Balantas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela língua nigero-congolesa falada pelos Balantas, veja Língua balanta.
Balantas
Exposição Colonial de 1934 4.jpg
População total

442.000

Regiões com população significativa
Guiné-Bissau
Senegal
Gâmbia
Línguas
balanta, português, crioulo
Religiões
Islamismo, Animismo, Cristianismo

Os balantas (palavra que significa literalmente "aqueles que resistem") são um grupo étnico nigero-congolês dividido entre a Guiné-Bissau, o Senegal e a Gâmbia.[1] São o maior grupo étnico da Guiné-Bissau, representando mais de 25% da população total do país.[1][2] No entanto, mantiveram-se sempre fora do estado colonial e pós-colonial, devido à sua organização social. Os balantas podem ser divididos em seis subgrupos: balantas bravos, balantas cunantes, balantas de dentro, balantas de fora, balantas manés e balantas nagas.

Os arqueólogos crêem que o povo que viria a ser os balantas migrou para a atual Guiné-Bissau em grupos pequenos entre os séculos X e XIV d.C. Durante o século XIX, espalharam-se ao longo da área do mesmo país e do sul do Senegal, de forma a resistirem à expansão do reino de Gabu. A tradição oral entre os balantas diz que estes migraram para oeste desde a área onde são hoje o Egito, Sudão e Etiópia para escapar à seca e às guerras. Hoje, os balantas encontram-se principalmente nas regiões sul e centro da Guiné-Bissau.

São maioritariamente agricultores e criadores de gado, principalmente porcos. Existe uma importante população balanta em Angola.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Os balantas são o único grupo étnico da Guiné-Bissau sem um chefe ou um líder reconhecido.[1] Todas as decisões importantes entre os balantas são tomadas por um conselho de sábios.[1] Para se tornar um membro do conselho, o candidato terá de ser iniciado durante a cerimónia fanado. No geral, a igualdade prevalece entre os balantas.[1] Consequentemente, os colonialistas portugueses tiveram dificuldades em governar este povo. Na viragem do século XIX para o XX, Portugal moveu campanhas de pacificação contra os resistentes balantas e sujeitou-os aos nomeados chefes fulas. Devido à repressão portuguesa, os balantas alistaram-se como soldados em grande número e foram apoiantes de primeira linha do PAIGC no desígnio nacionalista de libertação durante os anos 60 e 70 do século XX. Contudo, quando os nacionalistas assumiram o poder após a independência, depararam-se com a dificuldade em estabelecer comités de aldeia e outras organizações entre os balantas devido à sua organização social descentralizada. Muitos balantas ressentiram-se com a sua exclusão do governo. A sua proeminência no exército esteve na origem de várias tentativas de golpes de estado lideradas pelos mesmos nos anos 80.

Religião[editar | editar código-fonte]

Os balantas são largamente animistas na sua crença.[2] Djon Cago é uma divindade deste povo.[1] Na sociedade balanta, acredita-se que Deus está muito longe. Os fieis tentam alcançá-lo através de espíritos e sacrifícios.[2] Apesar do cristianismo ser parcialmente aceito, o islamismo é forte e praticado juntamente com a veneração espiritualista.[1][2]

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g «Kultur Balanta». West African Languages and Cultures. Consultado em 6 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 14 de abril de 2015 
  2. a b c d «The Balanta People». Triumphant Families Brown-Humphrey. Consultado em 6 de dezembro de 2019