Baleia-azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo está a ser traduzido de en:Blue whale (desde junho de 2012). Ajude e colabore com a tradução.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Como ler uma caixa taxonómicaBaleia-azul
Faroe stamp 402 blue whale (Balaenoptera musculus) crop.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Mysticeti
Família: Balaenopteridae
Género: Balaenoptera
Espécie: B. musculus
Nome binomial
Balaenoptera musculus
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
Cypron-Range Balaenoptera musculus.svg

A baleia-azul (Balaenoptera musculus) é um mamífero marinho pertencente à subordem Mysticeti dos cetáceos. Com até 30 m de comprimento[2] e mais de 180 t de peso[3] , elas são os maiores animais que já existiram de que se tem conhecimento.[4]

Longo e esguio, o corpo das baleias-azuis apresenta seu dorso em diferentes tons azuis-acinzentados, enquanto que seu ventre é geralmente mais claro.[5] Existem pelo menos três subespécies distintas: B. m. musculus, cujo habitat restringe-se ao norte dos oceanos Atlântico e Pacífico, B. m. intermedia, do oceano Antártico e B. m. brevicauda (também conhecida como Baleia-azul-pigméia), encontrada no oceano Índico e no sul do oceano Pacífico. B. m. indica, do oceano Índico, pode ser uma outra subespécie. Como é o caso das outras espécies pertencentes à subordem Mysticeti, a dieta das baleias-azuis consiste quase que exclusivamente de pequenos crustáceos conhecidos como krill, os quais filtram da água do mar usando lâminas córneas em sua cavidade bucal.[6] Porém, elas também podem se alimentar de pequenos peixes e lulas.

As baleias-azuis eram, até o início do século 20, abundantes em quase todos os oceanos da Terra. Caçadas por mais de um século, foram levadas à beira da extinção pelos baleeiros, até tornarem-se objeto de mecanismos de proteção adotados pela comunidade internacional em 1996. Um relatório de 2002 estimou que existam de cinco a doze mil baleias-azuis ao redor do mundo,[7] distribuídas em pelo menos cinco agrupamentos. Contudo, pesquisas mais recentes sobre as subespécies pigméias sugerem que a população atual é maior.[8] Antes de serem caçadas, o maior agrupamento estava na Antártida, com aproximadamente 239 000 indivíduos.[9] Os agrupamentos remanescentes atuais, muito menores, com algo em torno de 2000 indivíduos cada, estão localizados a noroeste dos oceanos Pacífico, Antártico e Índico. Outros dois agrupamentos de baleias-azuis encontram-se ao norte do oceano Atlântico, e há pelos menos outros dois no Hemisfério Sul.

A nadadeira dorsal das baleias-azuis é pequena,[10] visível apenas por um curto período de tempo, enquanto mergulham. Através de seu espiráculo, elas podem podem produzir jatos de água de até 9 m de altura. O volume de seus pulmões pode chegar a 5 000 . Elas também são os animais mais ruidosos do mundo, podendo emitir sons que atingem os 188 dB — mais fortes que o som de um avião a jato — e que podem ser ouvidos a mais de 800 km de distância.[3]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Baleias-azuis são balenopterídeos, uma família que inclui as baleias-jubarte, as baleias-comuns, as baleias-de-bryde, as baleias-sei e as baleias-de-minke.[11] Acredita-se que a família Balaenopteridae tenha divergido das outras famílias da subordem Mysticeti durante a metade do Oligoceno. Não se tem conhecimento de quando os membros destas famílias divergiram uns dos outros.

A baleia-azul é classificada usualmente como uma de oito espécies do gênero Balaenoptera; uma autoridade a atribui a um gênero monotípico, o Sibbaldus[12] , contudo esta atribuicão não é reconhecida.[13] Análises usando sequenciamento de DNA indicam que as baleias-azuis são filogeneticamente mais próximas às baleias-sei (Balaenoptera borealis) e às baleias-de-bryde (Balaenoptera brydei) do que às outras espécies de balenopterídeos, sendo também mais próximas às baleias-jubarte (Megaptera) e às baleias-cinzentas (Eschrichtius) do que às baleias-de-minke (Balaenoptera acutorostrata e Balaenoptera bonaerensis).[14] [15] Caso mais pesquisas confirmem estas descobertas, os balenopterídeos precisarão ser reclassificados.

