido na vida; nenhuma medicina poderia ajudá-lo".[10] Durante o pior de sua doença o rei era incapaz de reconhecer sua esposa, Isabel da Baviera, exigindo sua remoção quando ela entrava em seu quarto, mas depois de sua recuperação Carlos fez arranjos para ela para segurar a guarda de seus filhos. A rainha Isabel eventualmente se tornou tutora de seu filho — o futuro Carlos VII de França (n. 1403) —, concedendo-lhe grande poder político e garantindo um lugar no conselho de regentes em caso de recaída.[11]

Em A Distant Mirror: The Calamitous 14th Century a historiadora Barbara Tuchman escreveu que o médico Harsigny, recusando "todos os fundamentos e ofertas de riquezas para permanecer",[12] deixou Paris e ordenou que os cortesões protegessem o rei dos deveres de governo e liderança. Ele disse aos conselheiros do rei para "ter cuidado para não o preocupar ou irritá-lo [...] Sobrecarregá-lo com trabalho o minimo que puderem; prazer e esquecimento será melhor para ele do que qualquer outra coisa."[1] Para cercar o rei com uma atmosfera festiva e para protegê-lo do rigor de governar, a corte voltou-se para elaborar diversões e modas extravagantes. Isabel e sua cunhada Valentina Visconti, Duquesa de Orleães, usavam vestidos carregados de joias e elaborados penteados trançados enrolados em conchas altas e cobertas com largas hennins duplas que, supostamente, requeriam alargar as portas para que pudesse passar.[1]

As pessoas comuns acreditavam nas extravagâncias excessivas mas ainda amavam o seu jovem rei, a quem chamavam de le bien-aimé (o bem-amado). A culpa pelo excesso e gastos desnecessários foi dirigida para a rainha estrangeira, que foi trazida da Baviera, a pedido dos tios do rei.[1] Nem Isabel nem sua cunhada Valentina — filha do cruel duque de Milão — eram bem desejadas por qualquer corte ou pelas pessoas.[8] Froissart escreveu em suas Crônicas estavam satisfeitos em permitir as frivolidades, porque "enquanto a rainha e os Duc d'Orléans dançavam, não eram perigosos ou até mesmo irritantes".[13]

Baile dos Ardentes e consequências[editar | editar código-fonte]

Baile dos Ardentes pelo Mestre de Antônio de Borgonha (c. 1470), que mostra um dançarino no tonel em primeiro plano, Carlos VI encolhido sob a saia da duquesa de Berry no centro esquerdo, e dançarinos no centro queimando.

Em 28 de janeiro de 1393, Isabel realizou um baile de máscaras no Hôtel Saint-Pol para celebrar o terceiro casamento de sua dama de companhia, Catherine de Fastaverin.[2][nota 3] Tuchman explicou que o novo casamento de uma viúva era tradicionalmente uma ocasião para escárnio e palhaçadas, muitas vezes celebradas com máscaras ou charivari caracterizados por "todos os tipos de permissões, disfarces, desordens, e alta bombando de música dissonante e clangor de címbalos".[14] Por sugestão de Huguet de Guisay, a quem Tuchman descreve como conhecido por seus "esquemas ultrajantes" e crueldade, seis cavaleiros de alto nível realizaram uma dança trajados como selvagens de madeira. Os figurinos, que foram costurados para os homens, eram feitos de linho embebido em resina para que o linho fosse anexado "para que eles aparecessem desgrenhados e peludos da cabeça aos pés".[1] Máscaras feitas do mesmo material cobriam os rostos dos dançarinos e escondiam suas identidades da platéia. Algumas crônicas relatam que os dançarinos estavam unidos por correntes. Ordens estritas proibiram a iluminação de tochas de salão e proibiram qualquer pessoa de entrar no salão com uma tocha durante a performance, para minimizar o risco dos figurinos altamente inflamáveis pegarem fogo.[1]