Pelo menos onze casos de indivíduos adultos híbridos entre baleias-azuis e baleias-comuns foram documentados na natureza. Arnason e Gullberg afirmam que a proximidade genética das baleias-azuis e das comuns é equivalente à existente entre os humanos e os gorilas.[16] Pesquisadores que estavam trabalhando na região das ilhas Fiji acreditam ter fotografado um exemplar híbrido de baleia-jubarte e baleia-azul.[17]

A primeira publicação descrevendo a baleia-azul encontra-se na obra Phalainologia Nova (1694), de Robert Sibbald. Sibbald encontrou uma baleia-azul encalhada no Estuário de Forth, na Escócia, em setembro de 1692. Era um macho de 23,78 m de comprimento, que tinha “placas pretas e com chifres” e “duas grandes aberturas, cuja forma assemelhava-se à de uma pirâmide”.[18]

O sufixo musculus vem do Latim e significa "músculo", mas também pode ser interpretado como "camundongo pequeno".[19] Carlos Lineu, que batizou a espécie em sua obra Systema Naturae, de 1758,[20] estaria ciente disso ao usar este duplo sentido da palavra como uma ironia.[21] Herman Melville chamava esta espécie de sulphur-bottom (ventre de enxofre, numa tradução livre do inglês) nos capítulos dedicados à descrição dos cetáceos presentes em sua obra-prima, Moby Dick, devido à tonalidade alaranjado-marrom ou amarela das camadas de diatomáceas presentes na pele de seu ventre. Outros nomes comuns utilizados no passado para as baleias-azuis incluem rorqual-de-sibbald (após Sibbald, o primeiro a descrever a espécie), grande-baleia-azul e grande-rorqual-do-norte. Atualmente, esses nomes não são mais utilizados. O primeiro uso do termo baleia-azul está registrado em Moby Dick, de Herman Melville. Contudo, a menção em Moby Dick é passageira e não está relacionada especificamente a esta espécie. Na realidade, o nome provém do norueguês blåhval, cunhado por Svend Foyn após este ter aperfeiçoado o lançador de arpões; em 1874, o cientista norueguês Georg Ossian Sars adotou-o como o nome vulgar da espécie em norueguês,[18] que posteriormente foi traduzido para o português como baleia-azul.[carece de fontes?]

A espécie está classificada em três ou quatro subespécies: B. m. musculus, a baleia-azul que constitui as populações que habitam o norte dos oceanos Pacífico e Atlântico, B. m. intermedia, a baleia-azul do oceano Antártico, B. m. brevicauda, a baleia-azul-pigméia encontrada no oceano Índico e no sul do oceano Pacífico,[22] e a controversa B. m. indica, o grande-rorqual-da-índia, que habita o oceano Índico e, apesar de ter sido descrita anteriormente, pode ser a mesma que a subespécie B. m. brevicauda.[13]

Características[editar | editar código-fonte]

Uma baleia-azul, levantando as nadadeiras de sua cauda durante um mergulho
Baleia-azul adulta

O corpo das baleias-azuis é longo e pontiagudo e, quando comparado ao corpo sólido e reforçado de outras baleias, parece alongado.[10] A cabeça é achatada, em forma de U, com um proeminente espinhaço indo desde o espiráculo até o topo do lábio superior.[10] A parte frontal da boca, onde as lâminas córneas estão localizadas, é espessa; cerca de 300 lâminas, com algo em torno de um metro de comprimento cada, estão ligadas à maxila, percorrendo cerca de meio metro em direção ao interior da boca. Elas possuem algo entre 70 e 118 ranhuras (chamadas de dobras ventrais) ao longo da garganta, paralelas ao comprimento do corpo. Essas dobras ajudam a evacuar a água da boca depois de se alimentar (veja mais na respectiva seção abaixo).