Segundo o historiador Jan Veenstra os homens pulavam e uivavam "como lobos", cuspiam obscenidades e convidavam o público a adivinhar as suas identidades enquanto dançavam em um frenesi "diabólico".[15] O irmão do rei, o duque de Orleães, chegou tarde e bêbado com Felipe de Bar, e eles entraram no salão carregando tochas acesas. Os relatos variam, mas Orleães pode ter mantido sua tocha acima da máscara de um bailarino para revelar a sua identidade quando uma faísca caiu, incendiando a perna do dançarino.[1] No século XVII, William Prynne escreveu sobre o incidente no qual "o duque de Orleães [...] colocou uma das tochas que os seus criados seguravam tão perto do linho, que ele incendiou uma das vestes, que por sua vez incendiou outra e outra, de maneira que todos se transformaram numa chama brilhante",[16] enquanto que uma crônica contemporânea afirmou que ele "jogou" a tocha em um dos dançarinos.[2]

Isabel, sabendo que seu marido era um dos dançarinos, desmaiou quando os homens pegaram fogo. Carlos, no entanto, estava em pé a uma certa distância dos outros dançarinos, perto de sua tia de 15 anos Joana, Duquesa de Berry, que imediatamente jogou a saia volumosa sobre ele para protegê-lo das faíscas.[1] Fontes discordam a respeito de a duquesa se moveu-se para a dança e chamou o rei ao lado para falar com ele, ou se ele se afastou em direção à platéia. Froissart escreveu que "O Rei, que passou à frente [dos dançarinos], afastou de seus companheiros [...] e foi até as senhoras para mostrar-se a eles [...] e assim passou pela rainha e chegou perto da duquesa de Berry".[17][18]

Detalhe da duquesa de Berry, vestindo uma alta hennin cônica, cobrindo um Carlos fantasiado com o trem de seu vestido.

A cena logo caiu no caos; os dançarinos gritaram de dor enquanto queimavam em seus trajes, e o público, muitos deles também sustentando queimaduras, gritavam enquanto tentavam resgatar os homens queimando.[1] O evento foi registrado na vivacidade incaracterística pelo Monge de St Denis, que escreveu que "quatro homens foram queimados vivos, seus órgãos genitais em chamas caíram no chão [...] liberando um rio de sangue".[15] Apenas dois dançarinos sobreviveram: o rei, graças às reações rápidas da duquesa de Berry, e o Sieur de Nantouillet, que pulou em um tonel de vinho aberto e lá permaneceu até as chamas serem extintas. O Conde de Joigny morreu no local; Yvain de Foix e Aimery Poitiers, filho do Conde de Valentinois, permaneceu com queimaduras dolorosas por dois dias. O instigador do caso, Huguet de Guisay, sobreviveu um dia a mais, descrito por Tuchman como amargamente "maldiçoado e insultado por seus companheiros dançarinos, os mortos e os vivos, até sua última hora".[1]

Os cidadãos de Paris, irritados com o evento e, com o perigo que representava para seu monarca, culparam os assessores de Carlos. Uma "grande comoção" varreu a cidade quando a população ameaçou depor os tios do rei e matar cortesões dissolutos e depravados. Muito preocupado com o clamor popular e preocupados com uma repetição da revolta Maillotin da década anterior — quando os parisienses armados com marretas voltaram-se contra os cobradores de impostos — os tios do rei convenceram a corte a fazer penitência na catedral de Notre Dame, precedido por um progresso real se desculpando pela cidade onde o rei andava a cavalo com seus tios andando em humildade. O duque de Orleães, que foi responsabilizado pela tragédia, doou fundos em expiação a uma capela que seria construída no mosteiro Celestino.[1][19]

As pessoas nos eventos das crônicas de Froissart culpam diretamente o irmão do rei, Luís de Orleães. Ele escreveu: "E assim as celebrações das festas e casamento terminou com grande tristeza ... [Carlos] e [Isabel] nada poderiam fazer para remediá-la. Temos de aceitar que não era culpa deles, mas do duque de Orleães."[20] A reputação de Orleães foi severamente danificada pelo evento, agravado por um episódio poucos anos antes em que ele foi acusado de feitiçaria após a contratação de um monge apóstata para imbuir um anel, adaga e espada com magia demoníaca. O teólogo Jean Petit viria a testemunhar que Orleães praticou feitiçaria, e que o fogo no baile representou uma tentativa fracassada de regicídio feito em retaliação ao ataque de Carlos no verão anterior.[21]

O Baile dos Ardentes acrescentou à impressão de uma corte mergulhada na extravagância, confirmando a loucura de um rei com saúde delicada e incapaz de governar. Os ataques de doença de Carlos aumentaram em frequência de tal modo que até o final da década de 1390 os seu papel era meramente cerimonial. No início do século XV, foi negligenciado e muitas vezes esquecido, uma falta de liderança que contribuiu para o declínio e fragmentação da dinastia Valois.[22] Em 1407, o filho de Felipe, o Audaz, João sem Medo, tinha assassinado seu primo Luís de Orleães por causa de "vício, corrupção, bruxaria, e uma longa lista de vilanias públicas e privadas"; ao mesmo tempo Isabel foi acusada de ter sido amante do irmão de seu marido.[23] O assassinato do duque de Orleães levou o país a uma guerra civil entre os Borguinhões e os Orleanistas (conhecidos como os Armagnacs), que durou várias décadas. O vazio criado pela falta de poder central e pela irresponsabilidade geral da corte francesa resultou em nela ganhando uma reputação de moral frouxa e decadência que viveu por mais de 200 anos.[24]

Representações folclóricas e cristãs dos homens selvagens[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Homem selvagem
Homens selvagens, ou wodewoses, representado por Albrecht Dürer (1499)

Veenstra escreveu em Magia e Adivinhação nas Cortes de Borgonha e França que o Baile dos Ardentes revelou a tensão entre as crenças cristãs e o paganismo latente que existia na sociedade do século XIV. Segundo ele, o evento "pôs a nu uma grande luta cultural com o passado, mas também se tornou um prenúncio agourento do futuro."[15]

Homens silvestres ou selvagens — geralmente representados carregando um cajado ou clava, vivendo além dos limites da civilização sem abrigo ou fogo, carentes de sentimentos e uma alma — eram, então, uma metáfora para o homem sem Deus.[25] A superstição comum declarava que os homens selvagens de cabelos compridos, conhecidos como lutins, que dançavam a luz do fogo tanto para conjurar demônios ou como parte de rituais de fertilidade, viviam em áreas montanhosas, como os Pireneus. Em algumas aldeias charivaris na época de colheita ou plantio dançando vestidos como homens selvagens, para representar demônios, eram cerimonialmente capturados e, em seguida, uma efígie delas era simbolicamente queimada para apaziguar os espíritos malignos. A Igreja, no entanto, considerou estes rituais como pagãos e demoníacos.[26][nota 4]

Homens selvagens descritos nas bordas de um Livro de horas do final do século XIV.

Veenstra explica que acreditava-se que ao se vestir como homens selvagens, os moradores ritualisticamente "conjuravam demônios para imitá-los" — embora naquela época penitenciais proibiam a crença em homens selvagens ou uma imitação deles, tais como a dança trajada no evento de Isabel. Em rituais folclóricos a "queima não acontecia literalmente, mas em uma effigie", ele escreveu, "ao contrário do Baile dos Ardentes onde o rito de fertilidade sazonal tinha diluído ao entretenimento cortês, mas onde a queima tinha sido promovida a uma realidade terrível." Uma crônica do século XV descreve o Baile dos Ardentes como una corea procurance demone ("uma dança para afastar o diabo").[27]