A nadadeira dorsal é pequena,[10] visível apenas por um curto período de tempo, enquanto mergulham. Localizada a cerca de 3/4 da distância da cabeça à cauda, sua forma varia de indivíduo para indivíduo; em alguns, a nadadeira dorsal não passa de um caroço muito dificil de se avistar, enquanto que em outros ela pode ser proeminente, com forma de foice. Quando emergem para respirar, as baleias-azuis elevam seus ombros e espiráculo para fora da água muito mais do que as outras grandes espécies de baleias, como por exemplo as baleias-sei e as baleias-jubarte, o fazem. Com esta peculariedade em mente, é possível a um observador diferenciar estas espécies umas das outras em pleno mar. Algumas baleias-azuis do norte dos oceanos Atlântico e Pacífico levantam as nadadeiras de suas caudas quando mergulham. Durante a respiração, elas espelem um jorro que pode atingir até 12 m de altura, mas que tipicamente não passa dos 9 m. O volume de seus pulmões pode atinger até os 5 000 . As Baleias-azuis tem espiráculos duplos, que são cobertos por um grande pára-respingos.[10]

Vista aérea de uma baleia-azul exibindo suas nadadeiras peitorais

As nadadeiras tem entre 3 e m de comprimento. Enquanto a face superior é cinza, com uma fina borda branca, a face inferior é completamente branca. Normalmente, a cabeça e as nadadeiras da cauda são completamente cinzas. Suas partes superiores e, em alguns casos, as nadadeiras, são malhadas. Os padrões do malhado variam substancialmente de indivíduo para indivíduo: enquanto alguns apresentam apenas um tom cinza claro e uniforme, sem malhado algum, outros demonstram combinações de tons azuis escuros, cinzas e pretos, todos em uma malha muito densa.[11]

Orifício respiratório duplo de uma baleia-azul

Apesar de as baleias-azuis poderem atingir velociadades de até 50 km/h por curtos períodos de tempo, principalmente quando estão interagindo umas com as outras, a velocidade em que nadam fica normalmente em torno dos 20 km/h.[11] Quando se alimentam, elas diminuem sua velocidade de nado para algo em torno dos 5 km/h.

As baleias-azuis vivem sozinhas ou com um parceiro. Não se sabe por quanto tempo casais de baleias-azuis ficam viajando juntos. Contudo, em regiões com fartura de alimento, já foram avistadas até 50 baleias espalhadas por uma pequena área. As baleias-azuis não vivem em grandes grupos, como é o caso de outras espécies pertencentes à subordem Mysticeti.

Dimensões[editar | editar código-fonte]

O jorro de uma baleia-azul

As baleias-azuis são os maiores animais que jamais viveram de que se tem conhecimento.[4] [10] O maior dinossauro de que se tem conhecimento é o Argentinossauro, que viveu no Mesozoico,[23] e pesava, segundo estimativas, até 90 t.

Baleias-azuis, devido às suas dimensões, são muito difíceis de se pesar. Como é o caso da maioria das grandes baleias capturadas por baleeiros, baleias-azuis adultas nunca foram pesadas como um todo. Para poder pesá-las, seus corpos são primeiramente cortados em pedaços, o que resulta em um peso total menor do que real, pois durante o processo perde-se muito sangue e outros fluídos corporais. Mesmo assim, há registros de pesos entre 150 e 170 t para indivíduos de até 27 m de comprimento. O Laboratório Nacional de Mamíferos Marinhos dos Estados Unidos (NMML, na sigla em inglês) estima que o peso de um animal de 30 m de comprimento ultrapasse as 180 t. A maior baleia-azul pesada de maneira precisa até os dias de hoje pelos cientistas do NMML tinha 177 t.[7] De maneira geral, as baleias-azuis do norte do oceano Atlântico e do oceano Pacífico aparentam ser, em média, menores do que as que vivem nas águas da Antártida.

A pequena nadadeira dorsal está à mostra no canto esquerdo da foto

Existe uma certa incerteza quanto à maior baleia-azul já encontrada, pois a maior parte dos dados provém de animais mortos nas águas da Antártida durante a primeira metade do Século XX, tendo sido coletados por caçadores de baleias pouco versados nos métodos científicos de medição de animais. A baleia mais pesada de que se tem registro pesava 190 t.[24] As baleias mais compridas que jamais foram medidas são duas fêmeas medindo respectivamente 33,6 m e 33,3 m. O peso das duas baleias, contudo, não foi coletado na ocasião de sua captura.[25] A maior baleia já medida por cientistas do NMML, uma fêmea capturada por baleeiros japoneses na Antártida entre 1946 e 1947, tinha 29,9 m de comprimento. Já no norte do oceano Pacífico, o maior registro é de uma fêmea, também capturada por baleeiros japoneses, em 1959, com 27,1 m de comprimento, e no norte do oceano Atlântico, uma outra fêmea, capturada no Estreito de Davis, com 28,1 m de comprimento.[18]

Comparação de tamanho de um humano em relação à baleia-azul.