Devido um novo casamento muitas vezes ser considerado como um sacrilégio — a crença comum era de que o sacramento do matrimônio estendia para além da morte — ele foi censurado pela comunidade. Assim, o objetivo do Baile dos Ardentes era duplo: entreter a corte e humilhar e repreender a dama de companhia da rainha — de uma forma inerentemente pagã, na qual o Monge de St Denis parecia não gostar.[26] O ritual de queima na noite de núpcias de uma mulher que ia se casar novamente também tinha origens cristãs, de acordo com Veenstra. O Livro de Tobias, em parte diz respeito a uma mulher que teve sete maridos assassinados pelo demônio Asmodeus; ela é finalmente libertada do demônio pela queima do coração e do fígado de um peixe.[26][28]

O evento também pode ter servido como um exorcismo simbólico da doença mental de Carlos em um momento em que os magos e feiticeiros eram comumente consultados por membros da corte. No início do século XV, o ritual de queima do mal, ou das forças demoníacas ou satânicas não era incomum, como mostrado pela posterior perseguição do duque de Orleães do médico do rei, Jehan de Bar, que foi queimado até a morte depois de confessar, sob tortura, à prática de feitiçaria.[26]

Crônicas[editar | editar código-fonte]

A morte de quatro membros da nobreza era suficientemente importante para garantir que o evento fosse registrado nas crônicas contemporâneas, mais notavelmente por Froissart e o Monge de St Denis, e, posteriormente, ilustrado em um número de cópias de manuscritos iluminados. Enquanto os dois principais cronistas concordam sobre pontos essenciais da noite — os dançarinos estavam vestidos como homens selvagens, o rei sobreviveu, um homem caiu em um tonel, e quatro dos dançarinos morreu — há discrepâncias nos detalhes. Froissart escreveu que os bailarinos foram acorrentados juntos, o que não é mencionado no relato do Monge. Além disso, os dois cronistas estão em desacordo sobre o propósito da dança. De acordo com a historiadora Susan Crane, o Monge descreve o evento como um charivari selvagem com o público participando na dança, ao passo que a descrição de Froissart sugere uma performance teatral, sem a participação do público.[29]

Miniatura intitulada "Fogo em um baile de máscaras" das Crônicas de Froissart, pelo Mestre de Getty Froissart (c. 1483, Bruges)

Froissart escreveu sobre o evento no Livro IV de suas Crônicas (que abrange os anos de 1389 a 1440), um relato descrito pela estudiosa Katerina Nara como cheio de "um sentimento de pessimismo", já que Froissart "não aprovava tudo o que ele registrou".[30] O cronista francês culpou Luís de Orleães pela tragédia,[31] e o Monge culpou o instigador, de Guisay, cuja reputação de tratar os funcionários de nascido inferior como animais lhe conferiu um ódio tão universal que "os Nobres alegraram-se com a sua morte agonizante".[32]

O Monge escreveu sobre o evento no Histoire de Charles VI (História de Carlos VI), que abrange cerca de 25 anos do reinado do monarca.[33] Ele parecia desaprovar[nota 5] com o fundamento de que o evento quebrou costumes sociais e a conduta do rei era imprópria, enquanto Froissart descreveu-o como um evento comemorativo.[29]

Detalhe do manuscrito Harley Froissart (c. 1470-1472), duas colunas de escritos em francês em um texto gótico com borda decorativa.[34]

Os estudiosos não tem certeza se algum dos cronista estava presente naquela noite. De acordo com Crane, Froissart escreveu sobre o evento cerca de cinco anos mais tarde, e o Monge cerca de dez. Veenstra especula que o Monge pode ter sido uma testemunha ocular (como ele foi durante grande parte do reinado de Carlos VI) e que o seu relato é o mais preciso dos dois.[29][35] A crônica do Monge é geralmente aceita como essencial para a compreensão da corte do rei, no entanto a sua neutralidade pode ter sido afetada por sua postura pró-Borgonha e anti-orleanista, fazendo com que ele descrevesse o casal real de forma negativa.[36] Um terceiro relato foi escrito em meados do século XV por Jean Juvénal des Ursins em sua biografia do rei, L'Histoire de Charles VI: roy de France, não publicada até 1614.[37]