Devido às grandes dimensões das baleias-azuis, muitos de seus órgãos são os maiores do reino animal. Uma língua de baleia-azul pesa algo em torno de 2,7 t[26] e, quando completamente expandida, sua boca é capaz de reter até 90 t de alimento e água.[6] Apesar do tamanho de sua boca, as dimensões de sua garganta são tais que uma baleia-azul é incapaz de engolir um objeto maior que uma bola de praia.[27] Seu coração pesa em torno de 600 kg e é a maior parte de corpo conhecida de todos os animais.[26] A aorta de uma baleia-azul tem aproximadamente 23 cm de diâmetro.[28] Durante os primeiros sete meses de vida, uma baleia-azul jovem bebe aproximadamente 400 l de leite por dia. Baleias-azuis jovens crescem muito rapidamente, podendo ganhar peso corporal a uma taxa de até 90 kg a cada 24 horas. Quando nascem, podem pesar até 2 700 kg – o mesmo que hipopótamo adulto.[11] A cabeça de uma baleia-azul é tão grande que cinquenta pessoas poderiam apoiar-se em sua língua.[carece de fontes?] Um bebê (humano) poderia gatinhar através das principais artérias da baleia-azul e um humano adulto poderia até arrastar-se pela sua aorta. O órgão reprodutor do macho (o pênis), chega a medir 3 metros de comprimento.[carece de fontes?]

Um crânio de baleia-azul com 19 ft (6 m) de comprimento do acervo do Museu Nacional de História Natural dos Estados Unidos

Alimentação[editar | editar código-fonte]

As baleias-azuis alimentam-se quase que exclusivamente de krill, podendo ainda ingerir um pequeno número de copépodes.[29] As espécies de plâncton das quais as baleias-azuis alimentam-se varia de oceano para oceano. Ao norte do oceano Atlântico o cardápio é composto usualmente de Meganyctiphanes norvegica, Thysanoessa raschii, Thysanoessa inermis e Thysanoessa longicaudata;[30] [31] [32] ao norte do oceano Pacífico, Euphausia pacifica, Thysanoessa inermis, Thysanoessa longipes, Thysanoessa spinifera, Nyctiphanes symplex e Nematoscelis megalops;[33] [34] [35] e, no oceano Antártico, Euphausia superba, Euphausia crystallorophias e Euphausia valentin.

Uma baleia-azul adulta pode comer até 40 milhões krill em um dia.[36] As baleias sempre alimentam-se nas áreas de maior concentração de krill, podendo comer até 3 600 kg de krill num único dia.[29] Isso equivale a uma dieta de aproximadamente 1,5 milhões de quilocalorias diárias.[37]

Devido ao fato de o krill se mover, as baleias-azuis alimentam-se normalmente a profundidades superiores a 100 m durante o dia, vindo a alimentar-se na superfície somente à noite. A duração típica dos mergulhos para alimentação é de 10 minutos, porém períodos de até 20 minutos são também observados. O mergulho mais longo registrado foi de 36 minutos.[38] Para se alimentar, as baleias movem-se rapidamente em direção a grupos de kril, tomando os animais e grandes quantidades de água em sua boca. Na sequência, a água é pressionada para fora com ajuda da bolsa ventral e da língua, passando por suas lâminas córneas. Assim que toda a água é empurrada para fora da boca, o krill remanescente, preso às lâminas córneas, é engolido. Baleias-azuis podem também consumir peixes pequenos, crustáceos e lulas capturadas junto com o krill.[39] [40]

Apesar de serem mamíferos, as baleias não amamentam seus filhotes pelas tetas. O leite da baleia é tão gorduroso que ela o solta na água, de onde o filhote o suga, já que água e gordura não se misturam.

População e pesca[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de baleia-azul em frente ao Long Marine Laboratory da Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

As baleias-azuis não são fáceis de capturar, matar e estocar. A sua velocidade e poder mostram que elas não foram o alvo dos baleeiros antigos que, ao invés, tinham como alvo cachalotes. Como o número dos últimos declinou, os baleeiros começaram a olhar com mais cobiça para baleia-azul. Em 1864, o navio a vapor norueguês Svend Foyn foi equipado com arpões especialmente concebidos para capturar grandes baleias.