O manuscrito de Froissart, que data entre 1470 e 1472, na Coleção Harleian, mantida na Biblioteca Britânica, inclui uma miniatura que descreve o evento, intitulado "Dance of the Wodewoses", atribuída a um pintor desconhecido referido como o Mestre de Harley Froissart.[34] Uma edição pouco mais tardia das Crônicas de Froissart, datado de cerca de 1480, contém uma miniatura do evento, "Fogo em um baile de máscaras", também atribuído a um pintor do primitivo flamengo não identificado conhecido como o Mestre de Getty Froissart.[38] O manuscrito Gruuthuse do século XV das Crônicas de Froissart, mantido na Biblioteca Nacional da França, tem uma miniatura do evento.[39] Mais uma edição das Crônicas de Froissart publicada em Paris por volta de 1508 pode ter sido feita expressamente para Maria de Cleves. A edição tem 25 miniaturas nas margens; uma única ilustração em uma página inteira é sobre o Baile dos Ardentes.[40] O ritual dos homens selvagens e a tragédia com suas vítimas também serviu de inspiração para uma das cenas do conto Hop-Frog (1846), de Edgar Allan Poe.[41]

Notas

  1. Fontes variam se o evento foi um baile de máscaras ou uma mascarada.
  2. Três tios eram irmãos de Carlos V: Luís de Anjou, Filipe II da Borgonha (vulgarmente conhecida como Filipe, o Audaz), e João de Berry. Luís de Bourbon era o irmão da mãe de Carlos VI, Joana de Bourbon. Veja Tuchman (1978), 367
  3. O Monge de St Denis alegou que a mulher havia ficado viúva três vezes, tornando este seu quarto casamento. Veja Veenstra, 90
  4. Festas populares medievais na Alemanha e na Suíça incluíam um ritual chamado de "Expulsão da Morte", muitas vezes realizado no quarto domingo da Quaresma, também conhecido como Todten-Sonntag ("Domingo do Morto"). Uma efígie era "morta" queimada, com os fragmentos espalhados em campos como um ritual de fertilidade. Já no século VIII na Saxônia e Turíngia, na Alemanha, um ritual era realizado no qual um pfingstl — um aldeão vestido com musgo-folheado representando um homem selvagem — era cerimonialmente caçado e morto. Chambers (1996 ed.), 183–185
  5. Ele descreveu o evento como "contrário a toda decência". Veja Tuchman (1978), 504

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Tuchman (1979), 503–505
  2. a b c Veenstra (1997), 89–91
  3. a b Tuchman (1978), 367
  4. qtd. in Knecht (2007), 42
  5. a b c Knecht (2007), 42–47
  6. a b c d Tuchman (1978), 496–499
  7. qtd. in Tuchman (1978), 498
  8. a b Henneman (1996), 173–175
  9. Seward (1987), 143
  10. qtd. in Seward (1987), 144
  11. Gibbons (1996), 57–59
  12. qtd. in Tuchman (1978), 502
  13. qtd. in Tuchman (1978), 503
  14. Tuchman (1978), 503
  15. a b c Veenstra (1997), 91
  16. qtd. in MacKay (2011), 167
  17. Stock (2004) 159–160
  18. Heckscher, 241
  19. Tuchman (1978), 380
  20. qtd. in Nara (2002), 237
  21. Veenstra (1997), 60, 91, 95
  22. Wagner (2006), 88; Tuchman (1978), 515–516
  23. Tuchman (1978), 516
  24. Tuchman (1978), 516, 537–538
  25. Centerwell (1997), 27–28
  26. a b c d Veenstra (1997), 92–94
  27. Veenstra (1997), 94
  28. Veenstra (1997), 67
  29. a b c Crane (2002), 155–159
  30. qtd. in Nara (2002), 230
  31. Nara (2002), 237
  32. Crane (2002), 157
  33. Guenée, Bernard. (1994). "Documents insérés et documents abrégés dans la Chronique du religieux de Saint- Denis". Bibliothèque de l'école des chartes. Vol. 152, N°. 2, 375–428. Página visitada em 15 de setembro de 2015.
  34. a b "Catalogue of Illuminated Manuscripts". Biblioteca Britânica. Página visitada em 15 de setembro de 2015.
  35. Veenstra (1997), 22
  36. Adams (2010), 124
  37. Curry (2000), 128; Famiglietti (1995), 505
  38. "Catalogue of Illuminated Manuscripts". Biblioteca Britânica. Página visitada em 15 de setembro de 2015.
  39. "Illuminating the Renaissance". J. Paul Getty Trust. Página visitada em 15 de setembro de 2015.
  40. Winn, Mary Beth. Anthoine Vérard: Parisian publisher 1485–1512: Prologues, Poems, and Presentations. Genebra: Library Droz, 1997. ISBN 978-2-600-00219-6
  41. Gerbi, Antonello. The Dispute of the New World. Pittsburgh, PA: University of Pittsburgh Press, 2010. p. 73. ISBN 978-0-8229-6081-2