A matança de baleias-azuis espalhou-se rapidamente, e em 1925, os Estados Unidos, o Reino Unido e o Japão tinham se juntado, à Noruega, na caça às baleias-azuis, capturando-as, matando-as e processando-as em grandes navios-fábricas. Em 1930, 41 navios mataram 28 325 baleias-azuis. No final da segunda guerra mundial, as populações de baleias-azuis já eram escassas, e em 1946, as primeiras leis que restringiam o comércio de baleias foram introduzidas. Tais leis eram ineficientes devido à falta de diferenciação entre as espécies. Espécies ameaçadas pela extinção podiam ser igualmente caçadas com aquelas que tinham uma população relativamente abundante. Quando a caça da baleia-azul finalmente foi proibida, nos anos 60, 350 mil baleias-azuis haviam sido mortas. A atual população mundial de baleias-azuis é estimada entre três a quatro mil, com duas mil concentradas na costa californiana. Tal grupo representa a maior esperança num longo e gradual processo de aumento populacional da baleia-azul, que está nas listas dos animais ameaçados de extinção desde os anos 60.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Reilly, S.B., Bannister, J.L., Best, P.B., Brown, M., Brownell Jr., R.L., Butterworth, D.S., Clapham, P.J., Cooke, J., Donovan, G.P., Urbán, J. & Zerbini, A.N. (2008). Balaenoptera musculus (em Inglês). IUCN . Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 30 de outubro de 2012.
  2. J. Calambokidis and G. Steiger. In: Voyageur Press. Blue Whales (em inglês). [S.l.: s.n.], 1998. ISBN 0-89658-338-4
  3. a b Animal Records (em inglês). Smithsonian National Zoological Park. Página visitada em 11 de janeiro de 2008.
  4. a b What is the biggest animal ever to exist on Earth?. How Stuff Works. Página visitada em 29 de maio de 2007.
  5. FI-Species fact sheets (em inglês). Fisheries and Aquaculture Department, Food and Agriculture Organization - ONU.
  6. a b Jason de Koning and Geoff Wild (1997). Contaminant analysis of organochlorines in blubber biopsies from blue whales in the St Lawrence (em inglês). Trent University. Página visitada em 29 de junho de 2007.
  7. a b Assessment and Update Status Report on the Blue Whale Balaenoptera musculus (PDF) (em inglês). Committee on the Status of Endangered Wildlife in Canada (2002). Página visitada em 19 de abril de 2007.
  8. Kirby, Alex (19 de junho de 2003). Science seeks clues to pygmy whale (em inglês). BBC News. Página visitada em 21 de abril de 2006.
  9. T.A. Branch, K. Matsuoka and T. Miyashita. (2004). "Evidence for increases in Antarctic blue whales based on Bayesian modelling" (em inglês). Marine Mammal Science (20): 726–754. DOI:10.1111/j.1748-7692.2004.tb01190.x.
  10. a b c d e f Size and Description of the Blue Whale Species (em inglês). Página visitada em 15 de junho de 2007.
  11. a b c d American Cetacean Society Fact Sheet - Blue Whales (em inglês). Arquivado do original em 11 de julho de 2007. Página visitada em 20 de junho de 2007.
  12. Barnes LG, McLeod SA.. In: Jones ML et al.. The Gray Whale (em inglês). Orlando, Florida: Academic Press, 1984. Capítulo: The fossil record and phyletic relationships of gray whales. , 3–32 p. ISBN 0-12-389180-9
  13. a b Mead, James G.. In: Wilson, Don E., and Reeder, DeeAnn M., eds. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference (em inglês). 3a. ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2 vols. (2142 pp.). Capítulo: Order Cetacea (pp. 723–743). , 725 p. p. 725. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  14. Arnason, U., Gullberg A. & Widegren, B.. (01 de setembro de 1993). "Cetacean mitochondrial DNA control region: sequences of all extant baleen whales and two sperm whale species". Molecular Biology and Evolution 10 (5): 960–970. PMID 8412655. Página visitada em 25 de janeiro de 2009.
  15. Sasaki, T. et al.. (04 de marco de 2011). "Mitochondrial phylogenetics and evolution of mysticete whales". Systematic Biology 54: 77–90. DOI:10.1080/10635150590905939. PMID 15805012.
  16. A. Arnason and A. Gullberg. (1993=). "Comparison between the complete mtDNA sequences of the blue and fin whale, two species that can hybridize in nature" (em inglês). Journal of Molecular Ecology 37 (4): 312–322. PMID 8308901.
  17. Amazing Whale Facts Archive. Whale Center of New England (WCNE)] (em inglês). Página visitada em 27 de fevereiro de 2008.
  18. a b c Bortolotti, Dan. Wild Blue: A Natural History of the World’s Largest Animal (em inglês). [S.l.]: St. Martin's Press, 2008.
  19. Simpson, D. P.. Cassell's Latin Dictionary (em inglês). 5 ed. London: Cassell Ltd., 1979. p. 883. ISBN 0-304-52257-0
  20. Linnaeus, C.. Systema naturae per regna tria naturae, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis. Tomus I (em latim). Editio decima, reformata ed. Holmiae: Laurentii Salvii, 1758. p. 824.
  21. Blue Whale Fact Sheet (em inglês). New York State Department of Environmental Conservation. Página visitada em 29 de junho de 2007.
  22. Ichihara T. (1966). The pygmy blue whale B. m. brevicauda, a new subspecies from the Antarctic in Whales, dolphins and porpoises Page(s) 79-113.
  23. (espanhol)Bonaparte J., Coria R.. (1993). "Un nuevo y gigantesco sauropodo titanosaurio de la Formacion Rio Limay (Albiano-Cenomaniano) de la Provincia del Neuquen, Argentina". Ameghiniana 30 (3) p. 271–282.
  24. Wood, Gerald. The Guinness Book of Animal Facts and Feats (em inglês). [S.l.: s.n.], 1983. p. 256. ISBN 978-0-85112-235-9
  25. (2002) "Update COSEWIC status report on the blue whale Balaenoptera musculus in Canada." (em inglês): 32.
  26. a b The Scientific Monthly. [S.l.]: American Association for the Advancement of Science, 1915. p. 21.
  27. Blue Planet: Frozen seas (BBC documentary)
  28. Caspar, Dave (2001). Ms. Blue's Measurements (PDF) (em en). Seymour Center, University of California, Santa Cruz.. Arquivado do original em 27 de agosto de 2004. Página visitada em 1 de setembro de 2006.
  29. a b Detailed Information about Blue Whales (em inglês). Alaska Fisheries Science Center (2004).
  30. (1929) "Whaling and fishing in the North Atlantic" (em inglês). Rapp. Proc. Verb. Conseil int. Explor. Mer 56.
  31. Christensen I, Haug T, Øien N. (1992). "A review of feeding and reproduction in large baleen whales (Mysticeti) and sperm whales Physeter macrocephalus in Norwegian and adjacent waters" (em inglês). Fauna Norvegica Series a 13: 39–48.
  32. Sears R, Wenzel FW, Williamson JM. (1987). "The Blue Whale: A Catalogue of Individuals from the Western North Atlantic (Gulf of St. Lawrence)". Mingan Island Cetacean Study, St. Lambert, Quebec. p. 27.
  33. Sears, R. (1990). "The Cortez blues" (em inglês). Whalewatcher 24 (2): 12–15.
  34. Kawamura, A. (1980). "A review of food of balaenopterid whales" (em inglês). Scientific Reports of the Whales Research Institute 32: 155–197.
  35. Yochem PK, Leatherwood S. In: Ridgway SH, Harrison R. Handbook of Marine Mammals, Vol. 3:The Sirenians and Baleen Whales. (em inglês). London: Academic Press, 1980. Capítulo: Blue whale Balaenoptera musculus (Linnaeus, 1758). , p. 193–240.
  36. Afp.google.com Hunted, rammed, poisoned, whales may die from heartbreak too (em inglês).
  37. Piper, Ross (2007), Extraordinary Animals: An Encyclopedia of Curious and Unusual Animals, Greenwood Press.
  38. (Sears 1998)
  39. Nemoto T. (1957). "Foods of baleen whales in the northern Pacific" (em inglês). Sci. Rep. Whales Res. Inst. 12: 33–89.
  40. Nemoto T, Kawamura A. (1977). "Characteristics of food habits and distribution of baleen whales with special reference to the abundance of North Pacific sei and Bryde’s whales" (em inglês). Rep. Int. Whal. Commn 1 (Special Issue) p. 80–87.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Ouça o canto da baleia-azul
Feito pelo National Oceanic and Atmospheric Administration

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.