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adams, Tracy. (2010). The Life and Afterlife of Isabeau of Bavaria. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press. ISBN 978-0-8018-9625-5
  • Centerwell, Brandon. (1997). "The Name of the Green Man". Folklore. Vol. 108. 25–33
  • Chamber, E.R. (1996 ed.) The Medieval Stage. Mineola, Nova Iorque: Dover. ISBN 978-0-486-29229-8
  • Crane, Susan. (2002). The Performance of Self: Ritual, Clothing and Identity During the Hundred Years War. Filadélfia: University of Pennsylvania Press. ISBN 978-0-8122-1806-0
  • Curry, Anne. (2000). The Battle of Agincourt: Sources and Interpretations. Rochester, NY: Boydell Press. ISBN 978-0-85115-802-0
  • Famiglietti, Richard C. (1995). "Juvenal Des Ursins". in Kibler, William (ed). Medieval France: An Encyclopedia. Nova Iorque: Garland. ISBN 978-0-8240-4444-2
  • Gibbons, Rachel. (1996). "Isabeau of Bavaria, Queen of France (1385–1422): The Creation of an Historical Villainess". The Royal Historical Society, Vol. 6. 51–73
  • Heckscher, William. (1953). Review of Wild Men in the Middle Ages: A Study in Art, Sentiment, and Demonology por Richard Bernheimer. The Art Bulletin. Vol. 35, No. 3. 241–243
  • Henneman, John Bell. (1996). Olivier de Clisson and Political Society in France under Charles V and Charles VI. Filadélfia: University of Pennsylvania Press. ISBN 978-0-8122-3353-7
  • Knecht, Robert. (2007). The Valois: Kings of France 1328–1589. Londres: Hambledon Continuum. ISBN 978-1-85285-522-2
  • MacKay, Ellen. (2011). Persecution, Plague, and Fire. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-50019-5
  • Nara, Katerina. (2002). "Representations of Female Characters in Jean Froissarts Chroniques". in Kooper, Erik (ed.). The Medieval Chronicle VI. Amsterdã: Rodopi. ISBN 978-90-420-2674-2
  • Seward, Desmond. (1978). The Hundred Years War: The English in France 1337–1453. Nova Iorque: Penguin. ISBN 978-1-101-17377-0
  • Stock, Lorraine Kochanske. (2004). Review of The Performance of Self: Ritual, Clothing, and Identity during the Hundred Years War por Susan Crane. Speculum. Vol. 79, No. 1. 158–161
  • Tuchman, Barbara. (1978). A Distant Mirror: The Calamitous 14th Century. Nova Iorque: Ballantine. ISBN 978-0-345-34957-6
  • Veenstra, Jan R. and Laurens Pignon. (1997). Magic and Divination at the Courts of Burgundy and France. Nova Iorque: Brill. ISBN 978-90-04-10925-4
  • Wagner, John. (2006). Encyclopedia of the Hundred Years' War. Westport, CT: Greenwood Press. ISBN 978-0-313-32736-0

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Baile dos Ardentes